• @rgpatrickoficial

Um Recomeço - Capitulo 2

- Sim, claro Kennedy, estou lendo eles e logo o Junior irá entrar em contato com você.

Falei gaguejando, afinal, iria negar ou falar a verdade, ainda mais para quem ou melhor de quem o cara é irmão.

- Obrigado.

- Já que se conhecem venha conosco Thiago, vamos comer algo, ai vocês discutem sobre os texto.

Marcelo foi educado nos chamando, mas eu tinha que escapar de qualquer forma, eu sabia que estava errado;

- Não obrigado eu tenho que levar o Cauã pra casa.

- Pai, minha mãe viajou, você sabe.

Cauã me entregando eles olharam pra ele depois voltaram os olhares para mim.

- Cauã pra casa do papai, certo? Então vamos, boa tarde para vocês até, mas, bom te ver Marcelo e foi um prazer conhecê-lo pessoalmente Kennedy.

- Que isso é sempre uma honra.

Nos afastamos e peguei o celular logo liguei para Junior.

- Cara preciso de você.

- O que foi, está tudo bem?

- Junior lembra dos textos do Kennedy?

- Lembro sim, o que tem?

- Pelo amor de Deus me diz que não jogou eles fora?

- Joguei, você que mandou Thiago.

- Ai meu Deus! Eu preciso daqueles textos para ontem.

- Ele tem cópias no computador dele Thiago, sempre que ia me entregar ele os imprimia.

- Junior eu preciso destes textos.

- Olha, amanhã no almoço você vai no computador dele e manda pro seu e-mail os arquivos.

- Boa ideia! Não, mas eu nunca nem fui naquele andar e aparecer assim, não rola.

- Porque não? Antes que todos cheguem!

- Verdade, bem pensado!

Desliguei o telefone e logo Cauã me questiona:

- Pai você mentiu?

- Sim meu filho, e me dei mal, nunca faça isso, é errado.

Ele só respondeu que sim com a cabeça.

Na segunda-feira deixei Cauã no colégio mais cedo que o normal e fui correndo pra revista, ao invés de ir na hora do almoço, fui antes de todo mundo chegar, entrei no andar e fui até a mesa de Kennedy, lá era como nos tradicionais escritórios com departamentos e mesas divididas com baixas paredes. Junior havia me explicado qual mesa seria, liguei-o computador dele e localizei os arquivos, por segurança mandei os e-mails e apaguei seu histórico, quando ouço alguém entrando, o elevador parou no andar e a porta se abriu, como ninguém poderia me ver, eu me escondi debaixo da mesa, fiquei quase sem respirar e logo percebi que era Eugênia, Diretora de Artes, minha inimiga dentro da revista, por estar no mesmo patamar sempre querendo me derrubar, mas na minha frente é uma "anjinha".

- Hoje temos a reunião de fechamento do mês, eu te ligo assim que terminar... Oi? Mas é claro que eu vou dar um jeito naquele criadorzinho, o Thiago se acha, aquilo é um cara que não transa desde que largou da mulher, só pensa em serviço, já ouvi falar que ele é gay...sim sim, depois a gente conversa, vou descer e tomar café.

Ela pegou uns papeis na sala dela e saiu entrando no elevador e minha vontade era de jogar ela pela janela fiquei louco, ao subir Junior estava na minha sala, deixando um café e ligando meu computador;

- Conseguiu?

- Vem comigo! O que falam de mim pelos corredores? Gritei com ele sendo bem duro.

- O que? Como assim?

- Eu to falando da rádio peão Junior, vai desembucha, o que andam falando de mim?

- Te chamam de Judas, depois que subiu de cargo e Jeferson foi demitido.

- Judas? Jefferson mudou e eu que sabia fazer o que ele fazia.

- Falam que você é mal amado, por estar sempre de mal humor, e por se preocupar muito com o trabalho, não dá um tempo pra você mesmo e sua família.

- Ta. Tá. Já chega, já ouvi bastante, me diz que horas é a reunião?

- Será às 16h00min.

- Obrigado pode ir. Ah e Junior desmarca todos Meus compromissos de hoje, vou me preparar para essa reunião, vou mostrar quem sou eu para Eugenia.

- Sim, Senhor.

Junior saiu e eu abri meu e-mail e imprimi todos os arquivos e torci pra que os textos fossem bons, e não me decepcionei, Kennedy escrevia muito bem, tinha uma forma própria para colocar suas palavras e a interpretação era maravilhosa, os detalhes e temas abordados, citações, era de encher os olhos, digo com clareza que me arrependi e que ele estava sendo desperdiçado no cargo em que estava. Depois de ler tudo eu preparei o material de Kened para mim na reunião do mês, iria usar ele para me dar bem.

- Thiago está na hora.

- Já vou.

Fui para sala de reuniões e todos estavam lá, já sentados e computadores a postos, e todos aguardando Cesar, a megera sentada na minha frente;

- Bem como estão todos aqui podemos começar.

Esse tipo de reunião é um verdadeiro "porre", é falado dos balanços do mês passado, havia uma coisa interessante que era...

- Esse mês é muito importante para nós, vamos fazer a campanha para a empresa que nos contrataram através do nosso diretor de criação Thiago palmas por favor. Eu pensei bem e quero que Eugênia trabalhe junto e faça uma apresentação da campanha junto a Thiago, a melhor escolhida pelo contratante será promovido a Editor Chefe.

- Mas César eu consegui o contrato, nada mais justo que me dar à campanha

Perguntei me levantando e me impondo respeito;

- Thiago faça a sua apresentação e que vença a melhor, é minha última palavra, senhores por hoje é só.

Sai daquela sala pisando fogo, fui para casa enfurecido com essa reunião, Eugênia vai me atacar e bater de frente comigo, ela não deixaria barato. Naquela noite não dormi pensando em alguma coisa para fazer, achar uma saída e eu tinha menos de 2 semanas.

Na Terça-feira, estava chovendo de manhã, o tempo nublado, eu nem havia chegado direito na revista e Junior transfere uma ligação;

- Thiago, Clara na linha 7.

- Alô.

- Thiago preciso que busque Cauã no colégio hoje, vou trabalhar até tarde.

- Tudo bem, que horas?

- As 17:00.

- Pode contar comigo.

Ela desligou e liguei para Junior,

- Pede para o Kennedy vir até minha sala.

Em minutos ele chega, como se estivesse no andar, pedi para que sentasse, o garoto tremia as mãos, eu odeio rodeios então fui direto ao assunto.

- Te chamei aqui para saber se quer trabalhar comigo na próxima campanha?

Perguntei de frente a ele me apoiando na mesa de braços cruzados ao seu lado.

- Sim, quero e muito.

Pensei que mataria ele, o garoto engasgou, gaguejou, eu tive que pegar água pra ele;

- Que bom, pois vou usar tudo que você tem, a campanha é importantíssima, preciso de toda ajuda possível.

- Vai ser uma honra, Thiago obrigado não vai se arrepender.

- Eu sei que não, começamos amanhã. Pode ir.

Ele saiu da sala e Junior entra me falando a agenda do restante do dia, fui para uma seção de fotos de outra pequena campanha que eu estava trabalhando e acabei passando o dia inteiro lá, as 17:40, lembro de Cauã, “porcaria”, fui louco pro colégio e ele estava lá sozinho na escada ao lado de fora, com a mesma carinha de sempre;

- Me perdoa?

Falei ajoelhando e juntando as mãos na sua frente, “ai como isso me doeu”;

- Você disse que não era pra eu mentir.

- Desculpe filho, papai ficou preso no trabalho de novo, deixa eu me esforçar para não fazer de novo?

- Promete Pai?

- Prometo.

Saímos dali eu fui levando ele pra casa quando meu celular chama, era Marcelo;

- Boa tarde, atrapalho?

- Não. Boa Tarde, tudo bem?

- Estou no elevador se a ligação cortar já sabe! Bem eu só queria agradecer a oportunidade que deu a meu irmão, ele está muito feliz por confiar nele.

- Não foi nada, só estou creditando o seu esforço.

- Eu estava pensando, podemos jantar hoje?

- Sim claro, pode ser na minha casa?

- Fechado, as 20h00min. Tudo bem pra você?

- Ás 20h00min.

Como não havia preparado nada em casa e Cauã ficaria mais um pouco, comigo levei ele até o mercado próximo a minha, casa comprei algumas coisas para fazer o jantar, por morar praticamente sozinho não tinha o costume de cozinhar todos os dias. E fui correndo pra casa;

- Cauã ajuda o Papai, pega as roupas do chão e coloca na máquina.

Falei indo dar uma geral no meu quarto.

- Que bagunça Pai.

Disse ele olhando algumas peças ao chão, eu rindo nem consegui responder, em meia hora ajeitamos a casa eu lavei a louça e preparei tudo, meu celular chama era a Clara, para me atrasar mais ainda;

- Thiago deixa eu falar com Cauã.

- Meu filho sua mãe.

Dei o celular pra ele, joguei o lixo fora e logo ele retorna me entregando o celular;

- Ela quer falar com o senhor.

- Thiago vou demorar mais umas 2 hora por aqui, tudo bem.

- Duas horas Clara, poxa combinamos as 19h00min.

- É seu filho também, se esqueceu?  Você tem compromisso?

- Tenho, mas tudo bem fico com ele ok.

- Obrigado, eu pego ele assim que sair.

- Não, deixa, eu levo ele pra escola amanhã.

- Tudo bem.

- Adivinha quem vai trabalhar até tarde? Pois é Cauã, sua mãe não vem hoje, vamos tomar um banho!

Nós tomamos um banho, vesti uma roupa mais ou menos e ele estava brincando no quarto, e eu fui começar o jantar, era 19h38min e eu correndo contra o tempo, o interfone chama era o porteiro comunicando o Marcelo, ai que raiva dele chegar cedo, a campainha toca em seguida, eu peguei um pano para secar as mãos e antes disso Cauã passa correndo para atender, eu fui até porta e Marcelo estava entrando;

- Fala garotão!

Disse ele cumprimentado Cauã com um aperto de mão, mas meu filho é bem mais proativo e pulou no colo dele, pensam na minha cara de lua nesse momento;

- Você chegou cedo.

Falei apertando sua mão,

- A adega que eu conheço fica próximo seu apart, olha o que trouxe pra gente!

Marcelo me entregou um vinho de uns 4 anos, fomos pra cozinha e Cauã voltou pro quarto e Marcelo ficou atrás do balcão;

- Como chegou mais cedo, vem me ajudar quero ver se domina a cozinha como uma mesa de cirurgia.

- Cama de cirurgia.

- Tanto faz, dá no mesmo, rsrsrs.

- Cara na boa, não me dou muito bem na cozinha!

- Que isso Marcelo, é tranquilo, todo mundo sabe ao menos um pouco sobre cozinha.

- Bem, está avisado, o quer que eu faça?

Disse Marcelo arregaçando as mangas, da camisa;

- Escorre a água desse macarrão pra mim, o escorredor está ai em cima. Neste armário... Isso.

Apontei pro armário e Cauã vem e pega um copo de água e senta na bancada, olhando a gente;

- Qual desses é o escorredor?

Marcelo perguntou sério eu olhei rindo, apontei pra ele e Cauã me chama;

- Pai!

Falou ele apontando o dedo pra Marcelo que iria escorrer toda a água no chão;

- Ei ei ei! Coloca isso dentro da pia. Olha a bagunça, isso aqui são furos ok.

- Ai caramba, ainda bem que avisou.

Ele virou tudo de uma vez só e acabou sujando sua camisa. Eu não conseguia parar de rir e levei ele pra se limpar e peguei uma camisa minha, entreguei pra ele no banheiro e percebi seu corpo todo definido, branquinho, com um peitoral másculo e uma barriga tanquinho, Marcelo se vestiu me encarando, eu freneticamente fixado no olhar dele, depois voltamos pra cozinha;

- Não é melhor ir vendo um filme, ou ir jogando com Cauã?

-  Boa ideia.

Ele chamou Cauã no quarto e os dois foram como crianças pra sala, Marcelo era ótimo com ele.

- Caramba cara você tem um vídeo game muito show.

- Foi meu pai que me deu.

Eles travaram uma conversa ali enquanto jogavam, aproveitei e terminei o jantar, preparei a mesa, e fui chama-los. Marcelo estava sem o sapato pulando com Cauã, a cena para um desconhecido era de duas crianças;

- Os dois vão se lavar que o jantar está pronto.

Falei sério, eles olharam assustados e Marcelo pegou Cauã no colo e saíram;

Nos sentamos e durante o jantar conversamos sobre vários assuntos, quando Cauã fala uma coisa que eu me assustei, fiquei branco na hora;

- Marcelo você tem filhos?

Perguntou assim que terminamos de jantar;

- Não Cauã, porque a pergunta?

- Bem que você poderia ser meu segundo pai!

Olhei para a taça de vinho e desejei estar dentro dela, sumir naquele momento;

- Segundo pai, eu não estou servindo mais é?

Perguntei para disfarçar;

- Como assim Cara?

Marcelo questionou preocupado, Cauã disse em um tom meio preocupante, como se eu fizesse algo ruim a ele;

- É que meu amigo do colégio tem dois pais.

- Não seria o padrasto?

Perguntei já soando;

- Não a professora disse que eles são casados, por isso ele tem dois pais.

Eu me engasguei na hora, não sabia o que falar, olhei para Marcelo que ficou vermelho.

- E o que você acha disso Cauã?

Perguntou Marcelo, já em um tom de brincadeira, mas Cauã não deixou barato e respondeu;

- Legal ué, porque meu pai Thiago não joga vídeo game comigo e atrasa pra me pegar na escola, daí você me pegaria na escola e iria jogar comigo, comer pizza, ir na praça...

Eu já suava com as palavras que iriam saindo daquela boquinha maldita;

- Bem as louças são de vocês, espero que não quebrem nada.

Falei olhando para Marcelo, consegui escapar daquele clima. Arrumamos tudo e bebendo vinho e assistindo um filme, Cauã dormiu no sofá eu peguei ele e Levei até seu quarto, voltei me sentei no mesmo lugar ao lado de Marcelo, e voltamos a conversar.

- Depois da mãe dele você não namorou mais?

- Não, somente ficava com garotas mesmo, porque? Você namora?

- Não, estou solteiro.

- E não tem ninguém em mente?

- Não, por enquanto não?

- Ah que isso Marcelo, nos sempre temos alguém em mente.

- Na verdade sim, estou gostando de uma pessoa!

- E essa pessoa gosta de você?

- Não sei se do mesmo jeito que gosto dela!

- Vocês já ficaram?

- Não, não tive a oportunidade ainda...

Marcelo aproximou seu rosto do meu, trouxe seu corpo até próximo de mim, como se fosse me beijar, eu recuei e me levantei coçando a garganta.

- Bom, acho que já vou, esta tarde.

- Tudo bem, começo amanhã o trabalho com Kennedy, vou deitar também tenho que estar disposto.

-Legal, obrigado pelo jantar e pela noite. Foi ótimo estar com vocês.

- Que isso, e desculpa o Cauã, ele é assim mesmo.

- Que nada, o garoto é demais, boa noite.

- Boa noite.

Fechei a porta e fiquei pensando nas palavras de Marcelo, olhei pro vinho na taça e me abriu um sorriso uma felicidade tomou conta do meu coração naquele momento, mas logo fiz uma cara de “o que é que eu to pensando?”.






11 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia