Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia

  • Richardson Garcia

Sempre o Melhor Amigo - Segunda Temporada - Capitulo 7

Fomos interrompidos pelo telefone da sala, eu sai de perto dele me aprontei e atendi todo sem graça, mesmo assim a culpa daquele beijo me deixava de pernas bambas, falei pra ele;

- Isso aqui não aconteceu, está me entendendo?

Ele gesticulou concordando e saímos, em casa fui para o meu quarto e passava pela minha cabeça Oque eu tinha feito, me sentia culpado e tudo mais, por outro lado não me controlaria perto de Vitor novamente, mas eu tinha Caio, nem que seja desonroso mas eu sabia Oque sentia, tomei um banho de água fria para colocar as ideias no lugar e voltei as minhas papeladas.

À noite eu estava na cozinha com minha mãe e vejo Vitor falando ao telefone na copa;

Falando com sua mãe que iria embora na semana que vem, pois eles haviam chegado de viagem.

Depois que Vitor tinha ido embora eu estava me preparando para organizar a minha viagem e mudança, iria a São Paulo para organizar várias coisas, ligar pra morar, onde trabalharia, deixar tudo certo pro grande dia, Caio bem ele concordava com tudo não me disse se iria comigo, tudo que eu dizia ele somente me apoiava.

No dia de minha viagem Jean e minha mãe me deixara no aeroporto devido a horários eles foram embora, eu estava entrando.

Quando ouço um alívio, ignorei de repense me jogaram uma latinha, era Caio;

- Me ajuda com essa bagagem aqui seu Viado.

- Quem vai mudar sou eu e não você.

- Cala a boca e me ajuda.

Eu estava tão feliz vendo ele ali, Caio havia decidido me acompanhar  na viagem. Quando desembarcamos em São Paulo ele pegou uma câmera;

- Registrar nosso primeiro dia em São Paulo.

- Há tá sei, vamos pegar táxi. No hotel chegamos tarde e foi só tomar um banho e deitar que logo caímos no sono, quando acordei no dia seguinte Caio não estava ao meu lado, desci e passando pela piscina vejo ele conversando com um cara, chamei ele;

- Tá rápido em.

- Poise olha que ele é francês, eu acho que tenho uma quedinha viu.

- Vai se fuder, vou sair e ir a corporação me apresentar.


#Vitor


Assim que havia retornado pra casa não esquecia Luan, ele era diferente pra mim, acho que por sua humildade e lealdade pelo Caio. Já em estava em casa e retomando a rotina, quer dizer voltando pra casa.

Depois de ver alguns amigos em casa a noite estava só é lembrando da loucura que era a na casa de meus primos eu estava na cama deitado e pensando no beijo no toque de Luan, às vezes passava pela cabeça estar apaixonado por ele mas sabendo que não o devia.


#Caio


À noite Luan ainda não havia chegado eu pedi pra preparar o quarto e deixar tudo bem romântico, rosas na cama e um monte de frescura. Quando ele chegou e Olhou o quarto;

- Eu tenho que tirar a roupa pra entrar ou tudo bem?

- É só um pequeno agrado. Disse eu indo abraçar ele, nos beijamos e ele foi ao banheiro tomar um banho estava tenso pelo dia, ao sair veio de toalha deitamos na cama dei um selinho nele;

- Te amo cara não faz ideia o quanto.

- Eu também te amo Caio, Muito, muito.

Entre beijos e amassos não chegamos a transar, mas houve umas preliminares, eu chupei Luan até gozar e ele fez milagre em mim, ele tinha seu jeito que me deixava louco com mordidas passadas de língua que me deixavam louco mas nada comparado sua boca, poise sem igual.

Nós olhamos um apartamento que era próximo ao trabalho dele e havia dado entrada na papelada de compra, eu não poderia vir de imediato teria que esperar na faixa de 2 meses até que tudo no escritório se resolva, no último dia fomos à praia e estava acontecendo uma social eu acabei enturmando e ficamos lá um pouco bebendo e jogando conversa fora;

Quando voltamos pro hotel eu arrumei minhas coisas para voltar e Luan se afastou foi pra sacada logo o segui;

- Que foi?

- Sei lá Cara, To meio assustado.

- Calma, normal cidade nova, logo mais está no seu próprio apartamento e eu vou estar contigo.

- Caio não é isso, não quero que dê uma volta no mundo por causa de mim.

- Que história é essa? O que quer dizer!

- Estou fazendo com que você deixe sua família por mim Caio.

- Estou acostumado com sua mudança de humor Luan, dessa vez está exagerando.

- Quero que pense bem antes de decidir se mudar, tudo bem.

- Tá mais já sabe minha opinião.

- Promete?

- Sim.

Conversei mais um pouco com ele que estava abalado com minha decisão de morar com ele e mudar de cidade, Luan ficaria para se mudar pro apartamento novo e organizar horários, quando chegamos no aeroporto;

- Sabe que eu te amo, não sabe!

- E eu também, e assim me deixa sem graça sabe disso.

Ele foi comigo até o portão de embarque, entrando olhei para traz e as lágrimas percorriam seu rosto, devagar e dolorosamente, mas tínhamos que sermos fortes.


#Luan


Depois de uma semana o pessoal do apartamento me ligaram para que eu fosse pegar as chaves, e já fui levando poucas coisas que eu tinha e também comprar algumas, mesmo nessa imensidão de cidade me sentia sozinho, minha cabeça tinha uns altos e baixos que me deixavam atordoado.

Em uma sexta-feira meu celular chama era Vitor;

- Alô.

- Oi meu filho, é a tia Lucy tudo bem com você? Com o tempo que não a via demorei para reconhecer a voz o que ajudou foi o celular de Vitor.

- Tia quanto tempo, poxa saudades.

- Então meu filho já está na cidade?

- Já sim, faz umas semanas.

- Quero que venha jantar conosco amanhã tudo bem?

- Vou pensar. Respondi ouvindo ao fundo Vitor.

- Vai pensar? Poxa primo não faz essa desfeita.

- Sabia que tinha dedo seu nesse convite.

- Só estou com saudade.

- Tudo bem, vou ver o que consigo.

No dia seguinte eu peguei um taxi até a casa de meus tios que ficava a uma hora do meu apartamento, chegando no endereço, a casa era linda, realmente perfeita coisa de novela, ao tocar a campainha minha tia atende toda feliz e animada, meu tio não estava em casa, entrando abraçado com ela ouço um funk no celular era Vitor veio dançando com a música;

- Luan, Eai bem?

Nos Cumprimentamos e ela queria saber de tudo, depois do jantar ficamos no jardim conversando e bebendo vinho, dando varias risadas, ela era uma menina de 40 anos, Vitor claro me olhava com outros olhos;

- Olha esta tarde, dorme aqui, amanhã você vai embora. Disse tia Lucy.

- Não obrigado, mas tenho que ir.

- Tem um quarto de hóspedes, acha que vou deixar você ir essas horas.

Ela insistiu e eu tive que concordar em ficar lá.


#Vitor


Minha mãe subiu e foi dormir, eu nem acreditava que ele estava ali na minha frente, só de ver Luan minhas mãos suavam, olhar pra ele me dava calafrios, quando o beijei fui ao céu e voltei, sensação que nunca havia sentido.

- Que bom que está aqui, fico feliz.

- Valeu.

- Acho que estou gostando de você.

- Sem essa Vitor, você não sabe o que é gostar de alguém.

- É sério, quando te beijei eu tremia minhas mãos suavam.

- Isso é desejo, tesao, ou até mesmo paixão. Disse ele entrando no banheiro, ao sair mostrei o quarto pra ele.

- É esse aqui. Disse eu saindo e descendo as escadas.

- Vitor. Ele me chamou e desceu até mim, olhou pro chão e me beijou, eu assustei ele tinha umas mãos que passavam por todo meu corpo, eu dei umas pegadas nele que o deixavam louco de tesao, eu tirei sua camisa e abri sua calça, estava tirando minha camisa quando ele pegava no meu cassete por cima da cueca.

- Temos que subir.

Fomos pro meu quarto e fechei a porta nos beijávamos como loucos, e Luan veio beijando meu peitoral e mordendo, suas mordidas não eram fortes e sim provocativas havia beijos entre mordidas e passadas de língua, enquanto sua mão apertava meu cassete, eu quase gozei e não acreditava que aquilo estava acontecendo.


1 visualização