• @rgpatrickoficial

Sempre o Melhor Amigo - Capitulo 5


udei minha mãe e ele entrou com uma mala nas costas.

- Caio!

- E ai beleza cara?

- Bem sim.

- Caio, o Allan vai ficar um tempinho aqui em casa. .. Nesse momento o celular dele chama e ele sai para atende-lo.

- Mãe de onde tirou isso?

- Sim Caio, o Sérgio pediu para o seu pai e ele vai ficar com a gente, e vai ter que ceder seu sofá a ele. O meu quarto realmente era enorme tinha uma cama de casal, e ao lado do computador havia um sofá bem aconchegante.

- Ata no meu quarto mas mãe!

- Sem, mas Caio.

Allan entra na sala, e minha mãe já começa a puxar seu saco.

- Sabia que ele passou na Faculdade de Educação Física?

- Legal cara Parabéns. Disse isso encaminhando ele para o meu quarto, separei um lugar para ele no meu closet e apresentei a casa, a beira da piscina ele me interrompe.

- Caio oque aconteceu na Chácara, desculpe como você disse estávamos bêbados.

- Também acho melhor esquecer.

- Amigos?

- Não tenho escolha você mora no meu quarto agora. Demos algumas risadas e Larissa fica louca quando vê Allan, toda fresca.

- Caio se eu te pedir algo você faz? Pooooooor Favor?

- Tenho até medo fala!

- Me leva no seu tatuador?

-Está louca.

-Não, eu quero escrever o nome dos nossos pais é uma surpresa, mas não sei onde fica.

-Vamos, mas escondido, Allan não fala nada em.

- Ok! nem vi vocês, vou subir e tomar um banho.

Eu e Larissa saímos fomos andando mesmo era somente alguns quarteirões.


#Luan


Preocupado por Caio não retornar minha ligação sai mais cedo do trabalho e fui a casa dele.

Chegando lá fui recebido por Marta.

- Oi tudo bem com a senhora?

- Agora sim Luan, veio falar com Caio?

- Sim. Ele está?

- Está sim, lá em cima.

Subi as escadas entrando no quarto ouço o barulho do chuveiro ligado fechei a porta e fui entrando no banheiro quando olho um cara Loiro de ótima aparência tomando banho, como ele estava de costas sai rapidamente tropecei na cama fazendo um barulho e ele pergunta;

- Quem está ai?

- Caio? Pergunto eu sem jeito.

Ouço o chaveiro desligar, abri a porta e fiquei próximo a ela, sai um Deus grego Loiro, com o cabelo nos olhos um corpo másculo com uma voz rouca que dá tesão somente de ouvir.

- O Caio saiu.

- Ata sabe para onde ele foi?

- Desculpe não. Allan prazer.

Cumprimentei meio sem graça que porra que ele fazia no quarto do Caio, no banheiro como se estivesse em casa?

- Luan Brandão!

Disse isso saindo mega confuso, liguei para Caio, mas nada, chegando lá em baixo Marta pede ajuda no escritório com algumas planilhas de repente Allan entra,

- Tia vou na Faculdade, me regulariza.

- Ok meu filho, mas vai andando?

- Onde é? Pergunto eu.

- Vou de táxi, é no Campus fora da cidade.

- Me Espera tenho que ir lá também, e te dou a carona.

Ele aceitou, subiu para pegar os documentos e fomos até a instituição, no caminho havia me explicado tudo de onde era que iria ficar um pouco na casa de Caio até se fixar na cidade contou quem era seus pais, o rapaz era bastante humilde, pouco tímido e muito bonito.


#Caio


Deixei a Larissa no tatuador havia chegado uma amiga sua então fui para casa tomar um banho e procurar Luan, chegando lá vou a cozinha pegar algo para comer, tirei a camisa ficando somente de calça jeans, olhei e não tinha ninguém quando ouço o portão abrindo e vozes entrando quando chego na sala, vejo Luan e Allan juntos, juntos?

- Já se conheceram?

- Caio, e ai beleza?

- Cadê todo mundo? Perguntou Allan meio sem graça.

- Não sei! Falei seco! Luan posso falar com você?

- Tranquilo vamos lá!

Saímos em direção a piscina e Allan subiu as escadas.

- Já está amigo do Allan então?

- Poise você me liga desliga na minha cara, chego aqui na SUA CASA e vejo um cara desconhecido no seu quarto! E...

- Ciúmes?

- Não eu só dei uma carona a ele também.

- E foram onde?

- No Motel aquele da saída saka.

- O que?

- To zuando, Fala ai oque queria me dizer no telefone?

- Não era nada.

- Então não iria me falar do Allan?

- Claro que sim eu ia à sua casa hoje à noite te dar uns beijos. Ele falou isso se aproximando e nos beijamos empurrei ele pois tinha o Allan e ele poderia nos ver.

- Relaxa ele é de boa.

- Vou em casa tomar um banho estou todo suado esse tempo esta demais, Futebol amanhã?

- Claro, e depois vamos para o motel? Eu to louco em você.

- Vamos ver, Falou.

Luan foi embora e eu fiquei pensando comigo mesmo o Allan me beija e o Caio vira amigo dele fiquei incomodado quando vi eles juntos e com medo de Allan abrir a boca, decidi não falar nada para o Luan.

No sábado logo cedo chamo Allan para ir comigo ao futebol ele aceita, chegando lá toda a galera reunida, Luan já havia chegado, apresentei o Allan e já vieram as piadas.

- Que isso Caio já arrumou outro? Perguntou Jean.

- Está safadinho ahn? Felipe todo engraçadinho pergunta.

- Luan não deu conta do recado? Disse eu com a bola cheia.

- Vai se fuder. Ele apontando o dedo para mim.

- Não quero atrapalhar o romance. brincou Allan. Trocamos de roupa e escolhermos os times eu e Luan sempre formávamos as equipes, ele escolheu Allan para minha surpresa, no jogo o meu time marcou 3x2 comemoramos, pois o time perdedor iria bancar uma festinha na minha casa mais tarde, no vestiário mais e mais brincadeiras. Depois que tomamos banho e trocamos de roupa cheguei no Luan e falei baixo.

- Vou deixar Allan em casa você passa lá ok.

- Falow.

Cheguei em casa peguei minha carteira e Luan estava do lado de fora com o carro, saímos em direção a um motel mais afastado da cidade, já no quarto era uma cama redonda ambiente vermelho com vários espelhos, nem entramos direito abracei Luan por traz beijando seu pescoço mordendo sua orelha, ele levantou os braços tirou a camisa e eu desci a calça estava com meu cassete marcado na cueca ele ajoelhou e começou a me chupar por cima da cueca mesmo, até desce-la somente com os dentes, caralho que tesão segurei na base do meu cassete forçando contra sua boca o empurrei más para trás ele encostou a cabeça na cama e eu subi uma perna

Fudendo com força sua garganta ele se engasgava com meu cassete, parei um pouco se não gozaria em sua boca, ele tirou o restante da sua roupa, e tirei minha camisa ele veio por cima nos beijávamos entre amassos mãos bobas, subi suas pernas no meu ombro e comecei bombando nele de frango assado somente encarando ele depois deitei ele de lado de costas para mim e fui forçando no seu cuzinho, ele se contorcia e com a mão pressionava minha bunda contra seu corpo forçando ainda mais, eu passei o braço em seu pescoço como se fosse uma gravata coloquei ele por cima de mim com meu cassete enterrado em sua bunda comi ele com força e vontade ele gemia e falava palavrões me deixando louco, não consegui e gozei muito em seu cuzinho deixando ele todo cansado.

- Agora é minha vez. Disse ele me puxando para o banheiro...

Ligamos as duchas da banheira ele entrou com uma cara lerda sentou e eu por cima, hehe', como papai e mamãe, ele segurava seu cassete e eu sentava lentamente, com ele todo dentro de mim esperei um pouco para acostumar pois não era pequeno, sentindo dor comecei uns movimentos e ele correspondeu, Luan estava forçando lentamente mas o tesão era enorme eu o beijava eu estava com as mãos no seu pescoço e eu na minha bunda ajudando com um vai e vem frenético, logo levantamos e ele me virou de costas e deixou minha bunda a mercê do seu cassete que enfiou de uma vez me tirando um grito;

- Huum Caralho.

- Quietinho, agora você é meu!

Ele começou a bombar muito forte e dava uns tapas na minha bunda me senti uma puta aquele momento, ele anúncio que iria gozar tirando seu cassete e comecei a chupalo rapidamente tirei por segundos e o punhetei com a mão logo veio jatos de porra ele terminou com um sorriso exausto, tomamos outro banho e pegamos no sono ali mesmo no motel.

Acordo com meu celular chamando;

- Alô!

- Caio, Cadê você? Larissa me liga desesperada

- Na rua oque foi!

- O Papai... ela só chorava, nesse momento eu já estava vestindo roupa, Luan me olhava assustado.

- Larissa acalma oque aconteceu, me fala?

- Ele estava no escritório e começou a passar mal mas... Allan interrompe e pega o Celular.

-Caio está onde?

- Mas que porra alguém me fala oque está acontecendo. Já estávamos saindo quando.

- Caio seu pai sofreu uma Parada Cardiorrespiratória, foi para o hospital mas não resistiu...

O celular caiu, não senti minhas pernas encostei no carro e Luan me segurou desci lentamente, Luan pegou o telefone ficou momentos com ele na altura da orelha e desligou, na minha cabeça só repetia a voz de Allan a todo momento não via e não ouvia nada ao meu redor era como se minha alma não estava no corpo.


#Luan


Não acreditava no que tinha escutado no telefone, eu estava me tremendo, e Caio branco pálido, ajudei ele a levantar o abracei forte ele somente repetia.

- Meu Pai...Meu Pai Luan.

Entramos no carro, ele em choque não falava nada, eu não sabia muito bem oque fazer, chegando no hospital onde Allan disse que estava, Dona Marta estava sentada e Allan abraçado com Larissa aos prantos, bem a pior coisa até agora na minha vida foi ver Caio abraçando sua mãe e Larissa, eles ficaram um tempo abraçados, estavam sem chão, sem rumo. Cumprimentei e abracei Allan, após toda a burocracia do hospital, saímos depois chegando na casa deles, parece que cada passo era mais difícil que tudo para eles, Larissa subiu com Dona Marta e Allan auxiliou elas, eu e Caio ficamos na sala, ele olhava para o nada, lágrimas não havia mais, abracei ele forte;

-Preciso ficar sozinho. Ele disse com muita dificuldade.

- Eu vou nessa então, olha aqui. Disse isso levantando seu queixo até a altura do meu olho.

- Eu estou e vou estar aqui sempre que precisar.

Com um selinho me despedi saindo já do lado de fora dentro do carro me derramei em lagrimas, por ver Caio naquela situação, por sua família. Em casa contei o ocorrido para minha mãe e fui tomar um banho, deitei na minha cama e fiquei pensando no dia decorrente.


#Caio


Eu ainda não acreditava em nada que tinha visto e acreditado, era como se estivesse em um sonho ruim um pesadelo, Allan assim como todos em casa estava meio sem entender ele fazia as coisas e tudo mais. Jean o Irmão do Luan também veio mais a galera do Futebol, recebemos varias visitas em alguns dias.

PESSOAL DEPOIS DO OCORRIDO VAMOS AVANÇAR A HISTÓRIA POR EXATAMENTE UMA SEMANA COM A FAMÍLIA "BARRETO" VOLTANDO AO NORMAL.

Segunda-feira acordei cedo me arrumei coloquei meu terno e desci para o café, minha mãe olhou e questionou:

- Vai onde?

-Trabalhar!

-Caio sabe que não precisa.

- Não precisa, mas eu vou.

Peguei uma maçã e sai, chegando no escritório todos olhavam com indiferença, Marly veio ao meu encontro:

-Bom Dia senhor.

- E sempre bom ouvir o seu Bom Dia Marly. Por favor, pegue suas coisas e mude para sala do meu pai, juntamente com minhas coisas.

- Tudo bem senhor.

-Ah e me chame Rosângela por favor.

- Ok.

Entrei na sala do meu Pai sentei na cadeira e pensei “agora é você, por ele, agora é você”. Em seguida entra Rosângela a secretária particular do meu pai falando;

- Me chamou Senhor. Ela estava apreensiva com todos os acontecimentos.

- Chamei sim, quero que me passe todos os casos, todos os processos, toda documentação que meu Pai Regia aqui dentro, tudo bem.

- Bem senhor vai demorar um pouco, mas no fim do dia consigo relacionar tudo.

- Obrigado.

- Somente isso?

- Sim. para mim era como uma tortura falar tão profissionalmente com as pessoas, nunca fui assim e não gostava, mas era preciso. No fim do dia fui para casa e logo para a Faculdade.


#Luan


Depois de um tempo resolvi deixar Caio respirar estava se organizando perante tudo, na faculdade encontro Allan em um dos bares em frente ao campus;

- Cara isso aqui é muito top.

- Como assim cara?

- Olha esse bar na frente da faculdade, isso é um paraíso.

- Só você para me fazer rir numa hora dessas, e ai como está o clima lá?

- Olha cheguei realmente numa hora difícil, Larissa e Marta estão tentando se acostumar com a ideia de ficar sem Cesar, e Caio está fazendo o possível para mudar, e realmente está surpreendendo, hoje mesmo foi a empresa assumir o cargo que é seu por direito.

- Espero que corra tudo bem.

- Ei aquele é o Caio? Allan aponta o dedo, para um cara de moto que realmente era ele.

- Sim é ele indo embora essa hora.

- É minha carona indo embora junto com ele.

- Tranquilo te levo em casa beleza.

Com um sorriso o deixei e fui à sala pegar minhas coisas, ele já estava ao lado do carro falando com umas garotas que por sinal eram bastante lindas, entrei no carro e ele com um sorriso me entregou um papel com o numero delas;

- para você!

- Haha’ isso é bom. Ele olhou indiferente e partimos para cidade, chegando na casa do Caio estava tudo fechado e trancado, o portão as luzes apagadas.

- Caramba e agora?

- Mas não avisaram onde iriam?

- Não sei, mas tranquilo pode ir, Obrigado.

- Não vamos lá em casa eu troco de roupa e trago você novamente. Voltamos ao carro e chegando a minha casa, minha mãe estava do lado de fora com uma vizinha e entrei mais Allan, já no meu quarto Allan entra e fica em pé me olhando, tirei a camisa e peguei uma regata, Allan se aproxima lentamente;

- Queria te dizer algo!

- Pode dizer. Fiquei apreensivo por ele se aproximar tanto.

- Você é bonito, um cara humilde, muito legal comigo e... Seus lábios se aproximaram do meu e eu fiquei assustado coração acelerado. Quando ouço Caio na porta;

- Luan Desculpa eu... Ele olhou firme para mim, Allan se virou mega assustado, olhei para o Allan olhei para o Caio;

- QUE PORRA É ESSA?

- Caio espera. Eu falei gaguejando.

- Desculpa eu não queria atrapalhar. Ele falou e saio como um tiro, corri atrás dele mas não o alcancei. Fiquei desesperado, Allan se aproxima;

- Desculpa eu não queria.

- Não queria mas olha oque aconteceu.

- Desculpa!

- Se desculpar não vai mudar nada. Peguei o telefone liguei para o Caio e nada, deixei Allan e entrei no carro atrás de Caio, pensando onde ele poderia estar, quase rodei todas as ruas da cidade então decidi passar na casa dele, a moto estava na porta, sem ao menos bater entrei subi no seu quarto e desci até a piscina, ele estava com os pés na agua com uma garrafa de bebida ao lado.

- Caio! Eu disse aproximando e sentando ao lado dele extremamente inseguro.

- Eu nunca senti o que sinto por você por ninguém, e por nada, era tão bom estar ao teu lado sabe, me deixava em paz quando estava com você não existia Eu era nós.

- Era?

- Sempre deixei bem claro para você oque eu sentia, que realmente gostava de você. Estava desposto a tudo, eu até coloquei um terno hoje! Luan um terno. Ele me olhava e as lágrimas desciam ele não estava exatamente chorando era um rancor raiva.

- Caio eu gosto de você...

- Fui na sua casa, para pedir desculpas sabe, eu me afastei estes dias estava pensando na vida em mim em você. Quando chego lá pego você com o Allan, logo ele.

- Caio ele que me beijou, não eu, nem gosto dele. Eu não sabia oque falar, não sabia como devia reagir.

- Quero que vá embora, Esquece que um dia existiu a gente.

- Está maluco, olha oque ta dizendo caralho.

- EU DISSE para IR EMBORA PORRA. Ele se levantou e limpou as lagrimas e saio com muita raiva, Allan apareceu na porta da cozinha e Caio;

- Não perde tempo em!

Me levantei e fui para casa tinha que esfriar a cabeça, eu realmente estava muito preocupado com Caio, nunca o vi daquele jeito.


#Caio


Meu pai estava morto eu tinha que ser forte para minha família, no meu trabalho . E Precisava de Luan como um porto para mim se atracar e recompor minhas forças. Agora não me restava mais nada eu me sentia como uma máquina onde não se pulsa sangue, onde não há um coração, onde não se tem emoções...

9 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia