• @rgpatrickoficial

Pecado do Interior - Capítulo 11




#Adrian



No caminho eu perguntava e ele somente resmungava, já em casa ele subiu para o quarto preparando as coisas.

- Wesley que isso?

- Vamos para onde?

Ele não responder pois se telefone tocou, ele não falou nada somente ouviu, me olhou e veio no meu rumo.

- Porra mano, pega suas coisas, a gente tem que sair daqui!

Eu não entendia nada ele mesmo foi ao meu quarto e pegou algumas coisas e saímos.

O carro estava correndo muito e eu sei entender nada do que estava acontecendo, seu semblante estava me deixando com medo, até que chegamos no aeroporto Santos Dumont, ele me deixou com as malas e foi comprar as passagens e logo voltou com elas.

- Havaí ?

- Wesley a gente vai para o Havaí?



#Gabriel


Quando acabou a aula perguntei na secretaria sobre Adrian, eles informaram que seu irmão veio buscar, corri pra casa, e quando cheguei me deparei com vários carros de polícia na porta do condomínio, me assustei um pouco e ao me aproximar vejo que os carros estavam na porta da casa do Adrian, fui pra casa e Abadia me esperava na sala e logo me abraçou.

- Seu amigo está bem?

- Não sei!

Ouvimos a campainha quando Abadia abriu era um policial disse que teria que fazer uma busca, logo Abadia deu passagem a ele, mais Jorge apareceu e entrou na frente.

- O senhor está com um mandado de busca?

Fiquei olhando sem entender.

- Como assim?

- Para ele fazer uma busca sem mandato tem que ter a conscientização do proprietário.

- Tem algo para esconder?

- Cara o que está fazendo?

- Com um mandado sabemos o porquê estão na casa de Adrian.

O policial pegou o celular e faz uma ligação.

- Está a caminho.

Em minutos, para uma moto ele pega o papel e entrega a Jorge.

- Um desses serve para você?

Entraram um monte de policiais quando olhei o mandato era federal os olhos de Jorge percorriam aquele papel por fim ele fez uma cara e começou a explicar.

- Bem este mandato é de busca e apreensão de Wesley Bernadii Alves, i irmão de Adrian, e também de todas e quaisquer provas que possam ajuda na acusação de "Porte de máquinas de sorte", que conhecemos por Caça Níqueis.

- Ele nunca me falou nada, tudo bem que era bem fechado, mas isso!

Me sentei no sofá, com aquele papel na mão, ainda sem acreditar no que estava acontecendo.

-Talvez ele não sabia.

Os policiais federam fizeram algumas perguntas e logo foram embora.

Já na casa de Adrian ficou uma viatura.

Naquela noite tentei ligar para ele mais não conseguia e isso me deixava preocupado com ele, queria acreditar que ele não estava mentido pra mim e era só uma vítima, Abadia entrou no meu quarto e disse ué eu tinha que dormir pois amanhã seria muito importante.

Na quinta-feira dia marcado eu e Jorge faltamos na aula, para mim fazer o teste, chegando lá havia poucos carros, entrei e fui direto para o vestiário tinha uma mulher que ficava me seguindo rsrsrs, tipo assessora sabe, Jorge falou que iria arrumar um lugar para ficar, ao entrar em campo vejo Pedro.

- E aí cara tudo bem?

- To ótimo!

- É isso ae!

- Senhor era deste rapaz que havia conversado ontem.

Pedro falou para um senhor com uma roupa despojada e barba por fazer.

- Gabriel Borges, ouvi falar muito de você nestes últimos dias espero me surpreender com sua técnica.

- Me dê uma bola que mostro o que sei ao senhor.

Ele sorriu se virou e tirou o apito do bolso, puta que pariu já mandei uma fora com o técnico, assim que apitou se reuniram na faixa, de doze jogadores, eles informaram que estavam sendo pesquisados desde o ano passado e que iríamos jogar uma partida inteira depois ligariam para conversarmos.

Já entrei em campo inspirado pensava em meus pais a todo momento, os caras eram bons, mas tinham pouca técnica eu brincava as vezes digamos que foi tranquilo para mim, Pedro no canto do campo sorria todo alegre como se fosse um pai vendo um jogo do filho.

No final eles agradeceram muito ofereceram um Cofe Break, eu fui trocar de roupas e Jorge só comia, no caminho para casa eu fiquei um pouco triste, pois queria muito que meus pais e o Adrian estivesse ali, Jorge segurou a minha mão e falou;

- Olha se você fosse uma loira muito gostosas eu casaria com você para tu esquecer esses idiotas.

Rimos muitos e se instalou novamente o silêncio.

- Não entendo, nunca fui de me abater assim por nenhum relacionamento, gostar de alguém desse jeito passava bem longe de mim.

- Cabeção se isso fosse só gostar poderia ficar tranquilo, que outro sentimento faz isso com alguém?

- Que outro sentimento faz a pessoa cometer loucuras?

- Pode parar eu não amo o Adrian.

- Eu não falei nada.

- O que te bonito, tem de burro rsrsrsr.

- Se você não fosse Gato, Charmoso, e meu irmão eu te botaria para fora de casa, espera!

- Oque?

- Sorria!

Tirei uma foto ele com a boca aberta ficou muito bravo comigo, falei para ele que serviria de vingança.

A conversa foi uma descontração a parte somos extremamente liberais um como outro, até hoje chamo Jorge de anjo meu.



#Adrian


Em 24 horas de viagem estávamos em "Honalo" condado do Havaí, o lugar era maravilhoso e tinha muita gente bonita, mas nada me deixava esquecer a pergunta de porque estávamos ali.

Fomos para um hotel a beira mar, o quarto era grande com dois quartos e tudo mais.

- Agora vai me falar para que demo

s a volta no mundo?

- Sabe minhas viagens, então ia para casa de uns amigos, eles tinham várias máquinas de sorte espalhadas pelo Rio de Janeiro, mais a federal estava investigando e logo descobriram a jogada, saímos de cena pois prometi que cuidaria de você.

- Porra cara, era dinheiro?

- Não cara amizade mesmo, essa hora já sabem onde estamos em menos de uma semana nenhuma ligação e nada de internet beleza?

- Me dê seu celular.

- Isso até quando?

- Vou resolver logo, mais ou menos um mês tu pode voltar.

Eu desci fui andar um pouco com a cabeça explodindo, tanta coisa acontecendo com Gabriel e eu aqui do outro lado do mundo, sem poder ligar e falar com ele que estou bem, e tem a droga daquela fofoca que ninguém descobriu ainda, sem falar naquela bicha pok pok do Guilherme dando em cima dele desesperadamente, comigo longe o caminho estava livre, há as eu vou voltar e dou três tapas na cara dele pra acabar com essa graça com o que é meu.

Caminhei até a areia e galera o mar tinha uma cor maravilhosa nunca havia visto isso em outro lugar realmente muito lindo, no lugar mundial do Surf tinha muitos caras com os colares de couro, short de surfista é claro a prancha de baixo dos braços, para todo lugar. Em um momento eu estava caminhando e olhando para todo lado como um roceiro literalmente, me virei rapidamente e dei de cara com alguma coisa grande e cai na área, o cara andava na minha frente parou fixou a prancha na área e se abaixou eu bati de cara com ela e fui para o chão, ele era muito bronzeado com o sol e a vergonha que eu estava, como um tomate vermelho,

- Sorry! Caralho esqueci do detalhe o "Inglês".

- Ok!

- Mexican? Perguntou ele me ajudando a se limpar.

- I'm from Brazil!

- My Goodness!

Eu já tinha usado todo o meu inglês já havia passado muita vergonha com ele me despedi e tentei sair.

- Bye!

- Know how to surf?

Pensei pronto.

- Não, Obrigado!

- Come I 'll teach you!

Ele disse apontando para prancha e para o mar.

- Thank you , I have to go.

Me despedi e sai, nunca tinha falando tanto inglês na vida sai rindo e morrendo de vergonha pelo que passei, voltei ao hotel procurar algo para comer e Wesley estava falando com nossos pais, ele não contou sobre o ocorrido.


#Gabriel


Na sexta-feira era o último dia de aula estávamos naquela euforia de férias de julho, todos perguntavam sobre Adrian, alguns desconfiavam sobre as notícias e assimilações entre elas. Eu estava na sala do técnico Thiago contando sobre ontem quando sai dei de cara com Guilherme;

- Opa! Desculpa!

- Nada E aí beleza?

- Sim, sim e você?

- Ótimo.

- E aí o que vai fazer hoje depois da aula?

- Bruna me chamou para ir à praia, vamos?

- Vamos sim.

Ele concordou meio que nem esperou eu terminar de falar.

Jorge ligou para sua mãe avisando que iríamos para a Praia, nosso pessoal juntou muitos estudantes e descemos na faixa de uns 80 alunos, todos com roupas do colégio a praia estava com poucas pessoas nós fizemos muita bagunça mesmo, Jorge disse que iria embora.

Bruna decidi ficar, por volta das 20h00hr falei que iria embora, Guilherme logo se anunciou também, dei carona a ele e quando estávamos na porta de sua casa, me despedi e ele me abraçou achei estranho logo veio sua mão no meu rosto pedindo um beijo, virei a cara.

- Eu já te disse cara!

- Sou educado e simpático com você porque te acho um cara legal, só isso beleza.

- Entendo, só quero que saiba que não vou desistir.

- Aí é particular seu.

Ele saiu do carro eu fui para casa com suas palavras na cabeça, ao chegar em casa fui até Abadia.

- Alguma notícia?

- Nada ainda, nenhuma ligação.

- Vou subir e tomar um banho por causa dessa areia, logo vou falar com minha mãe.

- Gabriel espera... E vai falar sobre o ocorrido a ela?

- Não provavelmente já tem muito o que se preocupar lá vou poupá-la disso, é Jorge?

- Na piscina com a namorada, esses dois não se desgrudam.

Fui até a piscina cumprimentei eles e entrei tomei um banho liguei o PC pois estava na hora de minha mãe ligar no Skype, entrei no face entre várias notificações, olhei uma marcação de foto quando abri Jorge postou uma do jogo já tinha na faixa de 670 curtidas ficou legal é uma mensagem quando abri havia um "Eu te Amo" deixado pela Adrian.

Fiquei surpreso mas decepcionado por não ter falado mais nada, mandei uma carinha feliz e disse que estava com saudades, verifiquei a hora e foi pouco tempo depois que ele havia saído do colégio, depois falei com meus país contando do futebol, e por falar nisso o telefone de casa toca e Abadia me chama fui correndo;

- Oi!

- Gabriel Borges?

- Sim é ele!

- Meu nome é Marco sou representante de marketing do AC Milan no Brasil, poderíamos conversar amanhã?

- Sim claro, mas onde?

- Vou te mandar um E-mail com o endereço, e vá com um responsável.

- Tudo bem obrigado.

Nem desliguei o telefone pulei em Abadia, eu gritava muito de felicidade, Jorge veio abracei ele Bruna rua muito;

- Eu tenho que contar para o Adrian.... Me virei e parei respirei e levei na brincadeira Bruna me zoou e eu subi para o meu quarto, já entrei chorando;

- Porra!

- O que eu fiz para merecer isso?

-Tem um porque me mostre?

Falei baixo olhando para cima me referindo a Deus, limpei as lágrimas e dentre felicidade eu tinha um aperto no coração, estava angustiado, pensei como fazer para acabar com isso, peguei o celular os fones de ouvidos e liguei bem alto, foi como uma válvula de escape.



#Adrian


Jantamos no hotel meu irmão sabia pouco de inglês agora eu estava apanhando muito, durante o jantar o garçom que veio nos servir puxou assunto eu olhei-me assustei;

- Already decided what they will ask you? Ele perguntou o que iríamos comer quando olhei era o cara da praia.

- Hi! this better? Olhei para o meu irmão tipo, Traduz?

- Ele Está perguntando se está bem?

- Yes, thank you. (Sim, obrigado).

- If know where? (De onde se conhecem). Perguntou meu irmão.

- He hit my board today! (Ele atropelou minha prancha hoje cedo)

- Hahaha' Could teach him to surf. (hahaha’ Poderia ensinar ele a surfar)

- Yes, of course tomorrow on the same schedule. (Sim, claro amanhã no mesmo lugar e mesmo horário). Ele disse e saiu,

- Wesley o que estavam falando?

- Perguntei onde se conheceram, ele disse que foi hoje é que amanhã te espera no mesmo lugar na mesma hora!

- Para quê?

- Ele vai te ensinar a surfar e Inglês também que o seu é uma vergonha.

- Eu nem conheço o cara você é loco.

- Adrian vai ser bom você se distrair enquanto eu tento resolver a papelada para você voltar.

- E você?

- Não posso voltar tão cedo!

- Não enquanto o "chefão" estiver por aí.

Depois do jantar, no quarto peguei meu celular e fui aprender algumas palavras em inglês, eu não podia falar com Gabriel por que se não prejudicaria meu irmão eu tinha que esperar, mas essa espera estava me corroendo por dentro, eu acho que sabia quando ele pensava em mim, dava um aperto no coração me deixava atordoado.

Levantei e o dia estava lindo, não tomei café, mas decidi ir até o cara que até então nem sabia o nome, eu precisava distrair a cabeça. Na praia o vejo de short azul claro ele estava no mar, pensei melhor ir embora enquanto é tempo, mas ele logo veio ao meu encontro.

- Ainda não sei o seu nome? Ops! which his name?

- My name is Austin, and you? (Me chamo Austin, e você?)

- Adrian Barreto!

- Adrian? Galera assim é que se escreve, mas ele me chamava muito engraçado, vou tentar escrever para vocês (ele dizia "Eidrian" o A com som de Ei).

- Yes.

- Swim? (Sabe nadar?)

Ele apontou para o mar e eu confirmei.

Fomos entrando na água e caramba ele falava muito e eu sem entender nada, estávamos em um local fundo ele me subiu na prancha e sentamos eu na frente e ele atrás bem próximo a mim.

- Up! (Levanta)

Foram algumas tentativas eu até que ficava em pé depois voltamos a areia ele com a prancha no chão me mostrava os movimentos.

- Cara o que eu To fazendo? Você é muito idiota! Falei eu pensando alto.

- Idiota? Ele repetiu eu rachei de rir, e falei,

- No, and you! (Não é você)

- What does it mean ? (O que significa?)

- Moron! (Idiota)

- My Goodness! You, you more Moron. (meu Deus você, você que é muito idiota). Ele falou me empurrando caímos na área e eu o empurrava depois dei uma chave de braço nele na bagunça a acabei caindo em cima dele, Austin me deu um selinho tipo sorrindo sabe, me levantei fiquei andando para lá e para cá ele se assustou.

- Sorry I'm Sorry, (desculpa me desculpa).

- Ok, Bye! (tudo bem, até mais).

Fui para piscina do hotel louco precisava falar com Gabriel ouvir ele de qualquer forma, pensei em ligar para o Jorge ou para Abadia.


#Gabriel


Eu estava no campo do condomínio jogando Jorge que tentava me ajudar, ele não jogava nada, de longe vemos Guilherme chegando, ele se juntou a nós e estávamos brincando, depois fomos em casa comer algo. Estávamos na cozinha o telefone chama, atendi, mas a ligação estava retorcida, eu não ouvi ninguém somente rugidos.

A noite fomos para o restaurante que marcaram conosco, o local era bem apresentável na sociedade, quando entramos a recepcionista já estava ciente e nos encaminhou até a mesa onde havia um homem de uns 33 anos de terno quando me viu já veio abraçando;

- Gabriel, por favor sentem-se.

- Obrigado!

- É a senhora sua mãe? Disse ele se referindo a Abadia.

- É... Abadia iria falando.

- Sim. Disse eu interrompendo-a!

- Ótimo...

- Já escolheram o que vão pedir?

Fizemos os pedidos e durante o jantar ele iria falando algumas de suas histórias depois, com a sobremesa conversamos sobre mim.

- Bem, é Abadia certo?

- Sim.

- Primeiramente estávamos atrás de mais um jogador brasileiro de base.

- Mas o Gabriel tem um perfil que agrada as pessoas, o sorriso, o cabelo, com todo respeito ele é atraente e simpático com câmeras.

- Mas o que isso tem a ver com o futebol?

- Tudo o que queremos são suas técnicas do futebol isso em primeira instância, mas vamos te promover Gabriel.

- Desculpe, mas não estou entendendo.

- Gabriel vamos usar você para uma jogada de marketing, não posso entrar em detalhes agora, mas a AC Milan irá investir em você, claro depois que assinar o contrato que eu válido por 15 meses.

- Vou entregar a você e verifique junto a seus advogados, que terão até quarta-feira da semana que vem. Bem e isso.

- Mas vou ter de mudar do Rio de Janeiro?

- Agora não, mas creio que no fim desse ano sim, até lá você fará algumas viagens até a Itália.

Tirei algumas dúvidas não acreditava em cada palavra que saia de sua boca, em casa contei logo aos meus país estava muito feliz com tudo isso.

Um mês depois.

Adrian já estava bem com seu inglês e amigo de Austin, já Gabriel foi apresentado oficialmente ao time de base no Brasil, estava sendo promovido pelo setor de imprensa do clube de Futebol, Jorge ainda com Bruna e Guilherme sempre aparecendo e não desistia de Gabriel.

30 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia