• @rgpatrickoficial

PARADIGMA - Capitulo 14

#Pamela

- (...) Sei lá, as suas vizinhas, elas são bonitinhas.

- Eduardo, fica olhando minhas vizinhas, seu cachorro. – Falo dando uns murros nele.

- Não.... Para amor, estou dizendo para chamar elas, está bom para eles.

- Ricardo e Romulo que se virem, o Ricardo não está namorando?

- Sim, mas não custa nada, eles me pediram para falar com você.

- Vou chamar a Vanessa e a Poliana da faculdade então, você avisa do Nicolas em.

- Pode deixar...

Eduardo pedindo para levar amigas minhas para a festa do Nicolas, para seus amigos, e sim, ele é todo sem jeito com essa história de namoro, sabe “novato”.

E sem enrolação pessoal! Sábado uma hora da tarde, frente a casa dos meninos, estavam Jorge e namorada, Nicolas, Ricardo, Romulo, minhas amigas, Vanessa e Poliana, eu, Emanuel, Eduardo, os primos de Nicolas em um carro atrás.

Estávamos organizando e colocando as últimas coisas, seguimos todos juntos.

E sim, era somente nós, os mais próximos e mais “importantes” para Nicolas.

Gente a Dona Helena cumprimentou todos, e até “abençoou” eu e os meninos, toda fofa, falando para não aprontar muito, e se beber não dirigir.

Bem na fazenda, eu tinha feito o cabelo, e feito uma make, somente para as fotos, pois depois com aqueles meninos iriam fazer uma grande bagunça.

Acho que nem acabei de pensar nisso e jogaram o Eduardo na agua. Eu e minhas amigas pedimos para tirar as fotos antes, depois entraríamos.

Depois de a carne já estar assando e o som tocando música eletrônica bem alta.

Eu estava perto do Eduardo na churrasqueira, quando o Romulo chega;

- Porra o Nicolas e Emanuel estão sem ninguém, viram isso, pensei que viria umas minas para eles. – Ele fala para Eduardo.

- Meu irmão estava de olho na prima do Nicolas, mas ela furou, rsrs.

- Fodeu! Olha lá, as mina estão secando eles igual a Pamela a carne.

- Que foi Romulo? – Pergunto rindo.

- Não tem competição com o Emanuel e Nicolas solteiros não minha amiga, rsrs.

- Nicolas não vai pegar ninguém Romulo, ele me falou que iria só aproveitar a noite.

- Aham aquele é quem? Porque o Eduardo está aqui. – Ele fala apontando o dedo.

Gente o Nicolas estava ficando com a Poliana, vocês têm ideia disso, o Eduardo olha para mim de olhos arregalados;

- Aproveita que meu irmão sumiu e dá ideia na Vanessa maluco. – Eduardo fala para Romulo.

- Pois é, cadê o Emanuel? – Pergunto olhando ao redor.

- No estabulo, ele e o Jorge. – Fala o Romulo.

- Vem amigo, vou te ajudar. – Falo puxando ele.

Eu levei até a Vanessa, apresentei eles, e deixei os dois juntos.

Fui até o estabulo que fica ao lado da casa, gente o Emanuel estava colocando o “areio” no cavalo para montá-lo.

- Emanuel você sabe fazer isso? – Pergunto me aproximando.

- Sim, vamos ficar aqui só no ares. – Ele fala subindo.

O Ares era um lugar fechado do outro lado, onde eles meio que andavam nos cavalos, o Jorge vem atrás montando outro animal.

Confesso até eu tirei umas fotos junto aos meninos. O Eduardo veio me procurar e montou também, acreditam que ajudei a voltar os cavalos, estava me achando a fazendeira, rsrs.

Voltamos para a piscina e cheguei a assustar, galera o Gabriel chegou na festa, junto a Mirela! Acreditem, quando eu vi voltei até o Emanuel.

#Emanuel

Fechamos os cavalos e estava voltando conversando com o Jorge, quando Pamela se aproxima de novo;

- Gata já fechamos eles, e está escurecendo.

- Amigo, a Mirela está ai!

- Ta zoando?

- Não.

- Que merda, o Nicolas falou que era só a gente.

- Não, foi o Gabriel.

- Ah mas que merda.

A situação estava tão chata que ele e a menina estavam sentados sozinhos, somente o Gabriel se levantava e pegava bebidas ou comida, ela ficava sentada lá igual estatua.

Eu estava de sunga, então fui la dentro procurar uma bermuda, como não achei minhas coisas aproveitei e chamei o Nicolas, que estava com meu irmão;

- Mano chega aí. – Falo chamando ele para dentro.

- Fala Emanuel.

- Chamou o Gabriel? – Pergunto pressionando ele.

- Não, chegou de penetra aí.

- Viu quem ele trouxe?

- Foi mal Emanuel, sério eu não sabia.... Quer que eu troque ideia com ele?

- Não, eu falo com ele, pode deixar.

- Beleza, vou olhar aquela carne. – Ele fala se virando.

- Não, calma ai. – Falo segurando em seu braço.

- Oi.

- Onde está minha mochila, não achei.

- No meu quarto, coloquei lá, os meninos foram ocupando tudo.

- O último?

- A suíte Emanuel.

- Valeu.

Eu coloquei meu short, e uma camisa, e fui procurar o Gabriel, que estava se despedindo das amigas da Pamela;

- Ué gatas já vão? – Pergunto me aproximando deles.

- Sim, está tarde, e vamos sair ainda. – Poliana diz me cumprimentando.

Eu beijo elas e falo perto do ouvido do Gabriel.

- Vem aqui mano. – Falo seguindo para um lugar mais afastado.

- Oi amigo?

- Gabriel que merda é essa? – Pergunto apontando para a piscina.

- Ai eu sabia que iria ficar bravo, mas amigo eu não tinha outra carona para vir.

- É claro que vou ficar bravo Gabriel, não suporto essa garota, e você não tem celular não? Tem quatro carros aqui, um talvez te buscava.

- Mas ninguém me chamou!

- A festa é do Nicolas, acha que ele está cem por cento com você, depois do que aconteceu?

- Mas ele me desculpou e a gente está se dado bem...

- Não quero saber Gabriel.... Quando ela vai embora? – Falo interrompendo dele.

- Daqui a pouco, eu vim, para ver vocês, mesmo.

- Emanuel, chega aqui mano. – Fala o Eduardo me chamando.

- Beleza. – Falo saindo.

#Nicolas

Eu estava na cozinha fazendo uma caipirinha para mim e Pamela;

- (...) Ela estuda com a gente amigo, como teve coragem?

- Ué, ela perguntou se eu ainda curtia, e dizendo que eu estou gato hoje, e não deixei passar.

- Safado Nicolas.

- O que? Diz ai, não estou gato hoje? – Pergunto rindo com Pamela.

- Está gostoso isso sim. – Gabriel fala pegando em minha bunda.

De primeiro eu levei um susto;

- Que susto cara.

- Não queria assustar, pode falar amiga, está muito gostoso, não é? – Gabriel fala me abraçando de lado.

Eu fiquei pouco sem graça, ela rindo concorda;

- Eu não posso falar, namoro o Eduardo, mas está um pecado Nicolas.

- Valeu vocês dois. Caipirinha Gabriel?

- Não, estou indo embora, vou só terminar essa cerveja aqui.

Ele começou a falar algo com a Pamela e o Emanuel sai do corredor dos quartos, ele passa somente de sunga novamente, passa por mim, porem olhando Gabriel.

Emanuel corre e pula na piscina, molhando quase todo mundo de fora, os meninos meio que todos pulando junto, o sol estava baixo, começando a escurecer.

Termino a caipirinha e a Pamela sai, o Gabriel então começa a ficar inconveniente.

- Nicolas está mesmo de boa comigo? Em me fala? – Ele fala muito perto do meu rosto.

- Já falei que sim Gabriel.

- Porque não me chamou para a festa?

- Decidi de última hora, e como estava na casa dos meninos, foi coisa rápida, não iria fazer nada.

- Sinto sua falta. – Ele fala passando a mão sub minha sunga.

Cara odeio isso, mas sabem o quanto uma sunga é excitante, qualquer movimento é foda, e claro, meu pau ficou meia bomba com a pegada dele.

Eu entrei para dentro dos quartos puxando o Gabriel;

- Aí, assim que eu gosto. – Gabriel fala literalmente colocando a mão dentro de minha sunga.

- Ei, sai fora. – Falo empurrando ele.

Tive que envolver uma toalha disponível perto, para me controlar;

- O que Nicolas? Não está curtindo?

- Cala a boca Gabriel, estou sendo educado, e cordial, mas vou está aqui o papo reto! Não vai rolar nada entre a gente.... Nem hoje, nem amanhã, nunca mais!

- Porque Nicolas? Você sempre gostou!

- Estou gostando de outra pessoa!

Ele sorri, ironicamente e fala;

- Aí que merda, eu sabia, você está certo, a fila anda.... Eu sonhando com você, pensando ser o único de sua vida.

- Você foi o único que transei, mas tenho sentimentos, não sou uma ameba.

- Aí não acredito nisso. – Ele fala saindo, me deixando sozinho no quarto.

Quando sai do quarto eu dei de cara com Emanuel, ele me olha estranho;

- Fiz o que pediu. – Falo para ele.

- Você não muda. Nunca né Nicolas. – Ele fala saindo.

Eu não entendi nada, saindo vejo que o Gabriel não estava mais e nem Mirela.

Eduardo e Pamela, Jorge e sua namorada brincando na piscina, o Romulo e Ricardo cuidado da churrasqueira, entrei na piscina, e o Emanuel sai de dentro chamando o Ricardo.

Eles ascenderam a fogueira onde deixamos a lenha.

Galera nós bebemos, e bebemos, muito, serio! Ficamos até de madrugada na piscina, para terem ideia o Jorge dormiu na espreguiçadeira de frente a fogueira.

Depois o Eduardo acendeu o narguilé e ficamos sentados ao redor do fogo, todos com roupas confortáveis e cabelos molhados. Mas o som alto, estralando ainda.

E Emanuel ainda estava diferente comigo, foi depois do que aconteceu com o Gabriel... Sempre ele!

- Vou colocar meu celular para carregar. – Falo no ouvido da Pamela.

Eu entro e aproveito para tomar um banho quente, pessoal eu levei uma garrafa para o banheiro, rsrs.

Depois de tomar o banho, eu sai com a toalha no corpo, mas quase morri de susto, quando abro a porta do banheiro e o Emanuel estava lá;

- Que isso mano, susto! – Falo quase deixando a garrafa cair.

- Você ainda gosta dele? – Emanuel pergunta.

Ele estava pouco alterado por causa da bebida, e eu também não entendi o que ele disse;

- O que?

- Você gosta do Gabriel?

- Não. – Respondo rápido, e já com raiva por ele tocar nesse assunto de novo.

Pego uma cueca e ele continua;

- Estavam no maior clima na cozinha, e depois você sumiu, achei que estavam...

- Não estávamos Emanuel, e na boa, nunca mais vai acontecer. Porque a pergunta? Está com ciúmes?

- Na verdade sim.

Quando ele fala eu novamente, meio que fico com a pulga atrás da orelha;

- O que disse?

Emanuel coloca a cerveja de lado e me olha dentro dos olhos;

- Eu disse que sim.

Ele se aproxima e me beija novamente, não teve mãos e movimento dos corpos, somente das línguas, sim, eu senti a língua do Emanuel dentro da minha boca.

Nossos lábios se afastaram, uma respiração na outra, os rostos colados. Sob sua respiração ofegante eu pergunto;

- E agora sentiu alguma coisa? – Pergunto direcionando os olhos de sua boca para os dele.

- Acho que não foi o suficiente. – Ele fala partindo para cima.

Dessa vez um belo de um beijo que nem sei se houve fim, pois ele tirou a camisa, e eu a toalha, suas mãos geladas por causa da cerveja.

Caímos na cama, e eu ainda perdido naquela boca, Caralho que vontade de morder e tirar um pedaço, que delícia. Era macia, muito, muito macia e gostosa de beijar. Os toques de suas mãos, sério, foi a coisa mais foda que senti em minha visa inteira.

Beijando seu pescoço coloco a mão dentro de sua sunga, ainda meio molhada, o Emanuel chega a respirar fundo.

Eu senti seu membro ir crescendo na minha mão, com aquelas massagens bem “localizadas”. Sério acho que todos deviam ter a possibilidade de sentir a boca de Emanuel no seu pescoço, que era aquilo, uma coisa divina.

Eu subia nas paredes, quando sua boca molhada e macia, chegava em minha orelha, sentindo sua respiração ofegante e pequenas mordidas.

Me viro deitando sobre ele e não perde a oportunidade de segurar minha bunda, massageando sob ele. Então fui descendo e mordendo sua barriga, peitoral, passando a linga ao lado do umbigo e chegar ao seu membro, e que era aquilo, eu não sei ao certo o tamanho, mas não consegui colocar completamente na boca.

Cheguei a passar os dentes enquanto chupava ele, Emanuel tremia todo, e não hesitava em gemer, até porque o som alto daquele jeito. O cara até colocou sua mão puxando meu cabelo, nos movimentos.

Por momento ele segura, se aproxima beijando minha boca e sentindo o próprio gosto. Ele respirava tão forte, que era possível sentir seus batimentos;

- Porra que isso cara! Chega aí. – Emanuel fala ficando de lado.

Aí eu pude ser maltratado assim, como estava fazendo, aquela boca no meu cassete, caralho, me controlei por vezes para não gozar.

Não sei se vocês já puderam ter a oportunidade de chegar ao êxtase no sexo, é quando gozamos.... Mas pode acontecer de você sentir a sensação sem ejacular, e isso não é fácil de alguém conseguir.

Eu senti naquela noite com Emanuel. Eu parava olhava, para conferir se não tinha gozado, era muito estranho aconteceu duas vezes, eu me tremia todo, muito mesmo, e estava arrepiado, ele também, do mesmo jeito.

Ele então deitou e eu ao seu lado, tocando uma e se beijando, sentindo aquela respiração e vendo, assistindo aquele homem gozando do meu lado, com tesão em mim.

Ele gozou em mim, e eu nele.

Ficamos na cama por algum tempo ainda “digerindo” o que tinha acabado de acontecer.


5 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia