• @rgpatrickoficial

PARADIGMA - Capitulo 10

#Nicolas

Eduardo postou em nosso grupo o vídeo de sua mãe conhecendo a nova cão guia que a acompanharia de agora para frente, Porra, foi emocionante até para quem estava de fora, e claro, vários “textões”, de amigos foram postados juntos.

Por incrível que pareça no dia do show do Livinho, era também aniversario de Pamela. Eu consegui entrada para ela e Eduardo, pois não sabia se Emanuel Iria. Ela concordou em fazer um aquecimento na casa do Ricardo antes do show.

Era para ser uma pequena reunião com os meninos, bebidas e conversas soltas, mas foi muita gente, tinha cara de festa, todos nossos amigos da Shaluna estavam presentes, como da oficina e Faculdade.

Nesse dia me lembro de estar ao redor do Narguilé com o Romulo, Ricardo e Edu, conversando e tals, na verdade pegando no pé de Ricardo por estar quase casando.

Quando vejo o Gabriel entrar, ele cumprimenta alguns e fica de papo com a Pamela, estava aparentemente alterado, como se já havia bebido antes de chegar.

- Tio eu posso? – Chega o Theo ao lado da gente.

Eduardo sorri dizendo para ele;

- Olha lá, seu pai está de olho na gente. – Edu fala apontando o dedo.

- Deixa eu jogar no seu celular?

- Está descarregado Theo.

- Aqui, pega. – Falo entregando o meu. – Não tem o jogo que você gosta.

- Vou ver vídeos tá.

- Tabom, vai lá.

Ele se deitou em um sofá, mas atrás de nós e ficou.

Foi quando a Juliana chega na festa, ela cumprimenta todo mundo, gente ela passa de um por um, tipo umas trinta pessoas, beija meu rosto e quase pisa no Eduardo, mas o ignora.

- Vou nessa mano, passar em casa, a gente se encontra na boate, pode ser? – Ele diz se levantando.

- Que isso mano, fica de boa aí, tem que sair dos lugares por causa dela não.

- Nicolas não vou ficar de plateia mano, a gente se vê mais tarde. – Ele fala meio bravo.

- Vou terminar essa cerveja e vou indo também. – Falo acompanhando ele.

Eduardo despede de todos, e parabeniza novamente a Pamela, saindo. Eu passo junto a ele e Gabriel me olhando, tipo encarando mesmo, e eu ignorando.

Eu voltei, peguei meu celular com o Theo, e ele veio no meu colo;

- Que foi, está morto? – Pergunto fazendo cócegas nele.

- Me leva até meu pai!

Pamela, Emanuel, Gabriel e Jorge estavam conversando na entrada, próximo a porta, todos com um copo na mão;

- Encomenda para você Emanuel! – Falo entregando o Theo.

- Não deixa de ser folgado não garoto. – Ele fala pegando o filho e levando para dentro.

- Pessoal vou nessa, deixar tudo pronto para mais tarde. – Digo pegando na mão de Jorge e Emanuel. – Mais uma vez Parabéns gata, Felicidades hein.... Preparei uma surpresa para você você tarde em. – Falo beijando e abraçando ela.

- Aí vai me deixar curiosa até de madrugada Nicolas? Acho que vou agora com você, rsrsrs. – Ela fala sorrindo.

- Beijo até mais tarde. – Falo passando por eles, como era obvio tive que falar com o Gabriel. – Até Gabriel. – Falo virando as costas.

- Agora me viu é? – Ele fala meio enrolado.

- O que? – Pergunto sem entender, e Emanuel retorna na porta.

- Qual é, vai fingir de burro agora?

Quando ele fala isso, a Pamela coloca a mão em seu braço, falando baixo;

- Amigo para.

- Está falando comigo Gabriel? – Pergunto sem entender, merda alguma.

- Sim, eu estou falando com você.... Já que você, só conversa comigo quando quer me comer não é mesmo Nicolas? – Quando ele falou isso até eu arregalei os olhos.

E todo, todo mundo olhou o escândalo dele, eu sorri, sem reação e falei;

- Está me zoando né?

- Não, a desculpa é que ninguém aqui sabia que você era um gay encubado.

- Gabriel Cala a Boca. – Grita a Pamela.

- Nossa você é pior que eu pensava. – Falo saindo.

Segui entrando no carro sem acreditar no que tinha ouvido. Sim, o fato de ele falar tudo e para todos é horrível, mas vindo dele, eu esperava um pouquinho mais, mesmo nesta situação.

#Pamela

Eu queria cavar um buraco e entrar, isso porque não foi nada comigo, então dá para imaginar o constrangimento da cena.

O Nicolas virou e saiu “normalmente”, o Jorge ficou tipo estatua, branco e de olhos arregalados. Eu estava puta com Gabriel, a atitude dele foi a pior possível. O que me chamou a atenção foi Emanuel, que agiu de certa forma “certo”.

Como estávamos na porta o Emanuel puxa o Gabriel para dentro e eu acompanho eles;

- Aí amigo está me machucando! – Gabriel fala.

- Cara você é louco? Olha o que acabou de fazer.

- Ele merece.... Você mesmo disse que não gosta do Nicolas. – Gabriel rebate.

- Eu não gostar dele, não tem nada a ver com a merda que você fez, não cabe a você decidir contar o segredo dos outros, ou expor alguém ao ridículo Gabriel? Que atitude de moleque.

- Está defendendo ele Emanuel?

- Gabriel não é isso, você contou para todo... – Eu tentei defender, mas nem pude abrir a boca.

- Sim eu estou defendendo o Nicolas, porque você foi um filho da puta e está errado.

- Pensei que fosse meu amigo, você tinha que me defender.

- Não defendo pessoas sem caráter. – Emanuel fala esbarrando na bebida de Gabriel.

O copo cai dentro da pia quebrando, foi visivelmente um acidente, galera o Gabriel acerta um tapa na cara do Emanuel.

Nesse momento o Emanuel vira o rosto, e olha, com MUITA raiva para Gabriel, eu pensei que ele iria partir para cima;

- Vamos sair daqui Gabriel, já deu para você hoje. – Fala o Jorge puxando ele e tirando da casa.

- Machucou? – Pergunto passando a mão no rosto de Emanuel.

- Não, foi de leve. – Ele fala ainda muito sério.

Sinceramente? Eu fiquei com medo do olhar de Emanuel. Eu olhei de fora e Jorge saiu com o carro junto a Gabriel. O pessoal que estava na casa ficaram todos “deslocados”, mas disfarçando as cenas que viram.

- Vou nessa beleza. – Fala o Emanuel indo pegar o Theo.

- Fica Emanuel...

- Vou em casa Pamela, essa noite já deu para mim.

- Ei, é meu aniversário, já que não quer ficar, pelo menos vai no show mais tarde?

- Não estou com saco para show.

- Vamos, pelo menos vou ter alguém para dançar comigo.

- Beleza!

- Que ótimo, obrigada ta.

- Por nada, deixa eu ir agora, colocar esse pequeno para dormir.

Pessoal era complicado eu sair ali àquela hora, afinal estavam lá por mim, mas conversei com os meninos, eu iria me trocar antes do show.

Na minha casa, pensei em ligar ou enviar mensagem para o Nicolas, mas deixei para conversar melhor com ele pessoalmente, na verdade nem sei ao certo o que falar.

Galera logo que estava finalizando minha maquiagem o Eduardo envia mensagens perguntando se eu queria carona para o show, achei mega estranho, eu agradeci dizendo que o Emanuel Iria me levar.

O Emanuel é aquele típico hetero que não sabe se vestir, pessoal ele chegou em casa de bermuda jeans, camisa branca, meio regata e um tênis, eu abro o portão olhando ele vestido assim;

- Você vai assim Emanuel? – Pergunto apontando para sua roupa.

- Sim, porque?

- Sorte sua que é bonito viu, sorte sua! – Falo pegando o capacete.

- Olha como fala em garota, deixo você ir andando. Sobe aí.

- Hoje eu mando Emanuel! É meu aniversário...

Eduardo e Emanuel tinham acesso ao estacionamento da boate, por causa do Nicolas.

Sempre, sempre passamos pela fila direto e entramos, nesse dia o Nicolas não estava ao lado de fora, quando chegamos, o Emanuel pediu para chamar ele, o segurança entra, mas sai com o Eduardo;

- Cadê o Nicolas? – Pergunto, enquanto ele coloca a pulseira.

- Está resolvendo um problema com o pessoal lá atrás, ele mandou entrarem logo e depois fazer os cartões de consumo, beleza! – Eduardo diz.

- Tranquilo. – Fala Emanuel.

Já havia algumas pessoas lá dentro, a música rolando, e quando subimos no camarote, de lá dava para ver o Nicolas atrás do palco, aparentemente meio bravo com o pessoal.

Eduardo pediu que entrássemos para guardar os lugares no camarote, e assim fizemos, um por um, revezando indo até o caixa fazer seu cartão, já comprando bebidas.

Depois de uns minutos o Nicolas veio até a gente, cumprimentou os meninos, ele estava normal;

- Pamela estou resolvendo umas coisas ali embaixo, mas depois venho ficar com vocês beleza. – Ele fala segurando minha cintura.

- Tudo bem gato.... Ei tudo bem com você? – Pergunto próximo ao seu ouvido.

- Sim, ótimo... aproveitem aí. – Ele diz descendo.

Eu estava no camarote só com homens, meu Deus, Emanuel, Eduardo, Ricardo, Romulo Jorge e Nicolas, sorte a minha que as vezes eles desciam e demoravam. Tipo o Emanuel que deu uma sumida um tempo antes do show.

Ah me esqueci, eu estava com um short curto vermelho, e uma blusinha de renda com um decote imenso, rsrs, cabelo liso e só um colar para chamar a atenção. Nicolas com sua camisa social preta do trabalho, alguns botões abertos, e nas mangas apertadas na altura do bíceps, calça jeans colada no corpo e um tênis, normal.

Acho que posso dizer e repetir, Eduardo estava uma perdição, de calça jeans, e camiseta cinza, boné e relógio dourado, sim quando ele ficava mais simples possível era mais lindo ainda, porque ele tem a cara de mal, e “marrento” que molha qualquer uma.

Emanuel volta para o camarote bebendo em um copo diferente;

- Ei o que é isso? – Pergunto pegando de sua mão.

- Acho que energético....

- Não, essa marca de batom. – Falo mostrando no copo.

- Minha? – Ele faz cara de “cachorro sem dono”.

- Ei, relaxa, não temos nada, vai me conta! – Falo acalmando ele.

- Mirela! – Emanuel já fala, esperando Esporro.

- Ah Emanuel, está zoando comigo? Ela?

- Desculpa Pamela, mas eu passei e ela veio já me beijando, eu dei só uns pegas.

- Odeio você! Serio!

- Vem aqui, me desculpa. – Ele fala me abraçando.

- Não, sai. – Falo empurrando Emanuel.

- Porque Nicolas está parado lá sozinho? – Ele fala olhando embaixo.

Lembram? Atrás do palco, Nicolas estava sentado em uma cadeira mais reservada sozinho, era difícil de ver ele, mas as vezes as luzes passavam e conseguíamos ter visão.

- Não, sei, mas depois de hoje né amigo.

- Eu teria quebrado os dentes do Gabriel, ele foi muito filho da puta.

- Odeio concordar com isso, mas nem reconheci ele daquele jeito.

- É o álcool, te juro amanhã ele vem pedindo desculpas e tudo. Pamela eu não volto a falar com ele de jeito algum, o cara tem que apreender a ter limites.

- Amigo sabe que não funciona assim.

- Pamela, olha lá embaixo! Amanhã o Gabriel vai estar bem, desfilando para todo mundo, como se nada houvesse acontecido, e o Nicolas em? Me fala. Não vou passar a mão na cabeça dele dizendo estar bem, porque não está.

Eu me calei, ele está certo;

- Desculpa amigo, você está certo.... Vai falar com ele? – Pergunto.

- Não Pamela! Já falei, eu não falo mais com ele.

- Emanuel estou falando do Nicolas! Vai falar com ele?

- Ah sim.... Não sei! Não sei o que falar, deve ser difícil né.

- Você vai falar com ele sim... E depois eu vou também.

Ficamos um tempão conversando juntos sabe, bebendo e conversando, enquanto o show não começa.

Falando em show, desculpem a demora, rsrs, mas tinha que abordar essa conversa, para vocês se situarem melhor nos próximos acontecimentos.

O DJ começou a se despedir, eu puxei o Emanuel para baixo, ele sempre foi meu parceiro de dança, e com ele do lado, ninguém chegava em mim, então estava em paz para dançar de boa.

Eu não fiquei na frente do palco, mas conseguimos um lugar legal. Mc Livinho subiu no palco para mais ou menos uma hora de show. Galera até o Emanuel desceu até o chão comigo, gente eu dancei muitoooooooo.

- Esse é o melhor aniversário da minha vida. – Eu repeti isso umas 5 mil vezes durante o show, a cada início de música.

Até Eduardo dançou um pouco conosco, rsrs. Porque Juliana estava na boate, ele não queria ficar sozinho, para não correr o risco. O meu medo era ele estar perto demais, nas horas em que o Emanuel ia buscar bebidas, e eu dançando com ele, tive momentos que pensei ele iria me beijar.


13 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia