• Richardson Garcia

One Choice - Capitulo 5

#Davi


Ao fim da aula eu fui até o Leandro no portão  ele estava esperando sua mãe;

- Leandro?

- Sim.

- Começamos o trabalho amanhã, tenho que ir agora beleza.

- Na minha casa ou na sua?

- Na sua!

- Ok.

Corri pra pegar o ônibus, naquela tarde quando minha mãe chegou do trabalho eu fui conversar com ela;

- Mãe vou procurar um emprego, já tenho quase 18 acho que consigo arrumar alguma coisa pra ajudar em casa!

- Ouhn! Davi não precisa meu filho, vamos dar conta de ir se virando.

- Não mãe ele está certo, eu também vou procurar um trabalho!

- Olhem aqui vocês dois, a única coisa que eu quero é que vocês estudem, para serem alguém na vida, eu falo muito isso mas não quero que passem pela mesma coisa que eu passei na vida, quero o melhor pra vocês!

Depois do jantar naquele dia, eu estava no meu quarto e Marcela entra pra pegar fone de ouvidos dela e senta nos pés da cama puxando assunto;

- Você e Leandro não estão conversando porque?

- Nada!

- Te conheço Davi, o que foi?

- Estão falando que ele é gay!

- O Leandro gay? Se me dissesse que você era gay eu iria acreditar mais que ele!

- Como assim?

- Ah Davi, você só esta usando calças mais apertada agora, seu cabelo sempre está mais arrumado até mesmo que o meu.

- E dai?

- Outro dia achei pó de arroz no seu banheiro!

- Marcela o que foi agora? Está me mirando quer algo? Não sou gay beleza! Tenho namorada se é que se esqueceu!

- Namorada Davi! Você fica com a Renata porque ela tem bunda e peito grandes, e pra se sentir na frente dos outros garotos!

- Vaza daqui!

- Ah foi mal, até que você e o Leandro dariam um belo casal!

Joguei um tênis na porta pra ela sair e para de falar baboseiras. Depois do que aconteceu com a gente, eu digo o beijo, foi tão diferente com Leandro que não sei explicar, vamos para o dia seguinte!

Sem nenhuma palavra durante a aula com Leandro, porem no fim da aula acompanhei ele até o carro de sua mãe, no caminho!

- Como você está se sentindo Davi?

- Bem, obrigado por perguntar!

- A ultima vez que te vi você não calava, digo no bom sentido!

- Depois dos acontecimentos meio que mudei um pouco a forma de pensar!

- Você fala do seu pai?

- Sim.

- Sempre que precisar de algo, eu e o também o Leandro está à disposição, não é filho.

- Sim, claro!

É por incrível que pareça eu estava mais calado, mas não vou entrar em detalhes pra explicar minha cabeça pra vocês!

Quando chegamos fomos para o quarto de Leandro, ele dessa vez entrou pro banheiro pra trocar de roupas e sua mãe veio até o quarto!

- Deixei uns sanduíches prontos na cozinha!

- Naturais?

- Sim Davi, tem normal também ok.

- Hum obrigado!

- Vou para o trabalho, Leandro qualquer coisa me ligue! Até mais pra vocês!

Nos pegamos primeiros os pontos mais fortes para se comentar e isso foi um bom tempo, descemos pra comer algo;

- É Davi, queria te pedir desculpas por aquele dia mas...

- O beijo?

- Isso!

- De boa, fica tranquilo.

- Fico mais aliviado cara!

- Porque me beijou?

- Ahn?

- Porque me beijou Leandro?

- Eu não sei!

- Como não sabe?

- Não sei só isso!

- Leandro...

- Calma Davi olha não sei, olhei pra você e quando vi já tinha feito...

- Você gosta de mim?

- Como é?

Estávamos na mesa, ele iria morder o sanduíche quando eu perguntei, olhou pra mim com um olho enorme e suas bochechas rosaram na hora!

- Se gosta de mim Leandro? Você sente algo por mim?

- Porque quer saber isso cara? Esquece!

- Sente?

Ele deixou o sanduíche, se levantou e olhando para o chão encostado na bancada, estava estralando os dedos quando disse;

- Sim... Eu gosto de você Davi!  Não sei...

- Cara então pare de gostar, na boa não vai rolar nada!

- Não culpo você afinal a culpa é minha, eu é que gosto de você, e é bom esclarecer isso!

- Sim, pois não cria expectativas!

- Então... quando ele foi dizer isso nos dois pegamos na mesma hora o seu prato e tipo, eu coloquei a mão por cima da dele, foi sem querer, retiramos e deixei as coisas na pia, ele lavou eu sequei e depois ele guardou, peguei minhas coisas despedi e fui para casa!

Foram três dias na casa de Leandro e o trabalho já estava pronto! #Leandro Davi se livrou rápido de mim, acho que que não ficava bem na minha presença depois da nossa conversa, bem a apresentação do trabalho foi excelente ele falava muito bem e conseguia fazer piadas no meio do assunto coisa que chamava muito a atenção da galera! Primeiro semestre de aulas fechado, pelo menos eu fui com ótimas notas em todos e mês de julho viajei para casa da minha avô que fica no interior! Quase um mês de tédio, voltei antes do inicio das aulas e minha mãe acha que férias é sinônimo de escravidão, cara eu tinha que arrumar a casa  todos os dias, o pior era o jardim por causa da piscina. Faltando uma semana pra volta as aulas  eu estava no jardim jogando bola sozinho, e sem querer pensando no Davi quando ouço um barulho do vizinho infernal, que não parava, era como uma bateria mas não tinha ritmo e não era um som auto, caramba aquilo foi durante umas 2 horas seguidas, eu tive que colocar fones de ouvidos pra suportar! No jantar naquele dia... - Leandro já decidiu a faculdade meu filho? - Não mãe! - Sabe que não pode perder tempo não é mesmo? - É muita pressão decidir o que vou fazer pro resto da minha vida em 3 meses. - Você teve 17 anos pra pensar isso! - Já ouvi isso antes! - Mãe... - Sim. - É (...) comecei a gaguejar até conseguir sair algo (...) se eu mudasse de colégio agora me prejudicaria? - O que acha Leandro, agora que esta bem, você mesmo disse que todos gostam de você e esta se saindo ótimo no futebol, o que eu não estou sabendo meu filho? É alguma garota? - Sim, estou gostando de uma garota e ela está com outro, e tenho medo disso me atrapalhar! - Atrapalhar Leandro? Mas o que essa garota tem de tão importante que pode te atrapalhar? - Ela está com o Davi! (olha eu tive que mentir pra conseguir o que queria, e não achava errado pois eu estava fazendo algo pra me sentir melhor, melhor longe daquele colégio, eu tinha esperanças de esquecer ele). Minha mãe calou na hora, ela não sabia o que dizer. - Leandro o problema ai não é o Davi e nem você! É essa tal garota, olha meu filho faça algo por sua mãe! Já que conhece tão bem essa garota se pergunte isso, “O que ela tem que te deixa apaixonado por ela?” se for pontos positivos ai eu concordo em querer lutar por ela, agora caso contrario você tem que esquecer porque não é correndo dos problemas a melhor forma de enfrenta-los. - Tudo bem, vou fazer isso! É de certa forma ela estava certa. Volta as aulas eu acordei bem cedinho na segunda tomei um banho demorado, coloquei aquela calça de uniforme do colégio, que estava pouco apertada pois eu havia treinado nas férias, a camisa branca feito neve e também a gravata, o blazer militar do colégio e umas pulseiras de couro, arrumei meu cabelo que estava pouco grande na altura das orelhas e olhos, poucos pelos no rosto, quando desci as escadas; - Leandro que isso? Vai pra onde meu filho? - Para mãe não começa! - Você está lindo. Eu somente ri peguei minha mochila e entramos no carro. No colégio mesmas pessoas, tudo normal, mesmas aulas chatas, e eu pensando que seria diferente. #Davi - Vocês essa semana vão ter algumas palestras para decidirem qual curso irão fazer na faculdade, espero... - Todos trazem mais balões ok. Gritei na aula da Eunice, até ela sorriu; - Pelo amor de Deus Davi não faça mais aquilo! - Como me julga assim Professora? - Davi Sales, não temos mais nenhum aluno com sua capacidade de aprontar. - E o Pietro? - Ele é somente sua ovelhinha! Todos ficaram rindo até o intervalo, abracei a Renata e saímos da sala logo na porta um cara estava passando e se esbarou em mim; - Olha por onde anda! Ele nem se virou, só continuou andando! - Quem é esse? Perguntou a Renata, eu não dei a mínima, quando estava almoçando e Pietro me cutuca; - Davi olha o novato em cima da Marcela! O cara folgado que havia se esbarrado em mim estava de papo com a Marcela,  eu me levantei pra ir chamar ela mas a coordenação chamou ele, possivelmente por estar sem uniforme, ele usava uma calça jeans preta apertada, uma blusa normal branca e uma jaqueta de couro, tinha barba por fazer, era como os roqueiros da época! Na aula de educação física o professor juntou as duas turmas; - Pessoal trouxe o “3º anos A” pra treinar junto com vocês hoje e depois vão treinar junto com as outras salas, como a turma de vocês é o único time, quero que estejam preparados para a competição dos colégios. O tal cara era dessa turma estava já em quadra se aquecendo, eu já estava jogando no meio de campo e não sabia jogar, mais conseguia me virar, o jogo começou normal correria e não estava fácil. Em uma jogada o Leandro deu uma carrinho por debaixo das pernas do cara novo que derrubou feio ele; - Leandro pra fora! Quando estiver de cabeça fria você volta, pro chuveiro. Treinador tirou ele que aparentemente estava normal, até ajudou o cara a se levantar, perguntou se estava machucado e tals, e o jogo prosseguiu logo mais a frente eu sai da minha posição não sei o que deu em mim e Pietro tocou a bola pra mim, quando senti do meu lado esquerdo uma trombada que me jogou pra fora da quadra, o cara era magro mas tinha muita força, eu cai me arrastando no chão, o treinador olhou pra mim que estava levantando e o jogo continuou, bem eles nem pararam a bola. No fim daquele dia quando estava saindo do colégio despedindo de Renata vejo o tal cara novo entrando em um carro e saiu dirigindo, voltei o olhar e a Mãe de Leandro o aguardava, ela estava olhando fixamente pra mim e Renata, eu acenei e ele tampou minha visão entrando no carro.

3 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia