• @rgpatrickoficial

One Choice - Capitulo 1

Me chamo Davi Sales, tenho 17 anos, sou branco, pouco magro, corpo normal pois não pratico esportes, cabelos castanhos claros e pouco grandes com mechas distintas, boca grande com um sorriso de fazer covinhas, tenho os olhos azuis claros, na minha família me chamam de anjinho, pelo cabelo as vezes com cachos, moro com meus pais e minha irmã Marcela Sales, ela tem o cabelo longo uma barriga linda, um belo quadril, e é extremamente careta. Digo isso pois alem de ser o palhaço da família no colégio meus professores e colegas sofrem nesta questão comigo, sou hiperativo (quando eu digo Hiper, é isso mesmo, ou se existir Megaativo serve também), e tenho uma carinha de “peste”. Bem vamos ao que interessa, vou relatar para vocês esses anos importantes de minha vida.

Sou um cara normal, com problemas como qualquer um, nas férias minha família sempre  viaja para algum lugar, barato e careta, nesse período resolveram todos irem para IlhaBela em São Paulo, juntou meus pais e meus tios para alugar uma casa a beira mar, onde ficava mais barato é claro, a pretensão era de passar o ano novo, chegamos no dia 29 de dezembro.  Minha expectativa era de chegar e estar aquele sol maravilhoso, pois queria pegar uma corzinha legal, “só queria mesmo” estava chovendo sabe aquela chuva de domingo a tarde, pois é, o céu todo nublado, chegamos na casa e se serve de consolo, era maravilhosa aspecto antigo cor beje, tinha dois andares e na frente duas piscinas bem de frente para o mar, o local era esplendido, pra mim do interior que nunca vi o mar, aquilo era o paraíso.

Minha tia e minha mãe foram descer as coisas do carro, tipo comida essas coisas, ajudei meu pai com as malas minha irmã e eu correndo para ver quem pegava o melhor quarto, más, ficamos no mesmo quarto pois não tinha nenhum sobrando, foi só jogar minhas coisas e descer um espaço entre arvores para a areia do mar, nossa quando vi aquela imensidão fiquei com olhos brilhando, deixei meu celular em cima do chinelo e da camisa e corri feito uma garota, foi encostar na água gelada e voltei feito gato pra tomar banho, estava muito gelada, mas como um bom “cara do interior que nunca viu o mar” entrei naquela água gelada por sinal... e quase morri afogado, cara as ondas não eram nada amigáveis, eu fiquei mais na beira quieto pois não iria arriscar, Marcela veio gritando com junto a minha tia;

- Como está a água?

- Gelada.

Ela colocou o pé e voltou para trás;

- Nossa esta demais, não dá pra entrar.

Quando ela disse isso, joguei água nela que saiu correndo me xingando;

- DAVI... para, vou contar pra mamãe.

Eu rindo, ouvi meu pai atrás de mim;

- Para com isso moleque!

Fiquei quieto, peguei minhas coisas e sai de perto deles fui andando na praia, tirei algumas fotos e estava escolhendo uma, sentei em uma pedra e fiquei olhando aquele horizonte imenso.

Voltei e fui pra dentro pois estava escurecendo, tomei um banho e fiquei com aquela família brega, jantamos e deitei cedo pois estava cansado por causa da viagem longa. Já no dia 31 depois da queima de fogos que assistimos na praia,  Marcela me chama longe do nosso pai;

- Davi tem uma festa em um clube a duas quadras, onde passamos, aqueles caras estão lá, vamos comigo?

- Não, quero ficar aqui!

- Vamos por favor, não quero ir sozinha!

- Não Marcela, já disse que não.

- Lavo a louça pra você o mês que vem.

- Almoço e jantar?

- Não!

- Então eu fico!

- Como eu te odeio, tudo bem, mas vamos sair disfarçado por causa do pai.

Disse que iríamos voltar para a casa, e fomos com  dois carinhas, eu de papo com um e Marcela de graça pra cima do outro, que parecia ser surfista de tão bronzeado que era, a festa estava lotada todo mundo de branco a entrada foi autorizada por esses caras que estavam conosco, havia um palco com um DJ ao fundo, muitas luzes a piscina cheia de gente, fui para o bar pegar uma bebida;

- Uma batid...

Nem terminei de falar e o cara já me cortou;

- Identidade?

Odeio ser menor de idade, sai com cara de lua dali, Marcela estava sentada em um lugar separado com algumas pessoas, eu cheguei e o rapaz me entregou uma cerveja;

- Toma ai!

- Valeu!

Duas cervejas e eu já estava caindo, eu já sou alegre sem beber, essa foi a primeira vez que fiquei “bêbado” com duas cervejas, (sem exagero). Neste meio tempo fiz amizade com outros turistas do Rio de Janeiro, eles falavam engraçado demais, eu rachava de rir deles e eles de mim, eram 3 garotas muito lindas e 2 caras, foi quando o DJ mudou o estilo de musica, ele fez um mix de funk, eu comecei a dançar juntos com essa galera e tipo como estávamos de frente para a piscina em um lugar alto, meio que as pessoas olharam pra gente eu nem ai, os caras pararam de dançar, foi quando o DJ pegou o microfone e fez uma disputa de dança, iria ganhar uma garrafa de champanhe quem fizesse o melhor quadradinho de 4. Nem precisa dizer quem ganhou né, eu subi no palco, e cai quando desci (aff), fui correndo pro lado da Marcela com a garrafa, ela disfarçando não me conhecer de tanta vergonha.

Esse foi um breve resumo da minha noite de ano novo.

Quando o dia amanheceu minha cabeça estava muito ruim, cheguei a cozinha bem cedo e minha tia estava fazendo café;

- Bom dia meu anjinho.

- Bom dia tia!

- Onde vocês foram ontem em?

- Como sabe?

- Davi eu já fui adolescente meu querido, sorte sua seu pai não perceber.

- Fui a uma festa com a Marcela, ficamos lá até tarde, só não lembro de voltar pra casa.

- Hum sei, toma, está bem forte vai ajudar!

- Obrigado!

Tomei um café bem forte e depois que todos acordaram fomos pra uma praia diferente, havia muita gente lá, havia sol e eu parecendo um pão com manteiga de tanto protetor solar. Estava passando por um quiosque e um cara estava limpando uma prancha na sombra;

- Prancha massa brother!

- Valeu! Você surfa?

- Eu? Não! O que está fazendo?

- Passando parafina, vou entrar no mar agora!

- Massa!

- Ei você é o cara da champanhe de ontem.

- O que?

- Foi você que dançou ontem no palco não?

- Estava lá ontem?

- Sim a comunidade inteira, belo quadradinho em!

- Puta merda que vergonha!

Fiquei vermelho na hora, e rindo meio que sem graça,

- Ei vou nessa a Champanhe me espera!

- Haha’ vamos pegar uma onda?

- Oi?

- Vamos entrar na água?

- Acho melhor não, entrei duas vezes no mar e me afoguei 5.

- Haha' Você é engraçado!

- Pois é.

- Vamos, coloca isso no seu pé, e esse no punho.

- Não cara, é melhor não.

- Vou contigo cara fica de boa.

- Beleza, mas não tenho dinheiro falou!

- Não vou te cobrar, vamos, as ondas estão perfeitas!

Me senti segurando aquela prancha debaixo do braço, com aquela colerinha no meu pé, até fui onde a Marcela estava;

- Meu filho de quem é essa prancha?

- Do meu amigo mãe, Marcela pega meu celular ai e tira uma foto nossa!

Ela chegou a ficar vermelha de vergonha!

- Ei você estava na festa ontem não?

Ele perguntou e ela levantou falando alto, pois meu pai estava perto;

- Vamos pra perto da água, a foto fica melhor!

Saímos rindo, e nos dois brigamos com ele, foi engraçado.

Ei ele se chama Rayan é muito bronzeado tem uma barriga normal e usa aqueles shorts de surfista, fala bem tranqüilo e tem os cabelos loiros.

Ele me deu umas aulas ali na areia primeiro com a prancha na areia mesmo, minha irmã havia encontrado a galera da festa e ficou longe, depois de um tempo Rayan diz;

- Então vamos entrar?

- Aqui já está bom, já fiz até manobras.

- Manobras? Vamos logo.

Entramos no mar como ele disse, Rayan ficava me olhando de longe e eu igual uma criança deitado na prancha o Maximo que fazia era ficar de quatro, as vezes que tentei me levantar era tombo na certa, depois de varias tentativas consegui duas vezes, e realmente é ótimo a sensação, eu não queria mais sair dali, Rayan me chamou pra sair e almoçar;

- Já está bom por hoje, foi ótimo aluno!

- Foi demais, valeu cara, fico te devendo essa!

- Depois me ensina a dançar daquele jeito que estamos kits!

- Vai se fuder!

Saímos da água,  e fui com ele guardar a prancha;

- Pronto, ei obrigado mesmo, curti muito!

- Por nada, afim de almoçar?

- Sim, claro.

- Vamos comer aqui no quiosque mesmo!

- Não, não, não tenho dinheiro cara!

- É dos meus pais, fica tranqüilo!

- Já que é assim não vou recusar.

Rindo sentamos no balcão ele passou para o lado de dentro, colocou um avental e preparou dois hambúrgueres, nos serviu e ficamos ali conversando até sua mãe chegar próximo a gente;

- Olá! Amigo novo Rayan?

-Sim mãe, esse é o Davi!

- Tudo bem com a senhora? Sou turista viu!

- É da pra perceber, pela sua cor vermelha!

- Isso aqui? É vergonha mesmo!

- Haha’ essa foi a melhor desculpa que já ouvi, bom apetite garotos.

Ele ficou rindo muito da minha piada! Depois de comer fui até a barraca onde minha família que estava comendo ali mesmo, passei mas protetor e Rayan queria me mostrar o outro lado da praia;

- Onde fica?

- Pertinho daqui!

- Perto pra mim são 5 metros ta bom.

- Perto aqui é 1 km.

- O que tem nessa praia? Tesouro enterrado?

- Você vai ver, vai gostar!

Andamos um pouco e se afastando de todos, o sol estava abaixando, demoramos uns 30 minutos até atravessar umas pedras, e a outra praia não tinha quase ninguém, somente algumas pessoas mais afastadas, olhei pra ele e perguntei;

- Só isso?

- Só? Olha que sossego.

- Não ,mas Rayan na minha cidade eu já tenho sossego ate demais.

- Haha’ tudo bem, mas aqui a água é mais limpa e melhor pra aproveitar tudo bem!

- Beleza!

Entramos na água e realmente era mais cristalina, diferente do outro ponto, e também era um pouco mais calmo, saímos da água e ficamos sentados na areia conversando, ele me contou quase toda sua vida e eu como falo muito, contei a vida de todos que eu conhecia...

- Queria morar como você, em um lugar onde teria amigos de infância!

- Aqui você não tem?

- Não, a maioria mudou, procurando algo melhor, faço amizades com turistas!

- Hum então ensina todos a surfar e leva pra almoçar no quiosque do seu pai?

- Não, Não.

- Seu galinha!

- Haha’ você foi o primeiro!

- Olha se eu fosse uma garota com essa cantada te beijaria!

- O que te impede?

Sabe aquele momento que sua cabeça da uma “pau”, foram segundos até eu deduzir o que ele havia me dito!

- Eu não sou gay!

- Nem eu, mas não tem curiosidade?

Ele disse se aproximando;

- Não!

- É só um beijo, nada demais!

- Um beijo...

Rayan segurou meu pescoço por trás e me beijou, eu meio sem jeito mas respondi, acho que não controlei, foi algo de momento...

- Porra Rayan eu falei que não.

- Poderia morar aqui!

- Mas não moro, podemos ir?

- Ficou bravo?

- Não cara, só não curti.

- Na boa não é o que parece. Só está nervoso.

- Vamos?

- Sim, já é.

No caminho de volta foi um pouco mais seco, quando chegamos meus pais estava arrumando as coisas para sair, abracei ele e me despedi, mas Rayan pegou o meu numero de celular. Lembro que quando entramos no carro minha tia falou pra Marcela;

- Minha filha! Amor de praia não sobe a serra!

Todos riram e eu fiquei com a mesma cara que ela, tipo emburrados!

29 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia