• @rgpatrickoficial

O Personal ūüĒ•

Atualizado: Out 25

‚ö†ÔłŹRelato Er√≥tico Contem Cenas de Sexo Explicito ‚ö†ÔłŹ


Academia: quem a√≠ tamb√©m odeia a quest√£o de ir para a academia, as dores depois, todo o processo que demora at√© ver os resultados, n√£o √© mesmo. √Č claro durante seu treino, concluir se√ß√Ķes complicadas ou finalizar o exerc√≠cio do√≠do. MAS √© claro sem contar naquelas pernas lisas ou peludas, grosas, aquelas malas, e suor, huuuum cheiro de homem direto da fonte, rsrs. Adoro ver aqueles peitorais e camisas coladas nos abd√≥menes trincados. Bem vamos ao que realmente interessa, vou sempre na academia ap√≥s meu trabalho, por volta de seis as sete da tarde, l√° √© sempre cheia. H√° tr√™s semanas eu mudei meus hor√°rios para a parte da manh√£, pois estava cobrindo umas f√©rias no trabalho e com isso na academia havia menos pessoas e outros persona√≠s, esse em quest√£o era diferente de todos que j√° vi nas academias que passei. Ele tem 23 anos se chama Jonas, moreno claro, corpo atl√©tico, muito bonito mesmo, 1,72 de altura, com algumas tatuagens espalhadas, tipo coberto mesmo, bunda pequena, dura mas que desenha na bermuda. Na primeira semana que treinei de manh√£ √© claro que troquei olhares com ele, afinal eu "novato" e ele tamb√©m, nada demais, j√° depois na segunda semana, em um dos treinos de peito que estava fazendo, n√£o hesitei em pedir ajuda, ele estava meio que andando de um lado pra o outro; - Mano preciso de uma ajuda aqui! - Falei passando a m√£o no rosto. Ele se aproximou como todo personal; - Na hora, vamos l√°, vou te ajudar na descida, a subida √© sua. Eu estava fazendo o supino reto, horr√≠vel pra quem conhece, ops n√£o me apresentei n√©, sou Adriano, tenho 22 anos, corpo normal, com poucos m√ļsculos, cabelos pretos, olhos castanhos, normal. Neste dia ele acabou me acompanhando por todo o treino, eu fazia uns certos e outros errados de proposito, mas percebi umas conversas soltas da parte dele., no dia seguinte, mal pude esperar, e ele estava auxiliando umas garotas, quase no fim do meu treino de pernas, ele veio me ajudar. Um dia qualquer fui com meu amigo treinar e ele viu a gente se alongando, sem querer tem muito contato f√≠sico.

No outro dia eu treinando sozinho, o cara se oferece para me alongar, tipo perguntando se não faria. Foi a coisa mais difícil da vida não ficar excitado com esse cara pegando em braço, perna, pele soada, meu senhor. No fim de semana, em um sábado, e eu estava em casa quando um conhecido me convidou para sair, fomos em um barzinho da cidade, bem movimentado por sinal, logo que chegamos havia uma turma de pessoas do meu trabalho, hesitamos mas acabamos nos sentando na mesa junto a eles, eu estava cumprimentando quando vi o Jonas, me assustei, mas fiquei feliz ao mesmo tempo. Durante as conversas e bebidas, fui ao banheiro, ele acabou entrando junto; - Se importa? - Perguntou ele entrando e abrindo o zíper. - Relaxa, entra ai. Dentro do mesmo banheiro havia uma privada e um mictório, bem eu claro que olhei para ele, pois terminei pouco mais rápido para conferir, era um pequeno pênis grosso, e moreno, com a glande até a cabeça, fofo posso dizer. Voltei para a mesa, e algumas pessoas haviam ido embora, bem até meu amigo havia se arrumado, eu então consegui outra carona, com poucas pessoas acabei sentando do lado de Jonas esperando sair algo, e ele me pareceu um papo bem interessante, era muito tranquilo, sereno. Sobrando somente umas seis pessoas, Jonas nos chamou para irmos até sua casa, compramos cerveja, e energéticos, era perto do bar, um apartamento bem bagunçado e bonito para um solteiro. Ficamos na sala bebendo, até um dos garotos tirou maconha e começou a fumar, duas garotas bebendo e conversando, Jonas e esse amigo fumando, uma das garotas foi embora e o cara que era minha carona, veio em mim quando eu estava na sala; - Adriano, vai ter que quebrar essa pra mim mano, vou levar a Bia na casa dela, to cheio de tesão nela cara. - De Boa, Roger, vai lá, eu pego um UBER. Bem, ele meio que se despediu de Jonas, que estava com a metade do cigarro de maconha, acho que é assim que se escreve, rsrs.

Jonas o levou at√© a porta e a trancou, eu ent√£o estava pegando meu celular do carregador, tirei e entreguei para ele; - Mano valeu pelo carregador, mas eu vou nessa, j√° tenho carga para chamar o UBER aqui. - Senta ai Jonas, nem terminou a cerveja, olha que como seu personal n√£o te indicaria beber essa ai, mas como j√° est√° terminando. Me sentei do seu lado no sof√°, e escolhi uma m√ļsica qualquer, no celular e coloquei para reproduzir na tv, e percebi ele pegando no seu malote. Bem acreditem ou n√£o, fui me dar conta de estar sozinho com ele, s√≥ quando vi isso, pois √©. Deixei o celular de lado e ele me ofereceu o cigarro, segurando bem na ponta ele disse; - Puxa ai. - O que eu tenho que fazer? - Ele sorriu e respondeu. - Puxa, traga e sente a brisa. Eu at√© tentei, mas me engasguei quase morri sufocado, rsrsrs, ele riu bastante, tive at√© que ir no banheiro. Quando voltei ele estava no mesmo lugar, sentei mais relaxado, com o tronco do corpo para seu lado, ele de pernas abertas; - Vou sentir a sua brisa mesmo, porque quase me matei com a minha. - rsrsrssr' Sinta. Disse ele assoprando a fuma√ßa para meu lado, tossi um pouco, e terminei minha cerveja; - Escuta, voc√™ sente o que fumando isso, serio, eu fico pouco tonto e s√≥. Ele respirou, estava com a cabe√ßa encostada no sof√°, se virou com os olhos vermelhos e disse; - Fome, to brocado, e mano √© uma viagem muito da hora saca! - N√£o, n√£o, Saco. - Falei ironizando. - E um tes√£o da porra, √© foda, olha isso. Galera, quando ele falou isso, eu percebi que era cego, o cara estava de cal√ßa jeans e a camisa branca que usava al√©m de colada em seu corpo estava amostrando sua barriga e sua cueca branca, mas o volume curvado na cal√ßa era de tirar o folego; - O garoto cresceu desde o banheiro n√©, rsrrs. Tive que comentar; - Pois √©, eu vi que deu uma secada nele, at√© que ficou grandinho. Com a ajuda do polegar, segurando o cigarro ele abriu o z√≠per, a cueca era branca, mas desenhava o mostro moreno dele, devia ter uns 19 cent√≠metros; - Pode pegar, sei que est√° afim. Disse ele passando a m√£o sobre a cueca; - Ah, n√£o... - Gaguejei, acho que nem palavras direito sa√≠ram de minha boca. Ele pegou minha m√£o e disse; - Pega, logo. Ele n√£o colocou minha m√£o por cima e sim dentro da cueca, segurando aquele mastro quente pulsar, tirei ele e punhetei poucas vezes, a cabe√ßa estava melada, ele abaixou um pouco a cal√ßa e encostou confortavelmente no sof√°, puxou mais da maconha e soltou o ar para cima. Uma das minhas m√£os subiram at√© seu peitoral e a outra auxiliou minha boca, chupei a cabecinha primeiro, queria sentir aquele gosto, ele sorriu e eu engoli at√© onde consegui, uma, duas, tr√™s, varias vezes, ele ent√£o pegou seu cassete e punhetava, eu entendi descendo at√© suas bolas, que cheiro era aquele, meu Deus. Com poucos pelos passando pela minha l√≠ngua, voltei com mais vontade e ele gemeu um pouco, pois eu fazia o poss√≠vel para engolir o que conseguia, afinal quando √© que se tem um pau junto com um homem desses. Ele terminou o cigarro, tomou uma agua que estava do lado, se levantou e tirou a cal√ßa, a camisa, e eu pude ver aquele corpo de dar inveja, porra que del√≠cia. Ele ficou de p√©, com uma perna sobre o sof√°, e a outra no ch√£o, na minha frente que estava sentado chupando ele, mas dessa vez Jonas fodia minha boca, com gosto. Chupar aquelas bolas com ele me olhando era perfeito, quando subi at√© a cabe√ßa do seu p√™nis novamente ele me surpreendeu, levei um tapa na cara de leve, com a m√£o mais aberta, ele fez pra testar, mal ele sabia que eu gostava. E eu j√° estava disposto a andar com um cigarro de maconha no bolso, se todo cara que curtisse fumar transasse assim. Eu sorri com o tapa e continuei, ele segurou meu cabelo e for√ßava muito, queria obrigar uma garganta profunda, mas n√£o conseguia a cabe√ßa de seu pai era grande demais, dai ele voltou a sentar como estava, e como seu cassete √© curvado para a esquerda, eu deitei j√° pelado e forcei a garganta profunda. Dessa vez foi, me surpreendi comigo pela proeza que havia conseguido, ele deu um gemido muito gostoso, levantou a m√£o e um tapa na bunda, e eu me empolguei, havia conseguido e de novo e de novo, ele chegou a se retrair; - Calma, essa boquinha est√° muito gulosa. Eu ri, pois significaria que ele quase gozou. Com isso mandou eu me levantar e ficar de costas para ele, deduzi que iria se levantar e me penetrar, mas n√£o, o cara era um deus do sexo, abaixei minhas costas, apoiando as m√£os nos joelhos, pois senti sua boca fazer um cunete, s√≥ n√£o bati palmas porque eu cairia, rsrsrs. Abaixado olhando ele se punhetar, minha bunda estava t√£o molhadinha que minhas pernas j√° tremiam, segurei seu cabelo, acho que foi impulso, escutava tapas estralarem, pois s√≥ sentia sua l√≠ngua e dentes me mordendo. Quando ele enfiou um dedo, acabou a gra√ßa, era quase um m√™s sem sexo, estava bem apertado, senti pra caralho esse dedo dele, Jonas colocou o outro e massageou um pouco, tive que reclamar, mas ele foi estranhamente gentil, esperou e continuou, galera ele me lubrificou todo, rsrs, j√° estava natural a esse ponto. Colocou a camisinha, eu cuspi e deixei bem molhada, chegando a escorrer aquele cassete dele, sentei ouvindo ele dizer; - Assim que eu gosto, tem que sofrer, s√≥ no cuspe mesmo. Senta vai. Sentia sua respira√ß√£o nas minhas costas, eu na ponta do p√©, apoiando pra conseguir sentar de boa, com toda a a prepara√ß√£o, doeu a cabe√ßa entrar, tipo muito, acho que sabem quando sentamos com tudo aquilo dentro, PORRA. Ele de pernas abertas, eu com as minhas pr√≥ximas, bunda encaixada com o pau dele, sentindo aqueles pentelhos na minha bunda lisa, a sensa√ß√£o de ter um homem dentro de voc√™, s√≥ quem sentiu pra saber! Suas m√£os estavam dan√ßando em minhas costas, descia na bunda ia at√© as coxas e voltava, ent√£o subi e desci, pra sentir de vez aquilo, e caralho era como me rasgar no meio, estar com aqueles 19cm era como n√£o poder me mexer muito, rebolei um pouco √© quase gozamos. Comecei a cavalgar, de vez, nossa o barulho era pouco alto, ele tamb√©m estava abusando da minha bunda; - Vira, Vira, quero ver sua cara, vira. Me virei sem tirar o cassete dele, √© j√° estava acostumado, mano! Suas m√£os se encaixaram nas minhas nadegas e subindo e descendo, segurando em seu peito, era gostoso demais, seus m√ļsculos, aquela carinha deliciosa de tes√£o. Jonas se sentou mais aconchegante e meio que me abra√ßou, com suas m√£os nas minhas costas, me apoiei no sof√° e ele me fodeu com bastante for√ßa, eu gritei nesse momento, ele ent√£o segurou minha bunda e empurrava contra ele, caralho chegou a doer, mas ter meu rosto ao lado do dele, soando, e dando prazer para ele n√£o havia pre√ßo, Jonas ent√£o, come√ßou a ir freneticamente, mais e mais r√°pido, os tapas que ele deu nessas √ļltimas estocadas est√£o aqui at√© hoje, rsrs. Eu gemendo bem gostoso pra ele gozar, e como gozou, com um urro tipo urso, delicioso. Pra completar nem esperou o pai amolecer, me levou carregado para o banheiro, l√° me colocou no ch√£o bem devagar, e ligou o chuveiro, eu estava debaixo de √°gua, quando se afastou ainda com a camisinha, ele disse; - Limpa pra mim, e aproveita pra gozar gostoso tamb√©m. O viado sabia, s√≥ pode, me ajoelhei e tirei a camisinha daquele pau meia bomba, todo lambuzado e eu ainda cheio de tes√£o, chupei todo o leite que restou, e me punhetando, ele segurando meu cabelo, seu cassete ficou duro como pedra dessa vez, fazendo movimentos com a bunda pra foder minha boca; - Vem aqui vem. Falou ele me levantando e segurando minha perna, pressionou contra a parede e enfiou sem camisinha, dessa vez doeu pela posi√ß√£o, foi demais, forte olhando no olho dele, gozei sem ver, e continuei a punheta, ele gozou sem demorar tamb√©m, tirou o cassete e gozou em mim se punhetando, rindo disse; - √Č que sobrou um pouco de porra. Tomamos um banho, e ainda bebemos duas cervejas, ele me contou que eu fui o primeiro dele, √© que queria repetir a dose, pois eu era de boa e discreto. Contei umas experi√™ncias minhas e meu fetiche pelo meu primo, depois explico melhor para voc√™s. Fui para casa flutuando e ardendo aquele dia, colocar o nome do Jonas no caderninho de h√©teros que j√° peguei.


86 visualiza√ß√Ķes
Assine para ser o primeiro a receber os cap√≠tulos 

Siga a gente:

¬©2015 por Arm√°rio Er√≥tico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia