• @rgpatrickoficial

Louco Desejo - Segunda Temporada

#Pedro

- Pedro! Pedro, meu filho acorda vai chegar atrasado no trabalho.- Já vou mãe. Me levantei olhei no espelho do guarda roupa, cabelo todo bagunçado, tomei um banho e tomei um rápido café da manhã e fui para a loja, abrir, pois, Matheus chegaria após o almoço por dar uma volta de bike na parte da manhã.

Depois da morte de Dona Giza a 6 meses atrás, a mãe de Matheus estava com câncer no colo do útero e preparou desde a inauguração até a saída dele da agência de viagens para cuidar da loja que seria o bem que sua mão deixaria para ele, Matheus ficou mais responsável por estar na frente da loja agora, que se mantém muito bem diga-se de passagem, estávamos com 7 funcionários 3 atendentes na loja eu de gerente e mais 4 para atendimento domiciliar, isso mesmo levando peças de nossas coleções até as casas para atendimento, e Matheus é o proprietário, com o avanço e ideias dele crescemos bastante, ele chegou a se mudar de casa, para um condomínio luxuoso da cidade, Matheus fez um estúdio dentro da loja onde ele mesmo fazia todo o marketing de novas coleções, estava solteiro, eu e ele ficava as vezes, e manteamos contato diário, ele permanecia da mesma forma comigo, não sabia se expressar e sempre era direto no que queria, Matheus morava sozinho, havia uma senhora para limpar sua casa más isso somente alguns dias na semana.

Cheguei a loja abri em uns minutos os outros vendedores chegaram, abri o caixa eu ficava mais no balcão, neste dia a loja deu um movimento a mais, e acabei por ajudar no atendimento, eu terminei de atender uma senhora e veio um rapaz alto e me perguntou sobre umas peças que estava olhando;

- Por favor, você tem essa aqui número 40?

- Só um momento. Desci e peguei o estoque daquela marca para ele.

- Tenho todas estas. O cara separou alguns modelos e experimentou;

- E então? O Cara era alto cabelo cumprido um rosto másculo e um sorriso perfeito, a calça que ele experimentou deixou suas pernas bem definidas e aparentes, coxas grossas e uma pequena “mala” destacando, eu me deixei levar pelo extinto e respondi.

- Ficou muito gostoso!

- Como?

- E... Desculpe ficou ótima ela no senhor. Falei gaguejando até suando de vergonha.

- Não tudo bem, agradeço o elogio... foi um elogio certo?

- Sim, desculpe.

Ele levou três peças e pagou com o cartão quando me cantou, eu fiquei bem surpreso e claro com a auto estima lá em cima;

- R$ 637,00 senhor!

- Passe no débito. Passei seu cartão e como a cidade não era tão grande eu o questionei.

- Desculpe, mas é novo aqui não?

- Sim, moro aqui somente a duas semanas, fui transferido do trabalho.

- Está aqui seu cartão e Sr. Diego Cavalcante ...

- Para você Só Diego tudo bem!

- Desculpe, Diego poderia deixar seu telefone para entrarmos em contato quando houver promoções do tipo na loja? Perguntei naturalmente, pois sempre fazíamos uma agenda de nossos clientes só que Diego interpretou de outra forma.

- Aqui meu cartão, me ligue quando chegar a nova coleção, ou quando sair do seu expediente. Ele falou pausadamente eu fiquei vermelho na hora peguei seu cartão e ele saiu da loja, e entra Matheus!

#Matheus

Acordei cedo quando ouvi Maria entrando pela cozinha, fui até lá antes de escovar os dentes;

- Ai meu Deus, filho eu não to acostumada com isso, vai vestir roupa!

- Haha desculpa, mas vem aqui! Beijei ela que ficou rindo, pois só falou por que estar sem camisa.

Troquei de roupa, tomei um suplemento e peguei minha bike fui dar umas voltas aproveitar o sol baixo, andei por volta de umas 3 horas, voltei já no horário do almoço, a loja cheia os atendentes estavam todos ocupados até mesmo Pedro que era acostumado a ficar no balcão;

- Bom Dia! Disse a ele.

- Bom Dia, e aí bem?

- Ótimo, que movimento em.

- Pois é, sua promoção está fazendo sucesso. Disse ele vindo até minha sala, ele entrou fechou a porta, eu tirei a camisa e peguei outra que estava no local que deixo separado no escritório, olhei para ele que só apreciava enquanto eu me trocava, me aproximei beijando Pedro, nossa aquela boca era coisa de outro mundo, acho que nunca senti com ninguém o que sinto quando beijo Pedro, sua boca ao mesmo tempo sendo doce e macia, tinha um beijo forte e quente que eu sentia tesão só de chegar próximo a ele, passava a mão em seu corpo, ele mordia minha boca eu passava a língua em seu pescoço deixava ele louco com isso.

- Ei tenho que ir para a loja, estão precisando de mim.

- Só uma rapidinha vai, eu to morrendo de tesão.

- Não, Matheus aqui não.

- Ah! Pedro... falei enquanto ele saia da sala, só olhou para traz e me mandou um beijo, com um piscar de olho.

#Pedro

Provocação, era o que eu gostava de fazer com Matheus, ele só queria sexo e claro eu não iria recusar afinal e contas Matheus é um Deus, com um corpo angelical.

Fui almoçar e deixei ele cuidando da loja, assim que retornei 1 hora depois ele não estava, como sempre saiu sem avisar, resto do dia foi correria, fechamos a loja uma hora depois do normal,

- Matheus, temos que fazer uma retirada do valor em caixa, vai vir aqui?

- Pedro estou muito longe iria demorar na faixa de 2 horas até a loja, por favor coloca no cofre, amanhã eu fecho ele tudo bem.

- Tranquilo.

- Beijo nessa boca.

Desliguei rindo fui colocar o montante no cofre e fechando o caixa deixo a agenda dos clientes cair no chão e o cartão de quem que cai perto de mim? Se sua resposta foi Diego acertou, eu peguei e coloquei no bolso, fui para casa tomei um banho e meu amigo Lúcio me chamou para sair, acabei aceitando e fomos para um bar movimentado da cidade, era sexta-feira tudo cheio e lá não estava diferente, estava eu Lúcio e Carlos, conversando e os dois parecem, mulheres muito afeminadas, eu curto eles por serem sinceros e verdadeiros comigo;

- Olha aqui Pedro, tem que dar um chá de perna no Matheus, gay não engravida meu bem!

- Se eu não fizesse gostoso Carlos acha que ele estava ficando comigo até hoje.

- Vocês querem saber! O Boy só vai dar valor quando perder você Pedro.

- Nossa que boca a de vocês, vira isso para lá.

- Olha me diz onde e qual a marca desse mel que tua mãe te passou.

- Haha’ porque?

- Porque tem um “Aquiles” te olhando ele está de azul, no balcão, disfarça.

- Gente que tudo.

Quando olhei era Diego, estava conversando com um cara loiro, muito atraente, eu fiquei vermelho;

- Ai meu Deus. Falei em voz baixa.

- Anão Pedro! Disse Lúcio.

- Que foi? Perguntei.

- Vem falar que já pegou também?

- Não, mas eu conheço ele.

Diego veio em nossa direção e eu queria sumir com os meninos na mesa;

- Ele está vindo para cá, disfarça. Falou Carlos bem baixinho, e Lucio deu uma risada;

- Licença, Boa noite!

- Boa noite. Todos respondemos.

- Esperei você me ligar.

- Desculpe eu perdi o seu cartão.

- Tudo bem me dê seu celular!

- Como?

- O Celular!

Ele pegou meu celular gravou seu número e me mostrou, eu rindo;

- Sente-se.

- Desculpem, prazer meu nome é Diego Cavalcante. Disse ele cumprimentando os meninos, Diego sentou conosco e por incrível que pareça eu fiquei surpreso, ele ficou a noite toda com a gente os meninos tipo amaram ele e ria alto e fizemos a maior bagunça, a noite foi denominada como Perfeita, Diego tirou foto conosco e até postou ela na internet, na hora de ir claro os meninos queriam de todo o jeito que eu fosse com ele;

- Até mais, foi um prazer, Boa noite. Despediu Diego dos garotos. Eu estava sem graça;

- Você vem comigo quero que veja uma coisa!

Entrei no seu carro e fomos conversando sobre tudo até seu apartamento chegando lá...

- Desculpa pelas é que eu ainda estou de mudança.

- Tudo bem, caramba seu é bem grande aqui não?

- Grande até demais para um cara solteiro.

Diego estava procurando alguma coisa no meio de caixas, ele tirou a camisa

- Espero que não se importe!

- Tudo bem, afinal estamos na sua casa.

Ele pegou um violão e me surpreendeu;

- Sente-se aqui. Fez ele mostrando o chão ao seu lado;

Ele foi lindo cantou umas músicas bem lentas do tipo que eu curtia, e me fez o que eu havia esperado, se aproximou para me beijar, eu recusei e virei lentamente o rosto;

- Espere! Falei pouco sem graça.

- Pedro eu não quero transar com você, não hoje, só quero um beijo!

Eu me rendi e o beijei ele, uma boca molhada muito gostosa, eu fiquei com tesão na hora, mas me contive, um belo de um beijo, Diego tinha um charme e um rosto lindo.

- Penso em você desde que sai daquela loja...

- Poxa me pegou de surpresa Diego, eu não sei nem o que dizer!

- Sim!

- Oi?

- Diz sim.

- As coisas não funcionam assim, preciso de tempo afinal saímos pela primeira vez, e não conheço você direito!

Diego me beijou novamente, e “aí caralho” eu poderia me acostumar com aquele beijo,

- O que achou?

Perguntou ele...

- Molhado e quente, do jeito que eu gosto.

- Eu estava falando da música.

- Rsrs’ desculpe, foi lindo obrigado.

- Que bom, porque meus amigos falam que eu não sei tocar.

- É assim...

Falei brincando e ele jogou uma almofada em mim;

- Ei tenho que ir! Me leva em casa?

- Sim claro, mas trabalha amanhã?

- Não é que estou cansado mesmo.

- Tudo bem vamos lá.

Ás 3 da madrugada, Diego me deixou em casa e rolou mais um daqueles beijos, eu entrei como uma mocinha apaixonada voltando a olhar para o carro, entrei e deitei, queria muito estar apaixonado por ele ou “amar” Diego do jeito que gosto de Matheus.

#Matheus

Passei a noite na casa de meus amigos tomando tequila, jogando truco e fumando narguilé, não cheguei em casa tarde, ainda liguei para Pedro, mas seu telefone estava fora de área, acabei deitando e dormindo a semana foi bem cansativa.

Acordei no sábado daquele jeito todo duro, não me contive e mandei uma mensagem para Pedro, “Vem aqui em casa, quero comer você de café da manhã” ele respondeu, “Como? ”,

“Ou tomar café com você”, “Não sei não me convença” mandei um vídeo para Pedro e ele alguns emotions.

Tomei um banho e ele chegou já entrando;

- Matheus!

Falou alto, e veio até o banheiro, entrou com aquela cara linda;

- Bom Dia!

- Nossa que bom dia seco, nenhum abraço nem um beijo.

Ele se aproximou eu abracei Pedro e trouxe ele até mim, coloquei contra a parede e dei uma bela pegada, o beijando por uns segundo que tirei seu folego;

- Você molhou minha roupa!

- Eu não a agua!

- Haha’ que bonitinho.

- Tira essa roupa vai. Olha o jeito que você me deixa!

Pedro tirou a roupa eu peguei ele no colo e chegando próximo a cama o joguei, mordendo e subindo pelo seu corpo com minha boca, caramba ele tinha um cheiro “dele” que eu sou fascinado, beijava Pedro com tanta força e gosto que tirava seu folego, ele me afastava para respirar,

- Ele esta doidinho pra sentir sua boca na cabecinha!

Falei deitando e acariciando meu pau, Pedro beijando meu peitoral desceu até meu cassete e tirou os gemidos que só ele conseguia, engolia todo ele lisinho passava por minhas bolas, e sua língua cheia de saliva brincava na cabecinha me tirando leves sorrisos, sem aguentar coloquei a mão em seu cabelo fazendo com que ele engasgasse em meu cassete, fazendo minhas bolas encostar em sua boca, e ele sair tossindo fazendo ânsia de vomito.

- Vem aqui, fica empinadinho para mim vai.

Coloquei Pedro na ponta da cama, onde sua bundinha ficava vulnerável para mim, e seu rosto no colchão, coloquei meu cassete de uma vez, ele deu um grito. Aquele cuzinho tinha o tamanho do meu cassete, era só meu, e adorava ver ele sentindo dor com meu cassete dentro dele, aquilo fazia meu tesão ir ao level 10, era só grudar em sua cintura e bombar deixar Pedro de perna bamba comigo socando fundo nele. Subi seu corpo ao meu e metendo mais e mais fundo ele gemia de tesão e dor, eu o beijava e ele chupava minha língua meus dedos, e aquele garoto louco. Pedro colocava dois dedos dentro de seu cuzinho enquanto eu comia ele, colocava os dedos sem mexer e o resto ficava comigo, tirei meu cassete segurando seu cabelo, e punhetando gozei em sua boca e se caísse fora eu passava a cabeça do meu pau para dentro de sua boca, ele limpava todo ele e engolia eu beijava Pedro sentindo o salgado de meu esperma.

Fomos tomar um banho juntos e depois de um sexo como aquele eu ficava extra romântico, beijando ele do nada, fazendo carinhos e tudo mais, terminamos o banho e fomos tomar café na rua mesmo, assistimos um filme depois, almoçamos besteira na rua mesmo, e estávamos tomando um açaí em uma esquina movimentada da cidade quando chegou um cara cumprimentando a gente.

#Pedro

Estava passando o dia com Matheus e ele sendo um fofo comigo, claro isso exclui o sexo que sempre foi masoquista como ele gostava e já estava caindo no meu gosto, estávamos tomando um açaí, quando passa por nos Diego, meu coração disparou fiquei com muito medo, porque Matheus é louco;

- Olá Pedro, e aí tudo bem?

- Tudo sim e você Diego?

- Agora estou melhor.

Matheus olhou para mim, tipo “depois conversamos”.

- Desculpe Diego Cavalcante, prazer!

- Prazer Matheus, senta aí com a gente.

- Não.

Falei rapidamente os dois olharam para mim.

- Já estamos indo né Matheus?

- Não, eu não acabei meu açaí ainda.

- Bem eu vou nessa, Bom te ver Pedro.

Matheus olhava para ele quando se distanciou, virou ora mim.

- A gente se vê?

- Aí Matheus é só um cliente, que foi está com ciúmes é?

- Não ciúmes não, porque você é meu Pedro, somente meu!

Nunca havia me assustado com nada que Matheus dissesse ou fizesse no sexo, mais aquelas palavras me deixaram extremamente com medo, por não soarem como uma brincadeira.

- Você fala como se a gente namorasse.

- A gente não namora, e não tenho ciúmes de você! Só sinto a necessidade de cuida de você, porque?

- Não nada.

- Amanhã vou viajar para a cidade vizinha, quero olhar um lugar para abrirmos uma franquia.

- Boa ideia Matheus, e gerente? Quem cuidará da tal loja?

- Queria ter mais uns 3 como você, que cuidava das lojas e ainda cuidava de mim na cama.

- Às vezes penso que você só quer sexo de mim!

- Por que está falando assim?

- Esquece pensei alto!

- Pedro eu gosto desse relacionamento que a gente tem sem compromisso, me sinto melhor assim do que com uma aliança no dedo.

- Você está certo esquece!

- Vamos, vou te deixar em casa.

Segunda-feira acordei cedo e como de costume, Loja, abrimos e o movimento fraco fiz uma pequena reunião com o pessoal que fazia o atendimento a domicilio, eles queriam saber se poderiam colocar outras pessoas para vender abaixo deles, e abriram toda uma discursão, conversamos durante um tempo e entramos em um consenso, voltei para a loja e Lucio vem igual a um foguete;

- Vai falando e não me esconda nada, o que rolou ontem à noite?

- Nada.

- Está brincando comigo, um Monumento daquele te leva para casa e você não dá nem um beijo nele?

- Bem rolou um beijo, mas ficou só nisso.

- Aí que tudo, e o que mais?

- Ele tocou uma música para mim!

- E esse aí rodou.

- O que disse?

- Você não vai dar chance para o gato, é isso!

- Porque fala assim?

- Pedro você gosta de homem com atitude, se o cara não te dar nenhuma bofetada na cara você não dá a mínima para ele.

- Da onde tirou isso Lucio?

- Fiquei sabendo por uma amiga que ficou com Matheus que ele curte esse tipo de coisa, olha nada contra afinal eu adoraria levar um tapa na cara daquele Deus na cama, é isso que você gosta dele.

- Eu gosto do Matheus, e sim estou dando uma chance para o Diego.

- Vai mesmo?

- Sim.

- Liga para ele!

- O que?

- Liga para ele agora vai, comigo aqui.

Bufei como um boi e peguei o celular, procurei o número de Diego e liguei, chamou três vezes e ele atendeu;

- Fala rapaz!

- Oi Diego tudo bem. “O que eu falo para ele? ”

“Não sei inventa”

Falou Lucio baixo do meu lado.

- Tudo sim, trabalhando?

- Sim, e você?

- Não, estou em casa preparando, umas coisas aqui, Pedro quero você aqui hoje à noite, posso contar com você?

- Sim, claro.

- Combinado, tenho que desligar beijo.

- Viu não doeu nada.

Fiz uma cara de indiferença para Lucio e ficamos conversando ali durante um bom tempo, dois vendedores estavam de folga e Lucio foi contratado pelo Matheus e nós ficávamos ali conversando quando não havia nenhum cliente, ás 14h00min Matheus chega;

- Vocês dois já falaram de mim hoje?

- E gato, todo dia!

- Lucio vou comprar um balcão para você ficar e descontar do seu salário viu, Pedro por favor.

Matheus entrou no escritório e Lucio ficou rindo de sua “piada”, entrei na sala de Matheus e me encostei-me à mesa dele, ele pegou umas planilhas e colocou na mochila me olhou e veio, pegou minhas coxas e me subiu na mesa, me beijou e me abraçou;

- Vou sentir saudades.

- Vai ficar quantos dias lá?

- Acho que 2 ou 3, depende.

Beijamos mais um pouco, e Matheus teve que sair colocou sua mochila no carro e partiu, ao fim da tarde, fechei a loja fui para casa estava sozinho, e sabe quando você está em casa com Deus e o senhor Tédio, pois é ele estava ali comigo, quando recebi uma mensagem de Diego, “Estou te esperando”, tomei um banho e fui até sua casa afinal não perderia nada, em minutos cheguei na casa de Diego tinha dois carros lá na sua garagem e quando entrei estava tocando “Faroeste Caboclo” de “Legião Urbana”, entrei e olhei para uma saleta que havia mais em baixo estava ocorrendo uma secção de fotos, que meus caros, Diego estava super sexy, fiquei excitado só de olhar.

Ele olhou para cima deu um tchau, com um sorriso lindo, fiquei vendo de longe e adorei aquilo tudo, eles terminaram em minutos;

- Diego foi a melhor, não sei porque, mas esse sorriso hoje estava combinando com um belo olhar brilhante.

Disse o fotografo olhando para as fotos.

- Está a li em cima a razão do brilho no olhar.

Falou Diego apontando para mim, e todos me olharam eu fiquei vermelho,

- Obrigado pela presença, já que está aí poderia dar uma ajudazinha aqui?

Desci ajudei eles a desmontarem tudo e depois que foram embora;

- Pedro, Vou tomar um banho, e já venho, quer alguma coisa?

- Estou com fome vou vasculhar sua cozinha.

- Vai lá fica à vontade.

Ele saiu e eu fui a cozinha e havia tanta coisa, eu acho que não fazia comida em casa, pois estava tudo arrumadinho e lacrado, decidi prepara um macarrão rápido para gente, passei um filé de frango e Diego estava na porta do banheiro olhando de longe ele estava me olhando a algum tempo, ele veio foi a uma pequena adega que havia na cozinha e pegou um vinho branco.

- Espero que ele seu jantar seja digno de um vinho branco importado, viu!

- Engraçadinho, não vai vestir roupa?

- Vou lá! Não come tudo e me deixa sem hein.

- Vai logo.

Diego vestiu um short e uma camisa de manga, e sentamos na bancada e jantamos, ele estava diferente,

- Que carinha é essa?

- Você é perfeito, só falta o teste da cama agora!

- Então estou aprovado viu.

Jantamos ele lavou a louça, e eu ajudei a guardar e depois sentamos na frente do sofá bebendo o vinho ainda e contando micos passados de nossas vidas, até ele me beijar, e eu não recusei me segui naquele ritmo, fomos para o seu quarto batendo nos moveis e derrubando coisas, ele tirou minha camisa eu puxei a dele, e deitamos com uma frequência de toques e caricias que eram “perfeitas”,

- Cruze as mãos atrás da cabeça.

Falei beijando seu peitoral sua barriga definida e passando a mão em seu volume que eu já estava desconfiado de ser “o volume”, quando abri seu short juro me impressionar com o tamanho de 19 cm, de um cassete branco e reto, era lindo eu sugava ele com vontade e Diego estava até vermelho, punhetava e colocava na boca até onde eu conseguia, passava a língua em suas bolas e sua virilha, quando subi ele estava suando com um sorriso lindo no rosto, me abraçou e passava as mãos em minha bunda massageando, logo me colocou de bruços e mordendo minha bunda passou a língua e massageava, enfiou dois dedos em mim para ir acostumando e depois voltou, estávamos deitados de lado, Diego foi me penetrando lentamente pois seu cassete era grande demais, mesmo assim me segurava, quando eu senti ele todo em mim, ele voltou com movimentos alucinantes de um vai e vem combinados com uns beijos, que me deixavam louco, sua mão segurava minha perna no ar, e ele enfiava com vontade ao mesmo tempo sendo bem carinhoso, ele logo se virou e me sentei sobre ele, e sentindo todo aquele cassete dentro de mim, caramba achei que não iria conseguir, eu cavalguei e ele gemendo de tesão me punhetava, foi rápido para eu gozar em sua barriga e sua mão, quando Diego gozou eu senti todas os jatos dentro de mim, ele chegou a sentar e me abraçou, ficamos abraçados se beijando e depois nos levantamos fomos pro banheiro.

Coloquei uma toalha em volta de mim, e Diego colocou um short de futebol, e estava escovando o cabelo e eu na cama no celular, chamei ele para tirar uma selfie, depois que mostrei ele pediu para passar para ele e Diego colocou como protetor de tela do celular, aff.

Acabamos dormindo de conchinha aquela noite, juntos ele bem abraçado em mim, coisa que eu não sentia a muito tempo... Carinho!

- Ei acorda! Pedro.

- Bom Dia!

- Bom Dia, príncipe.

Olhei ao pé da cama e havia uma bancada com frutas e torradas uma geleia, e um suco de laranja, eu olhei cheguei a ficar sem graça, olhei e beijando ele falei;

- Você não tem defeito?

- Tenho.

- Então me diz pois não consigo enxergar.

- Gostar demais de você.

- Não entendi o porquê que é defeito.

- Pedro quando gostamos muito de uma pessoa ela não gosta da gente de uma forma recíproca.

- Eu estou me esforçando está.

- Eu sei, desculpa!

Tomamos café juntos e fui para a loja, graças a Deus só pensava em Diego e de como ele era fofo comigo, adorava suas formas de expressar seu carinho.

#Matheus

Assim que cheguei na cidade fui em umas imobiliárias olhar alguns lugares e andei o dia todo, a tarde eu fui a um restaurante e fiz meu pedido, estava sentado à mesa e em duas mesas a frente tinha um cara sentado, ele tinha uma boa aparência e estava olhando para mim, freneticamente, eu olhei primeiramente e depois o ignorei, liguei para Pedro para saber sobre o dia na loja, e ocorrendo tudo bem, quando desliguei o tal cara se levanta e senta se aproxima;

- Olá Boa Noite!

- Sim.

- Posso me sentar?

- Você não estava sentado?

- Olhos lindos o seus!

Falou ele sentando.

- Sou Marcos, e você não é daqui?

- Não!

Ele viu como eu era seco então pediu licença e se levantou, meu pedido chegou e depois que jantei, fui pagar a conta e perguntei o caixa onde era o hotel mais próximo, ele me explicou, eu peguei o carro fiz o Check-in, entrei no elevador e quem me aparece o tal Marcos!

- Espero que não esteja me seguindo.

- Não, estou hospedado aqui também, desculpe se te assustei.

- Não beleza.

Quando chegou no andar eu fui descer e ele desceu também, eu olhei para ele e não me segurei saiu um sorriso que foi retribuído, cheguei na porta do quarto e ele estava no quarto ao lado, ele entrou, e a porta dos quartos eram por cartões, aff não consegui e tive que bater na porta de seu quarto.

- Desculpe, mas não consigo abrir a porta.

- Vamos lá eu te mostro.

Marcos abriu a porta e entrou me mostrou para que eu não ficasse trancado do lado de dentro, enquanto ele falava eu vendo o movimento de sua boca rosa e molhada não me contive, empurrei a porta e coloquei ele contra a parede beijando ele, que primeiramente se assustou mas eu sabia o que ele queria pois sua resposta foi rápida, sua mão desceu e entrou dentro da minha cueca ao encontro do meu cassete, peguei em suas pernas subi pegando ele e joguei na cama, tirei minha roupa e ele a dele, Marcos veio como uma cadela até meu cassete, segurei na base e logo de primeira fiz ele engasgas enfiando até o talo em sua boca,

Marcos engolia todo meu cassete eu sentia a cabeça dele em sua garganta, literalmente comi sua boca gozei dentro dela e ele não deixou cair nada para fora, cuspi em sua boca e ele engoliu junto com o resto de esperma, me deitei segurando meu cassete,

- Bem brincar de cavalinho vem!

Marcos sentou de uma vez eu quase morri,

- Ai caralho.

Ele deu um gritinho e começou a rebolar e gemer no meu cassete se eu não parasse iria gozar logo pois ele estava rebolando de um jeito maravilhoso, tirei ele se cima de mim e coloquei de quatro, enfiei dois dedos e junto meu cassete, ele gemeu de dor;

- Ai puto!

- Não gosta, em?

Dei uns tapas de mão cheia em sua bunda que ficou vermelho os lugares, ele iria se virar e eu peguei em seu cabelo metendo mais e mais fundo ele gemia alto, eu estava suando, gozando pela segunda vez, subi minha perna e enfiando fundo ele ainda gemia, tirei meu cassete ainda babando e fui tomar um banho, quando estava saindo ele entra, passa uma água no corpo se vestiu e saiu, indo para seu apartamento.

Pode acharem o que quiser, mas minha atitude depois daquele sexo foi mandar uma mensagem para Pedro! " Sentindo sua falta".

#Pedro

Era sempre assim, eu encontrava uma pessoa legal o Matheus virava um príncipe, depois que recebi sua mensagem não fiz como as outras, não respondi ele, eu tinha que sair daquele sentimento que tomava conta do meu ser, Diego estava sendo fofo e carinhoso comigo, tudo que eu sempre quis de Matheus, estava decidido em tirar ele da minha cabeça e lutaria para fazer acontecer.

Eu estava indo trabalhar a uma esquina da loja um carinha me para na rua;

- Moço, moço! Você deixou cair.

- Eu olhei para traz e havia uma rosa branca no chão.

- Não, não é minha!

- Mas caiu do senhor.

Ele me entregou e havia uma letra escrita na pétala da Rosa se eu não estivesse errado era a letra "L", estranhamente levei ela é cheguei na loja nas maçanetas havia outra Rosa, dessa vez com a letra “E”, já sabia que era alguma coisa para o meu lado, minha cabeça estava saindo fumaça para saber que era estava por trás de tal façanha. Lúcio chega e me entrega outra rosa branca, a letra desta era “I”.

- Quem te entregou isso?

- Um garoto pediu para te entregar?

- Um garoto Lúcio.

- Sim!

Chega outro vendedor com mais uma letra “N”, e os outros dois com as letras que já eu desconfiava, as letras “A e D”.

Fiquei ainda com ele na cabeça pelo resto do dia, como um bobo apaixonado.

- Boa Tarde, tudo bem com você?

- Tudo Matheus, e aí como vão as coisas por aí?

- Tudo ótimo, estou ligando para avisar que vou estar de volta amanhã à noite!

- Ok.

- Ok? Só isso? Tudo bem com você Pedro?

- Tudo sim, porque?

- Pensei que estava com saudade!

- Estou, é que depois quero conversar com você!

- Ah meu Deus, olha lá em.

- Matheus vou fechar o caixa aqui, depois a gente se fala.

- Tudo bem, desculpe, boa tarde para você viu, beijo.

- Boa tarde, Beijo.

Desliguei e estava fechando o caixa na sala de Matheus quando Lúcio bate na porta;

- Desculpe, mas tem alguém querendo te ver.

- Lúcio, sabe que não...

Diego entra na sala com uma rosa branca e Lúcio sai todo desconfiado fechando a porta;

- Nossa que sala mais contemporânea! Sua?

- Lembra do carinha do açaí, pois é a loja é dele!

- Hum, isso me responde algumas perguntas.

- Que tipo de pergunta?

- Tipo que ele não estava te pegando, e que ele olha diferente pra você.

- Mudando de assunto obrigado pelas rosas!

- Rosas? Que rosas? Ah essas rosas.

Diego veio para me beijar eu pedi que segurasse pois não ficava a vontade para beija-lo naquela sala, ele me esperou para irmos embora juntos, Diego me deixaria em casa.

#Matheus

Desliguei o telefone e estava na rua, terminei o que havia para fazer, passei o dia com o corretor fazendo a compra de um terreno na cidade e já fui para construtora para deixar tudo pronto para voltar.

No dia seguinte tudo certo, e já estava pronto para voltar, como a cidade é bem próxima, em 1 hora estava em casa, desfiz as malas e fui para a loja para ver Pedro antes que fechasse,

- Boa Tarde pessoal!

Todos me cumprimentaram e Pedro me segue até a sala, eu parei e fiquei olhando para ele tipo "Saudades".

Pedro estava seco com uma feição triste.

- O que foi?

- Lembra que te falei que precisávamos conversar?

- Sim, fala!

Eu sentei na cadeira em frente o Pedro na cadeira ao lado.

- Matheus eu gostaria que nos parrássemos de ficar, aqui e na sua casa...

- Por que?

- Por que conheci uma pessoa e a gente está dando certo, eu quero ficar com ele, e ficando com você não é certo.

- Te entendo, você tem toda razão.

- É isso, e espero que não influencie em nossa amizade.

- Somos amigos acima de tudo Pedro, fora que você é gerente da loja, não muda nada. Amigos?

Estende a mão para ele, assim que encostou eu puxei e abracei ele, um abraço “gelado” não era Pedro que estava ali, eu não consegui sentir, ele que me deu as costas e saiu da sala sem mais alguma palavra. Não sabia ao certo o que sentia só sei que doía por dentro, eu não entendia e minha mente não compreendia o que havia acabado de acontecer.

Sai da loja estava pouco desnorteado,

- Matheus vai no show hoje à noite?

Perguntou meu amigo ao telefone,

- Quer saber vou sim, passo na sua casa, as 7 belezas?

- Falou mano!

Eu achava que curar dor de cotovelo era com festa, decidi ir para esfriar a mente e pensar em outras coisas, não queria admitir a falta de Pedro, se bem que era um Baile Funck, eu não sabia muito bem o que encontrar, voltaria para casa com um filho ou um tiro, kkkk.

Estava na casa de meu amigo ele entra no carro e caralho calça branca apertada e camisa da Hollister mascando seus músculos fiquei de pau duro na hora, disfarcei e fomos para a festa, em minutos estávamos lá;

- Mano vamos pegar a fila?

- Está doido, conheço o dono não vou esperar isso tudo.

Entramos pelo fundo meu colega nos passou umas pulseiras e já entrei falando;

- Mano se prepara que eu vou beber, quero sair daqui carregado!

A música já estava no grau lá dentro entramos já fui beijando uma mina no bar e depois no camarote peguei outra essa eu cheguei a colocar a mão nos seus peitos, o show iria começar e eu fui pra frente com meu amigo que logo perdi no meio do povo, em um tempo que estava lá eu encoxei uma garota que estava na minha frente, fui me desculpar ela subiu mais a bundinha pro meu lado não aguentei, dei uns beijos nela e no meio da bagunça ela coloca a mão dentro da minha calça como eu estava com tesão demais por causa do álcool, tirei meu cassete ali no meio de todo mundo e por baixo de sua saia penetrei em sua buceta, ela estava na minha frente de saia para cima, foi uma loucura em pulos e todos empurrando acabei gozando dentro dela, deixa mais uma beijos e acabei me despistando da tal garota, fui no bar e encontro novamente meu amigo quase que deitado no balcão em vez de ajudar ele acabei bebendo mais e mais, o que lembro é de acordar com um tesão desgraçado, como se alguém me chupasse, e foi isso mesmo, com dificuldade abri Meus olhos e Cleber meu amigo estava caindo de boca no meu cassete, ele se assustou quando olhou pra mim e viu que eu estava acordado!

- Não! Continua vai...

O boquete dele era diferente eu consegui sentir a inexperiência dele, mas que chupava muito bem eu fazia ele engasgar fazendo aquilo, me chupando até o talo, eu subi ele passou cuspi na mão e em sua entrada e fiz ele cuspir no meu cassete deixando bem molhadinho,

- Já fez isso antes?

- Não vai devagar comigo em!

Pensei comigo "vou bem devagar com você, que não me conhece",

Fui enfiando e ele gemendo e se contorcendo eu segurava ele,

- Não, não! Tira, tira, tira está doendo muito.

- Calma, logo vai passar.

A mentira mundial falada ao pé do ouvido engana qualquer um.

Ele se mexeu eu vi meu sinal verde, comecei um vai e vem quando percebi que ele estava acostumado, já coloquei de quadro, fazendo um encontro frenético de sua bunda branca batendo em mim, como uma puta, os tapas fortes e os puxões de cabelo trazendo ele até mim são infalíveis,

- Está gostando viadinho, Tá?

- Aí caralho.

Como eu adorava ouvir isso, era música para meus ouvidos, acho que sexo era minha vida, acho não é minha vida, subi em cima da cama com ele ainda de quatro aquele cu para cima eu deflorava ele, que gritava de dor.

Sem saber se gostava ou não, peguei em seu cabelo coloquei ele de joelhos para engolir meu esperma quente e salgado!

- Para você curar a ressaca!

Falei cuspindo em sua boca, Cleber ficou deitado na cama enquanto eu tomava banho, eu tipo curti o sexo com ele, pois era do jeito que eu gostava, e ele não reclamava, além de ser o tipo de gay preferido dos "ativos" o tipo machão!

Peguei um copo de leite estava na sala ele desceu e ficou um pouco mexendo ao celular enquanto falávamos da noite passada, ele disse que iria embora e colocou a mão em meu cassete, foi como jogar gasolina no fogo, quando vi estava me chupando de novo, eu forçava até ele não conseguir mais, pronto outra gozada para começar o dia.

Ele foi embora e almocei fora, não trabalhei naquele dia fiquei na internet, estudei um pouco e para minha surpresa, assistir filme sem Pedro era uma coisa, agora colocar a cabeça no travesseiro e saber que vai dormir só, acho que não tem coisa pior, pois ele sempre dormia comigo, não precisava transar, desculpe transávamos todo dia, havia dias que até mesmo na minha sala na loja eu pegava ele de jeito, dormir sem ele sem seu cheiro sem seu corpo realmente me fazia falta.

#Pedro

Diego chegou na minha casa e me chamou para sair;

- Vamos comer fora?

- Vamos, mas agora?

- É uai, troca de roupas que vou te esperar!

- Está maluco tenho que me arrumar!

- Vai demorar?

- Um pouco!

- Está vai lá!

Tomei um banho, escolhi minha roupa, sequei e arrumei meu cabelo, quando voltei a sala Diego estava dormindo na poltrona;

- Diego? Diego?

Sim pessoal ele havia dormido ali!

- Você dormiu?

- Não estava pensando de olhos fechados, quantas horas?

- Oito e meia!

- Há você demorou isso tudo?

- Engraçadinho, vamos?

Fomos para um restaurante italiano caro da cidade, foi tipo maravilhosa a noite, chegamos e acabamos por assistir um filme no meu quarto ele dormiu por lá mesmo, no dia seguinte me arrumei para o trabalho,

- Gato, acorda!

Acordei Diego nele me levou para a loja, eu abri a porta e entrei, ele foi na lanchonete vizinha e veio com um copo de leite,

- Cadê meu beijo?

Ele me deu vários beijos tipo selinhos, quando...

- A loja está fechada!

Matheus aparece entrando.

- Bom dia.

- Bom dia.

Eles se cumprimentaram,

- Desculpe Matheus.

Me desculpei com ele, mas foi em vão;

- Não se desculpe Pedro você é o gerente a regra de não ter ninguém além de funcionários até 08:00 da manhã é sua, de um bom exemplo.

- Desculpe.

Falei enquanto Diego saia da loja, eu fui atrás dele até sua sala;

- Porque falou assim comigo?

- Eu estava errado?

- Não!

- Mais alguma coisa?

- Não.

Sai da sala sem uma atitude, e estava abrindo a loja quando Lucio chega em mim disfarçando,

- Fui na sala do todo poderoso e ele está sem sexo? Você está dando um gelo?

- Não, terminamos o que nem começamos direito.

- Porque?

- Para mim ficar com Diego, vou dar uma chance para ele.

- Fala que é mentira o que você disse!

- Não porquê?

- Você é idiota ou se faz de idiota? Pedro o que acha que ele vai fazer agora?

- Como assim "Matheus"?

- Vai te tratar como mais um funcionário, não vai estar nem aí para você é pior ainda pode colocar outra ou outro acima de você pra te pirraçar.

- Você não conhece Matheus como eu.

- Espero que Diego saiba do seu passado com Matheus.

- Ainda não falei nada.

- Quero até ver depois me conta a história.

Fiquei com aquilo na mente, mas realmente Matheus estava diferente comigo e eu sabia que era por causa de que havíamos terminado.

Por volta do meio dia entra um cara lindo na loja, eu conhecia de algum lugar!

- Bom Dia, o Matheus por favor!

- Sim, subindo as escadas!

Lucio de longe olhou para mim e fez gesto para eu ouvir atrás da porta, mas fiquei lá, infelizmente pensando no que estavam fazendo lá dentro.

#Matheus

Estava trabalhando no projeto das duas novas lojas e precisando muito da ajuda de Pedro, mas não queria dar o gostinho a ele de se sentir "especial", queria forçar ele a voltar para mim, e sabia que não era desta forma;

- E aí beleza?

- Depois daquela transa estou ótimo.

- Você acabou comigo.

- Isso porque não dormiu comigo.

- Ainda vou ter a oportunidade?

- Quando quiser!

- Estava pensando de almoçarmos juntos hoje, topa?

- Estou trabalhando, me liga pode ser?

- Fechado.

Desliguei o telefone pensando "o cara já apaixonou no poder do Matheus", continuei no trabalho quando ouço bater na porta, abri um pouco a camisa e fui abrir pensando que era Pedro.

- Cleber!

- Pensei em te ligar, mas só da desligado.

- Não é culpa minha, operadora.

- Vamos?

- Ei, ei espera aí.

Falei pegando sua mão e levando até meu cassete!

- Olha o jeito que me deixou só de entrar aqui.

Beijei ele é o tesão subiu, me controlei e depois saímos da loja, e eu com um volume na calça por baixo da camisa, mas ainda aparente, fomos para um restaurante que eu conhecia e depois de um tempo saímos despedi de Cleber, e fui para casa, abracei pegando no sono, acordei com o celular chamando, era um antigo amigo fotógrafo;

- Matheus?

- Sim.

- Lembra de mim Léo, fiz um book seu a algum tempo.

- Lembro Léo, diz ai o que precisa?

- Vou fazer uma campanha para uma marca e tem uma vaga, seu amigo Cleber te indicou, topa?

- Já é manda o endereço pelo WhatsApp.

Tomei um banho e em uma hora cheguei no local, a equipe era pequena e eu fiz a troca de roupas ou melhor sem roupas pois tinha que mostrar o corpo também, os modelos eram pouco fraquinhos talvez inexperientes, eu junto com Léo estava dando uns rumos de como se portarem e Tals, eu tirei umas fotos que ficaram legais para mostrar para eles umas técnicas;

- Viram eles pedem que finjam estar em casa! Como ficamos em casa a vontade isso mesmo, é fácil vamos lá.

- Você leva jeito!

- Não, é que já levei muitas broncas.

Falei ao lado de Leo, os meninos tiraram fotos e tudo mais, ficaram bem legais;

- Matheus coloca um short igual aonde Cleber quero foto de vocês juntos.

Vesti o short e Léo foi nos conduzindo;

- De frente(...). Isso virem se(...) Matheus passa a mão no ombro dele, movimento mais despojado (...)

- (...). Perfeita.

Pedro e o cara da loja entram na sala no momento. Continuei as fotos, normalmente.

- Ainda bem que chegaram! Vocês foram demais obrigado!

- Está explicado o porquê de estar tão cedo na loja, não estava atrás de roupas e sim dele.

- Inveja?

- Não até porque um dia antes ele estava na minha cama.

- Matheus me respeita.

- Foi Mal Pedro, só estou falando a verdade!

- Que história é essa Pedro?

- Tchau...

Sai troquei de roupas e Cleber veio na minha cola, Aff.

#Pedro

- A gente conversa!

Diego foi fazer as fotos e eu fiquei quieto atrás e calado, até tremendo de raiva de Matheus;

Ele estava com um olhar diferente no rosto, mas lindo como sempre.

Ao fim das fotos fomos embora e quando chegou na frente de minha casa ele para o carro se vira para mim e pergunta!

- Me diz que o que ele falou é mentira?

- Não, eu ficava com Matheus antes de você.

- Pelo trabalho?

- Não porque eu gostava dele!

- E agora?

- Agora o que?

- Ainda gosta dele?

Por um suspiro acabei com minha noite.

- Não!

- Pedro por favor me diz que não está comigo tentando esquecer ele?

- Eu gosto de você Diego.

- Eu sabia tinha algo errado.

- O que está falando?

- Pedro ninguém esquece uma pessoa tão rápido, sinto muito se está comigo para curar dor de cotovelo, eu estou sendo enganado porque estou apaixonado por você!

- Desculpe Diego!

- Você está sofrendo, vai me fazer sofrer e se aquela pedra de gelo ter coração ele sente sua falta!

- Eu quero você Diego, acredita em mim!

- Eu acredito, mas é você acredita no que acabou de falar? Bem Pedro vou para casa é melhor você ficar aqui.

- Não faz isso Diego!

Ele abaixou a cabeça e quando fui beijar ele virou o rosto lentamente, desceu as lágrimas em meu rosto, eu fui para casa e fechei o portão, e Diego demorou para sair ainda, eu chorei muito por ouvir aquilo de sua boca o pior era verdade eu estava acabando com nós três se é que Matheus tem algo no lugar do coração, que raiva dele, vontade de dar uns tapas naquela cara cínica.

Deixei minha mochila e fui até a casa de Matheus, eu iria falar poucas e boas para ele, toquei a campainha ele abriu a porta com aquela cara encostou na porta;

Me olhando sem dizer nada ele estava de toalha;

- Está feliz? Conseguiu o que queria Diego terminou comigo!

Falei entrando em sua casa, Matheus passou a mão na chave trancou a porta e veio para cima de mim;

- Já era hora.

Jogou a toalha no chão e me beijou pressionando contra parede eu sentia o calor de seu corpo, passou as mãos em minhas pernas subindo e colocou minas mais em sua bunda, me carregando fomos para o seu quarto, nosso cantinho do sexo, nosso canto de fazer amor(...).

#Pedro

Que raiva de Matheus, raiva de suas atitudes, de seu jeito de ser, raiva do seu sorriso, do seu corpo, aí o corpo estava mais perfeito que nunca, foram menos de uma semana sem beijar ele e parecia uma eternidade.

Seu corpo quente em cima de mim, que parecia em abstinência de sexo, ele realmente gostava daquilo, e eu sem conseguir recuar de seus braços, poxa nem queria sair, não confessava mais aquela pegada me fez muita falta, até a forma que Matheus tirava minha roupa era firme com uma bela pitada hétero, ele sabia como ninguém tirar a minha roupa com uma mão somente, de minha boca a nuca e o pescoço sua boca percorria com sua língua, eu já respirava firme, ele parou de me beijar e ficou me olhando, encarando com um olhar firme no fundo dos meus olhos;

- Espero que esteja pronto!

- Vai ficar de conversinha agora?

Ele subiu e veio com seu cassete até minha boca, olha tu nunca distingue sabor ou algo do tipo, mas Matheus era o tipo, maníaco por limpeza, ele cheirava muito e isso não disfarçava o cheiro de homem do seu corpo.

Ele forcava na minha boca, no começo lentamente e bem devagar, tirava todo seu cassete e colocava, ele curtia ver o chupando, tirava seu cassete e ao toque de minha língua nas suas bolas, ele gemia lentamente. Matheus se sentou com as pernas abertas conduzindo minha cabeça pelos cabelos;

- Ele sentiu falta de sua boca!

Voltei a chupar ele deitei de barriga na cama, Matheus me conduzia com sua mão forçando até eu me engasgar, e ele se deitou para trás só gemendo, eu acelerei entre as chupadas e punhetando ele ao mesmo tempo com o cassete em minha boca, Matheus não se conteve e se levantou finalizando com uma punheta e gozando em minha boca, foram muitos jatos de porra, ele gemeu alto e sujei meu cabelo, peito e rosto,

Mesmo com pouco de esperma em minha boca ele me beijou, o viado beijou e cuspiu sua porra na minha boca.

Fomos para o banheiro tomamos um banho e ele não aguentou e desligou o chuveiro, e já veio sarrando em mim atrás eu mesmo coloquei seu cassete em minha entrada, ele forçou de uma vez eu xinguei ele e Matheus fodia como nunca, ele cheirava testosterona segurava em minha cintura e cada vez mais forte, eu todo empinado e ele querendo que suas bolas entrassem em mim. Não sei vocês mas sentir um cara engatado atrás de você, não tem sensação melhor, olhar para trás aquela cara de satisfação com tesão e claro lindo, Matheus olhava seu cassete entrando em mim e eu passava a mão pelo seu peitoral, descia até sua barriga trincada, e abria minha bunda pra ele, Matheus me beijava e eu sentia seu peitoral quente, sua língua tentando alcançar a minha aquela boca molhada e quente, sua mão pelos meus peitos e todo meu corpo, abaixava minha cabeça e eu empinava mais ainda, e tudo isso ele me fudendo com força, seu cassete tinha vontade própria;

- Ta gostoso está?

- Porra!

- Toma porra então, filho da puta!

Matheus entrou em um ritmo tão frenético que eu gemia alto, e em algumas estocadas ele com o auxilio da mão tirava e colocava seu cassete em meu cuzinho isso enquanto gozava ele gemia alto, me deu uns tapas fortes na bunda enquanto eu me punhetava logo gozando também e ligou o chuveiro, tomamos outro banho, e depois de secarmos saímos andando na casa os dois pelados.

- Estava sem sexo é?

- Não, é que...

- Só eu faço como você gosta, não é mesmo?

- Não Pedro, você faz gostoso é diferente.

- Você não admite que gosta de mim não é mesmo?

- Pedro sabe que comigo a coisa é sexo, curtição, só isso.

#Matheus

Estávamos na cozinha eu tomando agua ele tomando agua e eu peguei um pedaço pequeno de chocolate, e fui oferecer a Pedro, ele abriu a boca e eu deixei ele no vácuo colocando o chocolate na minha boca, ele me deu um leve tapa na cara e eu abracei segurando ele, e o beijei ele, o chocolate estava todo na minha boca, por mais que pareça nojento beijei ele com aquele gosto de “sexo”.

- Você só pode ser combustível para o meu pau.

Disse eu pegando no meu cassete, e beijando Pedro, ele colocou o copo no balcão e pegou no meu cassete enquanto eu beijava ele, pronto estava duro novamente, não sei de onde vem tanta tesão naquele cara, sua mão toca meu cassete foi tipo instantâneo e eu beijava Pedro passando a mão na sua bundinha que piscava pedindo mais rola, eu já sorria e encostei ele na bancada e falei pra segurar em meu ombro e subi suas pernas, pronto fui colocando e com uma perna apoiada em meu ombro, meu cassete enterrava em seu cuzinho quente e molhadinho,

Nossa como aquele cu era gostoso, Pedro só podia passar melo nele como pode, aquilo era o paraíso que meu pau sempre procurou, Pedro fazia umas caras de dor que eu ficava louco. Desci ele e de costas pra mim sem tirar de sua bunda, uma perna só no balcão, caramba como aquela posição era gostosa, Pedro “mordia” meu cassete com sua bunda aquilo dava vontade de bater em sua cara,

Acho que era vontade própria dela, eu puxava seu cabelo dava tapas em sua cara na bunda então nem se fale, eu ficava louco com ele, curtia ver alguém sofrendo em minha pica, curtia o dobro quando era Pedro, com sua cara delicada de foder gostoso, meu cassete já estava dolorido de tanto sexo, eu gozei dentro dele dessa vez, e falei brincando para ele;

- Vamos para o banheiro assim, não tira.

Fomos para o banheiro com meu cassete nele, engatado como um vagão de trem. (Risos) outro banho, ele saiu se secou e pegou seu celular voltou para o banheiro estava escovando os dentes eu me sequei e peguei seu celular, coloquei na mesinha atrás;

- Ei!

- Tirei porque iria molhar, inteligência a sua né.

- Haha’ engraçadinho.

- Acabei com você hoje?

- Por mim iriamos mais uma.

- Está brincando comigo?

Pedro gesticulou com a cabeça para trás apontando sua bunda.

Coloquei meu cassete pouco mole mas endureceu dentro dele, pensei em deixar ele “morto” dessa vez, mais tapas e rebolando de uma forma que ele, gemia alto e até gritava, eu fiz Pedro sofrer dessa vez que ele gozou sem encostar em seu cassete, gozei rápido e foi só o liquido acho que nem tinha mais nada;

- Quer ir mais uma?

- Vai se fuder Matheus.

Estávamos em êxtase, o quarto o banheiro a casa, nos cheirávamos a sexo, outro banho e cama, isso eram 06 da manhã, foram algumas horas transando, ao cair na cama apagamos.

Na loja...

(Diego perguntando a Lúcio)

- Pedro ainda não chegou?

- Não ainda não, tínhamos uma reunião hoje cedo, mas até agora nada.

- E seu gerente Matheus?

- Também não.

#Matheus

Acordei mais “cedo” que Pedro, olhei no relógio era meio dia, Pedro dormia de um jeito angelical, seu rosto lindo e fiquei olhando para ele, ele se mexeu lentamente e abriu os olhos, um sorriso se abriu em seus lábios, e de automático se abriu em meu rosto;

- Bom Dia!

- Boa Tarde.

- Eu confesso, Matheus você se superou, acabou comigo.

- Eu também confesso!

- Confessa o que? Que eu acabei com você?

- Não você não acabou comigo, ainda não.... Eu confesso que gosto de você...

Gaguejando e devagar, mais consegui dizer, me sentei meio com vergonha eu não, Pedro se sentou me abraçou me beijou, ele sabia que não era fácil para sair da minha boca aquelas palavras que acolheram ele.

Nos levantamos e tomamos um banho,

- Quer que eu prepare algo, para a gente comer?

- Não Pedro viu a hora, é melhor a gente passar na SubWay come algo rápido e vamos para a loja.

Trocamos de roupas e em uma hora chegamos na loja, estava com pouco de movimento, e eu avisei que teríamos reunião assim que a loja fechasse, entrei na sala e preparei uma apresentação para eles. Pedro fechou a loja, eles foram para a saleta que havia no fundo ao lado do estoque,

- Boa Tarde, pessoal! Bem como o expediente de vocês já acabou eu vou direto ao assunto, mediante um projeto meu e de Pedro, vamos abrir mais duas lojas filiais nossa, nas cidades vizinhas, e em 5 meses já serão inauguradas, bem provavelmente vou precisar de pessoas de confiança sendo gestores destas lojas e levar o nosso nome, eu gostaria que fosse um de vocês, Lúcio e Marco, eu ofereço as vagas para vocês, os benefícios vocês já conhecem, agora falta aceitar, para isso vou dar um tempo a vocês, se caso não aceitam, irei dar a oportunidade para outros vendedores, agora Pedro vai encher vocês...

Eles riram e Pedro direcionou a palavra, bem era para ser mais uma reunião e acabamos ficando ali por muito tempo, e resolvemos sair para bebermos e comermos algo.

- Quer carona?

Perguntei a Pedro quando ele estava trancando a loja.

- Não precisa eu levo ele.

- Diego?

- Tudo bem Matheus, a gente se vê...

Entrei no carro, mas não sai, esperei eles saírem, para ver se Diego não tentaria nada.

#Pedro

Tranquei a loja e fui acompanhando Diego em uma conversa que eu não queria ter;

- Tudo bem?

- Tudo sim.

- Te liguei ontem, mas não me atendeu!

- Desculpa Diego é que...

- Você estava com ele?

Eu hesitei em responder, mas só olhei para ele.

- Só queria olhar para você.

- Como assim.

- Eu te disse ontem que não daria certo.

- Desculpe.

Falei enquanto ele voltava eu segui até minha casa, me arrumei e Matheus buzinou em minha casa, ele estava com Lúcio no carro nós fomos para um bar da cidade e estava todo o pessoal da loja, foi uma bagunça todos juntos, e Matheus estava diferente comigo “carinhoso” em um momento ele limpou o canto de minha boca, bebendo no meu copo essas coisas, ele todo lindo de cabelo para cima e camisa tipo “exercito”, todo fofo.

- Vou no banheiro.

Me levantei e fui para o banheiro, ele veio junto me pegando por trás.

- Matheus aqui não!

- Só um beijinho. Louco

Nos beijamos e peguei meu celular tirando uma foto nossa no espelho,

Saímos do banheiro rindo ele fazendo piadas e damos de cara com Diego, ele estava acompanhado,

Fiquei sem graça e sem reação, Matheus teve uma atitude que apreciei. Matheus passou a mão em meu ombro e saímos todos calados.

Durante a noite eu tive mais surpresas estávamos quase indo, quando o Lúcio não aguentou e bêbado disse;

- Vocês estão juntos?

- Não.

- Sim.

Matheus confirmou e eu recusei, olhei para ele e todos olharam para a gente.

- Não?

Perguntou ele para mim, e eu sem entender perguntei para ele, ficamos como bobos na mesa;

- Sim Matheus?

- Não quer que eu me ajoelhe certo?

- Não.

Para ajudar o Lúcio se levanta e propõem um brinde. Brindamos e Matheus claro né, com vergonha, ficamos mais um pouco e alguns se dispersando fomos embora. Entramos no carro e Matheus;

- Vai La para casa?

- Como? Matheus você perguntando se eu quero ir para sua casa?

- Sim, porque!

- Pensei que iria me levar sem questionar como antes!

- Você ainda não percebeu?

- Percebe o que? Vem falar que você está me zuando?

- Não, Pedro eu to mudando por você, bem é difícil, mas estou tentando.

Estávamos no semáforo e não foi outra atitude eu beijei ele e só paramos com as buzinas dos carros atrás, chegando em sua casa vem Matheus com outra proposta;

- Você poderia ir morar comigo, em o que acha?

- Vamos com calma.

- Pedro nós ficamos faz 2 anos, e você me conhece desde criança, calma? Não esperamos muito?

- Só não mude na cama, tudo bem!

- Eu posso até mudar por você, agora ele não, você continua sendo escravo sexual.

Disse Matheus colocando minha mão em seu cassete.

#Matheus

Eu estava disposto a tudo para não perder Pedro, e iria onde fosse, mas tinha que tomar cuidado para não assustar ele e exagerar, e eu sabia muito bem isso, o sexo, só eu fazia do jeito que ele gostava, e só ele fazia da forma que me agradava e satisfazia.

Peguei Pedro no colo e levei para o quarto se beijando eu sentia seu cassete duro em minha barriga e sabia que ele curtia o meu jeito de transar.

Deitamos na cama, tirando a roupa, eu tirei sua cueca só com uma mão ele rachava de rir disso.

- Quer ver meu lado romântico na cama?

- Prefiro o antigo Matheus.

- Você que manda.

Me levantei e ele já veio me chupando, acho que foi o álcool, caramba ele estava fazendo arte com a boca, me chupava com tana vontade que acho que queria tirar o esperma a força, eu olhava de cima, e forçando ele contra mim, pelo seu cabelo, e gemendo com ele grudado em meu cassete como um bezerro, me abaixei coloquei um travesseiro próximo a parede e ele deitou de barriga para cima, como frango assado encostado suas costas na parede, de uma forma que ele não tinha como escapar.

Com cuspi fui penetrando Pedro que gemia baixo, um gemido de tesão que me deixou louco, meu cassete foi entrando e sendo aquecido por aquele cuzinho quente, eu olhava para ele enquanto entrava até o talo, beijei ele e comecei um vai e vem, aquele famoso vai e vem, frenético que deixa os passivos loucos, forçando e rebolando para meu cassete dentro dele.

- Aí caralho.

- Ta curtindo?

- Nossa vou atravessar a parede desse jeito.

(Risos) cheguei a para um pouco, abracei Pedro sem tirar o cassete dele que deitou de bruços na cama, nossa sua bunda redondinha, abri suas pernas e penetrei com força, deitando por cima dele, e segurando seus braços e meus pés segurando suas pernas para que ele ficasse imóvel enquanto eu comia ele com muita força e batendo minhas bolas em sua bunda.

Mordia sua orelha e não me controlava aquele pescoço lindo e vulnerável, eu mordia e passava a língua em Pedro que rebolava para mim, era instantâneo.

- Vai me deixar louco sabia.

- Eu já sou louco por você, rebola para mim vai.

- Você gosta em.

- Quer ver o tanto?

Forcei tanto que gozei dentro de Pedro ele chegou a gemer de tesão, se virou olhando o lençol que estava sujo, eu ainda perguntei como conseguia sem tocar, ele riu e disse que a culpa era minha. Fomos abraçados para o banheiro;

- Posso me acostumar com isso sabia.

- Se continuar rebolando daquela forma para mim, até eu sabia.

Tomamos um banho e deitamos, no dia seguinte ele me acorda cedo;

- Matheus bom dia!

- Bom Dia, aí caramba não abre a janela.

- Vamos acorda, preparei o café.

Desci de cueca mesmo, e tomamos café da manhã juntos;

- Nossa como pode ser tão lindo assim?

- Tudo seu. Vamos pedalar hoje?

- Não posso tenho que ir para a loja, vai fazer que trilha hoje?

- Da cachoeirinha!

- Poxa Matheus lembra que sua mãe não gostava que fosse a essa trilha não é mesmo.

- Não se preocupe, vai uma turma hoje.

- Me ligue qualquer coisa, por favor.

- Fique Tranquilo, vou colocar a bike no carro, fecha a casa.

Troquei de roupa peguei minhas coisas e a bike no carro, deixei Pedro em casa, pois ainda iria para a loja, quando ele desceu do carro me beijou,

- Pedro.

- Oi.

- Te Adoro!

Ele puta sem graça, entrou todo vermelho, fui para a entrada da trilha, troquei de roupa e só apareceu, Guilherme estávamos prontos quando chegou mais algumas pessoas.

- Vão subir agora?

Perguntei para uma turma de 4 pessoas;

- Não vamos esperar um pessoal.

- Vamos subir na frente tudo bem.

Eu e Guilherme fomos sozinhos mesmo, tínhamos que fazer toda a comunicação pois a trilha era perigosa, como eles viriam atrás de nós decidimos ir na frente, pois já estávamos aguardando, eu fui a frente e Guilherme logo atrás ele era bem mais experiente que eu, em um trecho esteiro, eu parei para passarmos, o local estava escorregadio e pouco molhado devido a água,

Ele se aproximou quando eu coloquei o pé no pedal e fiz força parte do chão cedeu, eu cai em uma vala de uns de alguns metros de altura, só ouvi o grito de Guilherme...

Me lembro do barulho da bicicleta quebrando com galhos de arvores e sinto bater a cabeça pouco forte.

Outra coisa que me marcou nesse momento foi ouvir o barulho de helicóptero, e alguém gritando “cuidado, cuidado” é algo marcante para mim. Depois disso, nada mais. Foram minhas ultimas lembraças.

#Pedro

Sai do banheiro e fui em direção ao balcão da loja quando me veio um aperto no coração e uma tontura que fui caindo no chão devagar, Lúcio me ajudou assustado.

- Pedro o que foi? Tudo bem?

Comecei a chorar estranhamente era como algo ruim iria acontecer.

- Me veio uma tontura, não sei o que é.

Voltei para o banheiro lavei o rosto e sai da loja precisava de ar fresco, quando vejo passar ambulâncias do SAMU, com algumas motos e carros de Polícia, bem distante de minha visão um helicóptero, na serra de trilha dos meninos.

Entrei para a loja e mudei de canal para a TV Local, todos pararam para ver até mesmo os clientes.

“(...) sim, estou aqui na serra, acabamos de receber as primeiras informações, dois ciclistas sofreram acidentes na trila mais conhecida pelos praticantes do esporte. Um deles não aguentou os ferimentos e veio a óbito aqui mesmo. O outro segue em estado grave para o hospital da cidade. Assim que tivermos mais informações voltamos ao vivo com vocês aí no estúdio. Calma... Um Momento, Matheus Guedes e Guilherme são as vítimas, estou recebendo agora em primeira mão a notícia, Infelizmente Guilherme não suportou os ferimentos e veio a óbito. Meus sentimentos a família. Matheus segue de helicóptero para o hospital como eu havia dito. ”

Minhas mãos tremiam como varas verdes, Lúcio me abraçou e eu comecei a chorar, não sei como fomos para o hospital, me sentei e ele chegou no balcão.

- Moça precisamos de notícias do acidente na trilha!

- O senhor é familiar de alguma das vítimas?

- Sim Matheus Guedes.

- Só um momento.

Ela saiu e voltou com um médico vindo até nos.

- Matheus está sendo medicado e preparado para remoção ele será transferido para a capital.

- Qual é a situação dele doutor?

- Sofreu Trauma na coluna vertebral e escoriações pelo corpo, ele será removido pois precisa urgentemente fazer uma cirurgia.

- Pedro acalma.

Abraçava Lúcio sem saber o que falar, doía muito saber que Matheus estava mal.

- Preciso que alguém acompanhe ele.

- Eu vou.

- Tem certeza?

- Quero ficar com ele, coloque a loja de luto em tributo e respeito ao amigo de Matheus.

Bem a sorte de Matheus foi o Médico que estava de plantão, Lúcio foi pegar algumas coisas para mim levar e o médico pede para me chamar.

- Qual seu nome?

- Pedro Ferraz.

- O que você é da vítima?

- Sou namorado.

- Pedro como médico meu dever e salvar a vida dele e estou fazendo o possível, acionei o helicóptero esta pronto para remove-lo, mas tenho que deixar você ciente que ele pode não chegar vivo na capital.

Eu estava sem chão, a ambulância chegou eu entrei na frente e até então não vi Matheus, fomos para um heliporto improvisado no estádio da cidade, por causa do horário fomos escoltados, desci e entrei no helicóptero, os paramédicos trouxeram Matheus, com uma manta térmica eu via somente seu rosto, havia uma escoriação na altura da bochecha, ele foi colocado e mesmo com sinto de segurança, eu fui com a mão em sua testa, era o único lugar que eu podia tocar nele, e estava quente, “Matheus estava ali”, mesmo desacordado e sem qualquer reação ele estava ali, durante o voo de quase 50 minutos os paramédicos acompanhando seu estado, eu estava com um terço em minha mão, fui rezando para ele.

Enfim chegamos ao hospital, eles retiraram ele e foram direto para a sala de cirurgia, ficaram 7 horas lá dentro, eu fui para a capela, fiquei quase todo o procedimento lá, quando terminaram o médico me chama para conversar.

- É Pedro certo? Bem a cirurgia foi bastante complicada, o paciente teve duas paradas cardíacas quase o perdemos, mas por um milagre ele conseguiu ser forte, apesar disto a cirurgia foi um sucesso e ele está na UTI no momento estamos esperando o efeito da anestesia passar e logo ele será transferido para um apartamento em seguida.

-Obrigado Doutor...

Agradece muito o médico, e vejo de longe Lúcio chegando mais minha mãe, nossa como eu queria ela, foi abraçar e as lagrimas saíram, como era bom ter um porto acalanta dor, conversamos e descemos para comer algo, eu pedi para subirmos pois logo ele iria para o quarto, eu queria estar lá para quando ele acordar.

Quando cheguei eles estavam levando Matheus para outra sala,

- Para onde estão levando ele?

- Vão fazer uma ressonância magnética, e alguns exames.

Disse a enfermeira me barrando, eu não entendia o porque fazer mais exames, não questionei só aguardei, e para minha triste surpresa Matheus não voltou para o apartamento e sim de volta a UTI, o estado era grave. Em uma semana foi declarado no laudo médico que ele estava em coma. Aquela noticia foram facadas em meu peito sem comer dormir, só olhava para ele.

- Ele não, ouvi, não sente, não fala, não vê, o estado de coma é de inconsciência, ele ficara assim por tempo indeterminado.

Disse o médico saindo do quarto após o resultado dos exames.

#Matheus

Ouvi dizer que não se está consciente de nada durante um coma, mas isto não é verdade. Eu podia sentir o mundo lá fora, mas não podia interagir com ele. Mas vida dentro de minha menti, eu estava do outro lado de um espelho. Podia ver e ouvir o que estava sendo dito e feito no quarto real, mas não podia responder. Eu estava no reflexo do quarto dentro do espelho.

Minha primeira impressão desta vida paralela, entretanto, foi uma praia. Eu estava caminhando por dunas cálidas e suaves, com o oceano batendo nas rochas próxima. Olhei para trás, meus pés não deixavam marcas na areia.

E estava de repente dentro de um trem que corria por um longo túnel escuro. O trem era tão rápido, que eu ao conseguia ficar em PE. Olhei pela janela suja, para uma sequência de plataformas cheias de gente de todas as idades, esperando por um trem. Mas meu trem não parou.

Agachada no chão, tentando ficar em pé, ouvi alguém chamar meu nome.

“Matheus! Matheus, Olhe aqui! ”

Medo outro lado do vagão, minha tia, minha prima e minha mãe, estavam acenando. “Venha conosco, Matheus! É divertido! ” Elas estavam tecendo um fio de material macio e branco.

As duas haviam falecido há quase vinte anos e minha mãe ano passado. E subitamente eu sabia onde estava, eu estava no túnel da morte.

#Pedro

Décimo novo dia, Matheus foi transferido para nossa cidade novamente, e ainda em coma, eu havia retornado para a loja, e seguimos os trabalhos mesmo com o estado dele, realmente estava difícil as decisões e tudo, eu todos os dias saia da loja e ia para o hospital, ficava lá com ele por um tempo, acho que me sentia tão sozinho que eu contava como o dia foi.

Me sentava do seu lado, pegava em sua mão e falava.... Falava... e. Falava, sozinho sem resposta, ali só eu e ele. Todos os exames não apontavam mais nada, o trauma que ele sofreu havia sido curado e o coma foi devido a ele bater a cabeça no acidente, todos já haviam perdido a esperança, mas sabem quando você gosta tanto da pessoa que fica ali, mesmo sem alguma atitude você fica ali, esperando, porque você ama aquela pessoa, era eu com Matheus, eu o amava e não desistiria dele de forma alguma. No dia vigésimo quinto, recebi uma visita que não esperava,

- Hoje Lúcio como sempre bateu as metas do dia, ele sempre supera todos, acho que é seu jeito de ser é espontâneo e sincero com os clientes eles gostam disso nele sabe. Estou tendo ideias para promoções, só não sei se devo afinal você sempre vinha e implementava minhas ideias com as suas, aí Matheus não demora voltar viu está difícil sem você...

Uma batida na porta, quando olho Diego com umas margaridas na mão ele entrou em silencio e sentou na cadeira atrás de mim;

- Tudo bem com ele?

- Na medida do possível.

Diego me abraçou e eu realmente senti sua sinceridade naquele abraço de um amigo.

- Vim para dizer que se precisar de algo, estou aqui qualquer coisa.

- Obrigado pelo apoio.

- Não vim antes porque fiz uma viagem nos dias do ocorrido.

- Entendo.

Conversamos eu ele e “Matheus”, Diego sabia que não estava sendo fácil pra mim, e me apoio naquele momento que foi essencial, ele compreendia que Mesmo em coma e não podendo me ouvir, ver, falar, ou escutar, Matheus era muito importante pra mim.

- Tenho que ir, vai dormir aqui hoje?

- Sim, amanhã não trabalho.

- Você ama ele não ama?

- Muito, você não tem ideia.

- Vejo em seus olhos, escute mesmo que os outros falem que ele não voltara, ignore e acredite tenha Fé.

#Matheus

Eu podia ouvir tudo o que era falado dentro do quarto, ouvi dizer da boca de Pedro que “me amava” eu falava gritava, mas estava do outro lado do “espelho” e não podiam e ouvir, eu sempre amei ele e tinha medo de morrer sem dizer isso a ele, Pedro ali todo os dias, me contando tudo que passara no trabalho e eu sem poder ao menos agradecer. Eu sentia a presença de Deus no hospital tão forte como se ele auxiliasse os médicos que ali estavam, era uma experiência maravilhosa.

Porem durante o dia eu ficava sozinho e cansado de ver sempre a mesma parede, o mesmo relógio eu contava horas, era muito desconfortável somente aquela posição, me sentia sujo, e com frio, adorava quando Pedro chegava e me cobria, ou abria a janela para aquela brisa entrar no quarto, eu não sentia, mas era maravilhoso, os toques de suas mãos quentes com cuidado, eu amava Pedro. Diego vinha as vezes e conversava conosco, ele auxiliava Pedro com tudo, se desvendou um grande amigo, Diego era uma ótima pessoa, Lucio também vinha as vezes me tirar gargalhadas, eram pessoas que acontecesse o que acontecer estavam ali comigo. Trigésimo primeiro dia estava chovendo lá fora, poxa e como eu amo chuva queria muito ver sentir escorrer no meu rosto, mas somente ouvia ela cair lá fora. Pedro chegou pouco mais cedo que o normal, e quando abriu a janela uns respingos da chuva no meu rosto, ele se assustou com o vento fechou a janela e passou um pano pra secar meu rosto, e me beijou, quando me beijou caiu uma lagrima quente dele em meu rosto. Eu senti pela primeira vez em coma senti sua lagrima em meu rosto, foi como uma chama se acendesse por dentro do meu peito, eu pulava de alegria ali do outro lado do “espelho”, gritava e era emocionante, caramba.

#Pedro

Me sentei ao lado de Matheus depois de cobrir ele, e peguei na sua mão.

- Te amo tanto gato, volta para mim, Pelo amor de Deus. - Seus dedos fizeram uns movimentos querendo apartar meu pulso. - SOCORROO ALGUÉM AQUII!

Gritei rapidamente, não acreditava nisso, chegou um médico e enfermeiras.

- O que houve?

- Ele mexeu com a mão.

O doutro examinou e pediu a remoção para uma bateria de exames, eu chorava de alegria Matheus estava voltando, voltando para a realidade, voltando para mim

Ficaram mais de uma hora com Matheus e eu estava desesperado por novidades e Diego chegou, e nem acreditava nas palavras que falei.

- Ele se mexeu, Diego, Matheus pegou na minha mão.

Ele me abraçou e eu estava feliz como eu,

- Calma Pedro logo eles vão trazer notícias boas.

Estávamos sentando no banco do lado de fora ao quarto de Matheus e eu só olhando e acariciando minha mão, meu coração estava a mil desde que eu senti sua mão na minha.

Eles vieram com Matheus e voltaram para a cama.

- Pedro nós fizemos todo o tipo de exames e não houve nenhuma mudança no quadro de Matheus.

- Doutor eu senti, não estou mentindo, aqui na minha mão Doutor, Diego...

Olhei para ele para que me falasse algo, nossa eu tremia de raiva, queria morrer àquela hora, foi quando os monitores ligados a Matheus apitaram algumas vezes.

- Doutor! Rápido!

Chamou a enfermeira e mais dois entraram, e os batimentos de Matheus pararam, eu abracei Diego e esconde meus olhos;

- O desfibrilador, agora!

Gritou o doutor, enquanto fazia massagem cardíaca em Matheus, a enfermeira chegou e ele abriu a camisa e fez o procedimento.

- Precisam sair, não podem ficar. – Uma delas fala.

- 3, 2, 1 afastem-se. Aumenta 3, 2, 1 afasta. Mais uma vez!

Os batimentos não voltaram, Diego começou a chorar e o Doutor deixou o equipamento, pelo vidro eu caí no chão.

- MATHEUS! NÃOO, NÃOO, NÃO, NÃO.

Diego me segurou mais eu estava desesperado;

- Eu te amo... te amo Matheus... Eu Te Amo.

BIP... BIP... BIP... – Soou como barulho de uma buzina de trem, era como se tudo estava em silencio e só ouvia os aparelhos voltando. Me levantei rapidamente.

Seus olhos azuis se abriram, sua cabeça virou para o vidro me olhando, e um pequeno movimento de sua mão.

- PRECISO DE OXIGENIO. – Gritou o médico.

Diego estava boquiaberto assim como todos no quarto, os olhos de Matheus percorriam todo o quarto e as lagrimas dele saiam, o médico medicou e fez uma preparação falou com ele.

- Peço mais alguns momentos, temos que fazer uns exames pelo seu quadro. – O médico finalmente vem falar conosco.

- Tudo bem.

Saímos e fui para a capela eu tremia da cabeça aos pés. Minha mãe chegou e me abraçava nossa acho que todos estavam felizes.

Quando voltei, ele já estava com uma cara melhor, mas ainda não podia falar, por causa dos aparelhos, eu entrei e ainda acompanhado dos profissionais.

Peguei em sua mão, e beijei sua testa, tentei abraçar ele, mas não me deixaram. Eu me abaixei do seu lado, fazendo carinho do seu cabelo e dizendo, repetidamente;

- Eu te amo! Te amo muito, não consigo viver sem você.

Ele não dizia nada, com a mão direita encostava em meu rosto, e seus olhos chorando as lagrimas desciam até o travesseiro.

Em duas semanas eu e Diego Fomos ao hospital pegar Matheus que havia recebido alta.

- Pedro trouxe essa camisa para mim? Não tinha outra?

- Gente veste essa, tem jornalistas lá de fora, mas você sairá escondido.

- Vou esperar você se vestir lá de fora.

Agradecemos alguns médicos e Matheus estava de cadeira de rodas até então, se locomovendo lentamente, nós entramos no carro que estava no estacionamento.

- Pelo amor de Deus me tirem daqui.

Quando chegamos a casa de Matheus sua empregada veio correndo e abraçou ele, nossa todo mundo chorou de novo, preparamos um jantar e os dias depois das tempestades que eu havia passado eram perfeitos.

#Matheus

Depois do espetacular jantar, Diego ia se despedindo e saindo pela porta, Pedro ficou na cozinha, eu fui até ele;

- Diego não tenho como agradecer cara, o que fez por mim e pelo Pedro, foi fora de sério! Obrigado mesmo.

- Que isso cara, vocês estavam precisando e eu só ajudei.

- Você foi fundamental, vou ser grato pelo resto de minha vida.

Despedi e abraçando ele que agora era um amigo querido, depois do Coma que eu vivi do outro lado do “espelho” percebia cada detalhe em volta de mim, cada gota de agua que caia da chuva, as noites de luares ou os dias de sol, os pássaros as pessoas.... As pessoas... Pedro acho que é um anjo que foi colocado em minha vida.

Fui nas coisas e peguei uma caixinha de anel antiga, em um pedaço de papel escrevi algo para Pedro e fui até a cozinha.

- Pedro.

- Oi.

Eu me ajoelhei em sua frente com a caixinha na mão ele se virou e....

- Matheus! Ai meu Deus, é o que eu estou pensando?

- Por todos esses 37 dias, você esteve comigo me falando o que eu precisava ouvir estava me cobrindo me mostrando o céu do lado de fora, me fazendo companhia e o mais importante, tudo isso por uma coisa tão simples e tão linda. Pedro Eu te amo! E fui um idiota todo esse tempo que não percebi em seu olhar este sentimento que estava desenhado em nossas testas. Me perdoa por precisar morrer para ver que eu te amava de uma forma inconstante! Me perdoa?

Entreguei a caixinha para ele, que me abraçou e quando abriu.

- Veado!

- Matheus –

- Não, o médico disse que somente daqui a 4 semanas você pode fazer sexo.

- Ah está brincando?

- Não é sério se controle.

- Eu to na seca mais de um mês, e vai me segurar por mais um.

- Matheus, não!

- Pedro uma rapidinha?

- Não Matheus.

- Uma chupadinha então?

- Não!

- Toca uma para mim então.

- Gente já disse que não.

- Ahhhhhh’ eu vou te dar um castigo desses também. Já vamos deitar?

- Sim, porque?

- Pode ir, vou planejar a festa da loja.

- Ficou bravo comigo?

- Não gato, é que não quero desperdiçar mais nenhum momento de minha vida, até porque eu dormi um sem seguido.

- Não fala assim, vou deitar. Qualquer coisa me chame tudo bem!

Dei um beijo em Pedro, e um pegada trazendo ele e colocando na mesa, ele respirou firme e não deixou eu colocar a mão dentro de seu short, ele segurou e saiu me chamando de safado.

- Gostoso!

Gritei e ele saiu todo lerdo, peguei o notebook e uns livros, anualmente na festa de aniversário nós fazíamos uma semana de promoções e a festa no fim da semana, e o anuncio seria a abertura de novas lojas que eu iria comunicar no evento, estava preparando tudo e planejando e desenhando, afinal eu iria ficar em casa uns dias, não poderia trabalhar agora, como não poderia transar, acabei deitando na madrugada e quando entrei no quarto Pedro estava tão lindo deitado e dormindo angelicalmente, eu fiquei fazendo cafuné nele e logo peguei no sono.

Depois de minha experiência dormir era um medo particular, eu tinha medo de não acordar no dia seguinte, então meu sono estava sendo fracionado até que eu me acostume novamente, acordei assim que Maria havia chegado.

- Trabalhou até tarde foi?

- Sim, como sabe?

- Deixou suas coisas na mesa.

- A é mesmo, desculpe, vou na padaria comprar algumas coisas.

- Não precisa Seu Matheus eu vou!

- Maria é a uma quadra, eu não vou morrer no caminho.

- Tudo bem vou preparar o café.

Como era majestoso andar pelas ruas e ver pessoas, sentir aquela brisa da manhã. Quando voltei ela estava fazendo um suco e eu fui lavar a louça.

- Não precisa Matheus eu lavo, é meu trabalho.

- Olha vocês não me deixam trabalhar então vou te ajudar, e não se preocupe.

- Bom Dia, para vocês.

- Bom dia amor!

- Bom Dia Pedrinho.

Ele se sentou e tomamos café juntos, ele trocou de roupas para ir trabalhar.

- Pedro está aqui a promoção desta semana, regras e preços, quero que me traga todos os livros de contabilidade e controle da loja, tudo bem.

- Certo, pode deixar.

Ele foi trabalhar fiquei ajudando um pouco Maria e depois do almoço eu andei um pouco para exercitara as pernas e não conseguia ficar quieto, troquei de roupa me arrumei e fui para a loja.

#Pedro

Quinze horas movimento fraco, e eu estava adaptando a promoção que Matheus havia passado e os meninos no estoque arrumando mercadorias novas, quando me entra ele pela porta da frente de óculos todo fresco;

- Matheus?

- Oi!

- Está fazendo o que aqui?

- Até onde eu sei, essa loja é minha.

- Mas...

- Não vou ficar em casa como um doente, eu já estou melhor, cadê os meninos?

- Estão no estoque.

Ele foi e eu seguindo bem atrás, cumprimentou todos, os meninos assim como eu assustaram, e mais ainda quando Diego chegou;

- E aí vamos nessa?

- Ou, perai! Como assim vamos nessa? Vão para onde?

- Diego vai me ajudar com a festa da loja, já estou organizando tudo, e quero a promoção rolando amanhã tudo bem!

- Pode deixar, e cuidado vocês dois.

- Eu cuido dele.

- Diego você não conhece isso aí não, por isso mesmo que vai ficar de olho, qualquer coisa me ligue que eu dou um jeito.

- Você está sem moral comigo!

- Ai, ai, ai e porque em posso saber?

- Quer que eu fale?

Rindo beijei Matheus, o viado me deu um tapa na bunda antes de sair.

#Matheus

Pegamos um café expresso e chegamos a agencia onde Diego faria as fotos para divulgação da festa, e todo o procedimento de troca de roupas e tudo mais, e durante as fotos tudo legal, ocorrendo normalmente, eu optava em algumas coisas e eles sem preocupações por que a loja patrocinava tudo;

- Cara eu to achando muito formal essa roupa! O que acham...

Trocando de roupas para irmos, Diego cai para o lado quando se embaraça com a calça nos pés, eu ajudei ele, que se levantou com o olhar fixado no meu, minha mão na sua, eu não consegui disfarçar o interesse daquele olhar.

Deixei ele se levantar;

- Te espero lá de fora, vou escolher as fotos.

- Tudo bem.

Eu suei lá dentro, mesmo que não havia sentido nada, provavelmente qualquer tipo de atitude levantaria algum sentimento, coisa que não há. Bem como disse escolhemos as fotos Diego veio e concordou com nossas escolhas e fomos embora, passamos em uma sorveteria e depois fomos para a loja;

- Entra?

- Diego vamos andando, eu to precisando sabe, e também é 3 quarteirões a loja.

- Sabe que o Pedro vai me xingar não sabe.

- Nossa ele é como mulher, literalmente, de greve de sexo a preocupação sem relevância.

- Ele é meio paranoico, mas te ama.

- Eu sei.

Conversa rápida e já estávamos entrando na loja, Pedro estava com uma olhar e semblante diferente;

- Matheus tem uma pessoa te esperando em sua sala.

- Quem?

- Por favor, fique calmo tudo bem, Diego fica um pouco tudo bem?

Disse Pedro quando eu entrava, e já sabia que coisa boa não era, não mesmo, quando entrei vejo Bruno sentado ao canto da sala.

- Bruno!

- Matheus?

Ele veio me abraçando e como se estivesse preocupado.

- O que faz aqui?

- Fiquei preocupado, só soube sobre o acidente a pouco.

- Eu estou bem.

- Sei que tem muito tempo, desde o falecimento de sua mão, mas eu preocupo com você Matheus, afinal somos melhores amigos.

- Já fomos melhores amigos Bruno, as coisas assim como pessoas elas mudam, não tenho nada contra você, mas faz muito tempo.

- Eu sabia que iria me tratar assim, eu te conheço você sabe disso, parabéns pela loja.

Bruno se virou e iria saindo da sala,

- Espera, vem aqui!

Abracei forte ele, desceu uma lagrima que logo limpei.

- Você fez falta, seu porra!

- Desculpe.

- Não de Boa!

- Eu falei que acabaria se casando com ele.

- Pedro?

- Sim.

- Ele estava comigo quando não havia mais esperança alguma.

- Pode falar que você pegava ele antes de tudo.

Rindo ficamos conversando sobre muitas coisas do passado, sobre o acidente de como eu agi com a morte de minha mãe, e somente para Bruno eu contei a experiência que foi o “coma”, em um momento veio Pedro;

- Matheus vou fechar a loja, já está na hora.

- Fechar? Caramba já é tão tarde! Já vamos.

#Pedro

- Quem está lá?

- Bruno, um amigo antigo de Matheus.

- Não entendi porque pediu para mim esperar?

- Não sei qual será a atitude de Matheus.

Ouvindo risadas eu falei que Diego já poderia ir de qualquer forma ele ficou na loja mais um pouco, me deixando curioso sobre o que eles estavam aprontando para a festa da loja, bem já estava ao fim do dia e eu fui interromper eles, que estavam em um papo tão concentrados que nem viram o dia passar,

- Já está morando com Matheus Pedro?

- Não Bruno, ele não me pediu em casamento ainda!

- A culpa é minha? Nem vem está, já te chamei para morar comigo tu que não quis.

- Chamar? Matheus sou um cara de família eu não moro com alguém.

- Vão ter uma DR agora?

- Vamos, quero um banho, andei o dia todo.

- Andou como assim? Diego não te levou?

- Sim mas voltamos andando.

- Não te falo nada Matheus.

- Viu como igualzinha mulher, não disse.

- Vai jantar conosco hoje?

- Não Pedro vou para casa, quando se fica fora por muito tempo não é fácil.

- Vamos?

- Vamos sim, falou Bruno.

Matheus se despediu e fomos para casa eu peguei umas coisas e fomos para sua casa, ele foi tomar um banho e eu também,

- Está de brincadeira né Pedro?

- O que?

- Fiquei excitado só de você entrar aqui, e vai tomar banho comigo?

- Você sabe que não pode?

- Não vai tocar nenhuma para mim?

- Não Matheus.

- Vou arrumar um amante em!

- Nossa Matheus do jeito que eu estou se te pegar, te mato garoto.

- É valeu por me ajudar.

Ele estava todo duro durante todo o banho o assunto de Matheus era sexo, só isso, eu rachava de rir dele, saímos e nos vestimos, ele disse que me ajudaria na cozinha, nós tivemos que ir ao mercado comprar algumas coisas e logo estávamos de volta, e Matheus tinha seus truques na cozinha, mas nada demais, foi uma bagunça e ótima noite.

Fomos deitar cedo, dia foi corrido para a gente.

- Está de paz com Bruno?

- Sim, nós estamos de boa agora!

- Fiquei com medo de sua atitude quando ver ele.

- Pois é, mas de boa. Ele me deu uma chupadinha e eu gozei no cuzinho dele, agora estamos de boa.

- Você não desiste, não é?

- Você sabe que não.

Realmente não, Matheus estava me beijando normal, e como dormimos só de cueca, ele me abraçou e aquele corpo quente complicou para o meu lado, e cada vez mais, Matheus tinha um jeitinho aquele que você não consegue negar nada. Ele me virou beijando meu pescoço lentamente, e passando a língua pela minha orelha, nossa a sarrada de seu cassete em minha bunda, eu soava, ele tirou minha cueca e a sua, a cabeça de seu cassete estava toda babada, ele pincelou na minha entrada que eu mesmo segurei para ele penetrar, eu acho que estava virgem de novo, gemi muito até sentir suas bolas encostar em mim.

- Pedro que porra é essa?

- O que!?

- Eu não vou conseguir nem me mexer sem gozar, você está tão apertado que não vou suportar.

Dito e feito, foram poucos vai e vem, Matheus gozou, mas com ele não tem isso, com esperma dentro de mim e seu cassete ainda duro, continuou a penetrar e rebolava ele deitou em cima de mim, me comia tão forte que eu achava que iria quebrar a cama, nossa ela até mexia, seus braços segurando os meus e suas pernas prensadas a minha, outra gozada, fomos pro banheiro, ele se punhetando, depois de me lavar ele desligou o chuveiro eu chupei ele, e Matheus se punhetando eu alternava em chupadas e ele que gozou novamente me sujando, ele se encostou na parede rindo me limpei e ele me deu outra pegada me subindo e debaixo do chuveiro;

- Te amo!

- Eu também meu tudo.

Deitamos e dormimos de conchinha, bem abraçados nesta noite tive um sonho estranho de Bruno e Diego, brigavam por causa de Matheus, foram flash que não ofereciam boa qualidade.

#Matheus

A janela se abriu e aquele raiar do sol veio direto em mim;

- Meus olhos estão pegando fogo.

- Para de frescura Matheus vamos acorda.

Escovando os dentes tirei uma foto que Pedro ficou puto;

- Apague isso olha o tamanho de minha boca.

- Foi ontem deixei você relaxado.

- Ah isso foi mesmo. Vamos para de falar besteira, temos muita coisa para fazer hoje.

Ele saiu na frente eu dei um tapa em sua bunda.

- Oh Delicia!

#Diego

Ainda não dirige a palavra até vocês, pois bem, pessoal quando entrei na loja e vi Pedro no balcão, foi tipo um prefacio, fascinei em seu jeito e tudo mas, foi atenciosos e me apaixonei quando percebi que ele ficou sem jeito comigo, tipo vergonha sabem, nossa eu sonhei com ele aquele dia, junto com música que cantei para ele, Pedro é o tipo de cara perfeito, e Matheus é um cara autoritário e não aceita tipos de opiniões de pessoas que ele não importa, ele está certo, mas trata Pedro como um namorado, precisou quase morrer para dar valor no cara, não acho isso certo mas respeito por serem um casal, e se gostarem, nossa e como se gostam, Pedro morreria por causa de Matheus, sua vida é esse amor que o deixa confortável.

#Matheus

Após algumas semanas com as fotos de Diego eu fiz toda a exposição de roupas da loja, como modelo, utilizaria para colocar uns pôsteres meu no evento, Pedro não sabia da surpresa que tinha reservado para ele, mas sabia que ele iria gostar, eu já estava trabalhando e fudendo ele com vontade igual antes, só faltava uma coisinha.

- Vai para a loja comigo ou vai mais tarde?

- Não, pode ir vou pedalar.

Ele parou olhou para traz tipo “ah”.

- O que disse?

- Trilhas Pedro, sabe muito bem.

- Por favor Matheus, isso não.

- Já me decidi, vem comigo?

- Tudo bem, vou ligar e avisa na loja.

- Vou pegar minhas coisas.

Troquei de roupa e peguei estava colocando minha bike no carro e Pedro vem gritando, igual aquelas mulheres sabem;

- Matheus vamos ter que passar na minha casa, minhas coisas estão lá.

- Ei não precisa gritar eu to aqui.

- Não te vi, foi mal, vamos?

Passamos em sua casa, ele foi trocar de roupa enquanto colocava sua bike também no carro, subimos a serra e Pedro suava todo de medo, ou tensão não sei ao certo, quando chegamos havia uma galera de uns 30 cliclistas,

- Viu pode ficar mais tranquilo, vou enfrentar meu medo e de quebra fazer exercício, e com você comigo.

- Espero que vale a pena.

- Vamos.

Descemos cumprimentamos o pessoal que por sinal era muito educados, eles faziam parte de uma galera, e chegaram a me reconhecer dos noticiários da época, tirei até foto com eles, Pedro só olhando ele até estava mais tranquilo, tinha dois garotinhos vestindo a roupa e ele ajudando, e eu de longe só vendo ele com todo aquele jeito com os meninos, bem nos preparamos para subir e como era retificante aquela brisa de natureza, nossa eu estava no fundo do coração com receio mas o que seria de mim sem encarar aquele “medo” particular.

No meio do percurso paramos e sentamos enquanto todos passaram e prosseguiram,

- Ei venha comigo.

Fomos para um local mais afastado de mata fechada.

- Matheus olha.

- Joga!

Ele havia achado uma daquelas bolas de futebol americano, deixei a bike e ele jogou eu devolvi, quando me jogou de volta ele colocou muita força que cheguei a cair no chão;

- Nossa Matheus desculpa, aí caramba, está bem?

- Que isso queria me matar?

- Nossa foi mal, me desculpa.

- Ai Pedro!

- O que foi?

- Me dá um beijo?

- Nossa eu aqui preocupado e você fazendo graça.

- Vem aqui, Pedro.

Corri abracei ele por trás e caímos no gramado perto, segurei ele a força beijando ele tentou sair eu rindo imobilizei sentando em cima dele, por um momento que fixei o olhar me veio um tesão.

- Que olhar é esse?

- Já transou no mato?

- Não vou dar para você aqui se é isso que está querendo.

- Pedro.

- Não Matheus, esse fetiche seu nem vem.

- Só uma rapidinha?

- Sei suas rapidinhas, não tem nada de rápido está.

- Se aceitar, eu concordo com a ideia do Lucio!

- Está me chantageando por causa de sexo?

- Sim.

- Não precisa aceitar a proposta ok, pense primeiro.

- E o sexo, ah vai Pedro.

Beijei lentamente ele como ele mais gosta, e ele dizendo não, beijei seu pescoço passando a língua por trás de sua orelha e quando vimos ele já estava puxando meu short beijando minha barriga.

Seus beijos próximos ao meu cassete eram indescritíveis, pois uma sensação de calafrios repetitivos, eu não me cansava de dar de “mamar” para ele com meu cassete, nunca eram iguais e Pedro fazia movimentos com a língua que passava em volta de toda a cabeça de meu pau, era maior loucura, adorava quando ele se engasgava sozinho com meu cassete, engolindo até o talo.

Deixou bem molhadinho, peguei a bola coloquei na cabeça e ele tirou a roupa e veio sentando em mim eu com as mãos na cabeça só olhava ele sentar e rebolar em meu cassete, que estava molhadinho de saliva, Pedro gemia, e quando deslizou até a base, começou a quicar em mim, nossa com os movimentos sua bunda apertava meu cassete como se chupasse, que delicia, ele ria olhando para mim, mas quando descia gemia com uma cara de puta, todo delicadinho subindo e descendo em meu cassete eu adorava aquilo.

- Quer que eu te faça gozar?

- Vai lá!

Eu nunca havia passado por isso nem sei onde ele apreendeu, mas fez uns movimentos frenéticos com seu cuzinho e bunda que não demorei muito, gozei gostoso dentro dele que também gozou junto comigo, me sentei beijando ele, e seus movimentos me faziam gemer, meu cassete estava sensível, vestimos as roupas e descemos a trilha, em casa tomamos um banho e outra rapidinha, desta vez com direito a uns tapas de minha parte junto com xingamentos. E saímos para almoçar pois a tarde iriamos para a loja.

Chegamos a tarde na loja e eu nem havia entrado na minha sala coloquei a carteira na mesa e o celular chama;

- Matheus o Bruno foi preso.

- Como assim, Diego?

- Vem aqui na delegacia agora.

Meio que sem entender, ou melhor não entendia nada, fui até Pedro correndo;

- Pega suas coisas vem comigo.

- Que foi?

- O Bruno foi preso.

- Porque?

- Pedro rápido.

A delegacia era no quarteirão debaixo da loja, chegamos e Diego estava do lado de fora.

- Estão trazendo ele, ainda não chegaram.

- Mas o que foi?

- Não sei, a gente estava junto na casa dele e os policiais invadiram e pegaram ele.

- Como assim?

Duas viaturas viraram na esquina e entraram na delegacia, levaram ele para uma cela provisória e eu fui par o balcão quando o policial deixou a papelada.

- Podemos saber qual foi o crime dele?

- Do rapaz pego agora?

- Denuncia de entorpecentes, foram encontrados em sua residência, esta sento taxado como trafico.

- Podemos falar com ele?

- Só um, naquela sala.

- Eu vou falar com ele, Pedro liga para o Dr. João.

Entrei e uma sala branca e ele estava com um policial próximo e algemado a mesa, o policial disse que eu poderia me sentar.

- Cara o que aconteceu?

- Aquela droga não é minha Mano.

- Bruno pegaram na sua casa, como não e sua.

- É de um amigo.

- Então fala quem é esse amigo, e sai logo daqui.

- Não posso ele manda me matar.

Disse bruno com um semblante cansado e com a voz baixa.

- Vou ligar para seus pais.

- Não, ta maluco?

- Bruno de todo jeito eles vão saber cara, e tem que arrumar um advogado bom para você.

- Não avisa para eles.

- Quanto foi?

- 40 Gramas de pasta base.

- Isso é trafico cara.

- Ei para fora.

- Calma tudo bem, meu advogado está chegando.

- Para fora.

Sai da sala contei para os meninos o que ele me disse pois era inacreditável.

- Você disse que estava lá certo? O que estava fazendo na casa de Bruno?

- Estamos ficando a algum tempo, e hoje ele me chamou para ir lá, só que os policiais chegaram e o levara.

- Não viu nada de diferente ou suspeito?

- Não Matheus.

- Ele está aqui.

Disse Pedro entrando com o advogado, e já pedi para ele ver o que aconteceu, João entrou e demorou um pouco mas veio com boas notícias;

- Estipularam uma fiança de 4 mil, ou ele ficara detido.

- A gente paga, mas ele estará livre?

- Não, ele sofrerá um processo caso não confesse, ou aponte de quem são os entorpecentes.

Bem conseguimos sair, mas o processo continuaria, usei esse pequeno exemplo para contar a vocês de como descobrimos o mais novo casal, Diego e Bruno, bem eu nem cheguei a pensar neles juntos, mas com o tempo estavam se entendendo e eu mais Pedro agradecemos isso, kkkkk'.

No dia da festa com aquela correria toda, deixamos tudo certo para que toda a cidade soubesse do evento, Pedro estava doido e eu na correria para o desfile nos deixamos tudo ok. Durante a noite eu recebi os convidados e o como o local do evento era ao lado da loja, nos colocamos modelos para desfilar durante a festa inteira, eles ficavam andando em pequenas passarelas no meio dos convidados, e o evento estava já sendo bem aceito com todos esses anos de festa.

- Boa Noite a todos, venho agradecer a presença de todos vocês aqui para essa noite tão importante para nossa equipe, bem comunico a vocês a mais grande notícia que iremos inaugurar mais duas novas lojas nas cidades vizinhas, isso mesmo estamos expandindo e com a ajuda de Diego vamos abrir nossa loja Online, palmas pra ele por favor, e queria aproveitar esse momento para dizer uma coisa a vocês e a uma pessoa em especial, um acidente a alguns meses atrás me vi em um espelho olhando para meu corpo deitado em uma cama de hospital, durante o dia durante a noite, olhando para uma parede que só tinha um relógio, meu passatempo era contar as horas, em um momento vi minha mãe que havia morrido a 3 anos, me chamou para a luz onde ela estava vivendo, eu só não fui por uma pessoa que está aqui no meio de vocês, Pedro Ferraz, ( todos bateram palmas e ele subiu e ficou me olhando enquanto eu discursava), Esse cara ia todos os dias após o expediente desta loja, e me contava todo o seu dia, eu não respondia eu não me mexia, mas ele falava e não desistiu em nenhum momento, estava ali onde eu precisava, do meu lado. Deus viu que ele me colocaria no rumo e me deu a oportunidade de viver e fazer para ele o que havia feito por mim. Pedro Obrigado por existir em minha vida, obrigado por estar sempre comigo, mas acho que não seria um agradecimento formal por tudo que fez comigo, Pedro Ferraz aceita se casar comigo?

- Sim, Claro.

Nos beijamos ali na frente de todos e soou palmas e mais palmas, Pedro só chorava ele meio que não acreditou, prosseguimos a festa e até então tudo às mil maravilhas, ganhamos os parabéns de alguns convidados, mesmo exaustos ficamos até o final,

- Particularmente claro que pelo pedido de casamento, mas foi uma das melhores festas do ano.

- Valeu Lúcio, deve ter sido boa mesmo pois ninguém queria ir embora.

- Pois é Matheus, aqueles casais ali também estão bem apaixonados viu.

- A festa acabou Bruno!

- Vamos para casa Diego?

- Vamos sim.

- Ah alguns anos, nos saiamos para pegar mulher e sempre levava algumas para casa.

- Algumas Matheus?

- É já fiquei com duas na mesma noite, eu estou falando de sexo.

- Nossa Pedro então vale por duas?

- Vale por 10 né amor. Mas como estava falando, hoje até Bruno está namorando um cara, ou eu estou errado o meu mundo está gay.

- Colorido meu está bom gato, de preferência arco íris cheio de gliter.

Disse Lúcio e todos caímos na risada, fomos embora pois o cansaço tomava de conta de nós. Em casa deitamos e Pedro se virou olhando na aliança e disse a mim;

- Nem acredito Matheus.

- Obrigado por sempre estar comigo!

- Eu te amo.

- Eu te amo mais!

15 dias depois estávamos almoçando com Diego e Bruno, e eles contaram que também iriam se casar,

- Mas vai ser quando o de vocês?

- Poxa a gente já conversou, provavelmente vai ser daqui a 10 meses.

- Nossa isso tudo?

- Decidimos inaugurara as lojas e deixar tudo ok, para tirarmos uns 60 dias de lua de mel.

- Está certo.

Uns dias depois assistimos um filme muito romântico, não me lembro do nome, mas olhei para ele que chegou a chorar com as cenas.

- Pedro poderíamos ter um filho!

- Amor acabamos de transar, e você quer de novo?

- Haha’ sim, mas espera eu estou falando de uma criança.

- Está falando sério?

- Sim, porque?

- Você deixa roupas do lado de fora do cesto de roupas suja Matheus.

- Aí lá vem você, com essas coisas de mulheres casadas, eu vou casar com um homem está bom.

- Sim.

- Sim o que?

- Mas como vamos fazer?

- Inseminação assistida, já ouviu falar, é colocado o embrião em uma barriga de aluguel.

- Mas é ilegal isso não?

- Não, ilegal é a alteração de embrião.

Matheus junto com Pedro correram atrás para conseguir o médico, e poucas semanas já estavam, com a inseminação feita e acompanhando e dando suporte a mãe de aluguel.

Casamento foi marcado para data próxima ao nascimento da criança, e seria uma menina, iria se chamar “Agatha”, com os exames o médico pediu que o embrião fosse de Matheus, eles concordaram e no dia do casamento a mãe de aluguel estava internada, já para o parto, a cerimônia foi organizada 80% por Pedro porque Matheus estava deixando a empresa pronta para a viagem que não iria acontecer por causa do nascimento de Agatha.

Tinha que ser, um dia lindo de verão e sol lindo céu azul e os pássaros cantavam ao fundo de um píer, conde foi improvisado uma capela para nossos noivos, uma lancha os aguardava para levar eles, amigos e familiares presentes, nesta data tão importante, depois de Matheus perceber que o amor de sua vida estava perante seus olhos, e Pedro ver que os desejos do coração são ouvidos por Deus, quando você deseja uma coisa, linda, pura, e sincera até os ventos conspiram a seu favor...

- Eu os declaro Marido de Marido...

Com algumas risadas ao fundo e lagrimas Matheus se aproxima para beijar Pedro dizendo uma frase comum para algumas pessoas, mas naquele momento era crucial;

- Eu te amo, obrigado por existir.

- Ela vai nascer!

Gritou Diego interrompendo o beijo, o que aconteceu correria para todo lado, foram quase todos para o hospital. A vida deles estava para mudar por uma benção de Deus.

Ao chegar no hospital de Smoking ainda aguardaram por 3 minutos e ela havia nascido, médicos pediram para aguardar e angustia tomava conta de todos...

- Podem entrar.

Os olhos se abriram daquela criatura angelical, e se mexendo em meio cobertores, Agatha tirou lagrimas de seu Pai Matheus...

- Bem-vinda ao mundo minha linda.

Disse Pedro tremendo...

- Ela se parece comigo (risos).

Pedro pegou Agatha nos braços e não se aguentou lagrimas saíram de seu rosto, Matheus estava vidrado nos dois, se aproximou deu um beijo em Pedro e outro na testa de Agatha.

- Deus abençoe você meu anjo...

POR MAIS QUE VOCÊ FAÇA ESCOLHAS ERRADAS DEUS ESTARÁ CONTIGO, MESMO REPETINDO O MESMO ERRO ELE ESTARÁ DO SEU LADO, DIZENDO “MEU FILHO PARE DE BATER NA MESMA PORTA, E ABRA OS OLHOS E VEJA TODAS OUTRAS PARA SUA ESCOLHA”.

“Se a vida fosse Fácil não Tinha Graça”.

13 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia