• @rgpatrickoficial

Louco Desejo - Capitulo 26


~PEDRO


- Que susto Pedro, pensei que não iria dizer nada. – Matheus fala em meu ouvido.

- Olha que fiquei com medo, seu filho da mãe, todo mundo sabia? – Bato em seu ombro.

- Todo mundo, só você que não.

- Parabéns meus filhos. – Dona Giza chega abraçando a gente.

Agradeci, beijando seu rosto, minha mãe chorava tanto que não conseguia falar nada, e piorou muito quando ela pegou minha mão e olhou a aliança;

- Meu Deus é perfeita. Quem te ajudou? – Olho para Matheus abraçado com sua mãe.

- Adivinha? – Ele gesticula, apontando para ela.

- É a coisa mais linda do mundo.

Era dourada com algumas pedras, que faziam um desenho perfeito em volta de toda a circunferência, ao meio a escrita do nome dele Matheus Ferraz, e na sua o meu.

Depois disso devem imaginar como eu curte o restante da minha festa de aniversário.

Bebemos mais que podíamos, dançamos muito, muito mais.

Acordei no dia seguinte por volta de uma e meia da tarde, olhei para os lados, e entendi estar na casa do Matheus.

A primeira coisa que vi foi meu noivo deitado do meu lado, sua mão, frente a seu rosto posta no travesseiro, sua aliança.

É eu não tinha sonhado, era verdade.

Virei pegando meu celular e tinha um monte de mensagens, e notificações, e sinto o Matheus me abraçando, seu corpo superquente;

- Bom dia noivo. – Fala próximo ao meu ouvido.

- Bom dia noivo.

Viro abraçando ele, Matheus fica fazendo carinho em meu cabelo, enquanto eu seguro ele;

- Pedro, tem ideia do nosso ano?

- Não Matheus...

- Isso é sim, uma bela história para um livro não? – Ele se afasta me olhando.

- Sim, para qualquer doido que ame e goste muito de um Drama.

- Haha’ exatamente.

- Amor, quando pensa que pode ser o casamento? Tem uma data em mente? – Ele fica com sua mão em meu cabelo.

- Daqui ao menos uns nove meses né Matheus, pois tem muita coisa para resolver e eu queria me formar primeiro.

- Ufa. – Ele leva a mão no peito. – Que bom que pensa igual a mim.

- Ah safado, e se eu falasse mês que em rapaz?

- Eu iria, na hora, esse é um novo Matheus.

- É eu sei, mas... – Escutamos um barulho na cozinha, e me levanto.

Ele faz o mesmo abrindo a janela, e colocando uma roupa;

- Gente eu nem sei como chegamos em casa ontem. – Falo procurando minhas chinelas.

- Digo o mesmo viu.

Sai do quarto e a Dona Giza estava frente as panelas, a sua comida estava cheirando muito.

De braços cruzados, encostada com as costas na pia, ela olhava para mim;

- Bom dia.

- Boa tarde né filho.

Eu abro um sorriso sem graça e Matheus sai do quarto;

- Bom dia, mãe fez café?

- Sim querido.

Ele pega um copo se serve, eu sento na cama, com o celular, e Giza acompanha o Matheus os olhos.

Ele assopra o café e questiona;

- Que foi?

- Tudo bem com vocês?

- Sim. – Respondemos em um coro.

- Ata, nunca vi duas pessoas beberem tanto, e você se inclui viu Pedro. – Ela aponta.

– Só não me lembro como cheguei em casa, mas lembro de tudo viu, Dona Giza. – Ele abraça ela.

- Meu filho, você chegou de quatro nessa casa, eu parei o carro na garagem e você saiu se arrastando.

- Mentira.

Gente eu já comecei a rir quando ela fala;

- Eu gravei.

Corri para o lado deles e ela pega o celular e ele já vermelho. Gente ele desceu do carro se arrastando, e entrou na casa de quatro, como um cachorro, e pior.

Eu cantando atrás, ela chegou a me filmar, mas o Matheus era mais engraçado.

- Gente o que eu bebi? – Ele segura o aparelho.

Eu estava com dores na barriga de tanto rir dele;

- Mãe apaga isso.

- Pode apagar, já mandei no grupo da loja.

- Porque?

- Porque eu também bebi, e não tenho culpa.

- Gente que vergonha, nunc fiquei assim. – Ele se senta na mesa.

- Aí gente, eu to passando mal de tanto rir.

- Deve estar ótimo mesmo né Pedro, ontem a comemoração de vocês dois nesse quarto durou e muito.

Eu olho para o Matheus, que muda o semblante, ficando mais e mais vermelho possível. E eu do mesmo jeito;

- Como assim? – Eu olho.

Giza abre as panelas, mexendo com a colher e dizendo;

- Quer que eu explique mesmo Pedro?

Só coloco a cabeça na mesa de madeira, querendo que seja um buraco;

- Fiquem tranquilos, eu estava meio alterada e dormi com meus fones de ouvido, ouvindo meu Wesley Safadão.

Ajudei ela com salada, o Matheus foi comprar um refrigerante, e logo que chegou, sentamos para almoçar;

- Hum falei com o Matheus, e dei a opinião de casarem daqui uns seis meses ou mais filho. – Ela me olha.

- Falei o mesmo para ele Dona Giza, quero me formar primeiro.

- Sim, filho, agora é tanta coisa que tem que resolver, e arrumar, vai levar ele na casa hoje?

- Sim, depois do almoço, quando o sol esfriar vamos lá dar uma olhada.

- Gente eu nem desconfiei, dessa casa.

- Ah meu Deus, estava esquecendo já! Recebi uma resposta de um e-mail, adivinha quem vai assistir ao desfile da SPFW desse ano. – Ela me empurra pelo ombro.

- Não brinca comigo.

Matheus de cara fechada olhando, meio que sem entender;

- Responderam que conseguem as entradas, vamos ver muitas novidades.

- Ai não acredito Giza, serio mesmo, SPFW é um sonho.

- Reserva, Baldin, tem cada coisa esse ano.

- Que cara é essa? – Pergunto ele.

- Nada, já sei quando vai ser minha despedida de solteiro, quando viajarem.

- Há. Há. Há! Que lindo! Sua despedida foi ontem.

Terminamos o almoço, ajudei a Giza a arrumar a cozinha, e esse Matheus queria pôr tudo, mas tudo mesmo ir na tal casa, e eu naquele sono, caramba.

Me troquei e saímos. O bairro que o Matheus havia visto a casa era um residencial, não tão afastado do centro, mas sim, bem localizado.

Ele parou o carro frente a uma residência grande, de murro alto, e de cor clara, ele desceu do carro;

- Vem amor.

- Está com a chave?

- Sim, Pedro.

Entramos e me assustei, pois ao lado de fora não parecia tão grande. Um pequeno jardim a frente, com um gramado, era possível ver o pé direito bem alto.

Ele abriu a porta e entrou na frente, Matheus foi abrindo a casa e eu entrei em seguida, já direto para a cozinha, que tinha uma ilha, sendo o mesmo móvel com uma mesa, eu queria morar ali;

- É sua cara, sabia que iria gostar. – Ele aparece rindo de mim.

- Como não, olha isso, eu não preciso de mais nada essa cozinha é perfeita.

- Vem, quero que veja os quartos. – Matheus me puxa pela mão.

No corredor, primeiro me mostrou a suíte, perfeita, grande com banheira no banheiro;

- Amor, isso é exagero. – Falo apontando.

- Tem ideia da quantidade de sexo que imaginei nesse banheiro?

- Mas gente. – Acerto um tapa em seu peito, que fica rindo.

- O closet eu gostei, tem espaço para a gente, e cada um pode usar um lado. – Ele puxa a porta.

- Gente eu não vi... Meu Deus! Nunca tive um closet que pudesse entrar dentro.

No corredor, vou andando abraçado com ele, que estava todo amoroso;

- Três quartos, o nosso, um de visita e um para...

- Para?

- Para nossa filha.

- Filha? – Eu me afasto olhando.

- Sim, olha.

Entramos no cômodo todo rosa bem delicado;

- Eu quero esse quarto para mim.

- Haha’ não dessa vez.

- Porque uma garota em?

- Eu não sei, sempre quis ter uma filha.

- E se for um filho? – Pergunto segurando sua cintura.

- Não importa, adotamos uma filha também se for o caso.

- Tudo bem, e como ela irá se chamar?

Ele leva aqueles olhos claro para o teto, pensando e diz;

- Agatha.

- Hum, que isso em, gostei. Porque?

- Nome da minha falecida avó. Mãe da minha mãe.

- Ai, gente você me surpreende a cada dia.

- É tenho que concordar, no começo desse ano eu era outra pessoa. Arrogante, individualista, ignorante e um pau no cu... Não que eu tenha mudado muito, rsrs.

- Mudou sim.

- Hoje estou fazendo planos com o meu noivo. Mano, meu noivo, vamos se casar tem ideia disso?

- Parece um sonho sabe.

- Sonho ou não, você está dentro da sua futura casa Pedro.

- Estou dentro com o meu noivo, o cara que eu amo, e sempre amei!

- Eu te amo Pedro, e sempre amarei, Deus guarda muitas supressas para a gente.

- Te amo mais Matheus.

- Essa minha segunda chance foi para dar certo com você, para fazer dar certo contigo.


17 visualizações0 comentário
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia