• Richardson Garcia

Louco Desejo - Primeira Temporada

Atualizado: Mar 12


Acordei por volta de 8:00 da manhã com vontade de ir ao banheiro, minha mãe estava na cozinha passando o café;

- Já falei para parar de coçar suas partes, Garoto.

- Bom Dia para a senhora também, você mais que qualquer outra conhece bem o conteúdo.

- Vai vestir roupa Mateus. Ela disse tentando escapar enquanto eu a abraçava.

- Cueca é roupa.

- Tem ensaio hoje?

- Sim, vamos fazer umas fotos nos estúdios mesmo, acho que vai ser seminu.

- Bruno ligou, queria saber se tem Trilha hoje?

- Acho que sim, ligo para ele depois.

- Estou indo para a loja, vai comigo?

- Sim, de lá vou para o trabalho.

Coloquei uma roupa adequada para o trabalho, minha mãe tem uma loja de roupas e acessórios no centro da cidade, sempre que posso fico a manhã auxiliando ela, claro de olho nos clientes e na internet a todo momento.

- Mateus atende aquelas garotas, vou pegar umas peças lá atrás.

- Olá, Bom Dia, posso ajudá-las?

- Nossa você pode primeiro me passando seu WhatsApp? Elas riram eu também, e completei.

- Meu telefone vai junto com essa blusa que estão olhando!

- Queremos 2! Continuamos com risadas, terminamos a venda passei meu telefone a uma delas, minha mãe diz;

- Não misture as coisas!

- Ninguém resiste a isso aqui não Dona Giza! Falei abraçando ela, quando a porta abri novamente e entra dois caras um deles bem gay, afeminado.

- Vixi esse aí são suas. Falei me referindo aos caras.

- Ainda vai pagar por esse seu preconceito garoto.

- Enquanto eu não pago vou comer algo na rua mesmo e depois ir para o trabalho, Pedro não vem hoje?

- Não, tem prova no curso dele, dei o dia de folga.

- Então vou nessa.

Fui para o estúdio que fica a 5 quadras da loja, chegando lá a gerente estava na recepção,

- Olá bom dia, Rosângela!

- Bom dia Mateus, vejo que está mais lindo do que nunca?

- Obrigado!

- Vem aqui, estou vendo umas fotos no Rio de Janeiro para você, se tudo der certo.

- Poxa bacana, vou adorar.

- Mateus, vamos lá para sua seção? Disse Alexandre o fotógrafo da agência. Segui ele e na troca de roupas meu telefone chama, era Bruno;

- Fala minha Puta!

- E aí beleza?

- Ou cara vai rolar Trilha hoje?

- Chama os caras no grupo ae, quando eu sair do trampo passo aí na sua casa, beleza?

- Falou!

A seção de fotos foi bastante quente, fiquei nu na maioria das fotos, mas nada vulgar, eu amava meu trabalho, aliás curtia ser visto como uma cara que cuida do seu corpo, sou muito vaidoso.

Ao término das fotos, peguei um taxi e fui para casa de Bruno, chegando lá o segurança liberou minha entrada, ele estava na piscina;

- E aí seu baitola, marcou com os caras?

- Sim, hoje as 17:00, está beleza?

- Tranquilo.

- Entra aí? Bruno fez com a mão para a piscina.

- Não to sussa.

Ele então saiu e foi para o seu quarto segui, estávamos comentando sobre garotas, Bruno tirou sua sunga e tomou banho normalmente eu estava na porta do banheiro de seu quarto com o corpo por meio da porta, se vestiu e fomos no centro da cidade tomar um sorvete,

- Acho que vou conseguir trampo no Rio de Janeiro mano.

- Porra cara top demais, quem está descolando isso para tu?

- A Rosângela.

- Fala aí, já pegou a coroa não?

- Nada, não rola, mas se a filha dela querer.

- Aquela burguesinha gostosa não te dá moral.

- Todas as garotas da cidade me dão moral.

- Não ela.

- É porque eu não quero.

- Aham ta me engana, vamos logo o garanhão, vou te deixar em casa.

Minha mãe já estava em casa com Pedro na sala, estavam vendo umas contas da loja, passamos por eles e cumprimentamos fomos para o meu quarto jogar um game, Pedro entra e pede um caderno que fiz uns cálculos para eles;

- Mateus sua mãe está pedindo os cálculos do mês que vem!

- Vou pegar!

- Aí Pedro quando vai liberar para mim em?

- Vai sonhando.

- Na boa tu é meu amigo gay, custa descolar uma chupetinha?

- Não dá ideia. Falei entregando o caderno a ele.

- Esse tipo de favor só para o Mateus, Bruno para de ser fura olho.

- Mateus está bem comendo em casa, na rua, no trabalho.

- Cala a boca! Falei jogando travesseiro em cima de Bruno, Pedro saiu e Bruno volta no assunto!

- Ah diz ai, nunca traçou a bichinha não?

- Claro que não caralho, não sou tarado como você.

- Duvido Mateus, ele é caidinho em você.

- Todas são.

- Tu se acha né mano.

- E muito.

- Ouvi falar que uma mamada de um cara você goza mais rápido que se estivesse comendo uma bucetinha.

- Cara as vezes acho que na sua casa você só fica tocando uma.

- Às vezes sim, bem que você poderia me ajudar, vai chupa aqui!

- Está zoando né cara, me estranhando?

- Kkkkkkkkk' vamos logo pedalar antes que você decide dar para mim.

Mãe estamos indo!

- Vai com Deus meu filho, e nada da Trilha da cachoeira em.

- Pode deixar.

- Ela ainda tem medo da Trilha?

- Tem sim, com aquela queda até eu fiquei.

- Vamos encontrar o pessoal no posto na saída da cidade.

Pedalamos uns 3 km até onde todos estavam, na faixa de uns 18 ciclistas, fomos a uma Trilha conhecida, era realmente para esfriar a cabeça, pedalar me deixa calmo de cabeça fresca, no retorno Bruno foi para sua casa que é um bairro antes do meu, eu cheguei a casa minha mãe já estava dormindo, havia deixado o jantar no micro-ondas, mas decidi sair e comer algo na rua, quando sai do lado de fora Pedro estava vindo em direção contrária:

- Vai onde essas horas moço?

- Comer algo, e você?

- Voltando para casa, estava com uma amiga.

- Vamos? Convidei-o.

- Não, vou em casa estou cansado.

- Beleza, até amanhã.

Fui a uma lanchonete em duas quadras de casa, quando voltei fui para o PC responder os E-mails. Deitei já era tarde da noite, acordei mais tarde ainda olhei no relógio era 11h00min da manhã, levantei estava de cueca como de normal e excitado, fui para o banheiro tomei um banho escuto a porta abrir, era Pedro, ao passar em frente ao banheiro ele para, e rindo fala;

- Que isso cara?

- To na seca. Falei com um sorriso no rosto para deixar ele com vontade. Fecha a porta logo.

- Vou para a loja quer carona? Perguntou ele de longe já com a porta fechada.

- Quero me espera. Terminei o banho me vesti e Pedro estava com o carro de minha mãe, me deixou na loja.

- Vou buscar mercadoria semana que vem o que acha em deixar Pedro na loja? Perguntou minha mãe próxima ao caixa.

- Ele é de confiança, por mim tudo bem, você poderia deixar eu ir em?

- Você não tem responsabilidade para isso Mateus, não é outra cidade, é outro país já conversamos sobre isso.

- Mas uma festa lá em casa posso?

- Mateus vai trabalhar, E para de falar besteira.

- Vou para a academia não trabalho hoje, quero uma grana hoje tem a festa fantasia.

- Você vai? Perguntou Pedro se aproximando do caixa.

- Sim e você?

- Vou sim.

- Ótimo pelo menos alguém olha você lá. Minha mãe falou com a mão nas costas do Pedro.

- Há, há, há, que lindo vocês, Pedro passo na sua casa as 20h00min.

Fui para a academia treinei pesado durante a tarde sai e fui para o clube pegar um bronze, queria estar maravilhoso a noite, pois veria Joice a filha de minha gerente, a garota que eu estava muito a fim de pegar, em casa respondi o Whatsapp do nosso grupo que iríamos com umas fantasias do mesmo tema preparei a minha fantasia e fui tomar um banho, me arrumei minha mãe fez uma maquiagem passou pó de arroz, e um lápis preto nos olhos, fez umas olheiras com a sombra e deixou os cílios bem destacados, coloquei uma capa preta e vermelha, sem camisa com uma calça preta tecido leve um sinto vermelho um crucifixo no pescoço uma pulseira de roqueiro e um tênis todo preto, nossa turma iria toda de vampiros e demônios.

Peguei o carro e passei na casa de Pedro que ficava na mesma rua, ele estava de policial, até com uma arma de brinquedo um distintivo, bem caracterizado, fomos conversando na porta da Boate descemos e já nos dispersamos as garotas que ficariam conosco gritaram quando me viram, eu realmente estava top, lá dentro estávamos bebendo e dançando curtindo muito.

Quando Bruno chega a mim,

- Vem aqui! Ele me puxou como se estivesse escondendo algo.

- Que isso mano? Mas não, ele queria me mostrar.

- Olha aquilo! Bruno apontou o dedo para o camarote onde estava a Joice ficando com um cara, forcei as vistas olhei direito era Pedro.

- Que porra é aquela? É o Pedro? Perguntei meu sem entender.

- Até o cara gay pega a garota mais top da cidade e você ai na mão. Bruno falou e começou a rir, eu fui zoado a noite toda por isso.

- Aí gente para o Pedro é gato, eu pegava se ele gostasse da fruta. Disse Tayná.

- Com aquela pegada quem vai dizer o contrário! Bruno zoando novamente.

No fim da noite Pedro veio me chamando para ir embora e todos ovacionando ele pela proeza de pegar a Joice, é claro me zoando ele me pediu desculpas, mas relevei porque não tinha nada com ela, confesso que não gostei. No caminho para casa;

- Não ficou bolado por hoje né?

- Não na boa. Os meninos que não perdem uma para me zoar.

- Eu fico aqui até amanhã.

Deixei-o em casa e fui embora, acabei acordando cedo nono outro dia, Pedro estava tomando café com minha mãe,

- Mateus vou ao banco é preciso que fique na loja para o Pedro tirar sua hora de almoço.

- Tudo bem! Eu passo lá.

Fui para o estúdio e depois quando sai Bruno me ligou,

- Mano vai almoçar onde?

- Na rua mesmo.

- Vamos para o clube, brocamos (comemos) lá, pode ser?

- Já é. Almoçamos e passamos a tarde inteira lá a tarde fui para casa, pois tinha curso à noite.

- Você não muda não é mesmo? Falou minha mãe na porta do meu quarto enquanto trocava de roupa.

- O que eu fiz?

- O que Não fez Mateus! O coitado do Pedro ficou a tarde inteira sem comer culpa sua, porque não avisou que eu saia do banco mais cedo?

- Puta que pariu, esqueci geral.

- Olha a boca. Mateus se não tem responsabilidade não vai conquistar nada na vida meu filho.

- Mãe corta o papo.

- Não, você vai me escutar, olha o Pedro garoto inteligente, responsável, porque não segue exemplo meu filho.

- Por que não sou o Pedro, eu não sou gay.

- Pois eu preferiria um filho gay responsável do que um hétero sem nada na cabeça como você. Ela falou com o bater da porta de casa, sai e coloquei meu fone de ouvido, um funk bem alto até o cursinho.

Passei uns 2 dias sem muita comunicação com minha mãe, somente o necessário, ela busca as roupas da loja em um shopping em Miami de dois em dois meses, a viagem sempre dura uma semana, é claro sempre apronto neste período.

- Pedro, o Mateus vai te ajudar na loja quando não estiver trabalhando e o carro, vai ficar com ele quando precisar é só pegar. Estávamos conversando na loja sobre a viagem.

Levei ela ao aeroporto, cheguei era a tarde Pedro estava fechando a loja;

- Entra ai!

- Que foi está responsável agora?

- Vai a Merda! Vou fazer um frevo lá em casa esse final de semana. E você vai me ajudar!

- Eu to fora!

Passei em frente à casa de Bruno que estava na porta, entrou no carro como um louco;

- Vamos aonde? Perguntou ele deitado no banco de trás.

- Eu vou para casa! Falou Pedro teclando no celular.

- O que acha de, mais um frevo esse fim de semana? Perguntei a Bruno.

- Já é a patroa viajou?

- “Casa Liberada, os vei ta viajando, meia noite e meia e o bicho ta pegando. ” Cantei Pedro me deu um murro no braço, e Bruno interrompe;

- Mano o Pedro consegue a gata para você!

- Que gata? Pedro logo perguntou.

- Sabe não? Mateus está apaixonado pela Joice!

- A filha da Rosângela?

- É, você poderia ser brother e arrumar ela para o nosso amigo. Falou Bruno me cutucando eu com um sorriso no rosto sem dizer nada.

- E o que eu ganho com isso?

- Um Beijo do Mateus, na Boca! Gritou Bruno.

- Haha' eu pego ela sem a ajuda de vocês seus viados. Falei cortando eles.

- Fechado. - Falou Pedro rindo para o Bruno.

- Eu quero assistir. Bruno desceu no semáforo, falou na janela e se despediu.

- Estava zoando né? Perguntei para o Pedro!

- Sim, colocando pilha no Bruno, mas vou chamar Joice para a festa.

- Valeu irmãozinho. Falei bagunçando seu cabelo, deixei Pedro em casa, tomei um banho e meu telefone toca era o pessoal da agência, tinha um evento a noite e eu tinha que comparecer. Era somente uma inauguração de uma loja ecológica, na festa que por sinal muito bem organizada e bastante pessoas todas bem vestidas, cumprimentei algumas pessoas tirei fotos com outras.

E vejo ao fundo Pedro com um carinha estavam cheios de carinhos, fui cumprimentar ele, mas quando me viu disfarçou ficou pouco seco com o cara, foi aí que vi Joice, fui chegando próximo à mesa dela;

- Olá Boa Noite!

- Oi. Disse ela com um sorriso.

- Lembra de mim?

- Sim trabalha com minha mãe, acertei?

- Sim, vou fazer uma social na minha casa vê se aparece por lá.

- Pode deixar. Despedi com um abraço e beijo no rosto já sai contente pensando que havia ganhado o dia. Na sexta-feira Bruno me liga e convida para o clube fomos eu ele é um casal de amigos nossos de trilha.

Á tarde me ajudou nos preparativos da festa, compramos bebidas e petiscos, ele me deixou em casa organizei umas coisas, Pedro fechou mais cedo a loja, e decorou alguns lugares de minha casa, não é tão grande, mas a área no fundo é bem ampla colocamos umas mesas, o som em um lugar que dê para dançarmos, ficou bem legal, sempre faço uma festa ou social em casa, chamei algumas pessoas desconhecida, e o pessoal do serviço umas garotas da academia, por fim foi muita gente até demais;

- Ela está ai! Falou Bruno me abraçando por trás.

- Ela quem? Joice?

- Sim, cadê o Pedro?

- Dançando.

- Vou dar ideia nele. Bruno estava mais animado que eu, depois de uns minutos Pedro se aproximou da galera que estava com ela, e fez sinal com a cabeça pra mim ir, cheguei e ele me apresentou novamente, mentiu um pouco e fez a gente rir, colocando sempre os créditos a meu favor, quando ele chega na Joice e fala que eu estava a fim dela, assustei mas logo era minha vez então cheguei com um papo cabeça, e depois de mais ou menos de 30 minutos de chamego e dança beijei ela, dei uns pegas, mas kkkkkkk’ sabe quando você quer muito uma coisa e quando consegue vê que aquilo não era tudo o que pensava, era umas 3 da manhã ela foi embora, daí fiquei com outra garota com intenção de dormir aqui em casa, tirar meu atraso kkkkkk’ e nada também, Bruno chegou rindo bêbado e falou;

- Mano para não ficarmos na mão vamos beber! Pedro chegou com uma garrafa de Tequila e um baralho, eu só lembro disso e mais nada.

Acordei no sábado por volta das 10:00hrs da manhã, olhei pro lado pro outro, levantei eu estava só de cueca, pensei quem me deixou assim, Bruno estava deitado no sofá “morto”, no quarto da minha mãe estava Pedro dormindo, ele de nós estava melhor, a casa estava aberta, janelas e portas só o portão fechado mesmo, o som estava baixo, pensei gente eu não lembro o que aconteceu aqui na noite passada, olhei pra dentro e Pedro vem meio tonto e entra no banheiro, entrei atrás e fui, mijar ele ficou bravo porque estava no Box e eu vi ele pelado;

- Ou está louco? Disse ele pegando a toalha.

- Ah para Pedro, você já me viu até de pau duro e fica com frescuras. Puxei sua toalha e fui saindo de costas, a porta do banheiro tem uma pequena saliência, acabei caindo no chão ele rachou de tanto rir, eu fiquei grilado e corri para a porta mais ele fechou, zoei ele mais um pouco, vesti roupa e Bruno acorda;

- Que porra de dor de cabeça, cara está difícil. Veio ele com o cabelo igual a uma vassoura. Pedro saiu do banheiro e foi arrumar a mesa do café para a gente, eu estava sentado com o celular e Bruno fala sentando comigo;

- Pagou o que prometeu para o Pedro?

- Vou ter que beijar ele para ver, se é melhor do que o beijo da Joice Deus me defenda. Eles riram alto.

- Ela beija mal? Perguntou Bruno chegando perto.

- Mal é pouco, se eu beijar uma parede sinto mais tesão. Falei rindo e Pedro só ouvindo.

- Heteros são podres sabia, você conseguiu ficar com a menina e está falando mal dela. Disse ele encostado na pia nos olhando.

- Podre, mas os gays se derretem por um hétero não é não? Bruno falou piscando para ele.

- Não é falar mal é deixar os amigos cientes do produto. Rimos e Bruno e eu fizemos um comprimento de mãos.

- Tem o acampamento amanhã nas trilhas, vamos ficar tri louco, vamos Pedro?

- Não Bruno, acho melhor não!

- A que isso vai ser legal, 2 dias fora de casa pedalando pela cachoeira.

- Sua mãe falou para não ir Mateus.

- Está aí vai e aproveita olha o Mateus, para não se meter em encrenca.

- Parem de falar como se eu não estivesse aqui. Falei jogando um pano em Pedro.

- E mais o Pedro vai sim, vai ter que arrumar outra gata para mim, ficou foi é me devendo. Bruno riu alto...

- Vou deixar as moças e vou para casa, meu pai vai viajar e vou levar ele até o aeroporto para pegar a caminhonete, a gente se fala.

Bruno se despediu, eu e Pedro ajeitamos a casa ele foi embora deitei e dormi a tarde inteira, no domingo acordei bem cedo fui para a casa de Bruno e fique até a hora de irmos, passamos na casa de Pedro pegamos ele colocamos as bikes na caminhonete e partimos para essa cachoeira, o local havia milhões de trilhas para explorar algumas tínhamos que passar a noite lá, em uma hora chegamos fomos a terceira turma, o local era aberto e muito grande, eu levei uma barraca para quatro pessoas e Bruno uma, montamos preparamos as bicicletas e pegamos a primeira trila o sol estava se pondo o fim do dia estava maravilhoso. Pedro a minha frente estava com uma cara ótima, ele também curtia essas paradas de natureza.

#Pedro

Pedalar pra mim era como uma terapia, no meio da natureza todo aquele verde, e Deuses gregos como Bruno e Mateus era pra poucos, kkkkkkk', todo o caminho era pesado lugares com água até a cintura, até altos a ponto de escalar, foram 3 horas pedalando, chegamos ao acampamento acendemos uma fogueira e fomos para o rio tomar um banho, água fresca e limpa, eu sou um gay discreto fico e me enturmo tranquilamente entre os heteros mesmo eles sabendo de minha opção sexual, tinha brincadeiras mas tudo em ordem pois eram meus amigos antes de eu me assumir, Bruno era o safado da turma, um cara puto que só de olhar dava tesão, já Mateus meus amigos O que era aquele garoto eu fico hipnotizado quando olho pra ele a boca, os olhos azuis, o corpo, realmente era o cara perfeito pena que era galinha e irresponsável senão eu casava com ele.

Com a gente no acampamento tinha 20 pessoas os mais velhos prepararam algo para comermos e os outros na fogueira, estava já de madrugada chega Bruno com uma caixa térmica cheia de bebidas, nos enfiamos a cara ele saiu para sua barraca com uma garota, eu parei de beber se não ficaria muito ruim, Mateus bebeu até a última foi pra barraca em zig zag, esperei um pouco e fui também ela era grande para 4 pessoas então ficamos bem à vontade nela, ele estava sem camisa só de short de elástico, eu deitei e me virei pro lado, quando estou quase pegando no sono sinto uma mão na altura da minha cintura descer até minha bunda, quando apertou Mateus chegou me dando uma pegada forte e me encoxando, meu coração acelerou eu tremi na hora.

- Mateus... Falei enquanto ele se posicionava entre minhas pernas,

- Não. Foi O que saiu de sua boca colocou o dedo na frente de minha boca me interrompendo, seu rosto estava tão próximo ao meu que sentia sua respiração passar próximo a minha orelha descia até o pescoço e subia de novo. Seu corpo no meu estava em posição de frango assado, em um movimento ele me beijou muito forte sua língua tinha sede de outra língua, ele rebolava seu corpo tão quente que no primeiro beijo eu suei fiquei sem ar, Mateus me puxou tirou minha camisa e ficamos sentado ele com as pernas abertas e eu sentado em cima dele, dava pra sentir seu cassete duro, suas mãos percorriam meu corpo, desde o cabelo até meus pés, ele mexia minha cintura pra eu rebolar em seu cassete, ele se deitou e eu por cima entre beijos tiramos nossas roupas, o beijo dele e indescritível em palavras, segurou meu cabelo e desceu até seu cassete que babava, Mateus era muito controlador na vida e na cama não era diferente, entre quatro paredes quem mandava era ele segurava e fazia movimentos tipo fodendo minha boca, com força descia e subia até o talo, o cassete de Mateus não era enorme, mas sabe aquele que é perfeito? Que se encaixa em tudo, pois é eu me engasgava um pouco, mas era gostoso de sentir o gosto ele logo parou peguei uma camisinha coloquei eu mesmo, ele cruzou os braços nas costas e eu sentei lentamente em seu cassete devagar, até sentir todo em mim, ele gemeu baixou eu rebolei devagar e comecei a cavalgar em cima dele, logo estava forçando também, depois de alguns minutos ele me coloca de quatro e me fode todo safado, com tapas na bunda e até na cara ele não começava devagar, ele era pouco romântico na cama, mas muito safado, não fazia Sexo e nem transava com alguém, ele fazia arte com destreza e sem pudor. Logo senti jatos e jatos de porra preenchendo sua camisinha dentro de mim, caiu do meu lado morto, eu sabia que ele estava diferente, mas eu também estava morto pela trilha e pelo sexo cai ao seu lado e peguei no sono.

#Mateus

Acordei e Pedro estava me olhando, se aproximou como se fosse me beijar eu me afastei;

- Ei, opa, vai com calma rapaz. Falei rindo e afastando ele.

- O que foi? Ele perguntou indiferentemente.

- Sua promessa não foi comprida, nem vem rapaz.

- Mas e ontem à noite?

- Ontem? Oque? Eu paguei mico?

- Kkkk’ não, não, nada.

Sai fui para o rio tomei um banho, Bruno veio todo desajeitado e pulou na água.

- Que isso?

- Oque!

- Viu um passarinho verde?

- Nada, só estou bem.

- Sei, te conheço rapaz, E aí pronto para a trilha de hoje?

- Já é!

Pedro passou ao longe de nós foi em direção a turma que estava tomando café, Bruno assoviou para ele, que só virou seu braço apontando o dedo, rimos dele e Bruno questiona;

- Que foi com ele?

- Não sei, já acordou assim!

- Mateus a trilha de hoje vai ser a maior que eu já fiz cara.

- Que foi vai “arregar’’ agora é?

- Não pô, mais é foda mano.

- Mateus, seu celular está chamando! Gritou Clarisse, a senhora que estava conosco.

- Caramba, pensei que aqui não havia sinal. Falei para o Bruno, saindo da água em direção a ela.

- Pode ser sua mãe. Bruno disse me seguindo.

Peguei o celular, mas já tinha parado de chamar, olhei o número não reconheci, mas logo chamou novamente;

- Oi!

- Mateus?

- Sim, quem fala?

- Rosângela, Mateus está em casa?

- Oi Rosângela, não estou fora da cidade.

- Consegui o trabalho, mas seu voo é para daqui 5 horas.

- 5 Horas?

- Posso passar na sua casa?

- É... Sim, pode sim. Falei gaguejando.

Desliguei o celular, e Pedro veio em minha direção, contei a ele, Bruno ficou puto, pois não queria que eu fosse, mas não tinha escolha. Pedro me levou e voltou para trazer o carro, em casa me arrumei falei com minha mãe pelo Whatsapp, ela não gostou da ideia, como estava longe teve que acatar, Rosângela pontual como sempre passou em casa, pegamos o avião com escala em Brasília e depois finalmente Rio de Janeiro.

A viagem iria durar uma semana, eu não tive tempo para sair, ou aproveitar o Rio, o desfile principal seria na Sexta à noite, durante a manhã eu passava com eles, e como iria dormir de madrugada, eu tirava um cochilo à tarde, à noite nos íamos ao local do evento para treinar na passarela e preparar tudo, pois eu e Bianca representaríamos a Agência no evento então nada poderia dar errado, na quinta-feira fui a praia a tarde.

Rosângela queria que nós pegássemos uma cor natural, ficamos 40 minutos somente na Praia de Copacabana e retornamos para o hotel.

O desfile ocorreu tudo bem mesmo com a tensão e pressão de Rosângela, no fim ficamos em destaque junto com outras agências do Brasil, o que foi representado em peso foi o sul do país.

Voltamos para casa no sábado, cheguei por volta de 15h00min, Rosângela me deixou na loja de minha mãe, na porta vejo Pedro, e saindo de lá Alexandre o fotografo da Agência conversamos muito, entrei cumprimentei Pedro e logo perguntando sobre minha mãe;

- Está lá dentro organizando o estoque. Entrei ela estava na contagem, conversamos muitos sobre tudo.

- Mateus! Falou gritando, era Bruno que já veio me abraçando cheio de frescuras me deu um beijo no rosto empurrei ele;

- Sai fora viado!

- E aí, vamos sair e pegar umas gatas hoje, Garoto de Ipanema?

- kkkkkkk’. Vamos sim.

Entre conversas Bruno me ofereceu carona até em casa, e contou sobre o restante das trilhas e tudo mais. Cheguei em casa desfiz minha mala, arrumei as coisas e fiquei no Facebook até a noite, Bruno me ligou dizendo que passaria em casa em minutos.

Fomos a uma boate da cidade e pegamos algumas garotas, eu fiquei com uma tal de Luciana ela era mais velha que eu, Bruno pegou uma morena de baixa estatura, que não me lembro o nome kkkk’, depois de um tempo elas aceitaram sair conosco, íamos para a casa de Bruno que não tinha ninguém, no meio do caminho ele diz que passará no posto de gasolina, que havia algumas pessoas onde escutavam som automotivo e bebiam, outras dançavam, Bruno estava abastecendo eu fui ao banheiro, e vejo dentro da loja de conveniências Alexandre o fotografo, entrei para cumprimentá-lo;

- Alexandre, tudo bem?

- Fala Mateus, o que apronta?

- Indo para casa do Bruno com umas gatas, entendeu né.

- kkkkkkkk’ sim, se cuida não cara.

- E você? Essas horas na rua? Quando perguntei Bruno Assoviou que havia terminado de abastecer.

- Estou com meu namorado, mas já estamos indo embora!

- Você está namorando?

- Sim, o.... Pedro chega me cumprimentado pelas costas.

- Pedro? Eu olhei para ele e para o Alexandre, até a ficha cair, os dois namorando?

- Pedro não te contou, pois é estamos juntos. Pedro só confirmou com um sorriso, e Bruno buzinou o carro.

- Já é, tenho que ir, até mais. Sai entrei no carro tipo, O que? Alexandre e Pedro? Eu não entendi muito bem, mas deixei para lá. Ficamos nos com as garotas e no dia seguinte acordei era mais de 11h00min da manhã, Bruno estava dormindo, a empregada da casa falou que as garotas foram embora mais cedo naquele dia, decidi ir para casa andando mesmo, o sol estava alto já, depois de um banho o celular estava chamado no silencioso,

- Boa Tarde, Mateus?

- Sim, quem fala?

- Marli a secretária da agência.

- Sim.

- Estou ligando, pois Rosângela marcou uma reunião, e gostaria que você participasse, será hoje as 16h00min, posso confirmar?

- Pode sim.

- Obrigada e boa tarde.

16h26min chego à agência e Marli me pega pelo braço;

- Você está atrasado!

- kkkk’. Calma.

- Já começaram. Disse ela me entregando um formulário, entrei na sala e estava Rosângela, Alexandre os designer e mais 2 caras de terno com pastas pretas.

- Boa Tarde! Desculpe a demora tive um imprevisto. Rosângela só olhou e Alexandre puxou uma cadeira para mim ao seu lado, fizeram algumas e apresentaram um contrato com um valor muito alto. Bem a reunião era o seguinte eles eram proprietários de um site de produtos eróticos e estavam no desfile no Rio de Janeiro, e queriam um ensaio para atualizar o site, queriam fotos “quentes”, até aquele momento não entendi o porquê de minha presença até Rosângela se referir a mim.

- Mateus pediram você aqui conosco porque o Wander e o João, querem você nas fotos, gostaram de sua performance no Rio.

- Bem agradeço o reconhecimento, mas desculpe o Alexandre poderia me representar aqui, não?

- Queremos assinar com você Mateus, mas para isso precisamos assinar com a Agência em si. Falou o cara mais velho Wander.

- Por mim tudo bem. Falei brincando com uma caneta nas mãos.

- Aqui está o contrato, já assinei assim como o Alexandre, esse são seus. Rosângela disse atrás de mim com um monte de papel.

- É esse valor mesmo? Perguntei me referindo ao meu contrato.

- Sim. Falou o cara mais novo que eu tinha certeza que era gay, kkkkkk’ o João.

- Espera. Alexandre me interrompe a assinar. Você não vai falar? Perguntou ele olhando pra Rosângela. Olhei para ela e o Wander se levanta.

- As suas fotos Mateus são para a parte gay do site.

- E porque toda essa tensão, não são fotos? Perguntei olhando para o Alexandre.

- Entre as fotos, contém Beijos, posições e algumas coisas mais.

- Com outro cara? Perguntei rindo.

- Sim. Disse Rosângela.

- Olha não vai rolar. Falei empurrando a papelada.

- Desculpe como é? Rosângela disse sentando.

- Eu não vou fazer. Falei olhando para ela.

- Wander temos que ir. Disse João.

- Bem temos outros assuntos para tratar, vou deixar vocês até o final da semana esperam um ok. Despediram-se e saíram, ficou na sala eu Rosângela e Alexandre.

- Mateus é só um beijo no máximo, eu já li o contrato as outras cenas o photoshop faz tudo. Alexandre disse me informando.

- E o profissionalismo que você tem conosco Mateus? Rosângela falou se apoiando na mesa.

- Profissionalismo? E sua Ética? Rosângela iria me fazer eu assinar um contrato sem me dizer os detalhes, tudo bem que eu teria que lê-lo, mas você agiu de má fé comigo, já disse eu não vou fazer esse trabalho. Falei me levantando e indo em direção à porta.

- Mateus você não tem escolha. Falou Alexandre de cabeça baixa. Você tem um contrato assinado com a agência, esse aqui é só formalidade.

- E se eu recusar? Falei olhando para ele.

- Será multado, e até mesmo processado, por quebra de contrato.

Falou Rosângela arrumando os papeis na mesa, sai da sala e fui para casa, peguei a bike e fui dar umas voltas, estava muito estressado com tudo aquilo.

#Pedro

Eu estava no trabalho, e Alexandre me liga;

- Oi.

- Oi, tudo bem?

- Não, hoje o dia promete, deixa eu te perguntar, Mateus está aí?

- Não, ele não veio aqui hoje, porque é sobre a reunião?

- Sim, ele saiu furioso, e Rosângela disse que na quinta-feira se ele não responder, irá tomar as providências.

- Alexandre tem que parar de segurar a barra dele aí, vai acabar se queimando.

- As coisas não funcionam assim Pedro, você não entende.

- Tudo bem, tenho que desligar, o garoto rebelde chegou.

- Minha mãe está lá dentro? Ele questionou, estava suado e com capacete de ciclismo.

- Não, Mateus ela saiu e até agora não voltou. Ele só virou as costas e saiu, sem se despedir. Ele saindo entrou Lucio, um amigo de minha idade que trabalha na loja do lado.

- Nossa o garoto propaganda saiu pisando em fogo. Falou ele com a voz fina.

- Sei lá, ultimamente ele está de TPM.

- Nossa como eu queria uma TPM destas para mim.

- Só você mesmo.

- Ah vem dizer que você não queria acalmar um Boy Magia daquele?

- Já tenho o meu.

- Pedro, olha para mim, você ama o Alexandre?

- Já disse para parar com essas perguntas Lucio.

- Olha desencana do Mateus gato, na boa ele não é para o seu bico, o cara é galinha, e pegador, não liga para a gente, não está nem aí para sua própria mãe, você mesmo vê isso de perto e conhece.

- Lucio...

- Estou falando isso porque sou seu amigo.

Mudamos de assunto quando Dona Giza entrou, logo fechei a loja, pois estava pegando mais confiança pelo tempo de casa. Sobre o que Lucio disse mais cedo, ele estava certo, mesmo realizando uma fantasia que eu tinha há muito tempo que foi ficar com Mateus, as esperanças não se cessaram, ele hétero conhecido, tem a vida que muitos queriam, é bonito, arrogante, se acha a última bolacha do pacote, cara metido e independente pensa que não precisa de ninguém, mas eu gostava, “não escolhia isso”, mas também não admitia, Alexandre estava sendo pra mim mais uma forma de esquecer ele, eu me dedicava mas não tinha resultados, sempre que eu namorava, Mateus ficava mais sensível comigo, ou era coisa da minha cabeça.

Fui para casa e Alexandre me liga,

- Gato posso passar aí?

- Nem precisa pedir!

Em alguns minutos ele chega, estávamos conversando sobre a reunião de mais cedo, até que vejo seu celular chamar, era Mateus.

#Mateus

Depois de andar quase a cidade toda de bike, decidi ligar para o Alexandre, ele é uma pessoa inteligente saberia o que fazer, cheguei em casa contei para minha mãe ela não disse nada somente me abraçou, coloquei o celular para carregar e liguei pra Alexandre;

- Pensei que não iria atender.

- Que isso cara, mas Mateus está bem?

- Na boa mano, to não, desculpe a hora, mas queria conversar com você.

- Estou aqui na casa de Pedro, vem aqui.

- Beleza.

Desliguei coloquei uma jaqueta de moletom e fui, era tarde próximo à meia noite, chegando lá já fui entrando, pois como Pedro, sou de casa, os dois estavam na cozinha,

- E ai! Disse Alexandre.

- Boa Noite! Comprimento sendo educado.

- Quer que eu saia, para ficar mais à vontade? Perguntou Pedro.

- Não cara, de boa. Falei rindo por causa da formalidade.

- Então Mateus, o que decidiu.

- Nada, eu tenho dois dias para fazer isso, não gosto da ideia, e não tenho escolha.

- Porque não faz Mateus? Perguntou Pedro ironicamente.

- Porque para você é fácil dizer, dizem que já nascem assim. Sei lá reputação, preconceito, medo. Pedro você melhor do que ninguém me conhece cara já fiz propaganda de cueca, calças, camisas, um monte de coisa e essas coisas me tornaram o que eu sou hoje.

- Está mais você não tem escolha, vai ter que beijar outro cara. Falou Alexandre.

- Sabe pelo menos quem é? Pedro perguntou.

- Provavelmente qualquer um modelo de cabelo liso por aí, eles deram prioridade para o Mateus e querem ele.

- To ferrado. Falei de cabeça baixa.

- O Pedro! Gritou Alexandre.

- Oque? Questionou Pedro.

- O que tem o Pedro. Perguntei.

- Beija ele, é isso, são amigos a muito tempo, não teria problema algum, não é? Alexandre disse empolgado.

- Faz sentido, mas ele não é modelo. Falei com sorriso meia boca.

- Ou! Espera ai! Eu não vou fazer isso! Disse Pedro.

- Amor é o Mateus, seu amigo, e fora que a grana é muito alta.

- Porque não vai? Perguntei-o, porque não queria.

- Garoto você pare de se achar, e Alexandre eu não sirvo para isso, sou feio e não rola, não me dou bem com câmeras.

- Amanhã vamos fazer um book de fotos suas, eu apresento para o pessoal do site se eles aprovarem fechamos com você.

- Eu ainda continuo beijando um cara. Falei desanimado e eles riram.

O papo seguiu assim fui para casa com a cabeça ainda quente, acordo de manhã com o celular chamando era Alexandre, dizendo que Pedro foi aceito, pedi ele para confirmar com Rosângela minha participação.

No sábado dia da campanha, no estúdio preparado estava eu Pedro, Rosângela, os caras do tal site, três fotógrafos e minha mãe ao fundo, depois da maquiagem era somente uma troca de roupa e fotos nu e seminu que fiz tranquilamente.

Pedro estava no estúdio do lado, era igual a um quarto normal, travesseiros CDs, as fotos dele ficaram bem legais e despojadas como se estivesse em casa mesmo.

Na hora Alexandre preparou todo mundo,

- Meninos é o seguinte preciso de um acervo de fotos, uns leques de opiniões vão fazer o seguinte quero que comecem lentamente só com o toque dos lábios, depois Mateus com as mãos, no cabelo, pescoço, costas e cintura.

Somente concordamos fazendo que sim com a cabeça, as fotos começaram com a aproximação de nossas faces, o toque do beijo era firme, novo até então pra mim, eu não conduzia o beijo e nem era conduzido era uma coisa só ele se fazia, de olhos fechados complicou um pouco eu estava me sentindo diferente de toda forma, nunca havia passado por isso no trabalho era novo, até que eu fiz uma coisa sem pensar parei me afastei olhei no olho dele e dei uma pegada firme, que trouxe seu corpo ao meu e beijei com vontade, a única coisa que ouvia era os cliques e via flash, o segundo beijo foi mais quente ainda, Alexandre deu a ordem e os caras do site bateram palmas, com o dedo limpei os cantos da boca educadamente, minha mãe veio com um roupão e o fotógrafo disse,

- Foi o Beijo de 30 segundos com mais flash da história. Eles riram.

- Eu sabia que você era a pessoa certa. Disse Wander batendo em minhas costas.

Sai do estúdio tomei um banho troquei de roupa encontrei Alexandre no corredor o agradeci, e rindo ele disse.

- O dinheiro já está na sua conta.

- Ufa Pelo menos isso!

- Como assim? Perguntou minha mãe.

- Mãe o trabalho era sobe contrato, fui pago separadamente para as fotos. Falei abraçando ela.

- Pago quanto? Ela perguntou para o Alexandre, ele olhou para mim e respondeu para ela.

- Cinquenta e oito mil reais.

- E Você ainda estava pensando garoto. Ela disse rindo me batendo com a bolça eu abracei ela empurrando para fora da agência, quando entrei no caro olho e vejo Pedro saindo.

- Mãe pode ir, vou com Pedro para a loja. Me despedi e fui ao encontro dele, estava no fim da rua já, com o celular alto logicamente estava tirando uma Selfie, o gritei.

- Ei Beijoqueiro!

- Uai não vai com sua mãe?

- Não, queria te agradecer, valeu. Falei colocando o braço em seu ombro.

- Nada só pagou o que devia. Ele disse se referindo a aposta da Joice.

- Pelo menos você beija melhor que ela. Falei rindo, ele sorriu baixo pouco sem graça e completou.

- Mateus não brinca com fogo, kkkkk’.

- Ai, ai, ai, olha quem fala, porque não gostou? Perguntei parando e amarrando meu tênis.

- Para de ser convencido. Entramos na loja de minha mãe que estava no balcão e me chamou, Pedro foi no estoque guardar as coisas, mas logo volta.

- Vou pedir uma coisa para vocês, e preciso que façam o que eu disser. Falou ela com a face séria.

- Vishi. Falei brincando, Pedro me empurrou e minha mãe completou.

- Mateus quero que você e Pedro vão buscar as mercadorias deste mês!

- Está de brincadeira?

- É Sério! Você tem que apreender a prática também.

- Está certa disso Dona Giza? Perguntou Pedro.

- Sim, mas agora vamos trabalhar.

O fim de tarde seguiu com um ar de mistérios pela proposta da minha mãe, Bruno me ligou questionando das fotos, conversamos e marcamos ir ao clube no dia seguinte.

No dia seguinte;

- Mano to bolado, minha mãe pediu para eu e o Pedro ir a Miami trazer as mercadorias.

- Cara normal ela quer que você aprenda o serviço além do mais a loja vai ficar para quem? E na boa é Miami Mateus.

- Não pensei por esse lado cara.

- Quando é a viagem?

- Em 2 semanas, Pedro vai a capital pegar seu passaporte e marcamos a viagem.

- E a “parada” La como foi?

- Bruno na boa, vou acabar com a Rosângela, nunca pensei que ela fosse assim, não sei o que fazer, mais vai ter volta.

- É Foda cara o que ela fez, mas e Pedro, as fotos foram beleza?

- Foram sim, Pedro foi de boa devo uma para ele, ou não né já paguei.

Com alguma risada, ele saiu da espreguiçadeira e pulou na água.

- E o beijo? Perguntou ele na beira da piscina.

- O que tem?

- Como foi?

- Uai mano normal, mas porque a curiosidade?

- Porque você estava todo tenso, só perguntei. Achei estranha sua concepção, mas relevei.

Almoçamos no clube, pedalamos até a noite, fui para casa cheguei tarde, jantei respondi uns E-mails quando percebo Alexandre havia encaminhado o resultado das fotos foram tiradas mais de 1340 fotos e escolhidas um terço delas, uma delas era a foto do beijo, onde eu segurava a cintura de tempo olhando elas essa do beijo em especial e lembrando da cena que passava

Pedro, foto que até então tinha ficado ótima de todas as formas, fiquei um com arrepios em todo o corpo, meu celular acusa bateria fraca quando olho a sem perceber, e pior olhando aquelas fotos, rapidamente fui deitar.

Hora era quase 04h00min da madrugada, assustei por ter ficado até aquela hora

Durante a semana eu fiquei mais na loja pois minha mãe estava ensinando e mostrando os procedimentos da viagem para Pedro. No dia da viagem minha mãe não parava de falar no caminho do aeroporto, quando meu celular chama, era Bruno;

- Esta aonde?

- Acabei de descer no aeroporto, embarcamos em 30 minutos, porque?

- Eu vou também, me espera.

Falou e desligou o telefone, em minutos o louco chega cheio de malas e rindo.

- Acha que eu vou deixar vocês irem pegas gringas em Miami e me deixar aqui.

- Você é louco, comprou sua passagem?

- Está no bolso.

Pedro não gostou muito da ideia de Bruno ir conosco.

Despedimos de minha mãe, e embarcamos durante o voo Dormi um pouco os meninos ficaram conversando, de nós Pedro e Bruno falavam inglês, então eu fiquei calado do aeroporto até o hotel, que até então tudo apartamento tinha um quarto com uma cama de casal onde Bruno foi correndo e se maravilhoso, o hotel a cidade era igual os filmes e seriados americanos, o claro depois de muita briga, na primeira noite logo dormimos pela viagem acomodou nele eu e Pedro ficamos no quarto onde havia duas camas de solteiro, as compras, Pedro Iria comprar as femininas e eu com uma lista no celular das estávamos exaustos, na manhã seguinte tomamos um belo café da manhã, e partimos masculinas todas seriam feitas no "Shopping Dolphin Mall", em Miami

Questão. Na última noite haveria uma festa no hotel onde estávamos, era tipo um na Flórida, local fora de sério fomos durante dois dias e ambos Bruno até se perdeu em meio tantas coisas, era literalmente coisas de outro mundo, tudo em tinha muita gente a maioria de roupas de banho eu fiquei mais no bar, por causa

Luau muito convidativo, como eu e Pedro estávamos muito cansados por tudo,

Mesmo assim fomos para Bruno tudo foi uma viagem de férias pois ele aproveitou, das bebidas exóticas, caramba eram muito gostosas e não apresentavam muito o álcool, Pedro sentou comigo e fomos beber juntos, Bruno conseguiu uma garota que estava hospedada no hotel e sumiu,

- Ei vamos? Amanhã temos que pegar o voo cedo.

Pedro falou me puxando eu finalizei a taça e fui seguindo nós estávamos pouco alterados, mas nada demais, fomos abraçados, assim que entramos tirei minha camiseta e já puxando a calça enquanto andava, Pedro estava um pouco a frente abriu o quarto e ligou a luz ele estava na frente da porta do banheiro olhou para mim dobrando a calça e colocando na bagagem;

- Meu Deus do céu, muito obrigado mesmo por esta imagem.

Falou ele rindo, eu ri meio sem graça e disse.

- Eu sou a ferramenta de fazer mulher pirar.

Falei mordendo o canto da boca.

- Você se acha né Mateus.

Disse Pedro tirando a camisa, ele se fazia de forte e tal’s mas eu sacava a dele decidi provoca-lo, eu já havia brincado umas 3 vezes da mesma forma com ele.

- Sabe o porquê eu me acho?

Falei próximo a ele, que me encarava com um olhar firme.

- Ahn?

Senti sua respiração ao responder, coloquei a mão atrás de seu cabelo puxando seu cabelo, seu olhar subiu e eu mordi seu queixo, foi como uma anestesia.

Ele voltou com o olhar nos fundos dos meus olhos eu parti para cima dele, lentamente havia uma cômoda atrás dele passei a mão derrubando tudo que lá estava, segurei em suas coxas e coloquei sentado em cima que não ficará tão alto.

Nossas bocas se encontraram novamente, o filho da mãe tinha uma boca, um beijo que me deixava louco era um tesão diferente, sua boca é carnuda eu a segurava e dava leves mordidas ao canto, que ás vezes parava e respirava era um fogo descomunal, eu não sabia como prosseguir não fazia a mínima ideia do que fazer posteriormente, então abri sua calça e ele a tirou me deitando na cama estávamos de cueca box, ele por cima de mim rebolando não me aguentei e virei ele deixei deitado de costas pra mim me apoiei segurando suas mãos prendi suas pernas com meus pés e dei umas mordidas em sua bunda bem forte, que ficou duas marcas e fui subindo com mordidas até sua nuca depois voltei com a língua subi de uma vez deixando um rastro de saliva, voltei a morder sua nuca e sarrava em sua bunda que era enorme.

Minha cueca estava molhadinha do meu cassete, o que mais me instigava era não reclamar, nem falar que as mordidas doeram como se tudo o que eu fazia ainda faltava algo, eu me esforçava em cada toque, (se fosse com uma garota, uma mordida era um tapa), depois de um tempo só com gemidos ele estava até vermelho, eu parei fiquei de joelhos do lado dele, que se virou com uma cara lerda, segurei meu volume na cueca mostrando para ele,

- Olha como me deixou, não vai fazer nada?

Deitei ao seu lado, ele me deu uns beijos e foi descendo com mordidas em meu peitoral descendo até minha cueca quando pensei que iria tirar ela, ele passou para minha virilha, CARALHO eu não sabia que poderia sentir tesão em um local esquecido por mim, passou várias vezes a língua e mordidas na cueca, eu não suportei e falei.

- Se não parar vou gozar sem encostar na cueca.

Pedro tinha uma boca carnuda como havia falado, que seu olhar de inocente junto com aquele sorriso de meia boca, chupando meu cassete lentamente, a cabeça de meu pau se perdia em meios lábios, eu segurei no lençol branco que quase rasguei com tanta força, gozei tanto que não me lembro de fazer tanta porra, nem me masturbando pensei que tinha acabado todo meu “estoque”, kkkkkkk’.

- Consegue mais uma vez?

Perguntou Pedro me esnobando, eu estava morto, puxei ele que estava deitado de pernas para cima como frango assado, eu peguei uma deixei alta no meu ombro, coloquei uma camisinha enquanto ele passava algo para lubrificar, meu pau não é enorme mas se encaixou em sua boca, eu coloquei em seu cuzinho, esperei um pouco mas forçando lentamente quando ele se acostumou já fui com um movimento de vai e vem, que me deixava louco depois de um tempo, eu desci sua perna e peguei ele de frango assado, me apoiei no meus braços e beijava e mordia seu pescoço ele gemia baixo e falava besteiras.

Eu pensei que demoraria a gozar, mas ele estava se punhetando fiz o possível para gozar junto com ele, mas estava muito bom depois de um minuto preenchi a camisinha dentro dele fiquei na posição ainda por certo tempo,

- Que isso fique só entre a gente, você me surpreendeu.

Ele piscou me deu um selinho e fomos para o banho, depois caímos “mortos” nas camas, cada um na sua.

No dia seguinte eu acordei sorrindo para as paredes tomei um banho, e estava tirando foto no espelho ele acorda.

Galera o que me deixou com a pulga atrás da orelha,

- E ai, Bom Dia!

Ele me comprimento como se não havia acontecido nada a noite passada, pesei comigo ele levou em conta o que eu disse ontem, de ficar só entre a gente. Vesti roupa e fui no quarto de Bruno, acordei, nós tomamos café e fizemos o check-out e fomos para o aeroporto, logo voltaríamos,

#Pedro

A semana percorreu normalmente, Mateus estava mais "falante" comigo, pois até então nossa última transa ele estava ciente do que acontecia, eu via estrelas o dia todo, ocorreria na cidade uma pequena maratona de ciclismo, no ano passado quem ganhou foi Bruno e Mateus estava se esforçando este ano, como nunca para levar o prêmio, ele treinava durante o dia e academia a noite estava em super dedicação, eu o via pouco e não estava indo muito a sua casa, Dona Giza com o aumento das vendas estava atrás de uma nova vendedora, eu trabalhava normalmente e estava finalizando meu cursinho.

Domingo à noite Alexandre vem até minha casa, dormimos juntos e transamos, para mim foi muito ruim pois eu sem querer o comparava com Mateus, eu gostava de Alexandre, mas não podia escolher. Pensei em falar com Mateus para não contar nada, lá no fundo eu só queria e falar com ele mesmo.

Na Segunda-feira acordei pouco mais cedo e fui até sua casa, tomei café com sua mãe esperando ele acordar.

Estávamos na mesa conversando quando ouço a porta de seu quarto abrir, Mateus veio de short jeans cabelo bagunçado;

- Bom Dia! Disse ele se espreguiçando.

- Bom dia. Eu e Dona Giza falamos ao mesmo tempo ele foi para o banheiro,

- Bom dia Débora. Dona giza fala olhando acima de mim, quando me virei uma loira magra de cabelos longos, cara de sono realmente muito bonita, e mesmo a cidade sendo pequena nunca tinha visto, ela se sentou nos cumprimentamos e Mateus a apresentou para mim como sua namorada, eu agi normalmente por fora é claro, explodia de raiva por dentro. Saímos e eles estavam tirando uma foto eu acho.

Fui com Giza para a loja, e Alexandre me liga;

- Bom dia Gato!

- Bom dia, bem?

- Ótimo, é Pedro querem você aqui hoje à tarde, Wander e André que tem você de toda e qualquer forma.

- Vão continuar querendo, fiz essas fotos por causa do Mateus, quero somente meu dinheiro e pronto.

- Hum se eu não fosse seu namorado, e Mateus tão hétero pensaria que está afim dele, mas tudo bem vou falar aqui, beijo!

- Ata, beijo gato.

Pensei que ótimo, quase deixei sair o que não devia.

- Sonhando alto bicha? Fala Lúcio entrando na loja.

- Viado já falei para não me chamar assim.

- Aham Está, e essa cara aí?

- Conhece uma tal de Débora, loira cabelos longos.

- A Namorada do Mateus?

- Como sabe?

- Facebook hello, terra para Pedro.

- Fui na casa dele e ela havia dormido lá.

- Coitada!

- Porque? Oque está sabendo?

- Pedro ela é virgem, é óbvio o porquê do tal namoro, deixa só ela perder o cavaco que ele põe ela para correr, ainda mais quem, Mateus Ferraz.

- Sei se ainda é virgem não, pelo jeito que acordaram.

- Gata para um cara como o Mateus eu daria até o buraco do ouvido, se ele quisesse.

- Aff seu nojento.

- E me conta, o beijo?

- Não liberaram as fotos ainda, mas ele surpreendeu a todos.

- "Recalque" de você amiga, aí tenho que ir me liga.

O louco ou "a louca" saiu correndo da loja, pois viu clientes entrando balona onde trabalhava, e para mim se encerrava mais um dia de trabalho, fechei a loja e quando tranquei a última porta meu celular chama, era Mateus, fazendo charme demorei atender;

- Oi!

- Pedro!

- Diz.

- Cara te pergunta, na boa, falou algo para o Alexandre sobre Miami!

- Não, de onde tirou isso?

- Ele perguntou para o Bruno se viu ou desconfiou de algo! Pensei que havia comentado?

- Não Mateus, nem me lembro direito da noite, estava meio alterado.

- Sei, a gente repete e você lembra. Ele disse meio baixo ao telefone.

- Vou pensar no seu caso!

- Aí vai se fazer de difícil agora é, opa tenho que desligar, depois conversamos.

Me despedi rapidamente e pronto cheguei a tremer pensando em mais uma noite com aquele monumento comigo.

#Mateus

Com toda a preparação para a maratona eu pedi algumas coisas na agência, mas pelo que Bruno me disse decidi ir lá só para dar umas sondadas,

- Alexandre falei com a secretaria ela disse que ainda não tivemos retorno do Wander e do André? Perguntei entrando em seu estúdio,

- Não Mateus, não informaram nada, mas as fotos que te mandei foram encaminhadas para eles, e porque essa curiosidade, agora? Ele estava desmontando uma câmera na mesa e eu sentado rodando na cadeira,

- Como disse só curiosidade mesmo! Responde pausadamente.

- Olha eu mesmo vi foto por foto eu escolhi e editei elas, e se não te conhecesse como conheço imaginaria que gostou do beijo do Pedro?

- Ainda bem que me conhece, como sabe foi mais um trabalho, para mim foi normal, sem problemas.

- E foi o que pensei!

A conversa foi rápida, mas cortada neste ponto, fiquei mal por Pedro estar com Alexandre no momento em que transamos, mas como ele não havia dito nada provavelmente gostou da noite assim como eu.

Em casa tomei um banho liguei para Débora, ficamos conversando por quase uma hora, depois que desliguei fiquei pensando no que Alexandre tinha me dito, peguei no sono pensando em Pedro.

No dia seguinte antes dos treinos passei na loja, ele estava abrindo as portas;

- Espera, vem aqui. Disse eu descendo a porta e levando ele para dentro.

- Queria falar com você! Falei ligando a luz. Pedro falei com Alexandre ontem, e queria me desculpar por aquela noite, me senti mal por termos ficado e você com ele, o cara confia em mim, e claro que em você também. Falei com a mão em seu ombro.

- Entendo, eu também queria falar com você sobre isso, então ficamos assim? Disse ele indo em direção a porta eu peguei em seu braço e puxei.

- Vem aqui! Passei a mão em seu rosto beijando ele e finalizando com uma mordida, o viado provocou passando a língua em meus lábios não me contive e voltei a beijá-lo desta vez com uma pegada forte na cintura.

- Cara esse teu beijo me deixa louco! Falei saindo ele riu e abriu a loja, peguei a bike e fui na casa de Bruno, os seus pais estavam viajando então entrei, a casa estava aberta o som ligado e subi até seu quarto a porta estava entre meia fechada, abri e o cheiro era horrível, de maconha, muito forte mesmo, havia um pequeno monte na mesa do computador e ele deitado no sofá, fiquei puto com aquilo, sai sem acordá-lo e fui pedalar, ele era meu amigo desde do primário na escola, e agora mexendo com drogas logo ele, eu nem podia acreditar, em 3 dias seria a maratona de ciclismo eu estava a todo pano, alimentação, academia e também as trilhas eu fazia, já era o melhor e não via ninguém igual.

No sábado todos estavam no clube onde seria a “partida” da maratona, minha mãe e Pedro estavam comigo e Bruno eles iriam pedalar, somente para diversão eu e Bruno estávamos na competição principal, a largada foi tranquila o que pegou foram alguns quilômetros depois, no fim eu não sentia mais minhas pernas, perdi Bruno de vista, Ganhei em primeiro lugar, mas precisei de ajuda e massagem depois da corrida, minha mãe e Pedro estavam lá comigo em certo ponto pararam e vieram de carro, Débora não pode ir pois não estava na cidade, Bruno não tive notícias, depois da premiação comemoramos até mesmo com o pessoal, e fomos almoçar fora, eu só queria dormir pois exausto era pouco na minha situação.

- Meu filho que orgulho de você hoje. Minha mãe falou limpando o suor do rosto.

- Pois é você foi demais. Completou Pedro.

- Valeu, mas vocês viram Bruno?

- Não ele sumiu na frente, estava logo atrás de você. Falou Pedro.

- Ei vou a casa de sua vó, saiu à tarde, estou falando pois vai chegar em casa e descansar certo?

- Isso mesmo, e por falar nisso vamos?

Fomos embora, eu cheguei em casa tomei um banho e deitei, por incrível que pareça acordei somente no dia seguinte. É claro com aquela fotinha no Instagram para meninas.

Logo pensei em ir ao clube mais Bruno havia sumido, peguei o celular e lembrei de Pedro;

- Bom Dia!

- Nossa para que acordar tão cedo em um domingo? Resmungou ele.

- Ei acorda e se arruma, vamos ao clube?

- Vamos, só eu e você?

- Sim, Alexandre está aí?

- Não, trabalha hoje, espera to passando aí.

Troquei de roupa, e peguei minhas coisas estava esperando ele do lado de fora, o dia estava nublado com cara que iria chover, saímos e comemos algo no caminho, aproveitamos almoçamos lá mesmo conversamos normalmente, sobre minha mãe e a loja, até decidir ir embora, como o clube estava vazio pelo o tempo tomamos umas duchas e fomos embora. Na minha casa entramos tirei a camisa ele foi no banheiro e liguei o vídeo game, chamei Pedro para jogar.

- Topa uma partida? Perguntei.

-Débora não joga com você?

- Ai, ai, ai, vai se compara a ela agora é?

- Eu não me garanto!

- Ela me paga um boquete quando estamos sem fazer anda como agora. Falei sendo irônico.

- Se isso foi uma indireta, vou ignorar. Pedro disse saindo e fui atrás dele, que estava no banheiro tirando uma Selfie no espelho do banheiro.

- Ah Cara só uma chupadinha vai? Perguntei entrando no banheiro. Ele rachou de rir e respondeu.

- Não cara, já disse. Encaixei atrás dele prensando contra a pia, com uma encoxada magnífica.

- Vai me deixar na seca, vai? Perguntei próximo ao seu ouvido, quando seu celular chama.

- Oi Alexandre.

Me afastei meio que desconfiado, e ele saiu falando ao telefone, voltou rindo.

- Você pede para a gente não ficar mais e vem me atiçando? Ele perguntou pegando suas coisas,

- Foi mal, acho que foi a força de vontade, mas também você provoca!

- Eu? Não fiz nada.

- Fica aqui em casa me dando mole acha que não vou pegar?

- Aff' até mais deixa eu ir, antes que tenha outro ataque e eu não resista. Saiu rindo, tomei um banho e não me contive, toquei uma pensando no que poderíamos ter feito, se Alexandre não houvesse ligado.

À noite eu estava assistindo filme no maior tédio pois Débora estava viajando Pedro em casa, até que a camparia toca era o Bruno, eu estava meio que perdido em relação a ele, se estava fumando mesmo ou nada.

- Entra ai Viado!

- E aí maluco beleza?

- Onde você se meteu na corrida?

- Mano não consegui terminar, fiquei com uma galera e depois casei você sumiu na frente.

- Panaca!

- Vai se foder!

- Tenho que te falar algo na moral Bruno.

- Já sei o que é, manda.

- Outro dia fui a sua casa e tinha maconha na mesa cara, fora o cheiro no quarto.

- Pois e foi só aquela vez, Mateus sabe a Sara pois é, fiquei com ela, mas os caras disseram que ela curtia uma erva.

- Po cara a Sara é gostosa, vale a pena.

- Caramba gostosa é pouco, mas é a Débora?

- Está demorando para liberar, mas logo eu consigo, tenho que enrolar ela um pouco se não fica muito na cara.

- Já é.

- Mano na boa tu é meu irmão tem coisas que só conto pra você.

- Aí Caralho, o que foi?

- Eu peguei o Pedro!

- Você traçou o viadinho? Hahaha' eu sabia, e quando foi?

- Em Miami, no dia da festa que você sumiu...

- E aí é como Junior falou?

- Não, é bem melhor, mano não tem ideia, apertado para aquilo é pouco, a porra está um tesão do caralho.

- E você beijou ele?

- Se não beijasse não liberava.

- Ahn moleque, mas é foda mano, tem que pegar e esquecer, se não além de dar esperança pega mal.

- Pois e, mas Bruno se um dia ter a oportunidade, faz o que você quiser!

- Ah Cara, para que está me deixando louco porra.

- Quem diria, o Mateus Ferraz ficando com outro cara, hahaha’, mas diz ai, foi por causa do beijo?

- Que nada, estava chapado mesmo.

Escutei um barulho ao lado de fora, como se alguém passa se pelo portão, ignorei e começamos a jogar vídeo game, eu e Bruno ficamos quase a noite toda jogando, ele acabou dormindo lá. Acordei cedo com minha mão na cozinha preparando o café, escovei os dentes ela falando que meu celular chamou a noite toda, olhei e era Alexandre, retornei à ligação;

- Me ligou?

- O Site ficou online a partir da meia noite de ontem.

- Aí caramba, valeu vou olhar aqui.

Peguei meu Notebook, olhei e a foto em que estava beijando Pedro estava de papel de parede atrás das postagens “opaca” ela não tinha “foco”, mas as que eu apareço só ficou muito destacada, achei demais, liguei para Pedro para confirmar se já tinha visto, mas não me atendeu, mostrei para minha mãe ela só sorriu, Bruno me zoou bastante.

Débora chegou de manhã fui com sua mãe pega-la no aeroporto, almoçamos juntos e deixei ela em casa a tarde, passei na loja para ver Pedro;

- Olá!

- E aí?

- Minha mãe, está lá dentro?

- Saiu.

- Viu o site, Alexandre te avisou?

- Não. Pedro estava seco e ríspido comigo, logo questionei.

- O que foi com você? Perguntei me apoiando no balcão!

- Nada é que “Se não beijasse ele não liberava”.

- Ouviu a conversa ontem? Perguntei baixo.

- Sim.

- Até quando?

- O Necessário.

- Foi mal cara, é que...

- Mateus na boa! Desencana cara, para de ser falso, pensa que vai ficar nessa vidinha perfeita até quando, namora a gatinha e come o viadinho, você não tem tudo o que quer e na hora que quer garoto.

- Beleza. Falei isso e me virei saindo.

- Não vai falar nada? Perguntou ele sem entender, só olhei para trás com um sorriso irônico peguei a bike e sai. Sai pois não tinha nada para falar, nada para discutir, eu não admitia, mas ele de certa forma estava correto, fiquei pensado em suas palavras durante a noite.

#Pedro

Após de ouvir o que ouvi, não me contive em falar aquilo para Mateus, mas ele virou as costas e saiu calado, me deixou fervendo de raiva não dizer nada. Dona Giza me liga a noite falando para estar mais cedo na sua casa no dia seguinte, não entendi muito bem mas fiquei com medo por pensar que ela sabia de algo, ou escutado alguma coisa entre eu e Mateus.

No dia em questão, cheguei bem cedo e Mateus estava na cozinha preparando um leite e Giza já na mesa;

- Vamos senta os dois. Sem alguma palavra sentamos.

- Pedro o Mateus quer sair da agência por causa da Rosângela, e eu não quero voltar ele para a loja como vendedor, ele tem que ter responsabilidade...

- De novo esse papo mãe.

- Mateus! Vou fazer uma reforma na loja e mudar o layout da loja, e estava pensando em uma novidade que a concorrência não tem.

- Mãe você busca pessoalmente as roupas e encomendas isso já é diferença.

- Meu filho quero algo que aumente as vendas.

- A senhora quer um marketing de venda?

- Isso, tipo Mateus o que gostaria de ter em uma loja que elas não oferecem?

- Queria ter esse serviço em casa, tipo eu ligar na loja e ele me levar camisas do meu tamanho para eu escolher na comodidade de casa. Mateus disse naturalmente se levantando. Giza questionou mais sobre a sua ideia e disse que pensaria a fundo, fiquei animado com essa ideia, mas nada fazia tirar ele da cabeça.

Eu cheguei na loja e o carro de Bruno estava no outro lado da rua, achei estranho por causa da hora, as lojas estavam fechadas, fui até ele que meio disfarçou,

- Bom Dia.

- E aí beleza?

- Eu sim, mas é você? Aqui essas horas?

- Nada to de boa.

- Hum sei, tenho que ir vou abrir a loja agora.

- Falou.

Sai e fui para a loja, com uma pulga atrás da orelha, o cara já era estranho e daquela forma estava mais ainda. Depois de um tempo o carro ainda estava na porta da loja, de dentro eu o via no carro de repente ele liga e sai acelerado, em minutos Mateus chega com sua mãe a loja.

#Mateus

- Aquele era Bruno? Perguntei a Pedro que estava até Branco.

- Sim, cheguei e ele estava à frente da loja.

- Que bosta em kkkkkk'.

Liguei para ele, mas não atendeu, achei estranho, mas da mesma forma, normal.

Galerinha avanço aqui o nosso conto em 3 meses, onde estavam a uma semana da reabertura da loja de Dona Giza, Mateus se preparava para uma festa da Agência de viagem, Débora ficou com Mateus e depois de tê-lo como seu primeiro ele terminou com ela sem mais nem menos, Pedro já havia finalizado seu curso e estava à frente da loja, Bruno se afastou drasticamente do Mateus e Alexandre ainda continuava com sua desconfiança entre Pedro e Mateus, mesmo assim mantida sua confiança.

Eu era uma peça extremamente do desfile da Agência, aconteceria aqui mesmo na cidade era aniversário da empresa, e três dias antes fui chamado a secretaria.

- Mateus, seu novo contrato está conosco, para mais 3 anos, quando puder passe lá e assine, tudo bem.

- Tudo bem, vou sim. Fui almoçar com minha mãe que me aguardava na porta, assim que entrei no carro ela me olhou bem no fundo dos olhos e questionou;

- O que foi meu filho?

- Mãe eu não vou assinar com a Rosângela.

- Como assim Mateus, você ama o Que faz.

- Vou falar isso para ela no dia da festa.

- Olha faça o que quiser eu te apoio, mais peço que você esteja ciente do que está fazendo.

Eu estava decidido, almoçamos e a tarde minha mãe viajaria novamente para Miami e buscar os últimos aparatos para a reinauguração, levei ela ao aeroporto e quando voltei à loja que estava fechada por causa da reforma, o local estava todo coberto com Tapumes para o público não ver nada, Pedro estava limpando o rosto, tipo que estava chorando,

- Ei, tudo bem com você?

- Sim.

- Ah e está chorando porque me viu?

- Alexandre, a gente terminou.

- Poxa cara, forças aí, ele disse o porquê?

- Para ele nos dois temos algo sabe...

- Transamos uma vez, vocês estavam juntos, mas ele não terminou só por isso pode ter certeza.

Abracei Pedro e sai, peguei o carro e fui para a Agência, Alexandre estava em uma secção de fotos, entrei e esperei que terminassem;

- Espera quero falar com você!!! Falei segurando ele antes que saia da sala.

- O que foi?

- É Pedro.

- Não tenho nada para falar sobre ele.

- Me disse que terminaram, por minha causa?

- Mateus vamos não precisa mentir para mim já vejo isso estampado em sua cara, desde o beijo de vocês eu desconfiei.

- Cara para de paranoia, cresce parece que não me conhece!

Se bufando saiu da sala, fiquei puto, sai da agência e entrei no carro quando virei a esquina, percebi que deixei minha mochila no estúdio, dei a volta no quarteirão quando apontei na esquina vi o carro do Bruno, sem entender quase bati o carro, kkkkkk'. Estacionei no posto de gasolina da esquina e fui até próximo no escuro, Alexandre entrou no carro e saíram, eu não entendi porra nenhuma, Bruno estava pegando Alexandre? Isso ficou na mente, peguei o carro e fui embora, cheguei e tomei um banho, eu tinha que parar com isso eu tinha que esquecer o sexo que fiz com Pedro, tinha que esquecer Alexandre no carro de Bruno, Aff como assim?

Eu coloquei uma calça jeans tirando uma foto na copa de casa onde era mais iluminada, iria sair para comer algo, quando;

- Desculpe, só vim pegar os livros do caixa da loja! Pedro disse quando eu abri a porta, fiquei encostado na pia da cozinha e ele entrou pegou os livros quando passou por mim saindo.

- Meus gostos são muito.... Singulares. Falei de baixo tom ele entendeu e questionou.

- Como?

- Você não entenderia. Terminei.

- Eu não estou entendendo Mateus.

- Da forma que gosto de você! Um amigo, um conhecido, ou o carinha que trabalha com minha mãe na loja.

- Então...

- Eu gosto do sexo com você Pedro, da maneira que me dá Tesão.

- Então me mostre.

Me aproximei tranquei a porta peguei sua mão e o conduzi ao meu quarto, liguei a luz e o beijei como se fosse a última vez, peguei sua mão e coloquei dentro da minha cueca ele massageava meu cassete por dentro da cueca, eu puxava seu cabelo mordia, beijava seu pescoço, depois de quase sugar sua língua coloquei ele de joelhos em minha frente, Pedro foi com as mãos abrir o zíper da calça, quando eu interrompo falando;

- Com boca.

O Viado deu leves mordidas na calça, que meu cassete quase explodiu aquele momento, ele teve alguma dificuldade, mas o Viado abriu a calça e terminou de tirar ela com as mãos na altura da coxa pôs estava apertada, sentei

Na poltrona no canto do quarto chamei ele com a mão, eu estava sentado e ele ajoelhado na minha frente sua boca carnuda chupava meu cassete gananciosamente, a cabeça do meu pau estava roxa, às vezes forçava meu cassete até sua garganta, ele engasgava e meu tesão ia ao teto, quando não boca, gozei dentro e um pouco no seu rosto o louco engoliu e limpou meu aquentei segurei sua cabeça e terminei tocando uma punheta na altura de sua e babando, pegar um copo de água, voltei ele estava secando o rosto peguei as cassete, foi ao banheiro limpar seu rosto eu fui a cozinha, pelado de pau duro elas ficaram alinhadas aos seus ombros, dei umas mordidas em suas costas, nuca fronhas dos meus travesseiros, e amarrei à cabeceira da cama uma em cada mão deixei ele vermelho, Pedro somente gemia, cheguei em sua bunda tão branca que no meio e com o cuspi era maravilhoso passá-lo ali, fiquei sarrando nele, que meus olhos brilhavam, mas mordidas e cuspi em sua entrada coloquei meu cassete gemia muito gostoso, eu o assustei quando de uma vez enfiei meu cassete em seu cuzinho apertado, não entrou tudo mas foi o bastante pra ele me xingar suas nadegas. "Filho da puta, vai devagar", eu metia nele com vontade sem dar espaço ele gemia alto gritava, abria sua bunda e deixava minhas mãos cheias com

Com isso seu cuzinho apertava meu cassete com as contrações eu me segurava pra não gozar, dava tapas em sua bunda, puxava seu cabelo, mordia sua orelha, eu adorava empinar a bunda e enfiar de uma vez nele ouvindo gritar, Hum delicia quando forçava meu cassete nele rebolando olhando aquilo tudo dentro dele, Pedro suava, soltei ele é deitei na cama nos pingávamos suor, pedi ele pra sentar em meu cassete e ficar rebolando, ele apoiava a mão em meu peito com a bunda bem empinada rebolava e cavalgava em meu cassete, em certo momento ele se abaixou me beijou eu falei a ele "Cabelo Bagunçado" Pedro pegou um boné de aba reta do lado e colocou virado para trás, puta que pariu não sei vocês mas adoro foder um cara com semblante hétero, ele já tinha a cara de mala e cavalgando em mim não aquentei e me contorcia gozando e ele sem parar em cima de mim, ele pegou em Seu cassete e só de apertá-lo havia gozado em minha barriga. Antes de ele sair de cima de mim falei;

- Eu fico em Êxtase quando transamos. Um suspiro forte ele disse,

- Te falo o mesmo, um dia desses me mata.

Tomamos um banho junto, e eu não dizia nada ele todo caladinho também, mas o filho da puta tem uma cara que deixa qualquer um louco, eu não conseguia dar um selinho ou beijo romântico naquela boca, eu não sabia estava complicado ficar próximo a ele sem ao menos pegar naquela bunda gostosa. Ser romântico com ele, eu não podia, com Pedro era extremamente físico, já na noite dormimos juntos, na manhã acordei tomei um banho e quando voltei ele se levantou e por acidente tirou uma minha, ele postou a dele como bom dia e estava tirando uma foto deitado de cueca, muito sex eu senti do seu lado e ele deixou a minha salva em seu aparelho.

Minha mãe chegou no dia do evento da Rosângela, eu fiquei no salão na parte da manhã e na agência a tarde até a na hora do desfile, a noite estava uma correria a maioria as meninas iriam com roupas de grife e os garotos também, eu entraria com roupas criadas pela agência era a novidade da noite, ela estava falando, eu tirei a roupa Alexandre chegou; faltava 11 minutos para minha entrada e Rosângela entrou a para me anunciar,

- O que está fazendo?

- Eu, to indo embora. Falei entregando a roupa para ele, fiquei só de cueca e todos me olhando, estávamos nos bastidores.

- Mateus Rosângela te mata! Cara não faz isso, esqueceu-se do contrato?

- Não tenho mais contrato, há e fala para ela que isso é por ter feito aquilo comigo. Ele fazia não com a cabeça, entrei no camarim peguei minha roupa coloquei minha calça e Pedro estava próximo a porta, passei o braço em seu pescoço e saímos.

- Você está bem?

- Vou ficar melhor amanhã, quando ver a cara de Rosângela estampada nas revistas.

Entrei no carro e Pedro foi buscar minha mãe, em minutos vejo ela;

- Mas já, eu estava me divertindo.

- Entra logo e vamos comer algo, que eu to com fome.

- Você está lindo meu filho que isso no seu olho?

- Maquiagem. Falou Pedro zoando.

- Vai se foder. Falei empurrando ele para dentro do carro, eu saio como se estivesse tirado um peso das costas, não queria mais saber de lá, iria me dedicar à nova loja e a minha mãe

#Pedro

Com menos de uma semana para a reinauguração da loja estávamos a todo pano, Mateus por incrível que parecia estava ajudando muito em tudo ele dava os palpites e falava, eu estava selecionando mais 3 vendedores internos e 3 externos, a reforma estava em seu estágio final, mas já dava para perceber a elegância que a tomava por dentro e era rustica por fora, realmente uma inovação, ou novidade como queiram, todos estavam animados, a tarde sentamos para conversar eu Mateus e Giza,

- Eu queria perguntar uma coisa a vocês! Mateus perguntou meio sério ele estava com uma caneta e mexia nessa sem parar, coisa que fixou nossa atenção.

- Fala meu filho.

- O que acham de um desfile? Eu to falando de no meio da festa as luzes se apagam, e começam a piscar com uma carreira de modelos passando pelos convidados, uma volta pela loja e param como estatuas vivas, para credibilidade da loja?

- É tipo excelente ideia cara, mas já estouramos o orçamento e quem seriam esses modelos? Perguntei.

- Eu, você, Bruno, tenho amigos na agência que topariam tranquilamente.

- Você veja isso, e depois conversamos, vamos que eu estou exausta. Mateus e Giza foram embora eu fechei a loja e também fui, pois no dia seguinte eu tinha treinamento com os novos vendedores. Falando de Mateus o cara sabia transar era um sexo que não conseguiria escrever, ele não era romântico, não sabia ser romântico, a cara já é de safado sabem aqueles caras que só de olhar vocês sacam, e pra piorar todo gay tem tara em um hétero, safado ainda meu Deus, depois que ele me disse que não tinha sentimentos por mim, estou fazendo o mesmo, como diz o ditado “Se não pode contra seu inimigo junte-se a ele”, foi o que eu fiz estou concentrando no “desejo” e não na “paixão” as vezes isso é bom.

#Mateus

- Mãe quero te fazer uma pergunta!

- Já fez, agora deixa eu ver minha novela menino.

- Não mãe é sério, como a senhora comportaria se você curtisse a pessoa, mas tinha medo do que os outros poderiam pensar? Ou dizer.

- Sinceramente? Perguntou ela abaixando o óculo eu fiz que sim com a cabeça. Me fala quem está perguntando isso?

- Porque?

- Mateus escuta meu filho, você nunca pensou no que os outros iriam pensar muito menos dizer sobre você ou sua vida, as pessoas não querem que nós estejamos melhores que elas, meu filho se você sorrir sinceramente próximo a alguém que se diz seu amigo ele sente inveja sua. Faça o que o seu coração pede, sabe porque ele sabe assim como eu o que é melhor para você, vai querer estar velho e pensar, eu poderia ter feito aquilo? Vai querer se arrepender? Responda estas perguntas Mateus, responda para você meu filho.

Finalmente o grande dia chegou, minha mãe cuidava dos últimos preparativos na loja, e Pedro de meras organizações, eu estava no salão com alguns amigos que toparam desfilar, conseguimos um marketing digno de uma reinauguração, eu estava apreensivo, da mesma forma confiante. Sai do salão faltando 3 horas para a festa passei na loja estava tudo ok, Pedro foi assim que cheguei para se arrumar, minha mãe também havia saído até então tudo correndo bem.

À noite eu e Pedro estávamos de terno bem arrumados, em certo momento sentei perto dele que estava sentado ao fundo na mesa de bebidas e disse;

- Esse perfume seu está me deixando louco de vontade de te morder. Falei próximo ao seu ouvido, colocando a mão em sua perna ele tirou ela com vergonha, mesmo assim falando.

- Fica à vontade! Sai com um sorriso lerdo no rosto, ele sabia me provocar fui no local onde trocaríamos de roupas mais tarde não havia ninguém abri um pouco a gravata para respirar sentei e dei dois goles no champanhe, quando me entra Paola uma garota eu tinha ficado com ela a muito tempo;

- O que um gato como você faz aqui sozinho? A garota falou isso subindo o vestido e sentando no meu colo. O local onde estávamos era como o estoque que nesta noite usaríamos para o desfile, a porta estava fechada e permeia luz.

- O gato estava esperando uma princesa como você! Falei beijando seu pescoço enquanto passava a mão sua bunda, logo peguei ela pela bunda e subi até uma mesa de canto que havia do lado abri minha calça e só rapidinha, e por incrível que pareça pela primeira vez tive que fingir um afastei sua calcinha, sem pudor enfiei nela ali mesmo, digamos que foi uma isso nada. Orgasmo, sinceramente a adrenalina de estar naquele local me deu tesão, fora saímos e ela com a cara mais lerda e de felicidade, minha mãe falou;

- Eu vi aquilo Mateus se comporte garoto, olha vou fazer o discurso em 25 minutos pode direcionar todos. Sai e devagar fui dando o ok para o pessoal depois que todos foram entrei e a troca de roupas foi uma loucura, meio do público, minha mãe começou a falar, e no fundo de sua voz só ouvimos os mas tudo procedeu bem, enquanto isso garçons colocavam alguns suspensões no para os suspensórios no meio do público e ficaríamos como manequins vivos, no cliques das câmeras, nos sairíamos de trás dela duas fileiras e nos direcionaríamos ser desse porte durou até três da manhã, com a bagunça as pessoas indo embora fim de suas palavras as luzes apagaram e entrou o show de luzes fizemos nossa parte, ficou espetacular depois de 1 hora descemos e curtimos a festa, que por lá mesmo e troquei de roupa e sai do closet vejo Pedro; eu acabei ficando por último minha mãe todos teriam ido embora, tomei um banho

- Ah mais estava me esperando é? Falei me aproximando dele.

- Eu vi você aqui e resolvi voltar! Dei um beijo em sua boca mordendo e puxando seus lábios.

- Está ficando safadinho você em?

- Acho que estou com um ótimo professor!

- Você sabe que me deixa louco com esse seu jeito!

- Digo o mesmo, mesmo eu sabendo o que vai acontecer não me controlo perto de você, tem uma áurea misteriosa que me deixa louco.

- Tem um mistério na minha cueca louco pra sair. Ele riu se aproximou me beijando, estávamos no fundo local dos funcionários, ele subiu sua perna na minha eu peguei forte apertando sua bunda com um dedo forçando seu na minha cueca e chupava meu cassete e mordia ele sem tirar de lá, deixando eu cuzinho, abaixei ele na altura do meu cassete e tirei minha calça, Pedro cuspia e colocava as bolas na boca dele que lambia até a cabeça do meu cassete, subia e descia em meu peitoral. Todo molhado, não me contive e tirei a cueca, eu segurava seu cabelo na frente

Ele cuspia na cabeça e subia com sua língua, eu encostei sua cabeça na parede segurei seu cabelo para não mexer e com uma perna mais alta eu metia na sua eu enfiava devagar e depois até as bolas encostar em sua boca e tudo de novo, boça fazia movimentos de vai e vem com meu corpo deixando ele louco de tesão, parei em um momento abaixei o rosto ele colocou a língua como se fosse me punhetando, eu tirei meu cassete e me punhetando levantei e virei ele, coloquei beijar eu cuspi na sua boca, deu um selinho e voltei com meu cassete, que estava muito vermelho explodindo de tesão, Pedro já tinha gozado duas vezes se dele ele ia e voltava devagar e eu me contorcia de loucura e tesão, suava meu cassete em seu cuzinho quase gozando, enfiei até o fundo tirei punhetei mais um pouco e enfiei novamente, ele rebolava devagar eu estava gozando dentro banho e dormimos na casa dele mesmo. Na manhã do dia seguinte bem cedo Bruno muito, tirei meu cassete coloquei ele na parede virado para mim, e beijei muito ele que somente sorria, eu o enxia de elogios dos mais variados, tomamos outro entra na loja já em funcionamento, eu estava morto de sono e Pedro não aparentava mais estava como eu.

- E aí Mateus, cara a loja ficou muito show em, foi mal por não poder comparecer.

- De Boa.

- Que cara é essa mano, parece que não dormiu a noite toda?

- Mais ou menos, se o Pedro continuar assim vou ter que voltar para a academia, se não vou emagrecer.

- Haha quer dizer que estão namorando?

- Não.

- Como assim!

- Amizade colorida já ouviu falar?

- To te estranhando cara, na boa...

- Na Boa? Não me importo.

Bruno levantou os braços tipo desarmado e saiu sem palavras,

- O que foi isso em? Perguntou Pedro.

- Eu não te amo, mas não consigo ficar longe de você, eu sou fascinado na sua boça em seu corpo, mas não sei...

- Se expressar é melhor assim, eu prefiro.

Resumo

Bruno se afastou de Mateus, a Agência de modelos depois do fiasco no último evento vem enfrentando dificuldades, Alexandre perdeu o emprego e se mudou, Dona Giza, Pedro e Mateus estavam tomando conta da loja. O nosso Pedro não está tendo o romance que sempre sonhou, mais tem um belo de um homem que era péssimo para expressar seus sentimentos. Mateus ainda era na dele e nosso caro Pedro sabia apreciar lentamente e prazerosamente. Poucos têm hoje em dia, palavras e gestos em uma só sintonia, sintonia essa que começou desde o primeiro olhar.

10 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia