• Richardson Garcia

INFAME - Capitulo 16

#Iago

Galera depois de levar a bebida para a Milena, eu fui com o Raul até o lado de fora, olhar as motos, o Henry pediu para colocarmos na garagem, depois de estacionar elas, o Raul me chama no canto;

- Cara preciso da sua ajuda.

- Que foi mano?

- Preciso comer aquela gata com o pau no cu do Kaique.

- Ta maluco ele te mata, se chegar nela.

- Já estamos trocando ideia, olha aqui.

Galera ele mostra o Direct do Instagram, e eles estavam marcando algo na festa;

- Mano e a Larissa?

- Vai me ajudar ou não Iago?

- Ajudo eu ajudo, quer que eu faça o que?

- Precisa ficar de olho na Larissa, enrolar ela, sei lá, preciso de tempo.

- Fechado, mas vão ficar onde?

- Não sei, rsrs. Tem camisinha aí?

- Mano, sem ideias você. Vai logo.

Falo entregando as da minha carteira. Galera o Raul pegou a Heloise, ele saiu e logo ela saiu, entraram na casa, eu não sei onde lá dentro.

Além de chamar a atenção da Larissa tinha que deixar a galera toda ligada!

Acreditem que a festa era na piscina, mas ninguém havia entrado na agua, isso já a uma da manhã, eu arrisquei minha vida. Fui correndo, abracei a Milena e ela puxou a Larissa, fomos os primeiros a cair na agua, e seguiu como um efeito cascata, todo mundo pulou fazendo a maior bagunça, meu Deus.

Vão achar isso um máximo, acredita que veio dois caras gritando de dentro da casa, atrás do Henry;

- MANO, MANO, TEM UM CAVALO NA SALA DA SUA CASA. - Gritavam eles.

Ninguém acreditou, mas claro que não é possível, ainda mais nesse bairro todo chique.

Pessoal tinha um CAVALO na festa do Henry, eles trouxeram ele até o jardim, e todo mundo gritando, o coitado assustado, olha a merda, ninguém conseguiu explicar nada.

Depois levaram ele para fora, cara que coisa mais louca.

Eu estava sentado com os pés na agua, as meninas bebendo na minha frente dentro da piscina por estar mais fresca a agua;

- Como um cavalo, um cavalo Iago tem ideia disso. – Fala Milena ainda sem entender.

- Eu juro que não sei, que loucura, rsrs. – Respondo.

O Raul aparece, com a desculpa de ter ido arrumar bebida, e nossa turma falando e colocando a culpa do cavalo nele;

- Que história de cavalo é essa? – Fala ele sem entender.

- Olha nos storie da Larissa, ela gravou. – Fala a Milena.

Ele se senta atrás de mim, e a Larissa fala cutucando a Milena;

- Ai amiga, olha quem está aos beijos ali, rsrsrs. O Gael. – Fala ela cutucando Milena.

- Gente aquele cara é muito lindo. – Comenta Milena.

- Foi o carinha que o Henry apresentou? – Pergunto.

- Sim, sim. – Ela responde.

Pessoal a parte boa da festa estava já acabando, pois infelizmente as coisas ficaram quente, mas muito mesmo.

Gael estava saindo de mãos dadas com o Gabriel, e ao dar a volta na piscina, passando pela turma de merda, Kaique, Martin e Samuel. Eles tiram uma com a cara dele.

Eu olhei e o Raul me cutuca, chamando a atenção;

- Mano, olha lá. – Fala ele mostrando.

Já levantei, mas não deu tempo, jogaram o Gael com celular, carteira e tudo na piscina, ele era um dos poucos que ainda não tinham entrado na agua.

- (...) Qual é agora viadinho? Molhou a chapinha? Ou você usa ferro para esticar esse seu cabelo? – Fala o Kaique rindo igual um idiota.

Eu cheguei ajudando o Gael sair da agua, galera eu sou estourado, mas como não agir em uma situação dessa? Me falem?

Eles ainda rindo, aproveitaram que cheguei perto com o Raul e começaram;

- Pronto a favela está completa, olha ai Samuel, cadê a farofa? Deixaram longe da piscina né? – Fala o Kaique para mim.

Enquanto tirava os meninos da agua.

- Fala só um “A”, para mim quebrar seus dentes, fala? – Falo indo para cima deles.

- Ta se achando né favela, só porque está aqui, pensei que vocês seriam os garçons. – Fala Kaique rindo.

Eu fui para cima dele, mas nem sei quem separou a gente;

- Mano que merda é essa? – Fala o Henry chegando e olhando o Gael. – Quem fez isso com você?

- O Invejoso do seu amigo. – Fala o Gael torcendo a roupa.

- Tenho inveja de você não, ainda de ser pobre é gay, para piorar qual seu nome? Gael da Silva?

- Mano relaxa, ta louco. – Martin chama sua atenção.

- Sai fora Martin.

- Cala a boca Kaique. – Fala o Henry muito puto. – Mano tenho umas roupas lá em cima, vamos lá trocar, acho que vai servir.

- Ta zoando né Henry que vi colocar suas roupas nesse cara? Ele vai vender.

Kaique estava alterado, então da sua boca só saia merda. Henry se virou e foi para cima dele;

- Tem ideia do que fez cara? Fala! Estava curioso né Kaique, ele chama Gael Mori Almeida, você está xingando de viado e de pobre o filho do patrão do seu pai, que paga essa sua merda de vida. Fica na sua que estou sem saco com você.

- Eles que começaram Henry, ta tirando é?

- Kaique, se estiver incomodado a porta da rua é serventia da casa, VAZA.

- Está me mandando embora?

- Está me achando com cara de gravador para ficar repetindo?

- Já devia saber que você estava na onda desses caras. – Fala o Kaique saindo. – Treina seu desgraçado, você e esse bando de pau no cu, pois o time do Objetivo vai passar em cima de vocês igual um rolo compressor, para ensinar o lugar da favela.

Ele fala apontando o dedo, e sai com sua turma de merda. O Henry subiu com o Gael, para ele se trocar.

O DJ voltou com a música, afinal a festa iria continuar.

Espero que não perguntem e nem me lembrei daquele domingo, pois foi uma das minhas piores ressacas.

#Henry

Três dias, foram três dias para minha casa voltar ao que ser era antes, imaginam o que ouvi de meu pai.

Meu Deus, foram semanas...

Na segunda-feira quando cheguei no colégio, os meninos, Raul, Iago e Gael estavam juntos olhando algo no celular. Puxei a cadeira colocando minha mochila;

- Chega ai Henry, precisa ver isso... – Chama Raul.

- Fala galera. – Falo pegando nas mãos deles.

- Quer é essa? Mano é minha casa.

- É na sua festa. – Fala o Iago.

- Eu não lembro disso.

- Foi quando subimos, você pegou a roupa lembra. – Comenta Gael.

- Mano, mas como ele fez isso, quem é esse cara? Do Cavalo eu lembro, mas disso! Não. – Pergunto vendo novamente o vídeo.

Galera o louco estava de chapéu, bêbado, jogando dinheiro da sacada da minha casa;

- Estão falando que é deputado estadual, mano por causa dele falaram de sua festa no jornal. – Fala Raul.

- Meu Deus, meu pai ver isso eu to morto.

- Ei todos em seus lugares... Henry desce dessa mesa.

- Bom dia tia Sonia.

- Bom dia, afinal excelente dia né querido, que festa em? – Ela fala tirando risada da sala inteira.

- A senhora viu como eu faço as coisas bem-feitas?

- Sim, vi que até o deputado Leandro estava lá, achando ser o Silvio Santos.

- Tia Sonia dele eu não lembro.

- É dá para perceber, você se lembra de algo dessa festa, rsrs.

- De um cavalo na sala da minha casa, e também não sei como foi parar lá, eu não sei como ele entrou no condomínio.

- “NOOOOSSAA”. – Ecoou dentro da sala.

Pessoal estávamos cientes do jogo, não seria nada fácil, nessa segunda-feira ganhamos a última aula para treinar, então o Raul convocou todo o time para um treino extra.

Na quadra, com todos se trocando, ele diz, na “roda”;

- Que tal Henry? Você que os conhece! Acha melhor colocar alguém a mais na defesa? Ou partir para o Ataque? – Fala Raul colocando sua bermuda.

- Mano, temos que treinar o seguinte, perfil de gol? Bola alta, o Kaique é igual o Iago, sobrou a bola ele marca, ponto. Gael vai sofrer na defesa, vou treinar com ele, o Iago consegue passar de boa pela defesa do time do Objetivo, nossa defesa e você vai sofrer, terão que treinar muito, mas muito mesmo. – Falo amarrando os cadarços da chuteira.

- Está dizendo que a defesa deles é uma merda e vai ficar atrás com o Gael? – Fala Iago do meu lado.

- Galera nossa maior dificuldade será em levar a bola para o Iago, e se o ataque chegar até Raul, são pontos principais.

- Galera vamos então, vamos, vamos aproveitar esse tempo. – Fala Raul chamando eles para a quadra.

Para terem uma ideia, cheguei em casa por volta de meio dia e meia, treinamos o máximo que conseguimos, criamos um “roteiro” para o treino, assim todos treinavam suas fraquezas, para nada passar no próximo jogo.

Em casa depois de tomar um banho e comer algo que Geralda havia deixado na cozinha, fiquei com meu irmão, que estava estudando na sala. Eu deitado no sofá ao celular e ele no tapete com um livro;

- Henry como fala essa palavra aqui? – Diz ele mostrando o livro.

- Girlfriend, significa...

- Eu sei que significa, mas não consigo falar.

- Henrique é Girl de Garota e Friend, de amigo, você só falar sem interrupção, sem respirar.

- Henry? Que bom que está em casa, cadê seu celular em? – Entra meu pai pela porta assustando a gente.

Ele estava pouco apressado, e veio com sua maleta, até a sala;

- Está aqui na minha mão ué.

- Eu ligo e não dá nada.

- É que estou jogando, deve ser isso, que foi?

- Vai colocar uma camisa, preciso que venha até ao escritório comigo, é sobre a sua mãe. – Fala ele abrindo a gravata.

- Pai eu não, vou... – Antes de eu terminar de falar ele repreende.

- Henry faz o que estou mandando, suba e coloca uma camisa, rápido.

Subindo as escadas o Henrique questiona;

- Que tem a mamãe pai?

- É sobre a empresa filho, depois conversamos... Geralda pode trazer uma agua por favor?

- Sim, claro.

Ele me levou até o escritório dos Alcântara, eu sabia que seria sobre a herança da minha mãe, meu pai estava muito nervoso.

Subindo os andares, ele bravo pelo celular estar sem bateria;

- Deveria ter um carregador portátil. – Falo a ele que só me olha.

3 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia