• @rgpatrickoficial

Eles e Eu - Capitulo 5 - Segunda Temporada

#Dylan
- Parabéns, você é o mais novo membro da Fraternidade KAT. Seja bem vindo.
- Obrigado Anderson.
- Bem vamos oficializar isto depois, então, segredo até lá. amanhã pode se mudar, o quarto ao fim do corredor é seu, e está só lhe aguardando.
Agradeçi a ele e aos irmãos casa, ele me passou mais algumas coisas e saimos, pois a namorada dele havia chegado, desci as escadas procurando o Theo, e nada, estava tarde, e ainda havia muita gente fui achar ele dentro da piscina, estava jogando bola eu acho, não sei ao certo.
- Theo.
- Oi. Oi amor.
- Ahn vamos?
Ele me fez entrar na piscina, jogamos, até fizemos amizades, com uma galera lá, só não perguntem o nome, kkkk.
Fomos embora com o sol saindo,  dois ja curados do alcool abraçados pela rua, chegamos no meu quarto entramos e o Steve não estava por lá;
- Acha que ele vai chegar?
- Não, deve estar dormindo na fraternidade, quer ir pro seu quarto?
- Não, Oscar saiu com Álvaro, acho que estão por lá.
- Hum, não quer uma suruba?
Falei enquanto ele tirava a camisa, e ia pegando uma minha e vestindo;
- Pode ir Dylan, eu fico aqui deitado na sua cama, sentindo o cheiro da sua camisa, sozinho.
Rindo abraçei ele caindo na cama, beijando sua boca;
- Ei Dylan.
- Oi, te machuquei?
- Preciso te contar uma coisa, é meio que serio.
Puta merda, sabia que vinha coisa ruim, estavamos abraçados debaixo de cobertas, eu olhando nos olhos dele que se abaixaram e me beijando eu disse;
- Que foi está me preocupando.
- Olha é... Tipo... Sabia que eu te amo.
- Ah vai se... Que raiva cara, pensei que era algo serio.
- Isso é Serio, kkkk'.
- Também te amo, muito mesmo.
Disse ele saindo, Theo, ficou na porta igual a uma estatua, não falava, não gesticulava;
- Relaxa ele não pode fazer anda contra o Dylan, só não espalhe tudo bem.
- Tudo bem? Onde?
Me assustei o jeito que ele falou, Theo jogou a sacola que estava na cama e se sentou olhando pra mim, com uma feição tipo, “Oque?”.
- Não entendi.
- Ah nem eu Oscar, você com essa cara de santo, se fazendo de coitado pro Dylan, mas está ficando com o Luiz! Cara quem mais está nessa tua lista, porque até eu vou ter que ficar esperto.
- Não é assim Theo...
- Não, como não, cara eu posso não ser a melhor pessoa, mas poderia me dizer as vezes né, tipo esse segredo.
- Acho que está exagerando.
- Exagerando Oscar, cria vergonha! Briguei com meu namorado essa manhã por ele te defender, e está se jogando nos braços do, do Luiz cara!
- Me desculpe, é que não sei me dar bem com isso.
- Rsrsrs’ Olha se você não sabe se dar bem com isso, e está com esse cardápio, vou ficar esperto.
Disse ele saindo;
- Onde vai?
- Contar pro Dylan, o que mais.
- Não pode, Luiz vai atrapalhar ele na fraternidade.
- Nada fica entre eu e o Dylan, Oscar.
Nada até conhecer melhor o Luiz. Mas puta merda, eu estava carregado só pode, que dia.
#Dylan
Fui organizar uma sala que estava no meu quadro de tarefas na fraternidade, isso mesmo, quadro de tarefas, era uma sala tipo de reunião, em uma gaveta que estava entre aberta eu puxei e haviam varias fotos grandes dos alunos, quando fui colocar deixei cair e me abaixei, porem vi a foto de Theo, havia um x marcado com um canetão vermelho.
 Ao pegar a foto havia um descrito de toda a vida de Theo, ao menos o que eles sabiam, no canto superior, estava escrito “Candidato 15% Fraco”, no caso dele não muito, encontrei minha foto depois de vasculhar a gaveta, estava no local “Candidato 120% Excelente”, minha vida estava ali atrás daquele papel, e no canto uma assinatura, uma rubrica que não identifiquei.
Guardei imediatamente e sai dali, com aquilo na cabeça, bem eu tinha uma aula experimental logo depois, no caminho Theo me manda uma mensagem, “Onde está?”. Mandei a localização do laboratório, mas quando cheguei não havia ninguém na sala, nem fiz questão de entrar, esperei ele ali pois já estava a caminho mesmo.
Theo apontou no corredor, andando em passos rápidos, pensei “lá vem merda”, ele se aproximou;
- Vem comigo, preciso te falar uma coisa.
Disse ele segurando meu braço e abrindo a porta do laboratório, eu quase cai, e esse não foi o pior, havia uma aula na sala, eles estavam atrás de umas daquelas cortinas, o professor parou e olhou, todo mundo olhou pra gente e ele disse;
- Para participarem da aula, precisam dos assessórios de higiene.
Theo pegou o avental, que ficava em outro canto, não entendi, mas fui vestindo, eles voltaram a aula;
- Sabe o Luiz?
- Irmão da fraternidade?
- Ele mesmo. Sabia que ele pega o Oscar?
- Como assim?
- Entrei no quarto e os dois estavam na cama dele, se pegando e como estavam.
- Por isso ele ficou tão bravo quando tive que beijar o Oscar. Ai.
Ele me deu um murro, o que chamou a atenção do professor;
- Vão ficar ai? Estamos esperando o senhores.
- Deixa isso em Off.
Afirmei com ele, e aproximamos da aula, bem vou tentar explicar, havia um corpo na mesa, eles estavam estudando algo, não deu pra entender porque assim que o Theo se aproximou, o professor entregou a ele um bisturi, suas mãos estavam cheias de sangue;
- Peque, o corte tem que ser reto e preciso, rápido ele morreu a pouco tempo.
Leiam com atenção. Theo fez vomito, largou o bisturi e se virou para um estilo de pia que havia atrás e vomitou, o professor pegou o bisturi levantou dizendo;
- Mais alguém?
Todos nós demos um passo para trás. Rsrsrsrs.
Dias Depois...
#Theo
- Um morto mãe, uma pessoa morta deitada, eu não encostei, mas acho que estava quente.
- Bem feito, quem mandou ir entrando?
- Mãe ele que marcou lá, culpa foi sua.
- Não tenho nada haver com isso.
Minha mãe veio para nos visitar, estávamos almoçando em um restaurante próximo, os pedidos haviam acabado de chegar na mesa, o garçom serviu todos nos, e Dylan questiona;
- Vai comer só isso?
- Ainda estou pensando naquele homem, e vocês tratando ele como um pedaço de carne.
- Amor é o que gostamos, e ele era um “pedaço de carne, morta no caso”.
- Ah obrigado, mas não vou comer nada. Prefiro não arriscar, e não falamos mais nisso em.
- Beleza.
Um cara se aproximou da mesa, mais precisamente de mim;
- Theodoro?
- Ah sim e você é?
- Alvaro do time de futebol, ah vim dizer que está dentro, os meninos iriam vir te avisar, mas estão fazendo um teste agora, então meus parabéns.
- Mas que noticia boa, haha, valeu cara.
Agradeci abraçando e beijando a bochecha do cara acho até que o deixei assustado.

#Dylan

- Theo, acha que algum dia nós vamos nos separar!

- Diz nosso amor acabar?

- Sei lá, pode ser, não tem medo?

- Não, porque acredito nele sabe.

- Ouhn que lindo.

Falei virando na cama e beijando ele, que sorria. Logo dei sinal na minha cueca, ele subiu em cima de mim beijando com muita vontade, caramba por Theo jogar bola, aquela bunda durinha e pernas grossas eram demais, eu enchia as mãos abrindo bem gostoso.

Já estávamos quase pelados mesmo, desceu minha cueca branca, onde meu cassete já estava babando, eu como sabem tenho cócegas na barriga, ele dava poucos beijos, seus lábios estavam quentes, eu respirava fundo e o ar saia pela minha boca sendo que eu estava me segurando.

Passou a mão apontando para sua boca e meu corpo se contrai com aquela boca quente e molhada, He como é bom levar uma boa chupada;

- Amor, com calma, se não vou gozar.

O viado acho que não me escutou, ou escutou e fez sacanagem, pois foram poucas chupadas e não me segurei, ele limpou rindo, era um filho da mãe mesmo. Pensei que iria dar para ele e Theo veio sentando sobre mim, beijando minha boca e dizendo;

- Consegue de novo?

- Sempre consegui, rsrsrs.

Ele foi sentando e meu cassete entrando lentamente. Theo parou e me beijava ainda sobre mim, segurei em suas coxas e subindo e descendo bem devagar, ele mordia os lábios, eu beijava seu pescoço, caralho ele cavalgava muito gostoso, eu estava gemendo mais que ele, acho que nunca fizemos essa posição e me surpreendi.

Ele era esperto, rebolava bem gostoso, eu me contorcia com isso chupando sua língua e pescoço, comecei a sentir vontade de gozar, então deitei ele na posição que é minha especialidade, para o “jogo” ficar igual. De frango assado e comecei a bombar, suas mãos em minhas costas e quase me arranhando. Gozei dentro dele, beijando sua boca com vontade, o folego foi perdido duas vezes.

 Ele sorriu me olhando, seus olhos brilhavam;

- Olha pela janela.

Ao virar o sol estava subindo, kkkkkk’.

No dia seguinte, ou em questão não sei, preparei minha bagagem e coisas pessoais, e levei para a Fraternidade, não era luxuoso, havia uma cama de casal no canto direito, uma mesa na parede onde ficava a janela de fora a fora, e um guarda roupas embutido na parede, e também um puf no chão;

- É melhor que seu quarto.

- Com certeza, vou sentir saudades do Steve.

- rsrsrs’ Quem te viu quem te vê Dylan, me lembro da primeira semana fugir dele.

- É um cara de boa.

Eu estava abrindo a mochila na cama e bateram na porta, era o Luiz, antes de falar ele olhou para os dois lados;

- Theo, sabe de Oscar?

- Não vejo dele desde a festa Luiz.

O cara saiu, eu olhei para Theo meio que sem entender;

- Que foi isso?

- Não sei Theo, será que ele está gostando do Oscar?

- Rsrs, se estiver Dylan coitado, o cara é maior galinha, rsrsrs.

- Você também era quando te conheci.

- Repete!

Ele me imobilizou com uma chave de braço, caímos no chão, só me soltou quando o Anderson apareceu. Coçou a garganta e disse;

- Dylan, preciso que venha comigo, temos que informar da escolha da fraternidade para o diretor. Theo!

- Olá Anderson, é eu vou nessa.

Theo me beijou e saiu, eu troquei a camisa e fui com ele.

#Theo

Treinei a tarde toda, o treino do time começaria as 17 horas, eu cheguei uma hora antes, e fiquei lá sozinho, faltando uns quinze minutos chega o “Mel” ( Álvaro);

- Eai Theo, joia?

- Meio de ressaca, mas nada que uma bolinha não cure.

Disse eu chutando a bola em seu pé, ele tentou fazer uma embaixadinha e não conseguiu, eu fui e driblei ele pegando a bola;

- Ta ruim em!

- Não estou ótimo.

- É sobre o Oscar?

- Sim, sabe o mais estranho, minha vida mudou de cabeça para baixo, assim do nada!

- Relaxa, se for o que vocês querem mesmo, vai dar certo, só vai com calma.

- Eita está parecendo minha mãe.

- Vamos, antes que o time chegue.

Treinamos, mas Álvaro estava meio cansado, ele então me auxiliou, logo o time chegou e treinamos oficialmente, o próximo jogo era contra um pequeno time da nossa universidade, era de medicina eu acho.

Bem ao sair mesmo com o tempo nublado e fechado eu estava soando, não tomei banho no vestiário, com a bola embaixo do braço iria entrando no prédio quando ouvi alguém me chamar;

- Ei! Theodoro?

Ao olhar era um garoto de minha altura, cabelo com um topete penteado para o lado, camisa de botões florida um short acho que “Polo” de algodão marrom e chinelas, respondi meio bravo pois não gostava que me chamavam assim;

- Sim sou eu!

Desci os degraus me aproximando dele,

- Me chamo Christian, mas pode me chamar de Cris!

Pausa dramática aqui! Ele falou isso em português! Acho que havia quase um ano que não ouvia alguém falar a mesma língua que eu, então retribui;

- Ah meu Deus, rsrsrs, você estuda aqui?

- Sim, tem alguns meses. Como foi difícil te encontrar Theodoro.

- Por favor, me chame só de Theo.

Nos sentamos em um banco próximo, pois eu queria e muito bater um papo com ele, sei lá, somos assim, sempre quando encontrei alguém de meu pais gostava de jogar conversa fora.

Bem ele tinha 18 anos, cursava medicina, se eu estiver certo na sala do Dylan, e já estava em uma fraternidade que não me lembro o nome, ele era de Curitiba, apaixonei com o papo do garoto;

- Sim, qualquer coisa me manda uma mensagem, ai marcamos.

- Tudo bem, vou nessa, não estou me cheirando bem.

Nos levantamos e ele saiu, ao virar de costas ouvi um pequeno assovio, era o Dylan, atravessou a rua, e se aproximou;

- Quem era?

- Não vai acreditar!

- Então diga!

- Um brasileiro.

- E porque a surpresa?

- Ai, Dylan, só estou feliz por conhecer um nativo no meio de tantos americanos.

- Todos brasileiros são lindos assim?

Ele me provocou pela resposta que eu dei nele;

- Não, só os que tem namorado.

- Rsrsrs, ei te fala! Theo que cheiro é esse?

- Vem comigo, vou tomar um banho.

Steve veio e subiu conosco, eu fui para o meu quarto, Dylan pegou uma camisa que havia deixado no apartamento e foi falar comigo. Como eu estava no banho ele entrou e ficou la entre a porta;

- Vai dormir comigo lá essa noite não é mesmo?

- Mas isso pode, quer dizer, Anderson deixa na boa!

- Perguntei isso a ele, e disse que sim, afinal todos levam garotas todos os dias, porque não levar meu namorado.

- Todos não, Luiz leva Oscar.

- Rsrsrs, Theo, olha a boca.

- Não está aqui mais quem falou.


8 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia