• @richardsongaarcia

Eles e Eu - Capitulo 4 - Segunda Temporada

#Óscar
Como eu era mal, como pude acabar com a amizade dessa forma, eu me sentia um lixo por ter feito aquilo com Dylan e Theo, sabia que estava errado, e era culpa minha.
 Ao chegar no meu quarto o Steve estava com a cabeça debaixo da cama do Theo;
- há! Ei.
- Oi Óscar.
- O que faz aqui?
- Estou procurando a caixa das lentes do Dylan, quem sabe o Theo guarda para ele.
- Steve Senta aqui.
Falei pra ele mostrando minha cama.
- O Dylan não usa lentes de contato, aqueles olhos claros são dele mesmo.
- Não pode ser, nunca vi alguém com olhos tão claros.
- Seu primo, Anderson, ele tem olhos claros, e não são lentes.
- Sim são. Meu pai desenvolveu pra ele.
- Tá brincando comigo. Anderson Wels usa lente de contato?
- Sim, os olhos dele são pretos como os seus.
Que fofoca, bem vindo de Steve relevem, coloquei ele para fora do quarto, tomei um banho pois meus pais iriam me vir me pegar, para irmos a igreja.
 Bem depois de pronto eu estava com uma pequena mochila aguardando em frente aos dormitórios, eles chegaram entrei e partimos, para minha “sorte” o pastor falou horas sobre casamento, vida conjugal, construir família. Ao sairmos fomos comer algo, não sei como consegui que me acompanhassem em algo. Fomos até uma lanchonete conhecida na cidade, os dois sentaram na minha frente e fizemos o pedido.
 Eu ao celular meu pai conversando com minha mãe, quando ouço;
- Era só o que me faltava.
- O que querido?
- Olhe aquilo mulher, filhos do diabo de mãos dadas. Não olhe Óscar, não quero que fique com essa imagem na cabeça.
E nem precisava tinha certeza que era dois homens, ou dias mulheres, não fiquem surpresos eles são evangélicos e sempre agiram desta forma. Os pratos chegaram e ele nos fez levantar;
- Algo de errado senhor?
- Sim.
Ao responder o gerente que estava próximo chegou em nós, eu já estava vermelho de vergonha;
- Posso ajudar?
- Não vai fazer nada em relação aquela baixaria?
- Ah, eles estão  pagando com o mesmo dinheiro que o senhor. Não vejo nada de errado.
O mesmo discurso saímos e ele disse que nunca mais voltaríamos aquele local.
No carro desta vez com fome e falando do ocorrido, por horas, me deixou no colégio, dei graças a Deus por me livrar deles.
Subi e ao chegar no meu quarto abri a porta, e vejo a bunda branca de Dylan, ele estava pelado sobre Theo, rindo colocaram a coberta se cobrindo, fiquei muito sem graça;
- Podemos continuar, só vou deixar minha mochila.
Eles não disseram nada somente riram para quebrar o silêncio, com um feche da coberta Dylan me olhava com um sorriso;
- Tranca a porta por favor.
#Anderson
No começo da semana, acordei com alguém abrindo a porta do meu quarto, era a semana daquele loiro, o... Dylan me auxiliar, ele entrou colocou o café do lado da cama e abriu a janela;
- Bom dia Anderson.
- Vaza.
Ele saiu me levantei passei uma água no rosto, voltei a cama pequei uma torrada e fui comer olhando as notificações no celular, quando fui pegar o suco percebi que havia um jornal com meu café, achei estranho pois nunca colocavam um jornal.
 Ele estava colocado de propósito em uma notícia de página secundária;
- Dylan?
Ele rapidamente abriu a porta;
- É de hoje?
- Sim.
A notícia destacava um atentado terrorista na França, significava que meu pai seria convocado novamente para o exercito, sim minha família tem influências Francesas, por parte de pai.
Liguei para casa e já havia sido feito. Fiquei triste pois minha mãe era dependente demais de nós dois. Bem ao fim da aula prometi fazer uma visita.
Me vestir e fui para as aulas, no fim da primeira aula uma calouros da nossa sala me entregou um papel pouco amassado, a cachorro escreveu que se eu quisesse uma chapada teria que encontra lá no banheiro depois da aula, kkkkkk.
Dylan ficou de guarda enquanto ela fazia uma garganta profunda  em mim, caralho nada como uma boa chupada para começar a semana.
A vadia engolia todo meu membro, eu segurava seu cabelo fodendo sua boca bem gostoso, acabei gozando na garganta da garota, que ainda limpou meu cassete deixando novinho novamente.
Dei dois tapas de leve em seu rosto, uma piscada e mandei um beijinho, ao sair do banheiro ouvi um alvoroço;
- Libera aí mano, tô apertado.
- Vaza daí Cara.
Assim que abri a porta, Dylan olhou para trás e os garotos saíram rapidamente;
- Para onde Anderson?
- Vamos almoçar.
No estacionamento entrei no carro ele colocou a mochila e ficou olhando parado!
- Vai ficar aí parado? Vai entrar ou ir correndo atrás?
- Assim, sim.
Entramos e no caminho minha mãe ligou, e como estava mais perto de casa resolvi ir almoçar lá. Entrei e Dylan ficou no carro.
Conversamos um pouco e ela serviu o almoço, minha mãe olhou pela janela e viu ele de fora do carro falando ao celular;
- Ele está com você e Anderson?
- Sim.
- É porque não o convida para entrar meu filho.
- Mãe ele é um calouro...
Eu nem terminei de falar ela estava gritando com ele ao lado de fora, perguntou se já havia almoçado ele disse que não é claro então entrou, na cozinha ela colocava para ele, que ficou de pé me olhando;
- Senta aí, Relaxa.
Conversamos um pouco e na sobremesa minha mãe questiona Dylan;
- E Você filho, de onde é?
- Sou do estado do Texas.
- Ou por isso esse bronzeado, Anderson tem um primo do Texas, Ethan não é mesmo querido?
-Sim mãe.
- E seus pais Dylan? Moram no Texas?
- Não.
- Ah eles se mudará para Nashville?
- Eles morreram, a alguns anos, foi um assalto.
- Ah me perdoe filho.
- Tudo bem.
- Meus pêsames cara.
Porra até eu fiquei mal com o que ele havia dito.
Demoramos quase que a tarde inteira na casa de meus pais. Ao entramos no carro ele questiona;
- Vamos aonde agora?
- Ah tem algo pra fazer?

#Dylan
Eram cinco da tarde só do primeiro dia Com Anderson e quando me disseram que seria intenso não sabia o quanto, fomos para um estúdio, bem na frente do prédio não tinha nada, fiquei até com medo de entrar, mas quando passamos para dentro bem do lado onde Anderson estacionou, havia um imenso estúdio, entramos e acreditem, Stefano Gabbana veio até nós, cumprimentou Anderson e era como se eu não existisse mesmo como um gatinho com o olhar brilhando.
Eles foram conversando e eu como uma criança em uma loja de brinquedos, olhando tudo ao meu redor, Anderson foi para uma espécie de camarim algumas pessoas estavam preparando um local para fotos e ele se sentou respondendo algo no celular, eu fiquei sentado atrás, só faltava ele me pedir o para maquiar;
- Olha quem está de volta, se não é o cara mais gato que conheço.
Disse um cara muito acetinado entrando, de cabelo liso para o lado;
- Fala Geovane, então o que...
- Mas gente, e você?
- Ah sou Dylan, prazer.
- Prazer vem depois, onde encontrou ele Anderson? Me fala que irei buscar uma dúzia.
- Esqueci Geovane, Dylan tem namorado.
- Namorado?
- Sim.
Respondemos juntos. O cara estavam dando tão em cima que se Theo estivesse por perto eu estava morto.
- Olha ele tem sorte viu, se fosse namorado meu não deixaria solto assim não.
- Geovane!
- Aí vamos gato, vai ser difícil concentrar mas...
Ele o maquiou e ficava a todo momento me secando,  o cara não tirava o olho, outra coisa que achei estranho foi que as trocas de roupas de Anderson eram feitas com Geovane no biombo, tipo ele tem que ser muito seguro de si para deixar tal proeza.
Quando se aproximava de mim Geovane me pegava, mãos soltas para todo lado sem falar nos olhares, em um momento ergui os alongando por estar muito tempo sentado, a camisa subiu e ele viu minha barriga, pronto, caramba dei graças a Deus quando isso terminou.
De volta ao campus quando Anderson me liberou quase nem acreditei,  cheguei no meu quarto e deitei nem olhei se Steve estava, sabe quando você pega rapidamente no solo.
 Como de automático, senti uma mão segurando meu membro, fazendo movimentos lentos,  juro a vocês  eu torce para ser Theo, e juro que fiquei com medo;

- Theo?

#Oscar
Fui ao mercado, comprar umas coisas que estava precisando, de higiene mesmo.
 Peguei uma cesta e entrei, como era muito grande, e eu estava com o fone de ouvido não vi quando Álvaro me empurrou, nada demais, foi para assustar, mas acabei caindo sobre uns papeis higiênicos que estavam próximos;
- Mel seu idiota, olha isso, me ajuda aqui.
Mel, porque seu nome era Álvaro Mel, e Álvaro é nome de gente velho.
- Foi mal, não sabia que estava voando tão longe.
Colocamos tudo no lugar, antes que o segurança passasse e ver o que fizemos.
Mel (Álvaro) era meu amigo, foi a primeira pessoa que conheci quando cheguei na universidade, ele tem minha idade e minha altura, é loiro tem o corpo atlético, mas anda demais, estilo magro sabem, cabelo com uma franja bonita, e desconfio dele sabem, aquele amigo que não disfarça.
- Camisinhas Oscar.
- Ai vai ficar controlando agora?
- Fiquei sabendo que seu companheiro de quarto, está concorrendo a uma vaga na casa de Anderson.
- Sim, Dylan é o nome dele, é do Texas.
- E ele namora mesmo?
- Sim, um carinha, chamado Theo, está bem informado em.
- Rsrsr’ só atualizado. Vem te ajudo, não escolhe essa marca, porque é...
Ele me ajudou, depois que terminamos, o que foi algo bem rápido, voltei para o meu quarto, guardei minhas coisas, e ele estava sentado na minha cama, com meu notebook;
- Como chama o livro mesmo?
- Está salvo nos Favoritos.
Theo entrou no quarto, cumprimentou a gente, e foi tirando a camisa e a calça;
- Que foi?
- Tenho que fazer uma ofensiva para o time de futebol me aceitar, cara viu aquele short que usei ontem?
- Não Theo.
Sim ele ficou de cueca vagando no quarto procurando, ele sempre foi assim, despojado e nada preocupado, Mel (Álvaro) que ficou intimidado.
- Ah theo, como foi com Dylan?
- Tudo certo, não se preocupe, depois conversamos.
Disse ele pegando o short que estava debaixo de minha cama, logo que saiu;
- Ah Oscar vou indo nessa depois a gente se fala.
- Mas você nem...
Ele saiu correndo fechou a porta sem mais nem menos.
Bem depois que arrumei minhas coisas, iria sair do quarto, minha mão foi na maçaneta a porta se abre, era o Luiz, entrou e fechou a porta;
- O que está fazendo aqui?
- Vi você hoje com o Álvaro.
- E dai? Ele só estava me ajudando com as compras.
- Todo mundo sabe que ele é afim de você Oscar, não se faça de idiota.
- Conheço ele a mais tempo que você, se fosse apaixonado por mim eu saberia não acha. Agora saia Luiz.
- Não espere.
Ele passou a mão na minha cintura, beijou meu pescoço e bochecha até minha boca, com passos para trás caímos em minha cama, ele estava por cima de mim me beijando quando a porta se abre, era o Theo. Ele se assustou tanto, mas não o quanto Luiz, que quase pulou a janela;
- Ah não quero atrapalhar.
Disse ele colocando as mãos nas costas para abrir a porta novamente, Luiz foi até ele e segurou a porta dizendo;
- Se alguém souber disso, seu namorado já era. A gente se fala depois.

#Dylan
Não deu pra acompanhar o jogo do Theo, pois eu tinha que sair com o Anderson novamente, bem ele só não ficou bravo pois consegui que se o time do colégio ganhar o jogo, iriamos fazer uma festa.
 A parte ruim disto é que eu teria que trabalhar na festa, e pior organizar o antes e depois, confesso a vocês que estas 2 semanas de trabalho estavam me maçando, era o período de provas da universidade Anderson não tinha permissão para aplicar trotes na gente neste período.
Vamos ao que interessa pelo menos neste dia fiquei feliz, pois ganhei algumas roupas que ele não queria mais, para quem acha que isso é humilhação, bem são roupas que ainda estão fora do mercado, era “experimentadas” por ele. E busquei uma Ferrari que ele havia pego emprestado, caso houvesse a festa, ele “chegaria” nela.
Assim que cheguei, Luiz estava descendo as escadas, eu entrei com a chave do carro, e os outros concorrentes estavam a frente da escadaria, Luiz logo me chamou;
- Com eles viadinho. O time de futebol ganhou o jogo de hoje, foram 4 gols feitos por nosso representante, 3 do seu namorado meus parabéns (...).
Disse ele quase cuspindo em mim, ah me desculpem mas abri um sorriso.
- (...) e 1 feito por Álvaro, bem conforme Anderson prometeu iremos dar uma festa de comemoração para os felizardos e adivinhem quem irá preparar tudo?
- Dylan, onde está as chaves do meu carro?
Levei um susto, Anderson falou logo atrás de mim, puta merda, me virei entregando a ele;
- Aqui.
- Não deixou o carro estacionado na frente da fraternidade né idiota?
- Não senhor, está na garagem, bem escondido.
Ele pegou as chaves sacudiu e disse;
- Está liberado da organização da festa, pode ir.
- Valeu.
Eu só sai caladinho antes que Luiz dissesse algo.
Fui correndo ver o Theo, o encontrei com o time de futebol ainda, cheguei abraçando ele por trás e beijando seu pescoço;
- E meu campeão?
Ele se virou rindo e me beijando, e abraçou bem forte;
- Fiz um gol pra você.
- Desse jeito vou ter que arrumar um jeito de retribuir tantos gols.
- Eu sei como, essa noite, no meu quarto.
- Rsrsrs’ já gostei da ideia, não quer entrar lá e fazer mais alguns não? Pra garantir?
- Rsrsrs’ idiota, não seja ingênuo Dylan, eu fico te devendo.
Sabem aquele casal idiota, era a gente, kkkk. Fomos de mãos dadas pro quarto, Steve estava passando sua camisa entramos e fui trocar de roupa;
- Oi Steve.
- Oi Dylan, Oi Theo.
- E ai cara, quer ajuda ai?
Disse Theo ajudando ele, enquanto conversávamos;
- Pois é, como estava falando, ele esta de olho em mim, qualquer deslize vai partir pra cima.
- Luiz?
Perguntou Steve, e olhem que só falei isso. Eu olhei para o Theo meio que assustado, ele respondeu pro Steve;
- Sim, Steve, estamos falando do Luiz.
- Relaxe Dylan, você já é o mais novo membro da fraternidade.
 E aproximei sentando na cama dele mais próximo e o questionei;
- Como sabe disso Steve?
- Estava com o Anderson quando informou seu nome a direção, que aprovou, seu broche, quarto, tudo está pronto. Será avisado essa noite. Mas a cerimonia é fechada.
- Haaaaaaa’ Yes.
Gritei pulando, nossa meu coração estava a mil naquele momento;
- Mas Luiz não sabe, só Anderson.
- Ele não pode escolher sozinho.
Disse eu sentando triste novamente;
- Pensei que já o conhecesse Dylan.
Mesmo assim fiquei feliz, puta merda, sofri demais, bem fomos tomar um banho, e arrumar para essa noite.
#Theo
- Até mais Oscar, nos vemos na festa.
- Até mais.
Fechei a porta do quarto, Dylan iria acompanhar eu e Álvaro até a fraternidade, pois entraríamos aos fundos. Mas para isso passamos em frente e galera havia uma faixa nos parabenizando pelo jogo, com meu nome e do Álvaro, eles persuadiam os alunos a serem seus melhores, para quererem aquilo sabe.
Dylan nos levou até um quarto, havia algumas coisas para comer, e ficou conosco lá, acho que até quando a maioria das pessoas chegarem, não demorou muito para a porta se abrir e o Anderson entrar, ele estava com o Luiz que estava me olhando de um jeito.
- Meus Parabéns Theo, Meus parabéns Álvaro, é de alunos exemplares assim como vocês que o Vanderbilth precisa.
- Obrigado.
Agradecemos pegando na mão dele, o cara parecia um Deus intocável, e Dylan que me perdoe, mas ele era muito bonito, sabem aquele homem que te intimida com tanta beleza, pois é.
- Vou apresentar vocês, como anfitrião da festa, ai depois aproveitem, tudo isso é para vocês e o time de futebol.
Ao sairmos da sala o time estava nos aguardando, na enorme escadaria para todo o colégio ele parabenizou o time, e depois elogiando separadamente eu e Álvaro, depois fomos para  a galera, kkkkk’.
Adorei essa noite, será porque né, ficamos em uma espécie de lugar VIP, bebendo igual doidos, dancei pra caralho, estava precisando disso sabem, mas alguém estava aproveitando mais que eu, Álvaro estava bêbado já, dançou em cima da mesa, nos aprontamos o que podíamos e o que não podíamos.
Por volta de 03:00 da madrugada, ele estava com uma garrafa na mão, não me perguntem o que era, e estava falando coisas estranhas comigo, Dylan teve que sair, levaram ele para cima, quando Álvaro disse;
- Quer saber, faça o que quer logo, antes que se arrependa que seja tarde demais.
 A forma que ele se levantou pensei que iria me beijar, cheguei a sentar para trás, mas pior ele foi para o rumo de Oscar e o beijou, claro que foi correspondido, Álvaro era muito fofo.
 Mas ao olhar para cima, Luiz estava voltando, com um copo na mão, passando o olhar pela galera com certeza procurando Oscar, fui rapidamente abracei os dois e saímos, entramos em uma espécie de armário que havia próximo;
- Que isso Theo, quer participar?
- Oscar me respeita.
Se ele não tivesse bebido eu iria virar a mão nele, mas peguei na sua camisa e o puxei;
- Olhe.
- Puta merda. Ah porque me beijou Álvaro?
Tive que ficar ali ouvindo o casal “melado”, até Luiz sair;
- Eu gosto de você, sempre gostei, só não tive coragem de falar antes.
- Mas porque não?
- Por medo Oscar, não sabia como você reagiria.
Vocês conhecem todo o papo não é mesmo, não me façam descrevê-lo aqui, já basta ficar com eles trancados lá;
- Vamos pro dormitório Theo, ele não está bem, e valeu.
- Tudo bem.
Voltei pra festa e sem namorado e sem amigos, que vida em.

0 visualização
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia