• @richardsongaarcia

Eles e Eu - Capitulo 13 - Dê isso a ele

Foram nove dias de viagem, ela ficou fora, afinal estava com Dylan no hospital, minha mãe estava mais tranquila, por estar com ele, e por telefone eu tinha que brigar com os dois, para comerem e no caso descansar, ela me contou que passava a noite conversando com ele.

 E nada de dormirem, no colégio tudo normal, bem o treinador estava pegando pesado com a gente, eu mesmo estava com o condicionamento físico excelente, me sentia diferente, mais disposto e claro bem malhado, o que me ajudava com o futebol.

Susan estava agora namorando Ashley, sim, para vocês verem como o mundo da voltas, elas eram as duronas do colégio, e adivinhe o que Ashley conseguiu, ela montou um time de lideres de torcida para o futebol, já que Ryan proibiu Stella de apresentar nas nossas partidas.

Bem todos estavam bem, exceto eu por saber como o Dylan estava.

Segunda Feira, fim de aula, estava saindo do colégio com a Ashley e entrei no carro, sim eu estava indo de carona com ela;

- (...) vamos vai ser legal, ela disse que a garota faz seu tipo.

- Acho melhor não Ashley, até minha mãe voltar não tenho cabeça pra sair com ninguém.

- Se quiser te arrumo um amigo meu, ele é meio franzino, mas se quiser.

- Não Ashley, deixa. Me viro.

- Ouvi falar que masturbação causa compli...

- Cala a boca, caramba hoje você está. 

- Rsrsrs’ só quero te ver bem... E acho que sua mãe chegou, ou te roubaram.

- Finalmente, te vejo amanhã. Fui.

Cara desci do carro igual um louco, entrei na porta da sala, iria gritar quando ela me segura com a mão na minha boca;

- Shiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii.

Quando ela disse isso o Mr. George veio nos meus pés, dois passos à frente e vejo Dylan deitado no sofá. Meu coração apertou junto com o nó na garganta, ele estava com um cobertor, cabelo pouco bagunçado e nada parecido com aqueles penteados dele, sobrancelha por fazer, e pelos no queixo, e uma olheira em volta dos olhos, ela veio me puxando para a cozinha, e o cãozinho junto.

 Abraçamos-nos e ela estava aparentemente bem melhor, havia feito um café, nossa como era bom ter mãe em casa.

 - Como ele veio?

- Os avos autorizaram ele passar esse período de recuperação aqui, pode ser que faz bem.

- Recuperação?

- Sim Theo, Dylan ficara por um tempo aqui em casa, e preciso de você meu filho, muito mesmo.

- Sim, o que foi.

Ela se sentou pegando em minha mão, com dificuldade ela disse;

- Você sabe que te amo, e você é tudo na minha vida não é mesmo?

- Mãe esta me assustando.

- Theodoro, ele esta em depressão, o medico disse que todos os sintomas acusam em 99% a doença, meu filho, preciso de você, muito mesmo, ou melhor, Dylan precisa de você.

- Tudo bem, mãe.

Subi para arrumar minhas coisas e as malas dele estavam no meu quarto, eu sorri por lembrar o barraco que ele aprontou na casa da avo por isso, arrumei o quarto, que havia duas camas, organizei minhas coisas e ele entra no quarto;

- Oi.

- Oi, estou invadindo sua casa né.

- Relaxa, olha deixei um espaço pra você no armário, e acho melhor deixar essa sua mochila ai para o Mr. George subir na cama.

- Obrigado. Ah Theo, posso pedir uma coisa?

- Diga, qualquer coisa.

- Não conte para ninguém no colégio que estou aqui tudo bem.

- Porque não?

- Por isso.

Mostrou ele o pulso enfaixado e com um estilo de luva que ia do punho ao antebraço.

- Pode deixar. Então quanto tempo sem jogas basquete agora?

- Não jogo mais.

Disse ele saindo. Eu até tentei, mas nenhum sorriso. Continuei tentando no jantar e nada, a mesma cara de que esta tudo bem.

 A noite quando dormíamos eu ouvi ele chorar, e se levantar, o garoto não dormia a noite, foi uma semana levantando e andando e ficando na sala, pelo menos quando eu estava em casa ele não dormia, isso estava me afetando, afetando diretamente;

- Theo, THEO. Mas gente que isso, que cara é essa?

- Ai Ashley estou pensando aqui.

- Pensando? Em que?

- Vem aqui comigo.

Chamei-a para fora do refeitório e entramos no quarto de bagunças do zelador;

- Escuta, não pode falar isso a ninguém.

- O que, esta me assustando Theo.

- O Dylan está La em casa.

- Não brinca, uai, mas porque está triste, era para você estar bem.

- Ele esta com Depressão, não sei o que fazer, Ashley acho que eu vou entrar em depressão em ver ele assim...

Conversamos por hora, e acabei tomando uma decisão que não queria, mas era preciso. na porta de casa Ethan questiona; 

- Onde ele está?

- Na sala.

Ethan entrou para conversar com o Dylan, desde o colégio foi a pessoa mais perto dele que eu conhecia, era minha esperança.

 Eu estava do Aldo de fora com a Ashley, enquanto eles conversaram, foram horas e horas, nos deitamos no carro esperando, até que ele saiu, cabisbaixo, limpando lagrimas, veio até nós, e sentou sobre a bola de basquete;

- Então como foi?

- Não conheço aquele cara que está lá dentro, meu melhor amigo, Dylan não esta aqui. Espero ter ajudado.

Olhei para Ashley com o coração apertado, meio que frustrado.

- Ei Theo, de isso para ele.

Disse Ethan me entregando à bola de basquete. 

No dia seguinte no colégio, cheguei super animado, pois estava com uma nova idéia, ao ver o Junior em seu armário, cheguei pulando;

- Cara preciso de você.

- Que isso mano, para estão todos olhando.

- Me ensina a jogar basquete.

- Ta querendo entrar no time é?

- Não idiota, você  sabe não?

- Sei.

- Então me ensina.

- Ah certo, depois da aula?

- Fechado.

Era minha escapatória, o basquete foi o que Dylan sempre gostou, ele amava mais o esporte do que a ele mesmo.

Todos os dias depois da aula eu e Junior iríamos para a quadra e ele me dava uma aula, todos os dias, era fácil, aprendi algumas coisas tranquilamente, para mim eu estava arrasando.

- Sério Theo, parece uma galinha pulando para fazer cesta. Relaxa e concentra mano.

- Quer ver o que eu aprendi.

Peguei a bola e chutei fazendo uma cesta com o pé fiquei super feliz, e Junior jogou uma bola na minha cabeça;

- De novo, desta vez usando as mãos.

Foi uma ótima semana, eu estava feliz, logo na sexta feira ao chegar em casa Dylan estava tomando um sol aos fundos de casa, coisa que ele não fazia, sim, Dylan não saia de dentro de casa.

 Depois que tomei banho, minha mãe estava se arrumando;

- Vocês querem ir à igreja comigo? Tenho que falar com o Padre.

- Não.

Respondemos juntos, estávamos no sofá Dylan vendo TV e eu fazendo dever de casa;

- Então o jantar fica por conta dos dois.

- Anão mãe.

- Pode deixar Gloria.

Ela saiu rindo e eu me virei para ele dizendo;

- Dylan, eu não sei esquentar uma água na cozinha.

- Eu sei cozinhar.

- Então fechado você vai para o fogão e eu fico aqui de boa.

Não teve como tive que ir pra cozinha, me vi na frente daquele tanto de coisa e reclamei;

- Eu vou tentar, mas promete uma coisa?

- Sim. Começa pelas louças.

Comecei a lavar a louça e fiz a proposta a ele;

- Eu cozinho hoje e você vai jogar comigo amanhã.

- Jogar?

- Basquete.

- Você não joga basquete Theo.

E eu também aceitei o desafio, pessoal, a cozinha, o fogão aquilo parecia um filme de terror pra mim, cara era muito difícil, cozinha isso, frita aquilo, água aqui, mistura ali.

Era pior que final de jogo decisivo. Em um momento eu me queimei, peguei em uma panela quente, acho que foi a melhor dor que senti, eu pularia no fogo só para ver aquele sorriso que ele abriu. Dylan deu risadas do meu sofrimento, cara ele estava sorrindo, vocês não tem ideia da minha felicidade em ver isso.

Na manhã seguinte assim que acordei, minha mãe estava saindo ela iria olhar um emprego, e Dylan estava tomando café;

- Isso ai come bem porque vamos soar hoje.

- Theo está muito frio, vai querer...

- Sem desculpas, vamos congelar então La fora então.

Tomamos café juntos, e saímos, peguei a bola que o Ethan deu a ele e fomos para a quadra perto de casa, não havia sol, e sim muito vento, ou eu ajudaria o Dylan, ou iríamos congelar ali.

A praça estava vazia, a quadra também, como era muito cedo. Chegamos e começamos aquecer, fiz umas cestas de dois pontos para impressionar, ele veio humilhando e fez uma de três;

- Quer humilhar é.

Disse indo e pegando a bola, então travamos um jogo, ai eu fui entender o porque ele era o capitão, gente Dylan não me deixava pegar na bola, eu passei muita raiva por não saber jogar;

- Theo você é muito ruim, na boa.

- Eu te mato Junior. Quer ver o que eu faço.

Falei pegando a bola e fazendo a cesta com o pé;

- Rsrsrs’ Está fora.

Ele disse sorrindo, o sol apareceu, o clima estava ótimo, e para melhorar ou piorar uma turma chega e entra na quadra, chamando a gente para jogar, eu sai fora é claro, e insisti para Dylan jogar com eles.

Era todos afro desentendes e ele branco no meio dando o contraste, os caras eram bons, mas Dylan era melhor. Não confiem em minha opinião, eu não sei jogar ok. Relevem o que disse.

Ao chegar à aula na semana seguinte vejo o Junior em seu armário, cheguei e fechei a porta com força quase matando ele de susto;

- Ta maluco Theo, quer me matar?

- Sim, quero.

Falei dando uns murros no braço dele;

- Que foi, mas... Para Theo.

- Me disse que iria ensinar a jogar basquete. E até o Dylan depressivo ganhou de mim...

- Para Theo. Você também é muito ruim para apreender... Você disse Dylan?

Aff olhei para os lados e respondi a ele;

- Sim, Dylan esta na minha casa.

- E como ele está?

Conversamos e expliquei a ele tudo desde a semana, ele me imploraram para ver o Dylan e saber como ele estava e tudo mais. Até então Ashley não o tinha visto, somente ouvido eu falar.

Bem neste dia mesmo ao chegar em casa eu iria pedir para ele para ver os meninos, ou receber eles.

Lembro que assim que entrei, e olhei no corredor, Dylan estava sentado meio que caído, me assustei pois havia uma caixinha de remédios perto dele, porra foi horrível a cena.

 Me aproximei gritando com ele;

- DYLAN, DYLAN, você tomou algum desses comprimidos? ME RESPONDE.

Ele balançou a cabeça, dizendo que não, eu auxiliei ele e o coloquei no sofá, e voltei peguei tudo e guardei, na sala ele estava chorando no sofá.

“Nestes momentos eu penso em desistir, mas não consigo, pois sempre quero saber onde podemos chegar se insistir”.

Me deitei ao seu lado e abracei ele;

- Não fala pra sua mãe, por favor.

Abracei ele apertado dizendo;

- Olha é só não fazer mais isso. Ela gosta muito de você, tenho até ciúmes sabia, rsrsrs’. Eu também gosto de você, muito. Por favor me promete não pensar nestas coisas.

- Prometo.

- Jura.

Falei selando a promessa como um pacto. “Mostrei a ele meu dedo mindinho”;

- Não entendi.

- Rssrsr’ no Brasil promessas são seladas com um “cumprimento” do dedo mindinho, agora pega aqui.

Durante a noite, acordei e fui a cozinha, tomei um copo de água, liguei a luz e me sentei na mesa da cozinha, logo em seguida minha mãe veio, tomou uma água e perguntou;

- Não esta conseguindo dormir?

- Não.

- Como ele está?

- Ai mãe, Dylan dá um passo pra frente e dois para trás. Não esta fácil.

- Eu converso muito com ele meu filho, e ele esta me contando todas os seus meios de ajudar a ele.

- É estou tentando.

- Sabe de uma coisa. Tudo de bom que fazemos aqui, volta em dobro, Deus está vendo o que esta fazendo por ele, acredite, você será muito bem recompensado meu filho.

- O Dylan saindo dessa mãe, não preciso de nada.

- Ouhn’ meu filho. Vem aqui... Mamãe te ama viu.

#Ashley

Havíamos marcado um filme para assistir na casa do Theo, peguei o Junior e ao chegar e tocar a campainha o Dylan abre.

- Oi.

- Oi.

- Entrem, Theo está tentando colocar fogo na cozinha.

Assim que ele fechou a porta o Junior foi andando até a cozinha eu pedi que o Dylan ficasse;

- Espera.

- Sim.

- Quero me desculpar, não. Pedir perdão pela forma que te tratava no colégio, me perdoe era para lhe deixar bravo.

- E você conseguia. Me perdoe também pelas coisas que falava, eu fui um idiota.

Nos abraçamos, e o Theo aparece no corredor;

- Ou, Ou, Ou lembra do pacto Dylan, amigo não pega ex de amigo.

Olhei para o Theo dando o dedo do meio. Nos assistimos o filme, comemos pipoca e besteira. O filme acabou cedo, e nos até que poderíamos ficar mais um pouco, foi quando o Theo se levantou e saiu correndo;

- Me esperem aqui.

Sem entender nada levamos as coisas para a cozinha, o Junior estava lavando e eu secando e Dylan guardando quando o Theo volta com um baralho;

- Que acham de a gente jogar “truco”?

- Truco?

- Truco?

- É gente Truc... ah esqueci que vocês não conhecem, mas se quiserem posso ensinar, no Brasil é o jogo dos adolescentes.

- Por mim tudo bem.

Todos concordaram e  sentamos, caramba foi pior que ala de inglês, mas até que achei interessante, o Junior parece que conhecia, era um estilo de Poker, com blefe e tudo mais, não vou explicar a vocês, vou somente resumir o jogo.

Acabou que me deixaram com o Junior, e Theo e Dylan, um sentado de frente para o outro, bem estávamos empatados ao fim, e já na ultima partida eu havia saído com o “zap” (4 de paus a maior carta do jogo), e truquei em Theo;

- Trucooo!

O viado não tinha como escapar, pelas cartas que já haviam saindo nesta mão, mas ele pediu;

- 6!

Significa que ele cobria, eu então bate a carta na mesa, gritando com o Junior que estava mais feliz que nos todos juntos, Theo ficou rindo sem graça e o Dylan comentou com ele;

- Ensinou bem.

- Você também Dylan.

Caímos na gargalhada, pois o Theo havia ensinado e ele era muito ruim, ou havia ensinado errado.

 Mas como perceberam tudo aquilo, era para alegrar o Dylan, que havia aceitado a voltar a treinar com a gente, iríamos correr e um pouco de musculação, já que o Theo havia dito que a alimentação dele estava voltando ao normal. - Ta por fora, Ethan não contou? Eu sou o cestinha do time.

*** Sem Sorriso*** de novo, eu estava me desgastando com tudo isso.

- Fechado.

#Theo

Despedimos dos meninos, eu arrumei a cozinha, e fomos deitar, neste dia estava frio a noite, e o Mr. George estava dormindo no tapete nos pés da cama do Dylan, eu deitei na minha cama falando com a Ashley por mensagens e ele quieto na cama dele.

 Ao desligar o telefone e colocar embaixo do travesseiro, eu me virei na cama olhando para ele, Dylan se levantou com seu travesseiro, e deitou comigo, eu subi a coberta ele entrou ficando muito próximo a mim, até porque a cama de solteiro;

- Seu pé esta frio.

- Vem aqui.

Abracei ele, cruzamos as pernas umas nas outras, e aproximei meu rosto do dele, pegando suas mãos e assoprando para esquentar, seus olhos vidrados nos meus.

 Beijei Dylan matando a saudade da ultima vez, não forcei nada, somente um beijo normal, carinhoso, meigo, e sincero.

#Dylan

Na manhã seguinte eu havia acordado mais cedo e peguei o Mr. George, para darmos umas voltas, ele estava sedentário, por eu só ficar dentro de casa, estava fazendo mal a ele, coisa que eu não queria.

 Por causa do horário estava uma neblina densa, ao correr o rosto ficava molhado com as gotículas de água. Voltamos eu passei eu uma padaria e comprei um café pra mim, e levei algumas coisas para casa, voltamos andando mesmo ao chegar, Theo e Gloria estavam na cozinha, ele sentado e ela ligando a cafeteira;

- Bom Dia.

- Foi comprar café Dylan?

- Não, acordei mais cedo, levar esse preguiçoso pra dar uma volta.

Falei enquanto Mr. George ia tomar água, me sentei de frente para o Theo, e Gloria em seguida;

- Que foi? Porque essas caras?

- Gloria, sabe jogar truco?

- Sim eu sei, aprendi com meus pais, antigamente minha família passava noites, jogando, é como tradição, e temos a fama de não perder, sim somos craques do jogo.

Abri um sorriso, Theo fez uma cara de desinteresse;

- Que foi?

- Theo é adotado?

- Haha’ que engraçado você. É que ensinei a Ashley e o Dylan ontem a jogar.

- E perdeu.

- Ela roubou.

- Mas meu filho, esse é o propósito do jogo.

- Mãe.

- O que?

- Nossa, vou pro colégio que ganho mais... Você também não sabe jogar Dylan.

- Mas aprendi ontem.

Ficamos rindo, e Gloria se aprontou;

- Vou para o trabalho, e você...

- Vou arrumar o quarto e levar o Mr. George no pet shop.

- Ele esta bem?

- Não, mas vai ficar.

- E você?

- Sim, estou bem melhor.

O dia foi tranqüilo, jantamos e deitamos cedo, assim que peguei no sono acho que passou umas horas e sinto o Theo me sacudir;

- Dylan! Dylan acorda.

- Que horas são?

- Duas da madrugada.

Ao me sentar ele estava pegando um casaco e jogou quase na minha cara;

- Pra que isso Theo.

- Veste que esta muito frio lá fora.

- Ta mais vamos onde?

- Shiiiiiiiii! Fala baixo, minha mão esta dormindo, venha preciso de você.

Pulamos pela janela, e fomos bem devagar até a rua onde o carro da Ashley estava parado. Ao entrar ela estava no banco da frente e o Junior atrás, me sentei com ele e o Theo todo apreensivo;

- Vai! Vai.

- Gente pra onde estamos indo?

- Vamos fazer um roubo, mas tem que ficar calado.

- Roubo Theo? Como assim?

- Relaxa Dylan.

Olhei para o Junior e ele disse;

- Eu não quero roubar.

- E eu não quero voltar para prisão.

Disse Ashley, nos olhamos uns para os outros e Junior tentou abrir a porta;

- Estou brincando seu medroso, se acalma.

Paramos na esquina de minha antiga casa, Theo desceu do carro;

- Venham desçam. Ashley quando der o toque no seu celular, você estaciona de ré na garagem.

- Beleza.

- Vocês venham comigo.

Fomos andando normal com o Theo, e em frente minha antiga casa entramos no jardim ao lado de trás, lembro de ver o jardim horrível, com plantas grandes e gramado em péssimo estado, a piscina vazia e suja. Theo forçou a porta para entrar;

- Ei espera.

Digitei a senha do alarme, e as portas se destravaram. Entramos e Theo foi direto para o porão, as coisas por toda a casa estavam cobertas com lençóis e proteções, ao descermos ele estava com uma lanterna;

- Cara está armado também.

- Vamos, Dylan desconta a bateria, eu e Junior vamos ir carregando para fora.

Eu fui descontando, e eles levando para fora, eu aproveitei subi e peguei umas coisas do Mr. George. Ao sair o Theo mandou ativar o alarme, enquanto ele ligava para Ashley;

- Ativa ai que... Ashley pode vir, mas vamos ter que precisar de você, para o carro abre o porta malas e vem para o jardim.

Minha bateria era completa, então havia algumas peças, o Junior era o mais engraçado ele foi o mais rápido também, nos colocamos tudo no carro, foi tipo coisa de cinema, muito rápido.

- Gente isso foi demais, kkkkk’, que acham da gente roubar um banco amanhã.

- Ashley se entrar na minha casa comigo, o Junior quase se mijou todo, imagina roubar algo de verdade.

- Vocês nem brinquem com isso.

Bem como Gloria estava dormindo, colocamos tudo na sala, para arrumarmos depois, afinal fazia muito barulho, tudo aquilo.

#Theo

- Dylan?

- Oi?

- Conseguiu dormir?

- Não.

Levantei-me e deitei na cama dele, me virando de lado, ele veio e me abraçou cobrindo com a coberta;

- Valeu pela bateria.

- Relaxa, quero você fazendo muito barulho amanhã, kkkkkk’.

Acordei na manhã seguinte sozinho na cama dele, Dylan havia levantado mais cedo novamente, ao escovar os dentes e descer, o corredor estava uma bagunça e eu ouvi umas conversas em uma porta aberta, quando olhei era minha mãe e ele, dentro de um porão.

Acho que a maioria das casas nos EUA possuem um porão por questão de segurança, mas o nosso parecia aqueles de filme de terror, ao olhar percebi que Dylan e ela estavam arrumando;

- Estão fazendo o que ai em baixo?

- Vou colocar a bateria aqui.

- Meu filho, desce aqui.

- Não mãe, não quero não to vendo aqui.

- Theo esta com medo.

- Não é que... Eu estou atrasado para o colégio.

Meu Deus, me desfarçei pois aquilo lá estava horrível, eu para correr fui ao colégio mais cedo...

0 visualização
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia