• @richardsongaarcia

Eles e Eu - Capítulo 10 - Devíamos?

#Theo

A casa dos avós de Dylan era muito bonita, com varias coisas antigas os dois velhinhos a coisa mais linda juntos. O pai de Dylan e sua mãe ficaram fora o dia todo, ele no telefone, minha mãe ajudando a senhora com o jantar, e eu jogando baralho com o avô dele, que era um velhinho simpático cheio de historias.

- Theo chame o Dylan para Jantar. A mesa está colocada.

Fui até o quarto ele não estava, ouvi sua voz no fim do corredor, havia uma escada subindo para o Soton, eu cheguei e ele estava deitado no chão no meio de uma espécie de quarto.

- Ei o jantar está na mesa.

- Vai me dar ordens agora?

- Larga de ser panaca e desce logo.

Já estava de saco cheio de birra de adolescente mimado. Depois do jantar que por sinal era bem cedo, os pais do Dylan nos chamaram para dar uma volta.

Arrumamos-nos e saímos, fomos fazer um mini passeio turístico, passando pelas vitrines da "Macy's", a arvore de natal do "Rockerfeller", onde havia uma imensa pista de patinação;


- Pai vou querer patinar, o senhor vem?

- Não Dylan, vou voltar e procurar sua mãe e a Gloria, fique com o Theo. Qualquer coisa vão direto para casa da vovó.

Ficamos os dois, acabou que depois de terminar ali iríamos para casa, pois eles sumiram em meia tantas lojas para gastar.

Eu sou jogador de futebol não patinador artístico, cara ficar de pé foi um sacrifício, enquanto Dylan patinava igual a uma moça. Acho que ele percebeu meu desespero e depois de duas voltar ele se aproxima;

- Flexiona os joelhos. Agora assim.

Fez Dylan movimentos com dois pés, ao tentar outro tombo;

- Venha segure em mim, isso, agora tente me acompanhar.

Abracei-o de lado, e novamente, cai dessa vez levanto Dylan comigo.

- Cara você é ruim em.

- Ah mesmo, me fala uma coisa que não saiba.

Tentamos mais algumas vezes. Eu consegui, mas muito ruim mesmo, até em um momento, uma senhora veio, isso mesmo vou repetir, uma senhora segurou de um lado e Dylan do outro, ai eu consegui, ele só ria e eu com vergonha a "tia" não queria me soltar, foi engraçado, não me machuquei, só paguei micos.

Já estava à noite quando fomos ao "Central Park", e posso dizer estava maravilhoso cheio de luzes de natal, sem palavras para descrever o lugar, chegamos tarde em casa, os dois rindo com sacolas e eu estava com um chapéu que havia comprado de um vendedor de rua.

Tomamos um chocolate quente e deitamos, peguei no sono rapidamente, pois estava exausto do dia, da viagem.

#Dylan

Posso dizer que a noite passada foi, tranquila, mas acordar e ver o Theo ao meu lado na cama foi pouco demais, ele dormindo parecia um anjo, estava com a cabeça quase desaparecendo no travesseiro, sabe quando se está bem confortável, e naquele frio.

Me levantei bem devagar, e fui ao banheiro, depois para a sala onde estavam todos de pé olhando a TV, anunciava uma frente fria rigorosa e pedia para que as pessoas não saíssem de casa naquele dia. Tomamos café enquanto eles falavam a mesma coisa, acabou que eu e Theo ficamos brincando na neve no fundo de casa, como estava nevando muito estava tudo coberto de neve por volta de centímetros do solo, depois do almoço pegamos no sono assistindo um filme com meu avô na sala.

Acordei com Theo dormindo sobre meu ombro, sem querer senti o cheiro do seu cabelo.

Antes do almoço jogamos poker, eu meu pai, meu avô e Theo, acabei perdendo todas as jogadas.

#Theo

Depois do jantar eu estava ajudando na cozinha, elas se sentaram e foram conversar tomando um chá, eu passei pela sala o pai e avô de Dylan estavam assistindo jogo, ao entrar no quarto ele estava na cama me olhou assustado quando entrei, com uma taça na mão ele meio que escondia ela;

- Estão discutindo sobre futebol americano até agora.

- Os dois sempre foram assim.

- O que está bebendo?

- Vinho.

Falou Dylan me entregando a taça, me sentei ao teu lado passei os cobertores me cobrindo.

Na segunda taça estava ensinando a ele como jogar capoeira. Eu gingando no chão e ele na cama.

Terceira taça eu estava dançando dançando funk, e ele deitado me olhando e rindo, meio bêbado, meio sem entender a letra;


Ele se levantou e tentou me imitar, mas;

- Não tem que mexer a bunda assim.

- Kkkkkkk' você não está mexendo a bunda está mexendo a cintura.

- Assim Dylan.

Falei segurando ele por trás e meio que rebolando, uma tremenda encoxada.

No fim da garrafa eu estava dormindo, lembro que como no filme ele puxou meu pé, levei um susto, mas com a força que ele colocou eu me virei e cai ao lado da cama, sorrindo e limpando minha própria baba;

- Se machucou?

- Não seu filho da mãe.

- Venha, segura em mim.

Passei os braços por volta de seu pescoço e ele me ajudou a subir na cama, com a metade do corpo para fora da cama, coloquei o capuz, Dylan sorrindo igual um idiota, o que me fez abrir um sorriso também;

Ele me olhou e nos beijamos, senti sua língua na minha boca seus lábios dançar sobre os meus. Nos afastamos olhando um para o outro;

- Devíamos?

Perguntou ele;

- E porque não?

Perguntei, dando um selinho nele novamente.

Minha mãe entrou no quarto mandou eu ir escovar os dentes e Dylan me preparar para dormir.

- Não acredito que trouxeram essa garrafa sem vermos.

-Mãe foi o Dylan.

- Você que bebeu.

- Quieto os dois, antes que acordem seus pais Dylan, escovem os dentes os dois e vão dormir.

- Mãe?

- Oi.

- Eu te amo, amo você, amo essa escova de dentes, amo o Dylan, eu me amo, amo esse tapete fofo e...

#Dylan

- O que você deu pra ele?

- Ele bebeu três taças só.

Gloria saiu do quarto, tive que ajudar ele a escovar os dentes e deitar, depois me escovei e me deitei.

Theo estava de frente para mim na cama, deite e fiquei de frente para ele, debaixo do cobertores seus pés se encontraram com os meus, sorrindo ele me beijou novamente. Cara que boca era aquela, molhadinha e carnudinha, bem firme, era um tesão de beijar.

Ele segurou minha mãe, e ficamos um de frente para o outro, sentindo a respiração forte, e os lábios juntos, com movimentos lentos até pegarmos no sono.

Na manhã seguinte acordei com sua mão fazendo carinho em meu cabelo, ele estava deitado me encoxando;

- Está acordado?

- Esperando você.

Falava enquanto beijava meu pescoço me virei beijando em sua boca, não sei o que deu em mim, deitei em cima de Theo beijando e sendo sarado, suas mãos passava por minhas costas, sua boca estava com gosto de "sexo".

Quando ouvimos bater na porta;

- Meninos acordem, está um dia lindo, rápido.

- Claro que nos assustamos.

#Theo

Acordei pensando quem foi aquela pessoa que eu sentei ao lado na poltrona do avião! E quem é essa pessoa que está deitada ao meu lado com um sorriso imenso, me fazendo sorrir sentir um frio na barriga!

Os dias em Nova York foram os mais felizes desde que mudei, foram esplendidos.

No dia 31 iríamos para a Times Square, os pais de Dylan já avisaram a gente que não teria como não se perder, então ao chegarmos naquela multidão foi descer dos taxis e sumiram. Eu e Dylan ficamos juntos pois estávamos de mãos dadas, ao contrario também nos perderíamos. De frente para os grandes telões de LED, o frio estava mais ameno, eu estava de capuz, e boné de aba reta, Dylan com um cachecol, e cheio de estilo. Ainda de mãos dadas já na contagem regressiva. A meia noite, os primeiros segundos de 2015, todos se beijaram, era como uma coreografia, todos os casais a nossa frente e volta.

Olhei para ele, que subiu o olhar, mas virou seu corpo, nos aproximamos e beijamos ali na frente de todos, sem pudor ou receios.

- Que nosso ano seja...

- Não! Não diga nada.

Falei mordendo seu lábio, ele me abraçou forte, muito forte mesmo.

Ficamos por um bom tempo ainda, comemos besteira, e andamos, eu até fiz amizade com um pessoal meio que maconheiros. Quando chamei Dylan para ir embora era por volta de 2 da madrugada;

- Vamos andando?

- Ah, Dylan, são três quilômetros.

- Amanhã vamos embora, aproveitamos e passamos mais tempo juntos.

- Beleza. Sabe o caminho?

- Você sabe a distancia, mas não sabe o caminho?

- Cala a boca, e vamos, que esta esfriando.

Falei atravessando a rua, o abracei e Dylan saiu correndo gritando;

- Quem chegar por ultimo é a...

Igual um doido no meio do pessoal, cara fiquei meio sem entender, quando cheguei na esquina ele estava me esperando;

- Ah? que foi aquilo?

- Pensei que seria engraçado.

- Não, foi.

- Ah! Mesmo? Hahah'.

O frio estava já castigando a gente, que estava abraçado, e trocando beijos às vezes pelo caminho, que graças a Deus estávamos chegando;

- Não brinca?

- É serio, e tipo depois que abracei a garota ela disse, "Theo essa é minha irmã, não aquela". Mano só me despedi sai muito sem graça.

- Isso que dá sair abraçando todo mundo.

- Não é todo mundo, ela estava do lado da garota, não tinha como eu adivinhar.

Chegamos limpamos os pés e entramos, Dylan chegou gritando;

- Mãe, Pai? Gloria? Eles ainda não chegaram.

Disse ele ao fim do corredor enquanto eu fechava a porta;

- Vou trocar de roupas, e colocar mais casacos se não vou congelar.

Dylan também entrou no quarto. Estávamos tirando aquelas roupas para colocar os pijamas, ele então de camisa e short me aproximei beijando ele, caímos na cama puxei o cobertor e ele perguntou;

- Que ta fazendo?

- Sei lá, eu, você, sozinhos nessa casa, cheios de vontade de se...

Falei beijando a boca dele, Dylan me interrompe;

- Vontade de que?

Perguntou rindo, fiquei sem graça e não queria falar;

- Ah você sabe.

- O que Theo?

- Kkkkkkkkk'.

- Sexo?

- Não, assim você corta o clima. Fazer amor.

- Quem fala fazer amor hoje em dia Theo?

Ele estava fazendo de propósito, eu já estava vermelho de vergonha, não respondi só beijei a boca dele com vontade, dei uma pegada em sua bunda...

- Meninos chegamos...

Gritou a mãe de Dylan, cara foi como jogar água, eu estava excitado, corri pro banheiro, Dylan se levantou e foi vestir roupas.

- Chegamos mãe.

Me vesti e sai do banheiro rindo;

- Ta rindo do que?

- Disto.

Falei abaixando o pijama e mostrando na minha cueca o volume que se formava, ele jogou um travesseiro, e deitamos "novamente".

Acordei com Dylan me abraçando, bem ele já estava abraçado, não quis me levantar, fiquei ali, passando a mão no seu rosto.

Com tudo pronto tomamos café e nos despedimos indo para o aeroporto, novamente com poltronas ao lado uma da outra, o voo de volta pegamos no sono por dormir tarde na noite anterior, acordei com o avião sobrevoando Dallas, Theo dormia em meu ombro, tirei seu fone de ouvidos, o cabelo dele estava todo bagunçado, a cara amassada pelo jeito que ele dormiu.

#Dylan

Cheguei em casa correndo para encontrar o Mr. George, que havia ficado na nossa vizinha, meus pais do mesmo jeito de sempre, eu já sabia o que aquilo iria significar, era a vida normal de volta, desci para tocar bateria e matar a saudade, e não pensava em outra coisa a não ser no Theo.

Estava com uma saudade estranha dele, isso porque não o via há 90 minutos, quando sentei coloquei o fone de ouvido e peguei o celular para escolher uma musica, vi o papel de parede que ele havia colocado no meu celular, era uma foto que o idiota tirou de dentro de sua cueca, não dava pra ver nada, tudo escuro, mas estava de proteção de tela, olhei e me lembrei rindo.

Quando das escadas desce Stella, a garota estava puta;

- Hello! Esta vivo? Não porque ficar 3 dias sem ligar para sua namorada, pensei que iria morar em Nova York.

Já perceberam que eu havia esquecido da Stella não é mesmo;

- Foi mal amor, é que meu feriado foi péssimo.

- É eu sei me falou do Theo, mas não custava nada mandar uma mensagem Dylan, fiquei preocupada.

- Desculpe, mas ficamos sem net lá por dois dias...

Enrolei ela e acabamos ficando de boa, havia um sofá no porão bem em frente a "batera", ficamos aos beijos ali até altas horas, levei ela para casa, pois no dia seguinte havia aula.

Isso mesmo nos EUA, o recesso de aulas retornava no dia dois de janeiro.

Quando cheguei em casa para dormir havia uma mensagem de boa noite do Theo. Responde mas parecia que ele já havia dormido, então escrevi "Saudades suas".

Dia seguinte Gloria me acorda para o café, logo em seguida peguei meu carro e fui para aula.

Ao chegar na frente do colégio, havia um carro na minha vaga, parei o carro e fui até o motorista. Posso dizer que me surpreendi, era um morena de cabelos cumpridos, usava uma calça jeans muito sexy, um top com alças no pescoço, e um sobretudo por causa do frio, ela estava descendo pegando suas coisas, mas eu já havia falado;

- Escuta essa vaga é minha.

- Ah desculpe, acho que o gliter que você escreveu seu nome se apagou.

Ethan e Ryan que estavam de longe deram gargalhadas, a garota arrogante fechou a porta e saiu com uma atitude, sem olhar para trás. Não pude fazer nada, o carro dela era um Land Rover, bem mais caro que o meu.

Estacionei meu carro em outra vaga e vejo bem na minha frente Theo trancando sua bike, fiquei olhando para ele que se virou e me olhou rindo;

- A gostosa calou sua boca.

Gritou Ethan batendo forte com a mão no capô do carro. Quase morri de susto, ao voltar o olhar Theo já estava entrando;

- Se amassar meu carro é um cara morto.

- E que isso, dormiu com o Theo foi?

Sabem aquelas insinuações que sobe um frio na barriga, cara isso não é umas das melhores coisas. Entramos e ele falando da tal garota;

- Viu a barriga dela que perfeição, e a boquinha, mano tenho que pegar essa mina.

- Quem é ela?

- Deve ser novata, nunca há vi no colégio.

- Novata essa época do ano.

Estava colocando minhas coisas no armário, sempre deixo meu celular para não atrapalhar na sala de aula, e pior celular na sala era suspensão. Então eu sempre conferia as mensagens antes de guardá-lo, e havia uma mensagem do Theo, "Me encontra no vestiário agora".

- Vou falar com o treinador e já vou para a sala Ryan, segura meu lugar antes que apareça outro novato.

- Falou.

Disfarçadamente fui para o vestiário, passei pelos armário e quando cheguei na ala dos chuveiros Theo pulou na minha frente me assustando;

- Cuidado.

- Filha da mãe. Me...

Ele veio me beijando, andando para trás, cheguei a bater as costas nos armários;

- Estava com saudades dessa sua boca.

- Só dá boca?

Falou ele colocando a minha mão sobre seu volume.

#Theo

Eu sabia que Dylan curtia minha cara de safado, ou lerdo como ele gosta de falar. Tirou a mão de cima da minha cueca rindo;

- Para Theo.

- Quer ir La em casa hoje? Minha mãe vai estar fora.

- Hoje não rola cara. Vou jantar na casa da Stella.

"Merda".

- Ah Stella.

- Theo, escuta, não posso terminar com ela assim sem mais nem menos.

- Sem mais nem menos?

- Não quero discutir, vem aqui.

- Ta certo, também não sei como agir com tudo isso, é melhor ficarmos como está, pelo menos até no fim das provas.

Cheguei atrasado na sala, então fui para a direção pegar uma autorização. Voltei para a sala, aula de bioquímica, sempre sentávamos em dupla, ao chegar o Junior estava com um amigo dele, e só havia lugar ao lado de uma garota, ela estava abaixada copiando algo, usava um boné rosa bem chamativo.

Ao levantar o olhar, fiquei hipnotizado no olho grande azul dela, as bochechas rosadas a sobrancelha desenhada, a garota era muito linda. Juro a vocês fiquei intimidado. Ela mordeu o lábio eu sorri e cumprimentei ela;

- Oi.

- Oi.

Ela voltou a copiar o que estava fazendo, e eu a interrompi;

- Sou Theo,e você é?

- Ashley, prazer.

- É nova aqui no TAG?

- Agora é a hora de entrevistar a novata? Ou vai me deixar terminar.

Filha da puta, ela atiçou meu ponto fraco, como eu ela falava o que pensa, não me contive;

- Desculpe, só estou tentando ser gentil, é que quando entrei aqui, não tive essa oportunidade.

- Ta me desculpe, é que minha cota de idiotas já se esgotou por hoje.

- Ah, foi você que estacionou na vaga do Dylan. Hahah'

- O Loirinho?

- Sim.

- É amigo dele?

- Não.

- Talvez o senhor Theo e Ashley queiram compartilhar conosco o assunto, que garanto estar muito interessante.

Disse o professor com o livro em mãos colocando em nossa mesa e deixando a gente sem graça.

0 visualização
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia