• @rgpatrickoficial

crescendo - Capitulo 4

Julie gemia muito forte, como se estivesse sentindo uma dor forte;

- Pega agua Hugo. – Lucas diz.

Abaixo para pegar ela no colo e vejo uma mancha de sangue no chão;

- É cólica menstrual? – Pergunto a ela.

- Cólica menstrual não dói tanto. – Julie fala.

- Vou te levar para o hospital. Regia pega umas toalhas. Lucas o carro. – Falo pegando a Julie no colo.

Eu fiquei atrás com ela e Lucas dirigindo, o amigo dele foi na frente, e eu segurando a mão de Julie, que não dizia nada, somente sentia dores.


#Hugo



Assim como vocês eu fiquei meio que assustado, no hospital, fiquei com o Lucas na sala de espera o pai dele havia entrado junto, e sinceramente eu fiquei mega perdido, não sabia o que dizer, ou o que fazer, conhecia o cara a uma semana.

A porta se abre e o Vitor vem em nosso encontro, ele estava estranhamente feliz, ele se aproxima;

- E aí pai? – Lucas pergunta se levantando.

Ele não fala, mas abraça o Lucas, meio estranho;

- Ela está gravida Lucas.

Até eu ganhei um abraço, mas fiquei calado.

Galera esse fim de semana, eu iria ficar no colégio JK, mas Lucas ficou insistindo e acabei aceitando ficar na casa dele estes dias, a Alana iria viajar, e ele veio com esse papo para o meu lado.

Resumindo esse susto, a mãe dele estava em uma gravidez de risco e bla, bla, bla.

O sábado à tarde nós fomos ao shopping assistir um filme, e conheci o complexo de quadras do condomínio deles, era como o colégio, imenso.

Lucas conseguiu para irmos embora na Segunda mesmo, bem cedo. Por volta das cinco da manhã estava com as coisas arrumadas, nem tomamos café em casa.


#Thales



Primeira aula do dia Biologia, fui o primeiro a entrar no laboratório, fiquei de capuz na cabeça, e rolando a time line do instagram até todos entrarem;

- Nossa ainda bem que deu tempo! Quase me atraso. – Diz o Hugo sentando e puxando assunto do meu lado.

Eu olho para trás olhando as mesas e falo;

- Tem outras mesas livres.

- Eu sei, mas resolvi sentar aqui.... Que fez esse fim de semana? – Ele pergunta com aquela felicidade irritante.

- Não é porque estou te olhando que precisa falar comigo.

Pensei que ele iria se tocar, mas o cara é folgado;

- E ser mal educado precisa? – Ele fala se levantando. – Mas vou ficar, estão todas ocupadas. – Hugo diz, arrumando as coisas.

O professor entra e começa a falar, e falar e falar, mas a última pessoa que eu queria ouvir era o Vitor;

- Professor acho que não disse para o senhor Deummond que não pode usar celular na sala de aula.

Ele fala nas cadeiras atrás. Eu fecho os olhos, imaginando a morte desse cara;

- Senhor Deummond é estritamente proibido o uso de celulares e tablets dentro da sala de aula, para uso acadêmico temos os computadores.

- Sim, senhor.

- Preciso do aparelho. – Ele fala estendendo a mão.

- Não vou te entregar meu celular.

- O aparelho senhor Thales. – Ele insiste.

Eu entrego e quando o professor virar de costas, indo a sua mesa aponto o dedo do meio para Vitor, que fica rindo lá atrás.

- Esse cara precisa de uma lição. – Resmunga Hugo.

- Odeio isso, mas concordo com você.

Biologia duas aulas, Geografia uma aula e Matemática duas aulas.

Somente depois das aulas desse dia consegui pegar meu celular de volta, almocei com os meninos, mas estava com a cabeça longe, por isso nem prestei atenção nos assuntos deles.

A tarde eu tinha aula de natação, era uma das extracurriculares, e eu pensando estar livre de Hugo, vejo ele vindo como se estivesse chegando na praia, de bermudinha, chinela de dedos;

- Precisa se trocar Hugo, vai rápido para começarmos. – Fala a professora.

Ele entra no vestiário, enquanto ela dizia algumas regras que deveríamos seguir e tals.

Hugo retorna e pergunta a professora;

- Já podemos cair na agua?

- Não, vamos aquecer galera, todo mundo com alguém... Thales você fique com o peixinho aqui. – Ela fala apontando para ele.

Os meninos soltam risadas, da brincadeira e ele mesmo toma iniciativa;

- Tem que ser com ele professora?

- Se quiser entrar na agua sim.

Nos sentamos e alongamos, calados, só olhávamos um para o outro quando necessário.


#Hugo


- Vamos começar com algo fácil, marcando tempo das duplas, quero ver do que são capazes...

A professora explicando o que teríamos que fazer, o primeiro pula e atravessa a piscina semiolímpica, ida e volta, quando retornar o outro faz o mesmo, ganha a dupla que fazer o menor tempo.

- Pronto? Não vai me sacanear em Thales. – Falo me preparando.

- Cala a boca Hugo.

Ela dá o sinal e eu salto, cara nadei muito rápido, fui e voltei, toquei a mão do Thales aí sim consigo ver que fui o primeiro.

Mas achei que estava em uma olimpíada, mano os caras desse colégio não pegam leve não, que era aquilo.

Mas o Thales estava me sacaneando só pode, ele perdeu nosso tempo, o que eu fiz foi em vão, nós perdemos;

- Você sabe nadar cara? – Pergunto tirando ele dá agua.

- Foi mal. – Thales fala sem ar.

- Thales tudo bem? – A professora se aproxima de nós.

Ele não responde, por causa da respiração muito forte, somente diz que sim com a cabeça;

- Pode ser a piscina, ou você está um tempo sem treinar e despreparado, mas vocês perderam. Hugo parabéns, o melhor tempo de hoje, mas regra é regra. – Ela fala saindo.

- Tudo bem professora.

Peguei uma toalha e sequei o rosto, me sentando, e ele foi beber agua. Ainda fizemos alguns exercícios e no fim da aula a professora libera a turma;

- Meninos vocês perderam a competição de hoje guardam os equipamentos e boias. – Ela fala mostrando a piscina cheia.

- Eu vou matar você – Falo olhando para ele.

- Pode ir, eu me viro aqui. – Thales diz entrando na agua.

Eu peguei minha toalha e segui para o vestiário, até pensei em voltar, mas é sacanagem da minha parte. Voltei deixando o chinelo e recolhendo as coisas do outro lado da quadra.

Depois de uns minutos arrumando a porta do ginásio abre e o Lucas entra gritando;

- Ah que legal, trabalham aqui agora? Ou é um encontro romântico? – Ele fala entrando.

- Thales fez a gente perder, e sobrou para a gente. – Falo aproximando dele.

Lucas estava todo soado e cabelo bagunçado, o que não é normal para ele;

- Estava onde? – Pergunto.

- Na academia, mano eles têm uma completa, com todo equipamento que imaginar, nem dá para imaginar que isso aqui é público. – Ele fala tirando a camisa.

- Pulico para família de vocês né, demorei meses para entrar.

Ele somente sorri e fala;

- Posso dar um mergulho? Tenho aula de Teatro logo mais.

- Sabe nadar? – Thales questiona.

- Quanto de profundidade?

- Mais de dois metros eu acho.

- Ah eu me viro. – Lucas fala tirando a bermuda.

Ele pula na agua enquanto eu e Thales trancamos as coisas nos armários;

- Pronto. – Falo fechando.

Quando ouvimos algo, um gemido, sei lá, era o Lucas afogando, detalhe ninguém que não está inscrito nas aulas podem nem entrar no ginásio, quem dirá na agua.

- Eu vou. – Thales fala tirando a toalha.

- Ta maluco na sua rapidez ele morre. – Falo pulando.

Cheguei em Lucas e agarrei ele, me segurando nas divisórias, e ele galera rindo de dar gargalhadas;

- Está me machucando Hugo. – Ele fala.

- Filho da Puta quer me matar de susto. – Falo soltando ele.

- Mano não brinca com umas coisas dessa. – Thales fala se levantando, ele estava de joelhos a beira da piscina.

- Relaxam, vocês estão muito tensos.

Saímos da agua e seguimos para o vestiário, o Lucas não quis entrar no chuveiro por não ter roupas eu e Thales tomamos uma ducha;

- Thales sua mãe tem uma entrevista essa noite, não é? – Lucas pergunta olhando a tela do celular.

- Sim.

- Vamos assistir juntos? – Ele pergunta.

- Pode ser.

- Beleza.

Nós saímos e nos vestimos e Lucas comenta;

- Tem uma bundinha gostosa em Thales, se um dia decidir dar ela me avisa primeiro em.

Eu comecei a rir e Thales joga nele sua sunga da aula, Lucas sai correndo para desviar e acaba levando um escorregão por causa do piso molhado, mano rimos demais dele que saiu com a bunda dura e todo torto.


15 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia