• @rgpatrickoficial

crescendo - Capitulo 13

Galera depois de chegar na casa do Thales, acreditem o Hugo preparou o almoço para nós, e ficamos os quatro na piscina, brincando.

Com o pôr do sol, Hugo e Thales estavam jogando vôlei na piscina, eu tomando um sol, e o Lucas no Instagram;

- Amor está fazendo o que? – Pergunto erguendo os óculos.

- Respondendo uns comentários.... Disseram para a gente fazer uma festa hoje, aproveitar a casa. – Ele diz olhando para os meninos.

Claro mais precisamente para o Thales. Os dois param com a bola e olham;

- Como assim? – Thales pergunta.

- Nos grupos da faculdade, falando que podíamos fazer uma festa, é uma boa.

- Não, meus pais me matam.

- Beleza.

Galera era como se trocássemos o “nosso” Thales, ele ficou em silencio por segundos e disse;

- Vamos.... Podemos fazer, mas só com algumas pessoas. – Ele confirma.

- Tá vou falar para os meninos. – Lucas confirma.


#Hugo



A casa de Thales para mim era uma mansão, bem grande, e tinha um quintal imenso, eu pessoalmente não sei se teria coragem de fazer o que ele fez, liberar a casa para uma festa de colegial.

Depois de sua confirmação, o Lucas fez os convites para o pessoal do colégio, nos organizamos, e escondemos algumas coisas de valor que o Thales pediu.

Vinte pessoas, estávamos esperando vinte pessoas! Galera em um momento da festa, ou você estava do lado de fora, ou de dentro, de tanta gente, serio mesmo, era como todo o Colégio JK na casa do Thales naquela noite.

Observações: Na sala tinha um cara tocando um violão junto a uma galera que cantavam todos juntos, ao lado de fora, várias caixas de som da JBL tocando músicas, para os vizinhos não estava alto a música, creio que nem atrapalhando.

Eu fiquei com a Alana e Samantha próximo a piscina, onde tinha um lugar para colocar as bebidas;

- Agora o Thales entra para a história do JK. – Samantha comenta.

- Sim, estou vendo o colégio todo aqui. – Alana responde.

- Pois é, tem gente demais, até o Vitor. – Falo apontando para o outro lado da piscina.

Sim, o Lucas convidou a Isis, para o Thales e claro que ele não iria ficar de fora, e com tanta gente foi impossível fazer algum tipo de controle.

Os meninos mudaram a playlist para tocar Funk, cara a Alana e Samantha já correram para dançar, eu fui entrar atrás do Lucas, para trocar uma ideia.

E encontro ele vestido de unicórnio na cozinha, não perguntem onde ele arrumou aquilo;

- Mano que isso? – Falo aproximando dele.

- Gostou?

- Não é meio estranho.

- Viu o Thales? – Ele pergunta.

- Na piscina com a Isis.

Seguimos para o jardim, e vimos os dois nós amassos em um canto, próximo a algumas mesas. Lucas todo feliz e chegamos mais perto, mas quem chegou primeiro que nós, foi o Vitor;

- Que isso garota, se liga! Vai ficar de pegação aqui na frente de todo mundo. – Ele fala segurando o braço dela.

- Tira a mão de mim Vitor, não é meu pai.

- Sou seu irmão.

- Não estamos fazendo nada cara. – Thales diz.

- Cala a boca playboy.

- Vamos Thales, deixa ele com suas paranoias aí. – Isis diz puxando o garoto no meio da galera.

Eles se afastando e Vitor olha para a gente;

- Como está o pé Lucas?

- Melhor, pronto para te acertar.

- Mano, não vamos causar confusão aqui. – Falo perto do seu ouvido.

- Ei, vamos nessa Vitor. – Diogo um amigo dele fala.

Ao se virarem, acho que trombam com uma galera que estava dançando, e quase os derrubam na piscina, não vi, pois, estar de costas.

- Seu ogro, presta atenção onde anda. – Fala o Patrick.

Patrick é o “gay” do JK, ele anda maquiado e as vezes com roupas femininas, o garoto é muito fera em matérias como Física e Matemática.

- Se liga boiola, olha como fala comigo.

- Não tenho medo de você Simonato, e meu nome é Patrick, acho difícil para você guardar aí, pois tem um cérebro pequeno demais.

Quando Patrick disse todo mundo próximo meio que vaiou o Vitor.

- Se liga viado. – Vitor fala pegando na blusa dele.

Foi algo muito rápido, o Lucas pulou no meio e empurrou o Vitor;

- Tira a mão do cara.

Acho que pelo álcool era tudo que ele queria. Vitor empurrou ele, e Lucas fez o mesmo, eu e o Diogo entramos no meio, porque não seria cômodo sair uma briga nessa altura da festa.

Agora por causa da bagunça todo mundo gritou xingando o Vitor, que saiu da festa dando dedo para cima.


#Lucas



Subi mesa onde a Alana estava dançando, e arrisquei umas músicas com ela e Samantha, rsrs.

Minha namorada estava muito louca, sério mesmo. Ela estava bebendo alguma coisa com as meninas, que olha estavam rindo para qualquer coisa.

Acho que por volta de uma da manhã, eu entrei auxiliando a Alana pelo braço, subimos as escadas até os quartos, ela queria ir ao banheiro e trocar aquele salto.

Eu tirei aquela roupa e coloquei somente uma bermuda, ela saiu do banheiro e eu entrei, urinei, lavei meu rosto e escuto a porta do quarto se abrir.

Era um garoto, não me lembro dele no JK, a Alana estava alterada e se vestindo no quarto;

- Foi mal gata, estava procurando o banheiro. – Ele fala ao perceber.

Ela estava protegendo os peitos com o braço, e ele parado na porta;

- Tem um aqui se quiser. – Alana diz apontando para a porta.

- Obrigado.

Ela se aproxima dele, que estava meio que “hipnotizado”, pois vocês sabem, minha namorada é muito linda. Ela passa a chave na porta e aproxima beijando ele, de início o cara fica quieto, mas logo leva a mão no corpo de Alana.

Eu então saio do banheiro, e eles continuam, sem ele me ver, a cena estava quente confesso, ele já de camisa aberta e Alana com a mão dentro de sua calça.

- Que isso cara. – Ele fala se assustando.

Ela sorri, e eu também;

- Relaxa.... É meu namorado. – Alana diz vindo até mim.

Era obvio o que ela queria, e entrei na sua onda. Ela me beijou e eu dei uma pegada forte nela, fazendo ela gemer. Alana se vira sarrando seu corpo no meu, eu com as mãos em seus peitos e mordendo sua nuca.

O cara tira a camisa e se aproxima beijando ne aboca dela e levando a mão dentro de sua calcinha, que cena.

Era um garoto normal, corpo normal, cabelo bem baixo, tatuagens na altura dos combros e bíceps, alargador da orelha sobrancelha com aqueles “riscos”. Tinha um par de pernas legal.

Ficamos uns minutos se pegando, até cair na cama, e despimos ela toda, e ela fez o mesmo conosco, sentamos um ao lado do outro, e Alana começa a me chupar massageando o pênis dele, eu gemendo e ela trocando, revezando de um para o outro.

Ela sobe beijando a barriga, e mordiscando os mamilos, passando a língua no pescoço e beijando minha boca, depois a dele, enquanto ele colocava a camisinha.

Alana fica sob o Alex que começa a penetrar nela, e revezava de boca a boca, e eu sem me ligar ela aproxima a gente, e nos beijamos.

Eu não sou o cara mais experiente e nem o mais sábio, mas ele nunca tinha feito aquilo antes. Ficou meio sem jeito de me beijar, e depois de uns selinhos mals executados e línguas estranhas ele curtiu, ao menos foi o que percebe.

Depois ela ficou de quatro e eu só deitado curtindo sua chupada enquanto ele fazia-a gemer comendo ela na posição.

E era visível a cara de safada de Alana, ela curtia esse tipo de loucura.

Nos trocamos a posição, ela ainda tentou fazer com nos dois na mesma hora, sim uma penetração dupla, mas não ficou por muito tempo, acho que pelo o incomodo. Com Alex de pé na cama e ela chupando ele, e eu comendo Alana de quatro ela me beija, eu chupo o cara, nossa foi uma coisa de louco.

Gozamos no banheiro, de chuveiro ligado, eu e Alex fizemos ela ter um orgasmo foda, Alana se contorcia e gritava horrores, até assustou o cara, rsrs.


16 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia