• @richardsongaarcia

Clichê - Terceira Temporada - Cap. 38

- Não sabia que você queria voltar Julia, ainda mais agora que é praticamente dona sabe.

- Preciso fazer algo, não suporto mais ficar em casa, e ainda mais aqui.

- Bem se quiser vai ser ótimo, acha que consegue em quantas semanas?

- Na próxima.

- Ótimo.

- Aí obrigada.

- Não precisa agradecer mulher... Julia, tem amis coisas?

- Não é só isso, obrigada.

- Vou subir, para pegar umas coisas que deixei aqui.

- Obrigada pela ajuda.

- Por nada.

Como a Julia escolheu os quartos do andar de baixo, que eram mais tranquilos digamos assim, e tinha vistas para o jardim da casa. Eu subi as escadas, e gente levei um puta susto com o Kalleb correndo.

Ele passou gritando igual um louco, e Raquel atrás;

- Filho vem aqui!

Já olhei rindo deles, acho que ele estava com um telefone em mãos, algo do tipo.

Eu subi no quarto do Guto pegando, estava desesperada procurando por todos os lados, e o quarto todo arrumado né, uma das empregadas passou e questiona por me ver louca ali;

- Está procurando algo senhora?

- Menina deixei umas roupas aqui, acho que um brinco e um salto preto, você viu por acaso?

- Sim, estão na lavanderia, vou descer e pegar.

- Por favor.

Ela desce por um lado e eu sigo pela escadaria, vendo Kleber e Guto entrarem em casa;

- Já ouviram falar de celular vocês dois?

Os dois abrem um sorriso, estavam aparentemente cansados, Guto senta no sofá, tirando sapatos e blaser com gravata e tudo, quando olho Camilo limpando o rosto;

- Que aconteceu?

- Nada, só o Guto que foi preso! – Kleber fala normalmente.

- Preso?

- Rsrs, sim, passei umas horas prestando depoimento.

- Porque não me disse nada? – Belisco o Kleber.

- EI! Você estava trabalhando.

- Você está bem? – Sento do seu lado.

- Sim, estou sim.

- O que você aprontou agora? – Dou-lhe um tapa nas costas.

- Helena?

- Fala Guto.

- A Polícia está investigando a AFAIR e ele é responsável. – Camilo responde.

Gente eu estava tão puta da vida, que eles não me atenderam e não me contaram que estava acontecendo. Que nem percebi o garoto ao lado do Camilo.

A cena foi engraçada, porque eu parei e fiquei olhando, tipo ninguém falou nada e ele ali parado;

- Helena esse é João Gabriel, meu novo assistente. – Kleber traz ele para perto de mim.

- Oi, prazer. – Pego em sua mão.

O garoto fala o mesmo, beijando a minha mão, eu fiquei extremamente constrangida ali na frente de todos.

Augusto na hora coça a garganta, chamando a atenção;

- Está ótimo por hoje, que primeiro dia de trabalho em João, vamos? – Kleber sai com as mãos em suas costas.

- Espera. – Guto chama eles.

Augusto estava com a camisa aberta, sem sapato, e se levanta;

- Escuta, tudo que acontece daquele portão para dentro é de extremo sigilo. Se você abrir a boca para alguém, além de demitido eu em nessa garanto que você não trabalha mais nessa cidade.

- Sim, senhor.

Kleber acompanha ele até a porta;

- Julia e Kalleb estão aqui? – Guto vai subindo as escadas.

- Sim, ela lá em baixo e ele deixando a Raquel louca. Guto escuta, se ele for ficar por muito tempo, tem que colocar uma baba aqui.

Ele abre um sorriso;

- Tudo bem, vou falar com elas.

Ele sobe e o Kleber entra;

- Vai precisar de mim senhor?

- Não Camilo, pode ir. Já chega por hoje. – Kleber pega em sua mão.

- Tudo bem Helena com o Matheus? – Ele pergunta antes de sair.

- Não! Ele não sai da minha cola e sei que ele tinha conhecimento disso, mas depois converso com ele.

- Rsrs, tudo bem.

Kleber vai subindo comigo as escadas;

- Não sabia que viria para cá hoje?

- Vim pegar umas coisas... Amigo que assistente em. – Cutuco ele.

- Quando chegou pensei ser piada sabe, mas é isso aí, estou com modelo trabalhando para mim.

- Se não quiser manda ele para a Grife.

Entramos no seu quarto, rindo e ele fala;

- Guto disse a mesma coisa.

Eu fechei a cara na hora, a graça havia passado;

- Ele o que?

- Sim.

- Vou dar na cara dele, aquele cara de pau.

- Helena vocês estão juntos né? – Kleber senta tirando os sapatos.

- Juntos?

- Você e Guto?

- Amigo estamos ficando sabe!

- Sei Helena Barcellos.

- O que foi?

Kleber se levanta tirando a camisa;

- Se resolvem logo, serio.

- Tudo bem mãe... – Me sento em sua cama. – Kleber e você está pronto para seguir em frente?

- Em frente?

- É amigo, com sua vida.

- Eu não vou, por um bom tempo Helena.

- Kleber é preciso, me desculpe, mas não quero que fique assim.

- Assim como?

- Vivendo para o trabalho.

- Eu não quero falar sobre isso agora, tive um dia cheio.

- Tudo bem, mudando de assunto. Assiste o jornal hoje!

- Aí Helena, então viu que...

- Você me acha competente para isso Kleber? Sinceramente até eu ando duvidando de mim.

- Amiga. – Ele sem sentando e pegando em minha mão. – Até hoje escuto que sou aproveitador, e que estava com Heitor por causa de dinheiro.

- Mas você nem fez nada, por ele não te colocar no testamento.

- Graças a Deus. Oro agradecendo por isso todo dia, imagina se ele citasse meu nome ali? O que eu iria trazer de problemas para mim.

- Não fica chateado por ele não ter feito?

- Não tenho direito de um real do dinheiro da família dele Helena, por isso que eu trabalho tanto.

- Me orgulho de você falando assim sabe.

- Obrigado, e você esquece o que disseram, acredite quando você apreender a ignorar fica mais fácil.

- Obrigada!

- Deixa eu tomar um banho, odeio delegacia. – Ele pula da cama.

- Que acontece agora?

- Luan está lá, bem fizeram um limpa na empresa, e Guto se comprometeu a entregar o que pediram, então quem tem o rabo preso, vai rodar.

- Estão certos, vou despedir dele, também vou para casa.

- Tudo bem, amanhã passo na Petrini.

- Viu, beijo.

Vou no quarto de Guto, ao entrar Kalleb na sua cama, com o controle do vídeo game em mãos, vidrado na TV;

- Oxi menino, já está aqui! – Ele dá um sorriso, mas sem me olhar. – Guto está aqui?

- Aqui. – Ele aponta para o closet.

- Guto? – Eu me aproximo.

- Aqui dentro.

Abro a porta, ele colocando uma bermuda;

- Que história é essa de você ter gostado do assistente do Kleber? – Já coloco a mão na cintura.

- Viado! – Ele cerra os olhos.

- É ele me contou, escuta, sem essas para o meu lado, te mato dormindo garoto.

- Ah está com ciúmes é? – Ele vem me abraçando.

- Não é ciúmes não, é raiva mesmo. Me solta. – Guto beija meu pescoço.

- Que foi amor?

- Oi? – Eu me assustei.

- Helena.

- O que disse?

- Está com ciúmes?

- Não Guto.... Que conversa é essa?

- Nada, deixa de paranoia mulher. – Ele vai pegar uma camiseta.

0 visualização
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia