• @richardsongaarcia

Clichê - Terceira Temporada - Cap. 36

#Augusto

Desci com o Camilo para o estacionamento, e ele estava ajudando minha mãe a entrar no carro;

- Tem algum carro sobrando aqui? – Pergunto.

- Sim, temos um da segurança. Quer ele?

- Sim, vou fazer algo antes de ir para casa.

- Ver seu pai?

- Sim.

- Manda um abraço para aquele velho. – Minha mãe fala lá de dentro.

- Eu mando, sim, pode deixar.

- Vou pedir as chaves.

Sai junto com eles, seguindo os carros, até onde pude desviar e seguir o caminho até o hospital.

Já com a identificação, segui para seu quarto e tudo da mesma forma que da última semana, só uma coisa estranha era que as flores nos pés da sua cama haviam sido trocadas.

Puxei a cadeira sentando do seu lado;

- Da última vez que estive aqui suas empresas estavam em declínio. Quero dizer pai que agora sim, é oficial, estão ladeira abaixo, mais a AFAIR do que a Petrini. Eu e Kleber estamos estudando a fundo e o senhor ficaria abismado com o tanto de coisas erradas estão dentro daquelas gavetas de arquivos da empresa. Acho que eles levariam ela para a falência em dois a três anos. O senhor deve estar se preguntando como eu sei disso e como estou conseguindo gerir! Eu não sei, Kleber está me ajudando, ele é extremamente inteligente quando se fala de gestão, e sorte que tenho ele. Não tem jeito, meu lugar é na Petrini, é onde eu fico calmo, o ambiente, as pessoas.... Acho impossível desintoxicar a AFAIR... – Fico em silencio um pouco olhando para ele, e continuo. – Não achamos o Heitor ainda! Eu assume meu filho, e pai o senhor ficaria muito bravo em saber que ele é idêntico a mim, agora fico mais confuso ainda o porquê o senhor me odiava. Sem conhecer o Kalleb a única coisa que quero na vida é proteger ele e dar o máximo de amor que conseguir. Ele vai ficar uns dias em casa, vai ser bom para todo mundo, agitar aquela mansão que parece um museu, e vai fazer bem para a mamãe. – Eu me levanto, e fico olhando sua mão, desde que ele foi hospitalizado eu não havia tocado.

Peguei em sua mão que estava em temperatura normal, até fiz um carinho e a voltei para o lugar;

- Ainda nada! Nem remorso, nem pena, saudade, nada. É como tocar um estranho.

“- Bom dia a todos que nos assistem, estamos ao vivo aqui dos estúdios da Globo News. Hoje recebo meu amigo de longa data o Ricardo e temos também aqui, minha grande amiga jornalista investigativa Eliana. Bom dia pessoal, é um prazer recebe-la aqui Eliana.

- Prazer é meu, bom dia Clarisse, bom dia ao pessoal de casa.

- Bom dia Eliana, minha amiga Clarisse, a todos que nos assistem.

- Gente vamos começar então... No telão por favor! “Helena Faria de Alencar, conhecida no mundo da moda como Helena Barcellos, é anunciada como Presidente de todas as empresas de Nice Petrini, o anuncio veio por meio da assessoria de imprensa da Grife de luxo, e a decisão veio do novo Presidente, Augusto Montanari. ” Sei que está ansioso para falar Ricardo...

- Clarisse, ela não tem experiência em gerir algo tão grande. Hoje considerada uma potência, as empresas Petrini: Produzem e vendem também vestuário, sapatos, relógios, joias, acessórios, óculos de sol e acreditem, até livros. Eu já havia comentado que sua concorrência é Versace, Gucci, Chanel, Prada, Armani, Dolce & Gabbana, entre milhares das marcas de luxo do mundo. Helena é uma estilista, ela não é gestora, na minha opinião, o que ele fez foi um favor para uma amiga, minha opinião.

- As empresas a família, tem a fama de serem bem tradicionais, e toda a política interna vem mudando aos poucos, tivemos Heitor como o primeiro Presidente gay assumido das empresas e agora uma representante Travesti. O que Ricardo quis dizer que até como estilista não vimos muito o trabalho de Helena.

- Mas você fala daquela família a anos Eliana, tem uma noção, do contato dela com os Petrini.

- Sim, Ricardo, é uma amiga de longa data da família, lembrando que ela veio da comunidade de Vila Isabel, se formou na UFRJ em Moda, o que sabemos é ser uma amiga muito próxima de Augusto.

- Eu não conheço muito o trabalho dela, não posso falar, mas para mim, colocar algo tão grande nas mãos de alguém assim, mesmo que seja só amizade, é muita confiança.

- É o que eu falei Clarisse.

- Na tarde de ontem Kleber Ferreira deu uma coletiva de imprensa que virou o mercado de cabeça para baixo. Augusto na Presidência do Conglomerado, tomou decisões polemicas como: Fim do projeto de Alcântara, em uma parceria com a Aeronáutica e junto ao Governo Federal. Reduziu a quantidade de Acionistas que tem acesso a matriz. Colocou um fim em toda a produção dos Helicópteros da linha AS-72, que vinham dando problemas frequentes e prejuízos para a empresa. E a mais polemica de tudo, a retirada de Nice Petrini das mãos do concelho, Ricardo, você primeiro, concorda com essas medidas? O que você acha da atitude?

- Clarisse confesso que estava aqui no estúdio ainda quando Kleber veio a público. Eu pensei que não iria gostar das medidas, porem já me surpreendeu quando ele anunciou o fim do projeto de Alcântara. Por causa disso a Lava Jato está investigando a empresa. É um passo gigantesco e mostra que ele não tem medo dos políticos, e mais que ele não tem o “rabo” preso. O Projeto AS-72 era coisa de Heitor que nunca foi para frente, e acho estar claro que não iria. Agora espero que Augusto saiba o que esteja fazendo, ele pode levar a falência as empresas tirando a Petrini.

- Eu não sei Ricardo, eles são um conglomerado transnacional brasileiro, fabricante de aviões comerciais, executivos agrícolas, e militares, com serviços e suporte na área, é muita coisa.

- Doutor Machado criou uma dependência financeira da empresa entende.

- Sim.”

#Kleber

Depois de me mudar para a sala do Heitor, eu não quis mexer em nada, deixando tudo da forma que ele mesmo decorou.

A Valquíria estava comigo, nós dois estávamos cuidando do enceramento de uns projetos que o Guto decidiu;

- Toc, Toc! Posso entrar? – Luan, fala.

- Oi amigo.

- Está sem assistente?

- Sim, o RH vai me enviar alguém.... Se bem que já era para estar aqui. – Olho no relógio do celular.

- Oi Valquíria! – Ele chega do meu lado com uma pasta. – Kleber, Guto enviou esses documentos do Jurídico para você.

Luan os coloca do meu lado;

- Só um momento Luan, deixa eu terminar isso para liberar a Valquíria.

- Senhor o Helicóptero está esperando. – Matheus fala na porta.

- Tudo bem, ela já está indo. – Falo terminando de conferir os papeis.

- Vou pegar um café, aceita?

- Sim, Luan, por favor. Pronto Valquíria, nessa ordem, transferência, mudanças e demissões, tudo aí.

- Eu ligo qualquer coisa.

- Tudo bem.

Ela sai com o Matheus e eu puxo a pasta de Luan, olhando os documentos;

- Quem mandou isso?

- Augusto. – Ele, vem e coloca o café na mesa, sentando na minha frente.

- Mas isso aqui.... Isso é uma procuração que eu posso assinar documentos sem precisar dele.

- Sim, ele meio que está te passando o poder.

- Aquele safado está aos poucos correndo da AFAIR.

- Rsrs, Sim. Mas confesso gostar da empresa muito mais com ele.

- Todo mundo Luan.... Onde assino?

- Embaixo na pontilhada!

- E você, como está o setor?

- Olha pensei que seria mais difícil sabe, mas Thiago tinha essa vantagem, era organizado.

- Guto te contou?

- O que?

- Augusto mandou processar ele contra seu comportamento na empresa como funcionário, eu não entendi muito bem, ele montou um processo para não pagar o contrato do Thiago.

- Minha audiência é amanhã Kleber.

- É a Helena me disse.

Escutamos um bater na porta e eu grito;

- Pode entrar.

- Com licença. – Entra um rapaz.

Uns vinte e cinco anos, sorriso bonito, cara de novinho, e muito bonito mesmo;

- Kleber Ferreira?

- Sim, e você?

- João Gabriel, vim para a vaga de Assistente, enviado do RH.

Eu olhei para o Luan, cosei o canto da boca;

- Te espero na sala de reunião, Augusto está chegando. – Luan se levanta.

- Seus papeis estão aqui. – Falo entregando.

- Obrigado.

Luan sai e então me levanto;

- Pode vir aqui, sente-se. – Mostro a cadeira na minha frente.

Ele me entrega seu currículo, já no modelo da empresa;

- Você passou no processo de recrutamento João Gabriel?

- Sim, dois meses, de provas e entrevistas.

- Tudo bem, e porque você está aqui? – Coloco o papel na mesa.

- Sinceramente eu preciso do dinheiro, é um excelente salario. Segundo como acabei de me formar em administração e trabalhar e viver isso de perto irá me trazer uma boa experiência. E pode parecer puxa saco, mas essa empresa é modelo de gestão para os amantes da área.

- É! É sim puxa saco. Escuta, você estudou o cargo?

- Sim.

- Entendeu e está disposto para todos os horários disponíveis?

- Como disse Kleber, preciso desse trabalho.

0 visualização
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia