• @richardsongaarcia

Clichê - Segunda Temporada - Cap. 22

- Isso pode atrapalhar a Petrini?

- Se ele desfilar, é como bater de frente com a empresa da minha mãe.

- Sabe que ele não vai desistir né?

- Sei Kleber.

- Qual seria o prejuízo?

- A AFAIR vai lançar seu novo modelo de helicóptero, e você sabe quando temos um lançamento, por causa da incerteza do mercado as ações caem, normal, a Apple, Samsung todas empresas passam por isso. Meu pai usaria a Petrini para cobrir os gastos milionários, afinal irá fazer uma manobra financeira, pois o maior faturamento dela é depois dessa semana de moda que é simplesmente a maior do mundo.

- Estamos falando de uma possível Crise interna?

- Sim, e das grandes.

- Que vai fazer?

- Eu que te pergunto Kleber, você que é o assistente.

- Haha’ mas não faço milagres.

- Escuta só. – Ele disca no telefone.

Chama algumas vezes e Augusto atende;

- Começo a desconfiar o quanto está me ligando Heitor. – Ele fala logo de cara.

- Oi, e aí mano.

- E aí, tranquilo?

- Mais ou Menos.

- Já voltou?

- Sim, e estou com uma bomba já de cara para resolver.

- Desconfio que seja.

- Existe algo que possa fazer para você recusar participar do desfile?

Guto dá uma gargalhada e responde;

- Está me subordinando Heitor?

- Fala logo.

- Avisa nosso pai, e a mesa de urubus que irei desfilar, usando o meu nome.

- Augusto não me fode, sério mano.

- Você não vai, só nosso pai.

- Sabe que vai afundar isso tudo aqui se prosseguir né?

- Se um dia eu assumir isso aí Heitor é a primeira coisa que eu faço, vendo tudo!

- Mano sabe que não é assim né, existem pessoas de família e dependem da gente.

- Sim, por isso iria vender, porque eu não conseguiria fazer o que fazem.

- Vai acabar matando o papai.

- Haha’ seria muita sorte para mim.

- Não fala besteira.... Ei depois temos que conversar beleza.

- Já estamos conversando, que quer?

Eu me lembro de Heitor ter visitado o sobrinho, e arregalo os olhos, gesticulando para ele não falar, e me olhando ele fala;

- Visitei meu sobrinho.

Escutamos a respiração do Guto no telefone, e ele fala;

- Você o que?

- Visitei o Kalleb.

- Porque?

- Augusto ele é exatamente você quando morávamos em São Paulo.

- Se está tentando me fazer mal com isso Heitor, não vai conseguir.

- A mamãe manda todo mês um presente para ele, em seu nome.

Ele ficou em silencio, ouvimos um barulho como se tivesse escondendo e afastando o celular;

- Eu já disse e repito, não quero mais saber sobre ele. E não me ligue mais sobre o assunto.

- Augusto, o papai pode e vai retirar você do testamento dele.

- Haha’ ai meu Deus, sabe o mais engraçado, ele pensar que eu vivo dependente dele! Acha que todos são funcionários dele.

- Para de pensar só em você cara, você tem um filho Augusto, tem que pensar nele.

E então ele desliga o telefone na cara do irmão, se era para ajudar, piorou e muito.

Estávamos literalmente em uma crise interna.

- Tem horas que meu irmão tira do sério, caralho. – Heitor se levanta.

- Tem que pensar agora em contornar tudo isso Heitor, esquece o Kalleb por um tempo.

- Como vou esquecer? Como? Olha se meu irmão não tomar uma atitude eu vou e vou obrigar ele a criar esse garoto.

- Não cabe a você Heitor, não cabe.

- Está do lado de quem Kleber?

- Heitor não é você que fará ele pagar por algo, foca agora no que pode mudar.

- Posso ficar sozinho? – Ele coloca ambas mãos na mesa.

Calado, eu me levanto saindo.

#Helena

Meu Deus não sabia que despedir seria tão difícil, ver o Caio entrando no portão de embarque foi toda minha maquiagem para o saco. Eu e sua mãe abraçadas, chorando igual loucas.

Mas meu dia iria ainda se superar, eu estava saindo do aeroporto e pagando o taxi para deixar ela em casa quando recebi uma ligação de um numero desconhecido;

- Alô.

- Helena?

- Sim, quem fala?

- É aqui da clínica! Recebemos o resultado do seu exame de sangue, aquele que pedimos para repetir.

- Sim, deu algo errado? Tenho que fazer de novo?

- Não, mas o doutor pediu para ver você, é possível essa manhã?

- Sim.

Pensei, pronto, olha minha cirurgia dos sonhos indo por agua abaixo!

Pedi mais umas horas para o Misael e fui para a clínica e sabem quando você sente que a notícia não era boa.

Quando cheguei, as recepcionistas não pediram para eu aguardar, e me acompanhou para diretamente par ao consultório.

O doutor me recebeu na porta;

- Bom dia Helena, que bom que pode vir, aproveitamos esses meus horários vagos.

- Estão me assustando doutor.

- Não fique, entra.

Eu me sentei colocando a bolsa de lado e ele pega uma pasta;

- Aceita uma agua, café? Algo?

- Não, obrigada!

- Helena seu primeiro exame de sangue deu uma alteração nas plaquetas, até então ok, pedimos para refazer, só para ter certeza e temos uma questão para conversar.

- Sim.

- Você tem uma doença rara nas plaquetas chamada de Trombocitopenia Imune Primaria, conhecida como PTI.

- E que isso faz?

- As plaquetas protegem nosso organismo, de várias formas entre outras funções. Essa doença faz o sistema imunológico reconhecer as plaquetas como corpos estranhos e passa a atacar e destruir estas celular. É uma doença classificada como Autoimune.

- Certo e tem tratamento? Cura, não to entendendo?

- Irei encaminhar você para um especialista! O que quero dizer é que sua cirurgia vai para outro nível, muito mais complicada e arriscada. Um exemplo é você demorar a voltar de uma anestesia. Extrema demora para machucados se cicatrizarem...

- Sempre tive isso.

- Sim, mas a contagem normal de plaquetas é entre 150 a 400 mil, as suas nos dois exames ficaram abaixo de 90 mil.

- Ok, que faremos agora?

- Bem, além dos papeis que já assinou da cirurgia preciso que assine um de risco, estando ciente que podemos para a cirurgia no início, ou meio, caso você corra risco.

- Que risco?

- De morte Helena.

Fico cabisbaixa, olhando para baixo, coração dispara;

- Existe um remédio, tratamento que eu possa fazer para amenizar o risco da cirurgia?

- Desculpe, mas não. Você irá se auto educar agora, tomando mais cuidado para não se machucar, e mudar pouco sua alimentação. Mas eu repito e reforço para que consulte o especialista, ele irá determinar tudo que você precisa seguir. Mas adianto, sua recuperação pode aumentar em dez dias a mais do prescrito, e vamos dobrar seus dias de internação aqui na clínica.

- Desculpe, doutor os papeis que pediu. – A secretaria entra.

- Obrigado.

- Eu posso pensar? – Olho as folhas.

- Claro, no seu tempo.

- Obrigada.

- Pensa bem, sem pressão, tudo bem. – Ele me leva até a porta.

Saindo da clínica tive a sensação que todos vocês já passaram, mas para mim ela é a mais viva!

De que tudo para mim dá errado, tem algo conspirando contra.

Fui andando mesmo, meio que sem rumo, olhei a hora e não adiantava mais voltar para a empresa, então fui para a Casa 1 visitar os meninos e a Lucia.

0 visualização
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia