• Richardson Garcia

Caprichos do Acaso - Capitulo 09

#Henrique


Complicada mas consegui dar fim na reunião com sucesso, depois do almoço Beto estava me ligando desesperadamente, como estava ocupado havia deixado o celular na minha sala quando fui olhar havia várias ligações;

- Me ligou? (Henrique).

- Sim, tudo bem? (Beto).

- Preocupado, pois tem várias ligações do seu telefone. (Henrique).

- Vamos para a praia? (Beto).

- Praia Beto? Não posso estou sozinho na empresa hoje! (Henrique).

- Tudo bem, mas dorme lá em casa? (Beto).

- Sim, desculpe tenho que desligar. (Henrique).

- Te amo! (Beto).

- Também te amo. (Henrique).

- Senhor Henrique, o engenheiro do Shopping está aguardando o senhor! (Secretaria).

- Pede para entrar, obrigado! (Henrique).


#Beto


Havia um tempo que eu não caminhava, decidi subir em meio a natureza e andei umas horas, era gratificante aquela brisa aquele tempo maravilhoso, quando já estava descendo meu celular chama, eu nem sabia que havia rede naquele lugar;

- Alberto? (Gustavo).

- Gustavo? (Beto).

- E ai mano! Tranquilo? (Gustavo).

- Fala rapaz, tudo ótimo e por aí? (Beto).

- Sim, estou ligando para avisar que eu e a mamãe vamos ir para o Rio, chegamos amanhã à tarde. (Gustavo).

- Poxa, ela vem trabalhar? (Beto).

- O que acha? (Gustavo).

- Vão ficar no meu apartamento? (Beto).

- No Copacabana Palace! (Gustavo).

- Tudo bem, mas quando saem daí? (Beto).

- No Voo das 15 horas. (Gustavo).

- Falou brother, boa viagem eu espero vocês lá. (Beto).

- Tranquilo, faz a reserva para a gente, falou! (Gustavo).

- Fechado! (Beto).

Fui para casa tomar um banho, e deitei lendo um vídeo estava esperando Henrique, mas acabei pegando no sono, Quando Henrique chegou eu ouvi, mas me fingi que estava dormindo,

- Beto, Amor? (Henrique).

- HAAAAAA’ (Beto).

- Viado! Quer me matar de susto? (Henrique).

Falou ele caído do meu lado;

- Nossa ainda está com roupa do trabalho? (Beto).

- Sim, me arrume uma roupa sua que quero tomar um banho. (Henrique).

Peguei a roupa pra Henrique que foi para o banheiro, eu tomei um copo de agua e fui para o banheiro tomar um banho junto a ele, entrei pelado e já o beijando;

- Amor vamos jantar fora? (Henrique).

- Se bater uma para mim, eu vou com você. (Beto).

- Sem chantagem, não vou pegar nessa pamonha velha e gelada! (Henrique).

- Vai se fuder, essa “pamonha” vira uma espiga de milho em sua mão. (Beto).

- Haha’ essa foi boa. (Henrique).

Ele acabou batendo uma para mim e eu para ele, nos vestíamos e fomos para o restaurante, o local era bem sofisticado e Henrique cheio de frescuras claro que gostou,

- Adorei o lugar! (Henrique).

- É de almofadinha, achei que gostaria. (Beto).

- Eu não vou te responder, porque o lugar não espira resposta! (Henrique).

- Nossa esqueci de te contar! (Beto).

- Não é notícia ruim certo? (Henrique).

- Minha mãe vem amanhã para o Rio de Janeiro! (Beto).

- Ta brincando com a minha cara? (Henrique).

- Não, e porque a preocupação? (Beto).

- Com licença senhores, o pedido de vocês! (Garçom).

Disse o garçom nos servindo.

- Beto não conheço ninguém de sua família, só Heloísa. (Henrique).

- Ela não é da minha família Henrique. (Beto).

- Então não conheço ninguém, e me diz isso agora? (Henrique).

- O que tem? (Beto).

- Tenho que me preparar. (Henrique).

- Está parecendo aquelas mulheres inseguras! Henrique você é perfeito. (Beto).

- Será que ela já me viu em alguma revista? Ai que vergonha. (Henrique).

Pois é Henrique ficou nesta frescura até no dia seguinte. Bem almoçamos juntos e ele foi comigo até o hotel para fazer as reservas, depois fui para o aeroporto, ele não pode por causa de seu pai não estava bem!

Eu estava no portão de desembarque esperando eles, e em minutos vejo Gustavo vindo empurrando o carrinho com as malas, minha mãe e para minha surpresa Rosa, a minha baba, que agora auxiliava minha mãe,

- Mãe, nossa que saudades! Benção. (Beto).

- Deus te abençoe meu filho. (Mãe de Beto).

- Beto! Fala cara. (Gustavo).

- E ai gostosão! (Risos). (Beto).

- Rosa, aí caramba quanto tempo não te vejo! Nossa que saudade! (Beto).

- Eu também meu filho! (Rosa).

Levei eles para o hotel e chamei para jantarem na minha casa, fiquei com eles um pouco e Henrique me ligou;

- Chegaram? (Henrique).

- Sim. (Beto).

- Estou indo para sua casa, depois conversamos não quero atrapalhar! (Henrique).

- Já estou indo também. (Beto).

Bem fui para o mercado comprar umas coisas que faltava e fui para casa, eu estava fazendo o jantar e Henrique me enchendo,

- Ele está mal, porem já está em casa! (Henrique).

- Que bom, agora é cuidar não é mesmo Henrique! (Beto).

- Sim. (Henrique).

- Nossa estou com um tesão, vem aqui fazer uma chupetinha Henrique. (Beto).

- Você pensa em outra coisa a não ser sexo? (Henrique).

- Penso em Você. (Beto).

- (risos), acho bom. (Henrique).

- Meu Deus essa cidade é um inferno de tanto calor, Alberto como consegue? (Mãe de Beto).

- Por isso que ele está preto. (Gustavo).

- Não é preto é Bronzeado, Henrique gosta assim! (Beto).

Disse minha mãe e Gustavo entrando no meu apartamento, Henrique queria correr, mas eles entraram sem bater e ele ficou paralisado.


#Henrique


- Boa Noite! Sou Henrique Porto! (Henrique).

- Alberto falou sobre você, prazer sou Beatriz Tavares. Essa é Rosa minha auxiliar e esse Gustavo Tavares, irmão de Alberto! (Rosa).

- Prazer. (Henrique).

Cumprimentei todos e o irmão de Beto claro tinha que ser lindo, o cara tinha o cabelo branco e todo malhado, ajudei Beto a colocar a mesa e sentamos durante o jantar conversar soltas;

- Então Henrique você não vai voltar a fotografar? (Rosa).

Eu quase morri engasgado quando a mãe dele perguntou isso;

- Bem sempre que aparece trabalhos que interessa eu vejo as possibilidades. Mas a preferência é o escritório. (Henrique).

- Queria eu que Alberto segue a nossa carreira, mas não, ele prefere ficar aqui na vida boa. (Rosa).

- Vida que vocês me proporcionam, não esquenta Henrique ela fala assim, porque eu sai de casa mais cedo! (Beto).

- E Gustavo o que faz da vida? (Henrique).

- Estou estudando ainda, termino esse ano o colegial. (Gustavo).

- Alberto viu aquilo que te falei? (Rosa).

- Mãe já disse que iria pensar, faculdade com meu trabalho não dá muito certo. (Beto).

- Meu filho, não entendo o porquê de insistir nessa carreira, garanto que não é dinheiro, porque isso não é problema para você. (Rosa).

- Já disse que eu gosto do que faço, mãe vamos mudar de assunto! (Beto).

- E a casa de seu pai? (Rosa).

- Não vou aceitar! (Beto).

- Alberto, ele está de oferecendo de bom grado meu filho, não seja mau agradecido. (Rosa).

- Moro no apartamento que ele me deu e nunca me deixa em paz, pensa em uma casa.

- Isso é verdade mãe. (Gustavo).

- Calado Gustavo. (Rosa).

Típicas discussões de família, eu e a tal Rosa ficamos na nossa calados, eles foram embora a noite já, Beto estava estressado, cabeça quente;

- Tudo bem? (Henrique).

- Ela é minha mãe, pode até ser pecado, mas ela me tira do sério. (Beto).

- Sua mãe está certa, Beto você tem que fazer um curso superior. (Henrique).

- Até você Henrique? (Beto).

- Ei olha o jeito que fale comigo, só estou dizendo para se garantir futuramente não vai ter eles pelo o resto de sua vida. (Henrique).

- Henrique, eles são ricos, nem se meu pai quisesse acabaria com o dinheiro que tem, e mais quando ele morrer eu e Gustavo vamos ficar com tudo, e eu vou estudar? Para que? Ganhar um diploma? (Beto).

- Não estou reconhecendo você! (Henrique).

- Desculpe é que minha mãe me deixa de cabeça quente. (Beto).

- Vou embora, vou dormir na minha casa, tudo bem! (Henrique).

- Henrique não, vem falar que ficou bravo? (Beto).

- Não só acho que você deveria descansar, tudo bem! Amanhã eu te ligo! (Henrique).

- Desculpe. (Beto).

Nos despedimos e fui para casa andando mesmo, no caminho esbarro em um carinha, bem ele fez de propósito, quando olhei para trás Joel, era só o que me faltava, ele parou e ficou me olhando, eu sem dar satisfação continuei andando e fui para casa, quando cheguei minha mãe ainda estava acordada, subindo as escadas de camisola e copo de água nas mãos.

- Oi!

- Oi mãe, boa noite! (Henrique).

- Que cara é essa? Brigou com Beto novamente?

- Não é que estou descobrindo coisas dele que não sabia. (Henrique).

- Meu filho, vocês podem casar e quando for o último dia de vida, ainda vão estar se descobrindo, não conhecemos ninguém nem o próprio amor.

- Espero que esteja certa. (Henrique).

- Mas ale pra ele que não quero você voltando estas horas sozinho!

- Foi eu que quis, vou subir e dormir, boa noite! (Henrique).

Subi e recebi uma mensagem de um numero desconhecido, troquei algumas mensagens e a pessoa não se identificava, eu ignorei e dormi. Acordei cedo e tomei um café rápido e logo para o trabalho, cheguei direto para uma reunião e quando voltei para minha sala, recebo uma ligação;

- Henrique?

- Sim, é ele quem fala? (Henrique).

- Paulo, está lembrado de mim, estudamos juntos!

- Lembro Paulo, mas o que foi, porque o contato? (Henrique).

- Vamos fazer um prédio aqui em Rio Grande do Sul, e queríamos que sua filial da região seja a contratada.

- Vamos? (Henrique).

- A empresa de meu pai!

- Seu pai não é governador? (Henrique).

- Mas possui uma empresa de finanças Gato.

- Vou analisar e talvez te responda semana que vem. (Henrique).

- Henrique vai perder a oportunidade? É para o governo temos mais 3 construtoras a disposição e escolhemos a sua que é do Rio de Janeiro.

- Tudo bem Paulo, eu viajo hoje ainda, tudo bem? (Henrique).

- Será um prazer trabalhar com vocês!

Desliguei o telefone e liguei para meu pai, e ver a opinião dele, ele concordou e pediu para eu ir atrás, sem pestanejar aceitei e embarquei, o problema foi tempo para avisar Beto, eu não tive como.


#Beto


Mandei mensagem para Henrique me desculpando e demorei pegar no sono aquela noite. Acordo no dia seguinte com Heloísa no meu apartamento.

- Bom Dia, amor! (Heloísa).

- Bom dia gata. Veio preparar meu café da manhã? (Beto).

- Vim atrás de Gustavo, não está aqui? (Heloísa).

- Heloísa, Heloísa, ele está no Copacabana Palace com minha mãe. (Beto).

- Que foi, só quero ver ele! (Heloísa).

- Aham sei. (Beto).

- Ta Beto quero dar uma chave de coxa naquele irmão seu para deixar ele louco e mim. (Heloísa).

- Heloísa, Gustavo tem 19 anos. (Beto).

- Adoro novinhos, e mais ele tem um dote, assim como o seu. (Heloísa).

- Mulheres, depois de apaixona não vai ficar por ai como eu! (Beto).

- Haha’ pior né Beto. (Heloísa).

Tomamos café juntos ela preparou e ficou no meu pé para chamar Gustavo, eu chamei ele para irmos à praia mas falei de Heloísa sem ela ver. Em horas estávamos na areia e ela chega como se não soubesse de nada.

- Gustavo? Ela está vindo. (Beto).

- Onde? (Gustavo).

- Olá meninos! (Heloísa).

Foi o cumprimento dela eu fui surfar um pouco e deixei eles, olhei do mar estavam se beijando, voltei para a areia e marcamos de sair a noite, eu ligue para Henrique, mas ele não atendeu;

- Helo vamos comigo no escritório de Henrique comigo? (Beto).

- Brigou com ele foi? (Heloísa).

- Eu pisei na bola ontem, quero ver ele! (Beto).

Deixamos Gustavo no hotel e fomos para o escritório quando cheguei fui a recepção junto a Heloísa e perguntamos a secretaria.

- Boa tarde, por favor Henrique Porto, diz que é Alberto Tavares. (Beto).

- Desculpe senhor Tavares, mas o Henrique teve que fazer uma viagem para o sul de ultima hora. (Secretária).

- Viagem? Que horas o voo dele saiu? (Beto).

- Tem alguns minutos. (Secretária).

- Estranho ele não me disse nada! (Beto).

- Foi um telefonema que recebeu. (Secretária).

- Tem certeza disso? (Beto).

- Sim, senhor. (Secretária).

Liguei para casa dele e sua mãe atendeu, ela disse que ele me ligaria assim que chegasse lá, e informou que ele viajou a trabalho, bem não critiquei e não falei nada, fui para casa e Heloisa foi para o salão se arrumar, eu sai mais cedo e fui para o hotel ficar um pouco com minha mãe, esperando ela me ligar para busca-la enquanto isso mandei umas ideias em Gustavo que estava afim dela, preparei o terreno com minha mãe dizendo que ele iria dormir na minha casa e tudo mais, quando Helo ligou fomos para uma casa de shows da cidade estava muito movimentada,

Entramos e dançamos muito, eu bebi um pouco além da conta e quando estava próximo ao bar sinto alguém passar a mão em minha coxa e no meu cassete, eu demorei para ver quem era, quando fixei o olhei vejo Joel, não sei se foi raiva ou susto, eu virei o murro nele que Joel caiu no chão, olhou para trás e eu fui para cima dele, mas os seguranças me deterão e me colocaram pra fora, hehe’ havia acabado com a noite deles, Heloísa me deixou em casa e foi para casa dela com Gustavo.


#Henrique


Assim que acordei no dia seguinte no hotel liguei para Beto, para dar satisfações;

- Oi. (Beto).

- Oi gato! Bom Dia. (Henrique).

- Bom dia! (Beto).

- Beto te acordei? (Henrique).

- Sim, ontem sai com Gustavo e Heloísa. (Beto).

- E como foi a noite? (Henrique).

- Eles ficaram! (Beto).

- Ta brincando? (Henrique).

- Sério depois te conto. (Beto).

- Amor te falar tive que viajar de última hora pela empresa, e não teve como te ligar, desculpe. (Henrique).

- Tudo bem Henrique, vai ficar ai até quando? (Beto).

- Marquei o voo para voltar em dois dias. (Henrique).

- Tudo bem e com você, está tudo certo? (Beto).

- Sim, pouco tenso, mas tudo certo. (Henrique).

Ficamos conversando por uma hora, eu ali na cama depois tomei um banho e tocaram a campainha do quarto quando fui verificar havia um bilhete colocado embaixo da porta e escrito era um endereço do local da primeira reunião, troquei de roupa e fui pegar um táxi para o endereço. Quando cheguei fui conduzido para uma sala de reuniões a moça interrompeu a fala de um cara e abriu a porta para que eu entrasse havia uns 20 executivos e vi ao fundo Paulo levantar;

- Senhores este é Henrique Porto, o diretor e proprietário da Corporativa Porto. (Paulo).

- Bom dia a todos. (Henrique).

- Henrique sente-se por favor. (Paulo).

Bem me sentei de frente a Paulo e ele sorrindo pra mim, um cara estava apresentando a empresa e o que eles iriam querer no empreendimento, e eu calado no meu canto somente anotando.

- Agora o Senhor Porto nós apresentará a Corporativa Porto, por favor. (Paulo).

- Sei que gostariam de estar nas casas de vocês com suas famílias tomando um chimarrão tranquilamente, mas vou ser breve nesta apresentação (...). (Henrique).

Ao final eles assinaram conosco e no dia seguinte e me reuniria com os engenheiros para eles me passarem s planta do empreendimento.

Saindo da sala ao fim dá reunião veio um rapaz e me conduziu até a sala de Paulo, ele estava em pé próximo a janela, entrei e o cara fechou a porta.

- Sabia que você viria. (Paulo).

- É importante a expansão para todo o pais o nosso serviço. (Henrique).

- É bom te ver novamente. (Paulo).

Veio para cima de mim e me abraçar, um abraço apertado e suas mãos dançando em minhas costas, se afastou olhando no meu olhão e se aproximou novamente dessa vez para me beijar, eu me afastei rapidamente.

- Tá maluco, Paulo. (Henrique).

- Achei que você estava afim. (Paulo).

- Não, Paulo me respeita, eu namoro. (Henrique).

- Henrique ele não está aqui, e ele não vai saber. (Paulo).

- Mas eu vou. (Henrique).

Era só o que me faltava. Fui embora dali muito bravo tudo bem que ele conseguiu o contrato mesmo assim não tinha o direito de vir achando que só por eu estar ali poderíamos em mim.

Almocei no hotel mesmo e liguei novamente para Beto conversamos muito e não esconde dele o que Paulo fez, Beto queria vir do Rio de Janeiro para pegar ele, pois bem muito ciumento. A noite deitei cedo para ter disposição pro da seguinte. Assim que acordei desci e tomei café por aqui mesmo a reunião seria somente durante a noite e eu tinha o dia livre, não havia marcado nada porém, recebi uma ligação do escritório e acabei participando de 2 reuniões pelo Skype que tomaram conta do meu dia, no fim da tarde eu me arrumei e fui para o tal evento, eu cheguei cedo e havia poucas pessoas e me assustei enquanto as pessoas ali, todas descontraídas e bebendo, pensei isso não era uma reunião corporativa, e realmente não era, eles estavam é comemorando e claro eu não perdi a oportunidade.

O local estava tão descontraído que os papéis da Planta me foram entregues na mesmo, Paulo veio me pedir desculpas com aquele papo meloso, eu logo escapei dele e fiquei em um canto mais reservado do bar.

- Henrique? (Julho).

- Sim. (Henrique).

- Posso me sentar? (Julho).

- Sim, Claro. (Henrique).

- Desculpe não me apresentei me chamo Julho! (Julho).

- Prazer Henrique P... (Henrique).

- Porto! Eu estava na reunião. (Julho).

- Desculpe não vi você la. (Henrique).

- Então como é o mercado imobiliário no Rio de Janeiro? (Julho).

Estávamos bebendo e conversando sobre o mercado de ações entre outros, ele era um cara muito inteligente e culto, com conteúdo na quantidade certa, além de ser bonito e presença, estávamos em risadas quando se aproxima a proprietária da empresa eu me levantei para cumprimentar e agradecer a confiança quando ela se apoia em Julho dizendo;

- Meu filho eu já vou esta tarde e viajo amanhã cedo. Ah Boa noite Henrique foi uma grande apresentação, uma das melhores que já vi, parabéns.

- É uma honra receber os parabéns da senhora. (Henrique).

- Mãe eu também já estou indo. (Julho).

- Ela é sua mãe? (Henrique).

- Sim. (Julho).

- Caramba, é que nem percebi. (Henrique).

- Com licença tenho que ir.

- Tudo bem, Boa Noite! (Henrique).

Ela se despediu saindo e nós ficamos conversando pelo resto da noite. Saímos do local;

- Meu carro está para aquele lado! (Julho).

- Meu hotel e para o oposto. (Henrique).

- Então adeus? (Julho).

- Adeus. (Henrique).

- Foi uma das melhores noites da minha vida, Obrigado! (Julho).

- Bem eu também gostei, foi bem proveitosa. (Henrique).

- Beto tem sorte de ter você junto com ele! (Julho).

Eu sorri de cabeça baixa e ele me deu um beijo na bochecha eu fiquei pouco sem graça, porque foi bem próximo aos lábios, ele saiu balançando as mãos soltas ao vento e próximo a seu carro olhou para trás, todo vermelho entrou e foi embora, e eu voltei para a realidade e fui para o hotel, pegar minhas coisas faltava poucas horas para meu voo.


#Beto


Até então não havia visto Gustavo, pois tive um trabalho no dia anterior e Henrique chegaria hoje eu iria pega-lo no aeroporto, mas antes passei no hotel;

- Bom Dia. (Beto).

- Bom Dia meu filho. (Mãe de Beto).

- Mãe onde está Gustavo? (Beto).

- No quarto dormindo. (Mãe de Beto).

Quando cheguei ele estava pelado, abri a janela, e joguei uns travesseiros nele;

- Fecha isso viado! (Gustavo).

- Acorda, vamos, você sumiu depois daquele dia. (Beto).

- Haha' fui para casa da Heloísa, eu não lembro de nada. (Gustavo).

- Gustavo te cumprimentei e você perguntou que eu era. (Beto).

- Ta zuando, eu fiz isso? (Gustavo).

- Sim eu rachei de rir disso. (Beto).

- E você não me contou né Beto que era aquilo tudo cara com Heloísa. (Gustavo).

- Aquilo como assim? (Beto).

- Bucetinha apertadinha, lisinha, bunda grande, ela quase me matou cara, foram 3 vezes em uma noite! (Gustavo).

- Ai caralho quero saber disso não. (Beto).

- Tu não curte seu porra, e Henrique? (Gustavo).

- Chega de viagem hoje, estava trabalhando. (Beto).

- A mãe fica só falando dele, acho que vai nos deserdar e adotar ele. (Gustavo).

- Ela acha que eu assinar minha carteira vai resolver a frescura do pai. e ele como está? (Beto).

- Do mesmo jeito, criticou ela quando disse que iria vir ver você, falando que não merecia porque não ia vê-lo. (Gustavo).

- Ele fala mesmo assim manda uma boa mesada todo mês. (Beto).

- É vou mudar para o Rio de Janeiro. (Gustavo).

- Aí eu mereço. (Beto).

- Meninos, vamos! (Mãe de Beto).

Descemos e tomamos café juntos, e Gustavo foi comigo buscar Henrique no aeroporto.


#Beto


- Alberto Tavares?

- Haha’, mas você não chegaria neste Voo?

- Desci por outro portão.

- Que saudade de você, nossa!

Abracei Henrique por um tempo e ajudei ele com as malas,

- Aquele tal de Paulo não tentou mais nada não é mesmo?

- Não Beto, pode ficar tranquilo eu sei me cuidar!

- Da próxima vez eu vou com você.

- E sua mãe? E Gustavo?

- Vão embora amanhã de manhã.

- E Heloísa, como está?

- Te contei que ela deu um chá no meu irmão?

- Contou e ele?

- Apaixonou é claro né, hétero não pode ver uma buceta.

- Para uma mulher pegar um cara ou é na cama ou é na cozinha.

- Ai que pensamento é esse?

- O que?

- Com esse pensamento eu fico por você pelo o que?

- Pelo sexo né Beto, eu não cozinho muito bem.

- Não cozinha muito? Ou nada!

- Nos se completamos, eu não cozinho já você sim, eu trabalho já você não.

- Ai “Mãe” você não está no hotel?

- Cala a boca.

Assim que chegamos em sua casa seus pais estavam na sala, quando entramos ele os abraçou todo cheio de manhã;

- Bom Dia Senhor Porto!

- Bom Dia Alberto.

- Bom Dia senhora.

- Bom dia meu filho.

Subimos e eu auxiliando ele com as malas, quando entramos em seu quarto e deixamos as malas no chão, já fui pegando na bunda de Henrique e encoxei ele beijando seu pescoço,

- Beto calma, meus pais estão aqui!

- O que tem?

- Eles vão ouvir!

- Não nem precisa tirar a roupa.

- Ata sei.

- Uma chupetinha rápida, eu gozo e vou embora.

- Cala a boca.


#Henrique


Caímos na cama e os beijos esquentando o ambiente, e sem me controlar as roupas estavam no chão, e Beto moreno, bronzeado em cima de mim, com seu peso exalando tesão. Os movimentos e sua pegada forte me deixava louco, só quem já sentiu um corpo quente e firme de um homem em cima de você sabe muito bem de que estou falando, ele beijava meu pescoço e passava a mão em minhas coxas com suas mãos grandes me deixava doido para ser penetrado, e nossos corpos já suavam , ele colocou seu cassete na minha entrada e forçou, eu passava a mão em seus braços e quando iria me penetrando, eu passava as unhas em suas costas e descia até sua bunda grande e dura, ele já no movimento de vai e vem, mordendo minha orelha, Beto me segurou e freneticamente gozou dentro de mim, o viado ainda me pegou no colo sem deixar seu cassete sair ligamos o chuveiro e ele me desceu, ainda chupei seu cassete limpando o resto de esperma, ele gemeu baixinho.

Depois que tomamos um banho ele ficou um pouco enquanto eu desfazia as malas ele sentando no chão mexendo no celular,

- Você está diferente! Tudo bem?

- O que? Gozei rápido demais?

- Há, há engraçadinho, não, mas está bem?

- Eu vi Joel! Ele deu em cima de mim.

- E você?

- Deu um murro que desmaiou ele!

- Beto? Ficou louco e quando foi isso?

- Na festa que sai com Gustavo.

- E ele?

- Não sei.

- Você é louco!

- Você deveria ter feito o mesmo com aquele folgado do Paulo.

- Não funciona assim Beto.

- Vamos?

Saímos e na frente da minha casa vem um filhote de labrador correndo e para nos pés de Beto,

- Oi garotão!

- Ai meu Deus, que fofo!

- Brad, ai caramba, desculpa moço!

- Não tudo bem!

- Vem aqui seu feio.

Disse um carinha se aproximando e pegando o cão com Beto, sentamos em um bar perto de casa, e Beto veio com umas perguntas;

- Vamos ter um filho?

- Não estou tomando anticoncepcional não dá.

- Estou falando sério Henrique!

- Eu não, Beto não conseguimos nem cuidar de nós mesmos, e tínhamos que estar casados para assumir uma responsabilidade dessa!

- Então vamos casar, comprar nossa casinha e morar junto nos três.

- É lindo o que disse mas Beto sabe que não é assim!

- E porque não?

- Beto, a gente tem que...

- Henrique já me arrependi de tantas coisas por querer esperar, e esperar o que? Henrique Porto aceita se casar comigo? Aceita passar os últimos dias de sua vida passando raiva do meu lado? Aceita dividir uma cama do meu lado? Aceita acordar de madrugada para olhar nosso filho? Aceita trocar os status do seu Facebook para “Casado”?

1 visualização
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia