• @rgpatrickoficial

Caprichos do Acaso - Capitulo 08

#Henrique


- Você vem até a minha casa para me xingar? (Henrique).

- Sem rodeo tudo bem garoto, vim aqui porque não suportava ver ele daquele jeito, e agora que está bem vim te avisar e te deixar ciente. (Heloísa).

- Não se preocupe, eu gosto de Beto, mas não vou mais interferir em sua vida. (Henrique).

- Espero que cumpra com pelo menos essa palavra! (Heloísa).

- Se foi ele quem pediu para você vir aqui, pode dizer que não irei me aproximar. (Henrique).

- Me deixa muito feliz com essa resposta. (Heloísa).

Heloísa saiu pela porta batendo, eu passei a mão em uns CDs e livros da mesa jogando no chão e gritando de raiva, nossa como podia eu não tiro ele da cabeça para me ajudar vem a amiguinha e me fala umas coisas destas, fiquei puto, mas não revidei com palavras, provavelmente ela estava acobertando ela por causa de fui para meu quarto mas logo vem até mim a empregada;

- Henrique, telefone para senhor. (Empregada).

- Alô. (Henrique).

- Henrique Porto? ( Marcos).

- Sim, quem fala? (Henrique).

- Marcos, sou da agência de modelos... (Marcos).

Recebi uma proposta de trabalho no brasil, o primeiro desde que cheguei, mesmo trabalhando com meu pai, ele me liberou para fazer as fotos, e no dia em questão fomos fazer as fotos, com uma equipe top das tops, eu gostei muito do ensaio, o garoto que estava comigo era francês e me escolheram, como fazemos as fotos em uma casa de praia apareceu alguns paparazzi por causa do local aberto, mas nada demais, ficaram muito show e profissionais.

Dias depois tarde de terça-feira eu decidi fazer uma caminhada, e sai de casa de short vermelho e camisa na mão.


#Beto


Acordei cedo e Rafael ainda dormia ele iria embora na terça-feira faltava um dia decidi levar ele no Café a Heloísa, escovei os dentes, e toda a alegria que estava em meu coração se tornou trevas como uma reviravolta que me assustei eu mudei de humor rapidamente, pra completar veio Henrique na mente, cada lembrança uma “facada” em mim, sentei no chão do banheiro, e me concentrei para limpar a mente, abri totalmente e me recuperei um pouco, possivelmente uma queda de pressão, levantei passei a água no rosto e estava disposto a sair com Rafael.

- Ei acorda preguiçoso vai acabar dormindo todo o tempo que ficar no Rio. (Beto).

- Na senzala ele não deixam a gente dormir. (Rafa).

- Haha, vamos quero te levar no Café da Helo. (Beto).

- Comida poderia ter falado antes. (Rafa).

Acabamos tomando banho juntos, e eu me esforçando para não me apegar a ele, pegamos o carro e fomos para o café ela se sentou com a gente, e percebi que Heloísa estava diferente, ou foi homem ou ela fez algo escondido, decidi conversar depois com ela;

- Vão para onde agora? (Heloísa).

- Praia? (Rafa).

- Vou te levar para almoçar em um lugar que conheço na orla, você vai curtir. (Beto).

- Estou me acostumando muito mal aqui viu. (Rafa).

- A vida do Beto é essa Rafael, comer bem, andar bem vestido, ele tem tudo que precisa só não enxerga. (Heloísa).

- Ele tem tudo o que qualquer um pode sonhar. (Rafa).

- Vocês dois, eu estou aqui. (Beto).

Saímos e fomos para o shopping, ficamos lá até ás 13 horas saímos para almoçar, levei Rafael para um lugar que eu conhecia, muito aconchegante que eu gostava, quando chegamos ele ficou louco porque era a beira mar, eu estava gostando dele mesmo percebendo, me segurava ao máximo, mas estava complicado.

- Posso te falar uma coisa? (Rafa).

- Diz. (Beto).

- Heloísa está certa! Você só não é feliz porque não quer, olha você a duas horas atrás, quando estávamos no shopping em que estava pensando? (Rafa).

- Em você. (Beto).

- Ta não é isso, quero dizer que se você não se libertar, caia de cabeça Beto porque senão você continuará nesta vida, não fica com ninguém, por causa de um amor mal resolvido. (Rafa).

Me levantei e encostei na proteção olhando para o mar.

- Eu tendo esquecer mais de vocês ficam tocando no assunto a todo momento, quer que eu fique como? (Beto).

- Desculpe, logo vou embora, me diz, vai se cuidar? (Rafa).

- Poderia ficar, eu pediria você em casamento sabia. (Beto).

- Você sempre será meu amigo, se um dia eu voltar vou te procurar em se prepare. (Rafa).

- Vou estar esperando. (Beto).

- Se nós ficássemos juntos seria fácil demais, lembre-se do que os escritos você fala, “Se fosse Fácil não tinha graça”, esteja preparado sempre para o pior atrás do melhor. (Rafa).

- Eu estarei. (Beto).

Fomos para casa e no caminho rindo todo alegre com Rafael ele ligou o som e estava passando uma música muito top,

- Deixa, deixa, deixa.... Adoro essa música. (Beto).

- Não começa a.... (Rafa).

Comecei a cantar e ele rindo, foi uma tarde tranquila.

Na segunda feira levei Rafael até os estúdios eu tinha umas fotos marcadas, ele ficou todo bobo com o local, cheio de câmeras e luzes, eu sai do camarim de cueca e ele se assustou;

- Vai tirar assim? (Rafa).

- Não eu fico pelado lá. (Beto).

- Não posso assistir. (Rafa).

- Pode sim, fica tranquilo. (Beto).

- É que vou ficar excitado. (Rafa).

Rachei de rir dele, e realmente saiu quando o fotografo mandou eu descer lentamente para ir captando Rafael se levantou e saiu do estúdio, eu me segurei ao máximo para não ir e acabar com a seção;

Bem na terça-feira de manhã estávamos em casa eu fazendo almoço e ele ligou a tv da cozinha bem na pior hora, passando Henrique em uma reportagem enquanto a repórter falava as imagens corriam,

- Filhinho do papai está rebelde, o Modelo e empresário Henrique Porto fizeram uma seção de fotos para uma grife importada, que não abriu mão do top model, com uma bagatela milionária a grife conseguiu tirar os empresários de trás das mesas e traze-lo para o mundo da moda, o assessor de Henrique disse que ele não se afastou de trás das câmeras só deu um tempo. (Repórter).

Eu fiquei olhando aquela reportagem quando Rafael mudou de canal e puxou assunto, depois do almoço Rafael estava com suas coisas arrumadas, colocamos no carro e eu levaria ele para o Porto, bem passando por Copacabana em uma rua mais tranquila parei no semáforo e começa uma música no rádio e Rafael aumenta no último volume, era “Thiking Out Loud – Ed Sheeran”. Musica perfeita eu estava com o carro parado e Rafael olha para atrás de mim e fica branco, mais branco que é, olhei para trás e vejo Henrique de short vermelho, com a camisa na mão de chinelos segurando os óculos, perfeito.

Abri a porta do carro desci me apoiando, o semáforo abriu e eu ouvia somente buzinas ao fundo, e para piorar a situação a música alta, fazendo eu sentir coisas que não queria sentir.


#Beto


Enquanto Henrique ficou me olhando eu olhava para ele, mas não durou muito, ele colocou os óculos e se virou saindo, seu olhar se fechou e sinto uma mão a minha era Rafael;

- Beto olha o tanto de gente, temos que sair daqui você está bem? (Rafa).

- Está. (Beto).

Rafael tirou o carro e eu fiquei sentado no paralelepípedo olhando para onde Henrique havia ido,

- Pensei que seria mais forte. (Beto).

- O que está se sentindo? (Rafa).

- Minha pressão caiu. (Beto).

Rafael me levou até o outro lado da rua e peguei um saque de sal e coloquei debaixo da língua,

- Está melhor? (Rafa).

- Sim, Desculpe não foi por ele, tive a péssima sorte da pressão baixar logo agora. (Beto).

- Tudo bem, vamos eu dirijo. (Rafa).

Chegamos no porto e Heloísa vem na calçada correndo;

- Como ele está? Beto tudo bem? Quer que eu chame o SAMU? (Heloísa).

- Foi você? (Beto).

- Sim, eu não iria deixar você ir embora sozinho. (Rafa).

- Heloísa estou bem foi só uma queda de pressão. (Beto).

- Rafael? (Heloísa).

- Sim Heloísa ele teve uma queda súbita de pressão. (Rafa).

Levamos Rafael até o embarque ele se despediu de Heloísa e cochichou algo no ouvido dela, eu disfarcei e abracei fortemente Rafael.

- Sempre vou estar aqui, casado, solteiro, morto ou vivo, quando precisar de mim, sabe onde me encontrar. (Beto).

- Obrigado, espero vê-lo novamente, foi um maravilhoso para mim ficar acompanhado de vocês, e te desejo do fundo do coração que seja feliz Beto, muito feliz, te adoro. (Rafa).

- Porra assim me faz chorar. (Beto).

Falei limpando os olhos, o navio deu os avisos para partir, Rafael embarcou e eu não o veria mais, com um adeus fiquei olhando o navio zarpar em meio a multidão abanávamos as mãos para as pessoas que estavam saindo.

- Amei ele Beto, queria que você fosse assim. (Heloísa).

- Assim como? (Beto).

- Calmo e inteligente. (Heloísa).

- Vou te jogar no mar sabia. (Beto).

- Vai para onde agora? (Heloísa).

- Beber algo que tenha álcool. (Beto).

- Por causa de Henrique? (Heloísa).

- Que porra chega de falar nesse cara, gente é a única coisa que pensa? (Beto).

- Não fica bravo, comigo. (Heloísa).

- Como quer que eu esqueça se você não para de repetir o nome dele. (Beto).

- Beto você só vai esquecer ele quando arrumar outro. Porque se não tu vai ficar lembrando de esquecer Henrique. (Heloísa).

- Olha aí falou de novo. (Beto).

- Vou com você. (Heloísa).

- Para onde? (Beto).

- Procurar uns homens. (Heloísa).

- Eu disse que vou beber, não ir atrás de problema. (Beto).

- Cala a boca e vamos. (Heloísa).

Passei com Heloísa para pegar o seu cachorro e depois fomos para sua casa, eu deixaria ela primeiro e depois iria me arrumar. Paramos no semáforo e havia um garoto fazendo malabarismo e peguei uns trocados no carro e dei para ele quando passou, como de costume;

- Obrigado, que deus ilumine o casal. (Malabarista).

Olhei para Heloísa que começou a rir;

- Nos parecemos um casal? (Heloísa).

- Eu sou homem e você mulher pode até parecer, não acha? (Beto).

- Engraçadinho, vamos, logo. (Heloísa).

Deixei ela em casa e fui me arrumar, passei em sua casa duas horas depois.

- E aí decidiu para onde vamos? (Heloísa).

- Tem uma festa Heloísa da Fusion em uma boate na Barra, o que acha? (Beto).

- Adoro ver gatinhos, vamos que hoje eu quero me esbaldar. (Heloísa).

Quando passamos na porta do evento havia muita gente iria demorar muito para entrarmos, liguei para um amigo promotor de eventos, ele estava envolvido então nos passou um nome para procurar na portaria, o cara chamado Lucas, quando perguntamos ao segurança ele apontou um cara malhado e um sorriso meio que saliente;

- Boa Noite! (Beto).

- Boa Noite, você é Beto? (Lucas).

- Sim. (Beto).

- E você Heloísa, prazer, Lucas. (Lucas).

- Prazer cara. (Beto).

- Bem coloquem essas pulseiras que dão acesso a todo o evento e bebidas por conta, me seguem por favor. (Lucas).

- Não, desculpe você entendeu errado, só queríamos escapar da fila saka. (Beto).

- Tudo bem, é cortesia da casa. (Lucas).

Olhei desconfiado para Heloísa que piscou apontando para o tal Lucas, entramos e ele disse qualquer coisa procurar ele.

- Ele estava olhando para mim! (Heloísa).

- Eu percebi Helo, graças a sua racha ganhamos a entrada, mais tarde ele vem cobrar viu. (Beto).

- Aí vou adorar pagar para aquele Deus. (Heloísa).

- Que nojo. (Beto).

- Ah você é o gay aqui. (Heloísa).

Já fomos direto para o bar e começou com música nacionais de uma banda ao vivo, os DJs entrariam mais tarde, e nos bebendo e bebendo e bebendo, pensa em nossa situação poucas horas depois, estávamos assim;

Com a entrada dos DJs fomos para os camarotes, foi aí que Heloísa pegou um cara loiro sem camisa e ficou no sofá com ele eu cantava bebia e cantava, podem até dizer que o álcool faz mal para a saúde que é isso que é aquilo, mas para quem está com dor de cotovelo não vejo nada melhor,

Eu já estava ruim dançando quando senti uma encochada, era o tal Lucas.

- Olha essa sua animação dá para ver lá de baixo, daqui a pouco vou ter que colocar você no palco. (Lucas).

- Culpa desse copo, eu nego qualquer acusação (risos). (Beto).

- Onde está sua amiga? (Lucas).

- Poxa chegou tarde, olha lá no fundo no sofá. (Beto).

- Tarde porquê? (Lucas).

- Não está afim dela? (Beto).

- Haha’ não estou afim de sua boca. (Lucas).

- Ela está aqui, fique à vontade. (Beto).

Lucas me beijou fortemente, um beijo gostoso e uma arroxada que senti seu cassete em minhas pernas, ficamos ali se pegando no meio de todos em mio ao escuro e luzes, Heloísa vem gritando;

- Não vale Beto, você pegou o meu porteiro. (Heloísa).

Disse ela bêbada.

- Não é porteiro Helo, é o cara das pulseirinhas, e ele gostou dessa boca aqui. (Beto).

Falei beijando na boca dela, tipo um selinho, ela saiu rindo, pois, o tal carinha chamou ela, o tal Lucas pegou em minha bunda bem forte falando no meu ouvido.

- Vamos sair daqui, e ir para um lugar mais reservado?

Empurrei ele para o canto e falei em seu ouvido.

- Eu curto foder um cuzinho bem gostoso e forte, se quiser vamos sim, só isso, caso contrário ficamos só nos beijos mesmo. (Beto).

- Pô cara, então vamos ficar aqui, porque já senti que você é dotado.

Na manhã seguinte...

- Heloísa? Heloísa? Acorda, eca o cachorro está aqui, Heloísa. (Beto).

- Que foi Beto? (Heloísa).

- Onde estamos? (Beto).

Me levantei meio perdido fui a outro quarto e o Lucas estava deitado na cama, eu fui direto com a mão em minha bunda e respirei, ufa’, não havia acontecido nada, a cabeça doía tanto que era ruim para pisar no chão, cheguei na cozinha e percebo que estávamos na casa da Heloísa, peguei um copo de água e a campainha chama, nossa fui até rápido por causa do barulho, abri a porta de cueca mesmo do jeito que estava, quando abri vejo Henrique, meu olhar fixou em seus olhos azuis só neles, ele não disse nada só olhou fixo para mim,

- É o porteiro? Acho que deixei o carro em frente ao prédio. (Lucas).

Disse Lucas vindo de short e cabelo bagunçado até a porta. Henrique desviou o olhar par ele e se virou de costas.


#Beto


Ele se virou saindo, eu peguei em seu barco forte;

- Henrique. (Beto).

- Me solta! (Henrique).

Ele se livrou de mim e desceu as escadas para não precisar esperar o elevador, eu respirei e desci correndo atrás dele, mas não o alcancei. Não entendi o porquê ele veio, chamei Heloísa e ela também não soube responder, porém me contou sobre sua visita a ele.

- Somos amigos, e você faz coisas pelas minhas costas, Heloísa é minha vida minha, você não tem o direito de interferir. (Beto).

- Eu não suportava ver você sofrer e fui bater a real para Henrique. (Heloísa).

- Porque não me disse? (Beto).

- Eu só queria ajudar Beto, foi mal. (Heloísa).

- Vou para casa! (Beto).

- Beto espera! (Heloísa).

- Me deixa Heloísa, por favor, preciso ficar sozinho! (Beto).

Falei em baixo tom com ela, eu realmente estava cansado, mente cheia, meu psicológico não funcionava direito, acho que estava enlouquecendo.

Cheguei no meu apartamento e juro para vocês quando vi a janela aberta, foi como se houvesse alguém no meu apartamento, falando sem para “Pula, pula, pula”. Cheguei até a janela senti a brisa do mar, e aquele vento forte,

Fechei as cortinas e fui tomar um banho, tranquei a porta tirei o telefone do gancho e tirei a bateria do meu celular, desliguei as luzes e deitei, foi minha fora de desligar do mundo, ao menos algumas horas.


#Henrique


Fui à casa de Heloísa para me desculpar e dizer que iria procurar Beto para conversar com ele para ao menos dar uma pequena explicação, pois eu sofria somente de pensar que ele estava sofrendo, eu também tenho sentimentos, e também sinto saudades. Sinceramente? Gostaria de beijar ele ou só sentir seu corpo no meu através de um abraço, mas quando vi ele aquele cara não acredite, poxa dói ver a pessoa que você gosta com outra, e muito mesmo que não tenha nada nenhum vínculo a gente sente de qualquer forma, isso dói.

Cheguei em casa furioso,

- Henrique preciso que... (Mãe de Henrique).

- Mãe por favor agora não. (Henrique).

- Que isso! Henrique Porto venha aqui! O que foi em? (Mãe de Henrique).

Abracei ela em prantos;

- Eu fui atrás dele? (Henrique).

- E? (Mãe de Henrique).

- Ele estava com outro! (Henrique).

- Mas falou com ele? (Mãe de Henrique).

- Não. (Henrique).

- Eles estavam se beijando? (Mãe de Henrique).

- Não. (Henrique).

- E como sabe que estão juntos? Não entendo Henrique você viu ele e fez o que saiu correndo? (Mãe de Henrique).

- Foi. (Henrique).

- Olha meu filho se você viu ele com outra pessoa como está dizendo que estão juntos? Se não conversaram? (Mãe de Henrique).

- Acha que devo conversar com ele? (Henrique).

- É o certo Henrique, você tem que conversar e esclarecer tudo entre vocês, para nem você e nem ele sofrerem. (Mãe de Henrique).

Conversei muito com minha mãe e durante o banho decidi ir na casa de Beto e não me importava se ele estava com alguém ou não, iria conversar com ele e pronto, tomei um banho me vesti, e mesmo conhecendo Beto, eu estava nervoso e tenso pelo tempo que não conversava com ele, cheguei ao prédio me identifiquei na portaria e foi autorizado a entrada sem precisar ser anunciado, olha subir naquele elevador até o 14° andar, não foi fácil a cada andar eu tremia todo, suor? Escorria pelo meu corpo, quando a porta abriu eu sai e as luzes do corredor acenderam, eu estava de frente com a porta de Beto, era só tocar a campainha.

Uma tortura, foi o que passei naquele momento, eu e aquela porta, era como se ela gritasse, sabe quando você quer ligar para alguém e fica com medo do que ela irá pensar, pois e eu estava desse jeito.

Respirei fundo e toquei a campainha demorou um pouco e ouvi um virar do molho de chaves a porta se abriu, a luz da sala estava acesa e Beto com o cabelo bagunçado, de short e cara amassada provavelmente estava dormindo.

Sem alguma palavra se quer ele se afastou e estendeu a mão para que eu entrasse, eu dei alguns passos fiquei de frente para ele que fechou e passou a chave na porta,

- É ... (Henrique).

Abri minha boca e Beto me beijou, olha todos nossos beijos eram quentes e molhados mas esse foi fora do normal, minhas pernas tremiam como vara verde, uma pegada forte em seu corpo quente, nossos beijos pareciam lava de vulcão, mãos e pegadas em todo o corpo caímos no sofá Beto por cima de mim, caralho que saudade daquele corpo daquela pegada, não havia o que dizer, não havia atitude, eu não conseguia para e nem falar com ele, abraçando e beijando e mãos dançando em nossos corpos, roupas subindo e caindo no caminho até sua cama que estava bagunçada.

Com Beto em cima de mim olhei fixamente para seu olhar e havia lagrimas saindo,

- Beto!? (Henrique).

- Por favor, xiu. (Beto).

Diz ele pedindo para mim ficar em silencio, com a mão na minha boca e voltando a beijar lentamente, olha se existiu entre mim e ele momentos românticos esse foi o mais forte, eu tinha certeza que amava Beto.


#Henrique


Pouco assustado pela atitude dele, mas não poderia deixar aproveitar, deixei o momento me levar.

Deitado por cima de Beto fui beijando seu pescoço, com aquele cheiro forte de perfume importado, passando pelo seu ombro e descendo em sua barriga sendo acompanhado por sua respiração, toda definida ele sorria quando eu iria passando e língua e beijando ela até ir mordendo suas coxas e chegar onde mais esperava, passando a língua desde sua virilha até chegar ao top ode seu cassete, com a glande até em cima já senti o gosto de todo aquele membros enquanto me deliciava Beto gemia se contorcendo, ele se levantou já grudado no meu cabelo forçando contra ele, Beto estava cheio de tesão, eu me punhetava enquanto engasgava com aquele cassete deixando todo molhado.

Beto se baixou me beijando e me conduzindo a ficar de quatro na cama coloquei a cabeça no lençol Beto mordia minhas nádegas, e passava a língua na minha entrada quem eu tremia de tesão, caramba estava quase pedindo ele... Quando Beto foi me penetrando eu como estava a um tempo sem sexo, ele curtiu eu estar apertadinho por gemer e eu gemendo primeiramente de dor, pois Beto tinha 19 cm, o típico brasileiro, inconsciente eu estava quando senti suas bolas na minha bunda realmente só os passivos sabem como é sentir um homem em você, olhar para trás e ver ele naquele movimento alucinantes te olhando submisso, ficar bem relaxado enquanto ele te leva as nuvens com aquelas reboladas e tapas, te deixando bem relax. Não sei se era saudade ou algo do tipo, Beto estava com vontade em mim, me deixando louco, ele me virou de frango assado penetrando mais fundo ainda, me olhando enquanto me fode, cabelo no olho, testa molhada e sua boca na minha, chupando minha língua, seus músculos grudados em mim firmemente, eu gozei em minha barriga me punhetando e foram várias jorradas, Beto fez o mesmo, tirou seu cassete de mim gozando em minha barriga, se punhetava enquanto me beijava.

Respirou e fomos para o banheiro, durante o banho Beto não me soltava, só me beijando e todo carinhoso, deitamos e ficamos lá um olhando para o outro sem dizer nada,

- Quantas horas?

- Acho que 20:00 da noite!

- Vamos comer algo?

Fomos para a cozinha, e preparamos algo para comer, tudo alternando de beijos e abraços e carinhos da parte de Beto, eu estava adorando aquilo, depois que jantamos estávamos o sofá e ele fazendo carinho no meu cabelo disse;

- Espero que não seja um sonho, se for não quero acordar.

- Não, não é um sonho. Você me livrou de ter falado algo quando entrei.

- Desculpe foi automático, não consigo ficar próximo a você Henrique sem te beijar ou abraçar.

- Bem queria te perguntar uma coisa! E aquele garoto que eu vi no seu carro? Eu também vi vocês desembarcando do “Costa Favulosa”.

- Foi um amigo, que conheci durante aquela viagem, nada demais.

- E o cara na casa da Heloísa?

- Ele trabalha em uma boate, fizemos amizade e bebemos muito durante a noite, ele deixou a gente na casa dela, agora não pergunte ao como pois não me lembro de nada.

Durante umas horas conversando colocando a conversa em dia, falando sobre tudo até então, pegamos no sono ali mesmo no sofá com a TV ligada, quando acordei no dia seguinte fui ao banheiro escovar os dentes e chamar Beto;

- Ei o tempo passou, mas sua preguiça continua a mesma, não é mesmo? Beto tenho que ir, trabalho daqui umas horas.

- Poxa fica aqui, liga e pede folga para o seu pai!

- Não posso Beto, tenho reuniões hoje.

- Então vamos tomar no Café da Heloísa?

- Bem eu e ela não estamos muito bem como amigos sabe.

- Por isso que gostaria de ir lá, quero pedir desculpas a ela.


#Beto


Tomei um banho junto a Henrique que vestiu umas roupas minhas, e ficou hilário, nós fomos para o Café da Heloísa e quando chegamos ela estava na cozinha, Henrique escolheu a mesa e eu fui para a cozinha;

- Bom Dia a Todos.

Disse eu cumprimentado, ela me viu com um olhar baixo e fui até o fogão onde ela estava.

- E aí?

- Tudo bem com você?

- Acho que sim e com você?

- Tem uma pessoa aí de fora que quer te ver! Mas espera, queria te pedir desculpas, por ontem, eu estava de cabeça quente.

- Tudo bem fica tranquilo, eu ainda te amo.

Disse ela me abraçando, Heloísa tirou o avental, e saiu, eu pedi para o meu colega preparar um belo café para mim, e fui atrás dela, quando viu Henrique na mesa,

Ela sorriu e me abraçou, toda boba, eu me sentei e Henrique falou com ela;

- Bem Heloísa queria pedir desculpas por aquele dia na minha casa.

- Tudo bem, eu que te devo desculpas entrar daquele jeito e ainda te ofender.

- Você xingou ele?

- Sim de Bicha ainda.

- Haha’ e você não pulou no pescoço dela Henrique.

- Não Beto.

Heloísa se sentou conosco enquanto tomávamos nosso café, porem Henrique teve que sair e fiquei lá mais um pouco.

Depois do café Heloísa não poderia sair porque haveria um evento no local, então eu fui para a praia, fui ali na Barra da Tijuca mesmo, era próximo a minha casa, e a água estava gelada, o sol ainda baixo mesmo assim encarei,

Para mim naquele dia tudo estava bonito tudo estava perfeito, não há nada que estragasse meu dia.


#Henrique


Cheguei em casa beijando meus pais, e minha mãe logo veio com questionários;

- Que felicidade é essa?

- Eu estou feliz porque a vida e bela e eu reatei com Beto.

- Aí meu filho que ótimo.

Ela disse pulando e me abraçando, toda feliz, contei um pouco e subi para me preparar para o trabalho, quando desci meu pai veio da cozinha falando.

- Meu filho, a partir de hoje eu não vou mais na empresa a reunião de hoje será conduzida por você.

- Mas pai, eu não estou pronto, não...

- Henrique para isso aqui está aqui, agora é com você.

Eu já estava tenso por participar da reunião, agora já estava me borrando todo ao chegar na construtora, eu fui a sala de meu pai, peguei a documentação e o texto que se tratava a reunião, e era sobre um investimento a um novo empreendimento, nunca havia participado a tal reunião, pois era somente os engenheiros e arquitetos da empresa.

- Bom Dia a todos, venho informar que a partir da data de hoje, o Senhor meu pai não faz parte do corpo de diretores desta empresa...

- Desculpe, mas não foi informado nada sobre o afastamento dele.

- Bem sim foi comunicado o senhor que não esteve presente no pronunciamento.

- Obrigado vamos dar andamento nesta reunião senhores.

9 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia