• Richardson Garcia

Caprichos do Acaso - Capitulo 03

Voltei eu para o bolço sem nenhum rancor, não queria mais falar com Henrique mesmo que meu coração gritasse o contrário, agora seria voltar pra casa e torcer para que Anderson não estivesse lá.

Ao atravessar a avenida vejo o tal Joel, ele estava caminhando no calçadão junto com outro cara, eu ainda pensei, mas não rolou, coloquei uns óculos a camisa e um chapéu do Mario, me aproximei de uma moça pedinte que estava sentada no chão, e me abaixei como se fosse falar com ela, dei uma nota de R$ 50,00 e fiz sinal para ela não dizer nada;

"- Ele está se fazendo de difícil.

- Paulo você também é muito fraco, chega nele que do jeito que é ingênuo ele cai direitinho.

- Vou partir para cima na viagem da Faculdade, aí sim pego ele dê jeito.

- Prefiro você do que o romance de novela com aquele pé de chinelo.

- hahaha'."

Eu não sei se era o que eu queria ouvir mas tirou várias dúvidas sobre esse amigo de Henrique, decidi ouvir ele, ver sua versão da história, mas com precaução pois ele confiava nesse seu "amigo".


#Henrique


Sai do escritório de meu pai, fui ao clube direto para a piscina de natação, fiquei um pouco por lá quando cheguei em casa o carro do Paulo estava na casa de Joel logo que entrei falei pra governanta que eu não estava pra ninguém fiquei no meu quarto, em uma briga comigo mesmo em ligar ou não pra Beto, eu sentia que havia algo.

Na faculdade a noite eu estive mais isolado dos outros, já passava pela minha cabeça que meu destino era o Paulo como o Joel havia falado, ficar com quem gosta de mim, seria melhor do que ficar com quem eu acho que gosto.

Chegando em casa estava vazia, os empregados já se retiraram e meus país não estavam, fui à cozinha peguei uma maçã e subi para o meu quarto deixei minha mochila em um canto e fui ao banheiro, senti uma brisa forte do mar, a sacada estava aberta quando puxei a cortina vejo, Beto.

Na hora a minha atitude foi jogar a maçã nele;

- Que isso?

- O que você quer me assustou. Ele olhando no fundo dos meus olhos disse pausadamente;

- Eu sinto muito.

- É bom que sinta mesmo. Te esperei a noite inteira.

- Quem é Paulo?

- Como sabe dele? Ah tanto faz, é um antigo rolo.

Beto me abraçou forte;

- Não faz mais isso comigo, por favor. Disse eu ao seu ouvido.

- Desculpe.

- Escuta como entrou aqui?

- O Homem-Aranha me ajudou.

- Homem? Hahahah'.

Sentamos ali na sacada abraçados naquele frio como bobos, logo fomos para dentro e deitamos na minha cama;

- Não gosto do seu amigo! Disse ele.

- Ele também não gosta de você Beto.

- Não se importa?

- No começo sim, agora é irrelevante.

Acabamos pegando no sono ali abraçados como dois apaixonados, acordei com alguém batendo na porta do meu quarto, era o Joel, acordei o Beto;

- Beto, Beto o Joel está aqui! Ele acordou deu com um sorriso maravilhoso;

- Tira a roupa! Falei para ele.

- O que?

- Anda tira a roupa.

Peguei o lençol me envolvi nele como se estivesse pelado, entre abri a porta.

- Oi!

- Por que demorou?

- Estava dormindo.

- Não vai me deixar entrar?

- É que.... Falei deixando a porta abrir por completo, ele olhou Beto na cama;

- Oi. Disse Beto provocando.

Joel saiu correndo, eu não entendi mas também não fui atrás,

- É preciso ir.

- Mas já?

- Fica vamos tomar café?

- Desculpe Henrique, mas realmente vou indo.

- Hum tudo bem, te ligo mais tarde?

- Pode ser. Disse ele me beijando, e saindo.

Tomei um café e fui para o escritório do meu pai.


#Beto


Saindo da casa de Henrique liguei para Augusto;

- Está onde?

- Eu estava dormindo, e aí beleza?

- To sim, vou passar aí na sua casa, espero ter algo para comer.

- Tem sim, quando você chegar seu Viado.

- Se foder rapaz.

Como ele também morava em Copacabana era até próximo a Henrique, cheguei lá ele estava no banho, eu preparei o café para a gente;

- Estava onde Beto?

- Na casa de um carinha!

- Mano tu é gay mesmo?

- É o que parece não é.

- Não entendo isso.

- Nem eu, Guto nasci assim, não tem como escolher.

- Não sente nada por uma boceta não mano?

- hahaha', tipo sexo sinto prazer e Tals, mas com outro cara a coisa é diferente, o tipo de sexo que eu curto, e tem mais química em tudo.

- O lado bom é que ele vai tomar cerveja com você, bater uma bolinha, surfar e ainda te chupar.

- Por aí.

- É verdade que chupam gostoso!

- Augusto chega.

- Engolem?

- Vamos parar ok.

- Você sente tesão em mim?

- Vou embora.

- Não Beto, eu estava brincando.

- A gente se fala!

Fui em casa tomei um banho e o pessoal da agência me ligou para que seja feito as escolhas das últimas fotos.


#Henrique


Logo que sai do trabalho várias ligações do Joel junto com mensagens, em casa ele já me aguardava na sacada quando cheguei, ele estava sentado com cigarros e uma garrafa de champanhe;

- Champanhe Joel?

- Estava lá em baixo eu peguei.

- Vai acabar morrendo com tanto vício.

- E por falar em vício, o que ele te disse?

- Ele tem nome está, se chama Beto, e ele não me disse nada só me pediu desculpas.

- Para de ser idiota Henrique, ele só quer aproveitar de sua ingenuidade.

- Para de falar besteira falou.

- Vocês transaram? Você deu para ele?

- Há! Não vou discutir isso com você.

- Ele não gosta de você!

- E por que está dizendo isso, sabe de algo que não sei, eu To cansado dessas brigas Cara.

- Só quero abrir seus olhos.

- Sabe as vezes acho que você está apaixonado por mim Joel, é isso mesmo, em você me Ama Joel?

- Você deve estar maluco para me perguntar isso.

- Então chega com esse papo.

- Tudo bem. Disse ele bebendo mais um gole de champanhe, tomei um banho e ele tinha saído, Joel estava estranho e ríspido comigo, eu sabia que era ciúmes.

As 20:00 liguei e chamei ele para andar na praia, conversamos sobre o serviço amigos de tudo, mas não tocamos no assunto do Beto,

- Ai chega!

- Que foi?

- Não nasci para andar. Disse ele chamando um táxi.

- Seu sedentário. O táxi parou e vem alguém e me assusta, pegou na minha cintura e gritou,

- Haaaaa'. Eu estava com as sandálias sujas de areia na mão e a atitude foi virar a mão nele quando olhei Beto.

- Que isso, que violência, é de família esse reflexo?

- Aí desculpa. Disse eu sem graça.

- E aí onde estão indo? Perguntou ele.

- Embora. Disse seco Joel.

- Pensei em jantar comigo hoje O que acha?

- Isso é um convite Beto?

- Sim.

- Pede como cavaleiro, de joelhos. Falei brincando com ele.

- Assim. Disse ele se ajoelhando.

- Não to brincando, Está louco, levanta Beto, meu Deus. Ele começou a falar alto.

- Henrique Porto gostaria por favor de jantar comigo hoje à noite? As pessoas olhavam.

- Sim, mas levanta logo, que vergonha, Joel se importa?

- Não já estou me acostumando. Disse ele entrando no táxi e batendo a porta.

- Não tenho roupa, vou embora você passa lá em casa?

- Vem meu carro está do outro lado da rua, toma banho lá em casa, tem umas roupas femininas da Helo, você vai ficar bem nelas.

- Que bonitinho.

O pôr do sol estava maravilhoso, e mais ainda Beto.


#Beto


Chegando em casa ele entra com muito custo pois não queria sujar com areia;

- Entra depois eu passo o seu endereço para a empregada, para ir cobrar.

- Há, há, nossa muito bonito aqui.

Dei um beijo nele e mostrei onde era o banheiro escolhemos algumas de minhas roupas para ele e enquanto ele estava banho eu fui receber o pessoal do restaurante, Henrique saio do banho e estava lindo.

- Nossa não sei se é minhas roupas, mas você está muito gostoso.

- Valeu! Nos beijamos chegou a esquentar o clima naquele momento, fiquei de cassete duro na hora com seu beijo, nos dispersamos;

- Comida Japonesa?

- Nossa que mesa em, só para nós dois?

- Tudo feito para você! Ele sorriu e sentamos jantamos depois conversamos sabe sobre nós mesmo;

- Vou tomar um banho me espera aqui?

- Estou pensando em pular a janela, mas está melhor aqui dentro sabe.

- Aaaah está começando a ficar engraçado né?

- Vai logo.

Fui para o banho e pensei é hoje que vamos ter a primeira noite, saindo banho com poucas horas no corpo e só de toalha, cheguei na porta do quarto ele me viu, sorriu e se aproximou me deu um leva empurrão cai na cama enquanto ele tirava a camisa, Henrique veio por cima de mim beijando e rebolando, logo coloquei a mão por dentro do seu short massageando sua bunda carnuda.

O que mais me instigou é que por ele ser tímido publicamente, virava uma puta na cama, eu gozava só de pensar.

- Quer ela para você? Ah? Quer gostosinho?

Eu dava tímidos sorrisos e tirei seu short, meu cassete não podia brincar muito que logo gozaria, ele estava me deixando louco. Henrique foi beijando minha barriga e mordendo quando sua boca chegou quente e molhada na cabeça do meu cassete pensei agora gozei, pois é tive que pensar em outra coisa pra suportar, não demorou muito ele não engolia todo ele mas fazia mágica com a língua eu não aquentei e bati uma na sua boca, sem demora gozei muito dentro e ele foi engolindo, pensei " eu quero casar com esse cara", voltei a beijá-lo e sentia o salgado do meu esperma na sua boca, coloquei ele de quatro e mordi sua bunda passava a língua em seu cuzinho de cima a baixo, como meu cassete era grande eu enfiava dois dedos e tirava e colocava em sua boca para "lubrificar", ele sorria, logo fiz ele chupar mais umas vezes meu cassete;

- Deixa molhadinho para enfiar tudo em você! Deixa.

Peguei ele levei pro sofá e de costas pra mim, com as pernas abertas fui penetrando nele que gemia, como era grande ele pediu pra eu ir devagar, esperei um pouco e mexendo lentamente ele sede, eu enfiava fundo em Henrique que gemia com uma voz rouca e grave, aquilo me deixava louco de tesao ver ele sentindo todo meu cassete enterrado nele, e daquela forma que gemia, eu puxava seu cabelo e ele sorria, se punhetando logo gozou eu aproveitei e bombei forte, como nunca havia feito ele chegou a gritar, gozei muito dentro dele, cada jorrada de esperma era como se minhas forças saiam junto, tomamos um banho juntos.

- Não sei se jante falei isso, mas Beto você é muito gostoso.

- Nossa eu estou quase te pedindo em casamento, kkkkkk'.

Pegamos no sono em um colchão da sala eu encoxando bem gostoso nele.

- Bom dia príncipe. Falei enquanto ele se espreguiçava em meio coberta e travesseiros,

- Bom dia.

- Dormiu bem?

- Nossa e como, acho que foi a companhia.

Escovei os dentes e ele foi logo em seguida, peguei duas xícaras de café e fui levando há ele, que estava apoiado na janela com uma cara fechada, mas lindamente bonito.

- Que carinha é essa? Disse eu entregando a xícara para ele.

- De quem não quer trabalhar. Nos beijamos ele trocou de roupa e já estava pronto.

- Henrique vou no jogo do Flamengo hoje no Maracanã, vamos?

- Eu em jogo de futebol, acho melhor não.

- E esse final de semana?

- Vou viajar com Joel, é feriado vamos para a Angra, bem que poderia ir conosco.

- Tenho uma ideia melhor, meu pai tem uma casa lá, o que acha? Pode até levar seu amigo?

- Vou falar com ele.

- Então vamos?

Deixei ele em casa e fui na agência ver a agenda da semana seguinte.


#Henrique


Depois de uma noite maravilhosa com o Beto, eu nem havia entrado em casa e me aparece Paulo;

- Senhor o Paulo está te aguardando na sala.

- Tudo bem eu já desço.

Como iria trabalhar coloquei uma camisa vermelha e uma calça branca, e desci.

- E aí Paulo, Bom dia!

- Bom dia, Henrique, nossa você está muito bonito. Disse ele vindo atrás de mim que fui pegar um chocolate na cozinha;

- Vai para a Angra com o Joel?

- Eu não... Paulo me interrompe e fala por cima,

- Vamos, eu peço a casa do meu pai, ficamos tranquilo lá é muito bonito.

- Não vai dar!

- Por que não.

- Vamos viajar com Beto, e ficar na casa de um familiar dele.

- Beto?

- Sim, todos da faculdade vão para Angra no final de semana, bom que nós encontramos lá.

- Pode ser, vou adorar.

- Então até mais!

Fui para o trabalho e Liguei e chamei Joel, ele não quis mais eu o forcei, já estava na hora de fazer as pazes com Beto.

Entre esse meio termo Paulo encontra Joel e conversam sobre tal viagem.

- Você vai para a Angra com o Henrique e o namoradinho dele?

- Tenho que ir, ele me pressionou, e você?

- Não, ele não quis ir comigo.

- Para de ser bobo Paulo, aproveita a oportunidade para humilhar o Beto.

- Hum boa ideia, posso usar ele para provar que Henrique tem mais chance e segurança comigo.

- Isso seja esperto, eu vou te passando tudo da viagem, para você nos encontrar.

- Tudo bem.


#Beto


Eu estava entrando no estádio e liguei para o meu pai antes que me esquecesse pedi que se prepara a casa para este fim de semana, fiz muita bagunça no estádio junto com todos os torcedores;

Sexta-feira de manhã eu passei na casa de Heloísa ela demorou um pouco e logo pegamos Henrique o amigo com cara de cu dele o Joel.

Estávamos quase chegando e parei no heliporto a 10 minutos da casa, eu desci e eles ficaram no carro;

- Vai aonde?

- Gato não tem como chegar lá de outra forma, ou é voando ou de barco. Joel ficou com uma cara de espanto a que eu queria causar mesmo, colocamos as poucas coisas e em 8 minutos o helicóptero desceu na ilha, lá havia um carro esperando a gente;

- Senhor, é bom vê-lo novamente. Disse o motorista, mais 1 minuto e meio chegamos a casa na Praia da Biscaia em Angra.

- Meu, que casa linda, eu moraria aqui sem pensar. Disse Henrique deslumbrado.

- Fiquem à vontade tem quarto para todos, Heloisa vai dormir no barco.

- Aqui tem barco? Perguntou Joel!

- Um Hiate. Falou Heloisa.

- Sem exagero Helo, temos sim Joel.

- Vão querer almoçar agora? Disse Maria nos interrompendo.

- Ai meu Deus saudades de você, minha rainha. Falei abraçando ela e logo sentamos para almoçar.

- O que seus pais fazem da vida Beto? Perguntou Joel, Helo me olhou tipo, vai responder?

- São desembargadores Joel, os dois.

- Vamos para a cidade hoje? Gritou Heloisa.

- Sim, temos que parar aquele lugar. Falei rindo.


#Henrique


Beto nos surpreendeu pois nem eu muito menos o Joel desconfiávamos de tudo isso, o lugar era paradisíaco, a casa tudo, Heloisa a amiga de Beto era muito alegre assim como ele, me tratou muito bem e Joel estava mais à vontade, a noite subimos para tomar um banho, tirei a roupa no quarto mesmo e Beto veio me beijando;

- A gente tem que sair. Falou ele entrando no banheiro em meio meu beijo.

- Só uma rapidinha. Falei e ele tirou sua camisa e abaixou o short já todo duro, ele agarrou no meu cabelo e me desceu para o chupar, eu punhetava Beto e o chupava com vontade e fazia o possível para engolir todo aquele cassete, mas era muito grande e não tinha jeito, entramos no chuveiro e ele subiu minha perna e encaixou seu cassete em mim foram poucas metidas e logo gozou.

- Continua eu não gozei ainda. Ele tinha gozado dentro de mim e seu cassete ainda duro continuou até eu gozar, quando terminei ele riu muito.

Tomamos um banho e logo descemos;

- Uma rapidinha não foi? Falou Heloisa que estava sala com Joel esperando,

- Foi, mas o Henrique que demorou.

- Beto. Falei jogando minha carteira dele, ela riu e disse;

- Ou ele tem ejaculação precoce ou você faz gostoso.

- Gente. Eu falei puta sem graça.

- Gato vai se acostumando comigo e Beto é assim, vai fala, é grande, não é?

- Heloisa já chega. Falei rindo e ficando com vergonha já, logo entramos no carro e fomos para a cidade.

3 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia