• Richardson Garcia

Apenas Hoje - Segredo de Eduardo

#Ayla


Arrastei Nícolas para dentro do quarto de Luis antes que arrumasse outra briga;

- Não vou ficar de baba, como você consegue mal chegamos e já conseguiu inimigos Nícolas.

- Não me segurei quando encostaram em você! Qual é a sua Eduardo porque não fez nada?

- Desde que descobriram do meu avó me tratam assim, eu só ignoro.

- É mais as coisas vão mudar por aqui!

Disse Nícolas ascendendo um cigarro e indo para a janela, ele olhou para Luis que estava desfazendo a mala;

- E você quem é?

- Você que está no meu quarto, me diga você quem é?

- Nícolas Barreto e esse é Eduardo Monteleoni.

Os olhos de Luis brilharam, ele se sentou no sofá todo animado;

- Ai não brinca, sou muito fã do seu avo, ele é um gênio, e claro muito lindo, gente e o Marcelo! Aiiiiiiii!

Eu ajudando ele com a mala, olhei para o Nícolas e falei pois o Eduardo era muito reservado;

- Luis ele não é gay!

- E daí? A família dele é a mais influente do pais.

- Que seja, e você? Nunca vi você com a Heloísa!

Perguntou Nícolas tragando a fumaça, com uma voz baixa;

- Fui criado com minha avó, a embaixadora, acho que conhecem, eu e Ayla somos descendentes da família Tavares!

- Grande Merda! Seja bem vindo a prisão princesa!

- Sou embaixatriz, ogro.

- Que seja, Eduardo vamos, se eu ver aquele cara vou pegar o Diogo e você...

Nícolas saiu conversando com Eduardo do quarto, estava ajudando o Luis com as roupas, organizando;

- Ai não quero dormir sozinha hoje.

- Dorme aqui, mas já sabe que não vai rolar nada!

- Haha’ Luis viu algum gatilho

Luis saiu acompanhando eles, e olhando para trás em passos para me ver.


#Luis


Escovei os dentes, coloquei uma calça cinza e uma regata bem aberta, e minha botinha preta, sequei meu cabelo, um pouco de pó de arroz pra disfarçar e fui para o café. Respondendo as mensagens no celular me servi e sentei-me à mesa com Ayla, Nícolas e Eduardo;

- Não tem uma mesa especial pra você não princesa?

- Engraçadinho, estou de mau humor, vou sentar aqui com vocês mesmo.

Respondi Nícolas me sentando ainda vidrado no celular;

- Nícolas chegou com um gato hoje de manhã, acordei com o coitado miando de fome.

- O Fumaça, nosso companheiro de quarto! Rsrsrs’.

Olhei pra ele tipo “O que?”.

- Colocou o nome do pobre coitado de “Fumaça”?

- Sim, qual o problema, o gato é meu.

- Há’ vai sonhando, você que pegou a força, e ele vai se chamar “Resus”.

- Ai parem de brigar!

Ayla gritou, literalmente. As pessoas chegaram a olhar me aproximei dela, abaixei e comecei a fofocar;

- Olha aquela garota!

- Qual?

- A que vai sentar agora, olha o quanto Blush ela passou no rosto.

- Gente, kkkkkkkk’.

- Parece ter levado chineladas na cara.

Começamos a rir e os meninos sem entender e Eduardo cortam nosso barato;

- Dormiu bem?

Ele me perguntou, Ayla e Nícolas calados me olharam;

- Meu bem se tivesse companhia dormiria melhor. Foi como se tivesse tomado “Wisky com Rivotril”  um terremoto eu não me acordava.

Eles caíram na risada.

- Ei ogro vamos comigo quero levar esse leite pro Resus.

- Não terminei se quiser vai sozinho, a porta esta aberta.

- Gente que agressiva! Vamos Ayla, vamos e deixa esse ogro ai. Não é com você viu Eduardo, beijo.

Nícolas ficou comendo, Eduardo se levantou saindo e fomos ao quarto ver o Resus. Ao abrir a porta ao lado da cama bagunçada acho que de Nícolas ele colocou umas roupas na tentativa de fazer uma caminha, mas nada de achar o gato;

- Nico disse que estaria aqui dentro Luis.

- Gente que bagunça, não sabe nem onde são cama e ou que é sujeira.

- Ai meninos é tão. AHHH’.

Ayla deu um grito pulamos na cama, pois quando ela foi abaixar Resus saiu de baixo da cama brincando, tipo ele pulou nela, foi hilário;

- Filho de puta com viado, quase me mata do coração!

- Luis que susto. Ai gente olha que graçinha, ele é todo pretinho.

- Vem meu filho, está aqui seu leitinho. Ai que emoção mamãe de primeira viagem.

- Luis é só um gato.

- Melhor eu me preocupar com o bichano do que ficar de olho em par de calças por ai. Acha que não vi você trocando olhares com aquele moreninho?

- Ai que bandido.

- Eu! Sei, investe gata, vale à pena.


#Nícolas


Como era domingo depois do café, me sentei na área das piscinas e vendo algumas pessoas ainda envergonhadas e outros caras fazendo bagunça, quando sinto meu celular vibrar, era o Caio;

- Alô?

- Como é bom te ouvir!

- É bom falar com o senhor também.

- Como está meu filho?

- Me adaptando! E tentando não esmurrar ninguém.

- O Nome?

- Diogo, acho que é filho do governador, não tenho certeza.

- Nícolas, Nícolas não quero você metido em encrencas.

- Tudo bem.

- Luan está mandando beijo e abraço, disse que esta com saudades!

- Sei que ele não está ai pai. Não precisa fingir.

- Tem que baixar a guarda com seu pai Nícolas, ainda vai sofrer por isso.

- Tanto faz! Vou desligar agora, tenho aula de balé.

- Hilário. Cuida-se e diminua o cigarro! Você é minha vida garoto.

- Te amo.

Eu falo no telefone andando, é uma mania que tenho, ao terminar a ligação estava próxima a porta de entrada, onde um carro importado parou, o segurança abriu a porta e desce uma loira de short jeans, com uma camisa social amarrada na cintura, uma blusinha curta, muito gostosa, caramba, ela era perfeita, o mensageiro desceu suas malas e o inspetor a acompanhou, eu estava próximo a porta ela deu uma olhada de cima abaixo e continuou seguindo-o.

Esperei e segui para a sala do diretor, fiquei apoiado na porta até ela sair;

- Olá!

- Oi.

- Posso ajudar?

- Sim, claro.

Peguei a mochila coloquei nas costas e a mala trouxe arrastando e puxando assunto;

- Vejo que é nova aqui!

- Sim, acabo de chegar (...) ai sabe onde fica o 115?

- 115? Ei é o quarto de Ayl... Você é Agatha?

- Sim, sou eu.

- Prazer, me chamo Nícolas, Nícolas Barreto.

- Ayla me falou, prazer.

Ela me abraçou fomos para o quarto onde Ayla estava elas se cumprimentaram e começou um assunto vago, eu interrompi;

- Bem vou nessa, deixar vocês conversando.

- Obrigada Nícolas.

- Até gatinho!

Entrei no meu quarto para ver o Fumaça.


#Luis


Estava passando pelo corredor e havia um cartaz na parede de ensaios do teatro, é claro que entrei, era bem afastado do resto do colégio o auditório, algumas pessoas estavam sentadas outras no palco e um senhor com papeis, eu sentei perto das meninas assisti umas apresentações e fiquei no celular mesmo, eles estavam cantando para um musical que haveria;

- Ei, e você não vai querer fazer o test?

- Eu? Não, não, sei atuar, mas não canto.

- Os testes de atores serão amanhã apareça tudo bem.

- Pode deixar.

Agradeci ele foi muito gentil, me levantei saindo quando ouvi chamares;

- Vamos para a ultima apresentação, é Eduardo, Eduardo Monteleoni, por favor.

Vocês leram certo, me paralisei na hora, ele estava com o microfone, a musica interna começou o DJ tocou “Suvivor – Beyoncé”. Eduardo cantou perfeito, ele tinha uma voz doce de tom alto as vezes, caramba enfrentar umas notas de uma musica da Beyoncé, perplexo é pouco para mim naquele momento, apaixonei nele. No fim da musica ele me vê em pé ao fundo e dá um sorriso de canto de boca, pouco sem graça. O senhor, acho que professor bateu palma agradecendo e Ele desceu vindo em minha direção;

- O que foi aquilo, pelo amor de Deus.

- Foi tão ruim assim?

- Você é minha diva agora garoto!

- rsrsrs’ Valeu, fico agradecido se manter segredo.

- Tudo bem, estará seguro comigo.

9 visualizações
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia