• @rgpatrickoficial

Apenas Hoje - Capítulo 24

#Eduardo

Foi tudo muito repentino, assim que chegamos em Milão, encontramos meu pai, com algumas pessoas, deixei Miguel com eles e fui resolver outros interesses, retornei somente a noite para casa dele.

Ao chegar tomei um banho, e jantamos todos juntos, conversamos sobre negócios, e meus pais interrogaram Miguel, por causa do seu talento, ficamos conversando até pouco mais tarde.

Como a casa era enorme havia um quarto para cada um claro, eu escovei meus dentes e deitei, mas ao pegar no sono, acordei com vontade de ir ao banheiro, ao sair vejo a luz do quarto do Miguel acesa, fui ao banheiro e depois bate na porta, ao abrir ele estava sentado no chão lendo.

Eu estava de roupão, amarrei e questionei;

- Posso entrar?

- Sim, claro.

Fechei a porta e me sentei ao seu lado;

- Que livro é esse?

- O Poder da Acão.

- Deixe-me ver...

Li a descrição do livro, e realmente adorei;

- Olha se ele fizer isto mesmo, me empreste depois que ler.

- rsrsrs’ Certo. Poxa a casa de seus pais parece um castelo de tão linda.

- Também acho aqui muito show. Temos um castelo também na Irlanda.

- Ta falando sério?

- Sim, eu sou o príncipe de lá.

- Ah você é o príncipe, e a princesa?

Sorri abaixando a cabeça e disse;

- Não tem mais princesa. Perdeu o sono.

- Fuso horário.

- Hum entendi. Ah Miguel, queria falar algo contigo.

- Sim.

- É sobre aquela noite.

Ele largou o livro com as pernas cruzadas se virou para mim;

- Diga.

- Olha, não sei bem o que dizer, é. Aquilo foi novo, e eu gostei muito, ta. Mas sabe que eu não sou gay, poxa não sei exatamente como se descrimina um.

- Te entendo.

- Foi uma noite de sexo, entre dois amigos, é que temos a questão profissional, e não quero me envolver agora, entende.

- Perfeitamente Eduardo.

- Olha nada contra você, sou eu, Miguel você merece alguém melhor que eu.

- Tudo bem.

- Tudo bem mesmo?

- Sim Eduardo, afinal eu e você já ficamos com alguém só por uma noite antes não é mesmo.

- Sim, sim.

Eu ja estava confuso, cara, como ele aceitou facil;

- Relaxa, posso ser gay, amigo e profissional, mas acima de tudo sou homem, te entendo.

- Isso é meio estranho de se ouvir, mas beleza então.

Não queria sair com esse clima então, meus olhos se viraram no quarto e brinquei;

- Alias, seu beijo, foi um dos melhores que já tive.

#Miguel

Eu iria explodir por dentro e ele ainda provocou, o que fazer? Agradecer e dizer o mesmo?

Ai ele iria levantar e sair como se estivesse tudo bem, fingiríamos que nada aconteceu.

Ou forçar algo? Provocar? Deixa-lo confuso?

- Sério, poxa, assim... Desculpe mas já tive melhores Eduardo.

Ele estava se levantando, iria fazer força com os braços mas respirou demorou pra responder e disse;

- Eu havia tomado algumas taças de vinho, bem e estava na seca, pode ser que não beijei bem.

- Relaxa, você foi bem, só desesperado demais.

É eu tinha colocado fogo no estopim, ele molhou os lábios, como se não tivesse ouvido aquilo disse;

- Estamos sóbrios agora.

- Sim.

- Poderia provar o que disse.

- Quer me beijar?

- Você não?

- Até quero, mas não se apaixone viu.

- Leu isto no seu livro?

- Não, só estou deixando claro, afinal não está sob o efeito de álcool, meu veneno pode espalhar.

- Rsrsrsrs’, se queria provocar conseguiu.

Ele se apoiou em uma das mãos e se aproximou, eu já estava molhado com ele daquele jeito na minha frente, olhem eu me contive ao máximo, não mostrei interesse nem quando Eduardo se aproximou, passando a mão pela minha nuca.

Mas também não sabia o que esperar, mas tinha certeza que me arrependeria depois.

#Eduardo

Ele estava imóvel, aproximei meu rosto mordendo meus próprios lábios, respirando na frente de sua boca, e toquei aqueles lábios, e de novo, e de novo, ao virarmos o rosto nossas línguas já estavam entrelaçadas, a mão dele ja subirá no meu rosto, minha outra mão laçou ele pela cintura e trouxe seu corpo, olhem foi um beijo pouco demorado, minha meta era tirar o folego dele, cara como aquela língua era macia e quis lábios mais gostosos, tinha vontade de morder a ponto de tirar um pedaço.

Ele colocou as mãos no meu peito e abrimos os olhos, estava deitado sobre ele, Miguel respirou fundo;

- Ufa.

Outro respiro e mordeu os lábios, claro que beijei ele novamente, ali no chão do quarto ao lado da cama.

Caramba não respondia por mim, ou melhor pelo meu corpo, Miguel colocou as mãos por dentro do roupão tirando ele, me deixando somente de cueca, passei a mão por suas costelas e desci até suas pernas;

- Quer mesmo fazer isso?

- Relaxa não me apaixonei ainda.

Ele começou a rir, tipo risadas, parei de beijar ele e fiquei olhando;

- Que foi?

- Você é muito idiota.

- Assim corta o clima.

- Clima, somos amigos, não precisamos de clima.

- Hum.

Não sei vocês mas quando alguém coloca a mão dentro da minha cueca me arrepio, foi o que ele fez enquanto dizia isso, eu sorri e tirei minha cueca ajudando ele a tirar a roupa. Tudo isso ali no chão em cima do carpete.

Me sentei e deixei as pernas meio abertas para ele começar a me chupar, cara ele provocava muito, me beijou e desceu com sua língua desenhando todo meu corpo, eu apoiado nas mãos só olhando, fazendo uma cara de safado, rsrsrs’.

Miguel me chupava como se fosse um pirulito, ele sugava meu cassete, sua língua era magica, e ainda de quatro com aquela bunda magnifica empinada. Ele me chupou até deixar meu membro roxo, depois me beijou, virei ele deixando de quatro, abaixou a cabeça ficando bem empinado.

Dei algumas mordidas naquela bunda, de beijo a linguadas, brinquei com sua portinha, com um, dois, três, dedos, enquanto ele gemia bem baixinho e gostoso.

Peguei uma camisinha na gaveta, a vesti, Miguel pegou um lubrificador na mochila, e não quis me responder o porque trouxe, só disse que andava com um.

Coloquei um travesseiro embaixo de sua bunda e outro para se apoiar, foi por impulso dei um tapa forte em sua bunda que ficou vermelho, e fez um barulho alto;

- Seu viado.

- Rsrsrsrs’ Foi mal.

Comecei a penetrar e ele me olhando enterrar tudo nele, a cada gemido seu eu dizia baixinho;

- Xiiuuuuuuuuu!

Enfiei tudo e me deitei sobre ele, segurando suas mãos para baixo, ele subiu uma das mãos segurando em minha bunda. Cara o lubrificador era muito bom, pois acho que judiei dele.

Beijei em sua boca para começar a bombar, tipo muito forte só pra ver a sua feição de dor, quando mais eu enfiava forte ele empinava sua bunda, estava encaixando muito gostoso;

- Assim não vou demorar pra gozar.

Ele sorriu e disse;

- E assim?

Porra eu estava fodendo ele com força e Miguel ainda rebolou com meu cassete dentro, é não demorou muito eu gozei dentro dele. Ao se virar tirei a camisinha e ele não tinha gozado ainda.

Peguei outra camisinha, vesti e passei mais lubrificante, virei ele de lado, eu de joelhos voltei a penetrar nele, segurando sua perna. Dessa vez ele teve que abafar no travesseiro pois foram estocadas fortes, eu rebolava e forçava o que conseguia, Miguel começou a se masturbar, eu então diminui a velocidade e enfiei um dedo junto na sua bunda, depois outro, estava com três dedos dentro dele e ainda penetrando. A cara que ele fazia era sem palavras, ao gozar mordeu os lábios eu abaixei e mordi sua boca, ele me deu um beijo de língua muito gostoso, tanto que me fez gozar novamente.

Ficamos se beijando ali no chão por um bom tempo, e conversando besteira. Bem tomamos um banho rápido pois no dia seguinte iriamos acordar cedo e já estava tarde.


4 visualizações0 comentário
Assine para ser o primeiro a receber os capítulos 

Siga a gente:

©2015 por Armário Erótico Todos Direitos Reservados. Criado orgulhosamente com Richardson Garcia